DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

of 76 /76
DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES E SUAS FONTES Nívea Cordeiro Nívea Cordeiro 2012 2012

Transcript of DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Page 1: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTESE SUAS FONTES

Nívea CordeiroNívea Cordeiro

20122012

Page 2: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

No Direito, fonte tem o sentido de origem, lugar de onde se emanam as normas e os

princípios jurídicos.

Page 3: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

As fontes podem ser:

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Page 4: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Fontes do Direito Tributário

Formais Não Formais

Principais Secundárias

LeisTratados

Internacionais

DecretosNormas

Complementares

CostumesDoutrina

Jurisprudência

Page 5: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Formais = Principais

São as que podem inovar na ordem jurídica; podem criar, modificar ou extinguir preceitos/normas legais

Exemplo: Lei,Tratados e

Convenções Internacionais

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Page 6: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Formais = Secundárias

São as que não podem inovar na ordem jurídica;

Sua função é esclarecer, interpretar, dar detalhes de aplicação relativos às disposições das fontes principais.

Exemplo: regulamentação, jurisprudências, costume.

Page 7: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Com este estudo, adentra-se no LIVRO SEGUNDO do CTN que define a expressão LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA, tratada a partir do art. 96.

Page 8: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Legislação Tributária

Leis

Tratados e Convenções Internacionais

Decretos

Normas Complementares

Page 9: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 96. A expressão "legislação tributária" compreende as leis, os tratados e as convenções internacionais, os decretos e as normas complementares que versem, no todo ou em parte, sobre tributos e relações jurídicas a eles pertinentes.

Page 10: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Fontes Fontes PrimáriasPrimárias

Page 11: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

LEILEI

Lei é uma norma jurídica Lei é uma norma jurídica emanada pelo poder emanada pelo poder

competente.competente.

Page 12: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

É a lei básica, fundamental do Estado de Direito;

Ela o constitui e o estrutura;Define poderes e competências;Traça diretrizes políticas, sociais e

econômicas por elas adotadas;

Constituição Federal

Page 13: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Cria as normas jurídicas que vão organizar e sistematizar o comportamento social.

Exemplos:

- Direitos e garantias individuais e coletivos (arts. 5º ao 11, CF);- Limitações ao Poder de Tributar

(arts. 150 a 152); - O art. 59 CF/88 fala do processo legislativo.

Page 14: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Normas definidoras e sistematizadoras são as que tornam aplicável, segundo a lógica jurídica um grupo de normas relativas a determinado tipo de atividade.

Exemplo:

Page 15: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Artigos 145 a 162 da CFArtigos 145 a 162 da CFOrganizam o Sistema Tributário Nacional;Organizam o Sistema Tributário Nacional;Neles estão definidos os tributos adotados Neles estão definidos os tributos adotados

por nosso direito positivo;por nosso direito positivo;Distribuídas as competências tributárias Distribuídas as competências tributárias

da U. E. DF e M;da U. E. DF e M;Estabelecidas as limitações ao poder de Estabelecidas as limitações ao poder de

tributar etc.tributar etc.

Page 16: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Artigos 170 a 181 da CFArtigos 170 a 181 da CFDispõe sobre os Princípios Gerais da Dispõe sobre os Princípios Gerais da

Atividade Econômica;Atividade Econômica;

Neles estão definidos, como princípios, o Neles estão definidos, como princípios, o tratamento favorecido para as empresas tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte, a livre iniciativa, a de pequeno porte, a livre iniciativa, a

defesa do consumidor etc.defesa do consumidor etc.

Page 17: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Artigos 194 a 204 da CFArtigos 194 a 204 da CF

Dispõe sobre a Seguridade Social;Dispõe sobre a Seguridade Social;Neles estão definidos a forma de seu Neles estão definidos a forma de seu

financiamento por toda a sociedade;financiamento por toda a sociedade;Os planos de previdência social, de Os planos de previdência social, de

aposentadoria; a prestação dos serviços aposentadoria; a prestação dos serviços de saúde e de assistência de saúde e de assistência social.social.

Page 18: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

As leis, no sentido jurídico e As leis, no sentido jurídico e político do termo, só podem ser político do termo, só podem ser elaboradas e promulgadas pelo elaboradas e promulgadas pelo Poder Legislativo. Poder Legislativo.

São elas:São elas:

Page 19: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 59 CF/88:Art. 59 CF/88:

Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de:

        I - emendas à Constituição;        II - leis complementares;        III - leis ordinárias;        IV - leis delegadas;        V - medidas provisórias;        VI - decretos legislativos;        VII - resoluções.        Parágrafo único. Lei complementar disporá sobre a

elaboração, redação, alteração e consolidação das leis.

Page 20: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Servem para alterar a Constituição Federal;

Não podem ser deliberadas propostas de emenda constitucional sobre as chamadas cláusulas pétreas (vide art. 60, § 4o. CF);

1 - Emendas à Constituição

Page 21: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta:

        I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal;

        II - do Presidente da República;        III - de mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da

Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros.

        § 1º - A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio.

        § 2º - A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos respectivos membros.

        § 3º - A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com o respectivo número de ordem.

        § 4º - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:

        I - a forma federativa de Estado;        II - o voto direto, secreto, universal e periódico;        III - a separação dos Poderes;        IV - os direitos e garantias individuais.        § 5º - A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida

por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesmasessão legislativa.

Page 22: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

A proposta de EC deve ser A proposta de EC deve ser discutida em cada Casa do discutida em cada Casa do

Congresso Nacional em dois Congresso Nacional em dois turnos e somente será turnos e somente será aprovada se obtiver em aprovada se obtiver em

ambos 3/5 dos votos dos ambos 3/5 dos votos dos respectivos membros.respectivos membros.

Page 23: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Têm por função completar o texto constitucional, que, por sua complexidade, são enunciados de maneira genérica para, depois de estudados e debatidos, serem complementados por lei especial;

Devem ser aprovados por maioria absoluta (art. 69, CF)

2 - Leis Complementares

Page 24: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 69. As leis complementares serão aprovadas por maioria absoluta.

Page 25: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

A maioria absoluta é obtida pelo voto de 50% + 1 de membros de cada Casa do Congresso nacional;

A maioria simples é alcançada com 50% + 1 dos presentes.

Page 26: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

As leis complementares têm caráter nacional, isto é, sobrepõem às leis ordinárias (federais, estaduais e municipais).

Page 27: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Exemplo:Exemplo:

O CTN (lei 5.172/66), O CTN (lei 5.172/66), que define as normas que define as normas gerais de direito gerais de direito tributário.tributário.

Veja….Veja….

Page 28: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

A Constituição A Constituição distribui a distribui a

competência tributária competência tributária da U, E, DF e M e diz da U, E, DF e M e diz

quais os impostos que quais os impostos que cada ente da federação cada ente da federação pode instituir.... mas...pode instituir.... mas...

Page 29: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

remete à lei complementar o remete à lei complementar o poder de definir tributos e poder de definir tributos e

suas espécies, fato gerador, suas espécies, fato gerador, base de cálculo, estabelecer base de cálculo, estabelecer normas gerais em matéria normas gerais em matéria

de legislação tributária, de legislação tributária, obrigação, lançamento, obrigação, lançamento,

crédito, prescrição e crédito, prescrição e decadência etc.decadência etc.

Page 30: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 146. Cabe à lei complementar:         I - dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;        II - regular as limitações constitucionais ao poder de tributar;        III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre:        a) definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados nesta Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes;         b) obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários;        c) adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas.        d) definição de tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte, inclusive regimes especiais ou simplificados no caso do imposto previsto no art. 155, II, das contribuições previstas no art. 195, I e §§ 12 e 13, e da contribuição a que se refere o art. 239.         Parágrafo único. A lei complementar de que trata o inciso III, d, também poderá instituir um regime único de arrecadação dos impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, observado que:         I - será opcional para o contribuinte;         II - poderão ser estabelecidas condições de enquadramento diferenciadas por Estado;         III - o recolhimento será unificado e centralizado e a distribuição da parcela de recursos pertencentes aos respectivos entes federados será imediata, vedada qualquer retenção ou condicionamento;         IV - a arrecadação, a fiscalização e a cobrança poderão ser compartilhadas pelos entes federados, adotado cadastro nacional único de contribuintes.         Art. 146-A. Lei complementar poderá estabelecer critérios especiais de tributação, com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência, sem prejuízo da competência de a União, por lei, estabelecer normas de igual objetivo.

Page 31: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Assim...Assim...O CTN é a principal lei complementar em matéria tributária.

Definida a competência tributária, cada ente federativo pode instituir, por lei ordinária, seus impostos.

Page 32: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Assim...Assim...A lei ordinária que institui esses impostos submete-se às normas gerais do CTN, que define o fato gerador, base de cálculo, o contribuinte, e dispõe sobre as normas gerais de direito tributário.

Page 33: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Exemplo:Exemplo:

O IR, apesar de ser um imposto da União, legislado por lei federal, tem definido no CTN o fato gerador (art. 43), a base de cálculo (art. 44) e o contribuinte (art. 45), bem como se submete às demais normas gerais de direito tributário (vigência, aplicação, pagamento, decadência, prescrição etc).

Page 34: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

São leis comuns elaboradas pelo Poder Legislativo federal, estadual e municipal;

Não existe qualquer tipo de hierarquia entre elas, ou seja, a lei federal não vale mais que a estadual, nem essa mais que a municipal e vice-versa.

3 - Leis Ordinárias

Page 35: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Seu processo legislativo está disciplinado no art. 61 da CF:

Art. 61. A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a qualquer membro ou Comissão da Câmara dos Deputados, do Senado Federal ou do Congresso Nacional, ao Presidente da República, ao Supremo Tribunal Federal, aos Tribunais Superiores, ao Procurador-Geral da República e aos cidadãos, na forma e nos casos previstos nesta Constituição.

Page 36: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

São leis próprias de cada ente da federação e normatizam apenas dentro de sua competência e de seu território.

Exemplo: a Lei que disciplina o ICMS de MG.; disciplina o IPTU em Sete Lagoas.

Page 37: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Entretanto, o art. 22 da CF dá competência privativa à União para legislar por lei ordinária federal sobre matérias como Direito Civil, Comercial, Penal, Processual, do Trabalho;

vide art. 22, I a XXIX, CF.

Page 38: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:        I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;        II - desapropriação;        III - requisições civis e militares, em caso de iminente perigo e em tempo de guerra;        IV - águas, energia, informática, telecomunicações e radiodifusão;        V - serviço postal;        VI - sistema monetário e de medidas, títulos e garantias dos metais;.......

Page 39: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Também são leis comuns, porém elaboradas pelo Presidente da República por delegação do Congresso nacional, observado o que for competência exclusiva. Vide art. 68 da CF/88:

4 – Leis Delegadas

Page 40: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 68. As leis delegadas serão elaboradas pelo Presidente da República, que deverá solicitar a delegação ao Congresso Nacional.

        § 1º - Não serão objeto de delegação os atos de competência exclusiva do Congresso

Nacional, os de competência privativa da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal, a matéria reservada à lei complementar, nem a legislação sobre:

        I - organização do Poder Judiciário e do Ministério Público, a carreira e a garantia de seus membros;

        II - nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e eleitorais;

        III - planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamentos.

        § 2º - A delegação ao Presidente da República terá a forma de resolução do Congresso Nacional, que especificará seu conteúdo e os termos de seu exercício.

        § 3º - Se a resolução determinar a apreciação do projeto pelo Congresso Nacional, este a fará em votação única, vedada qualquer emenda.

Page 41: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Têm força de lei e só podem ser instituídas em caso de relevância e urgência pelo Presidente da República (e apenas por ele), que as submeterá de imediato ao Congresso Nacional para que este as converta em lei, conforme art. 62, CF:

5 - Medidas Provisórias

Page 42: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 62. Em caso de relevância e urgência, o Presidente da República poderá adotar medidas provisórias, com força de lei, devendo submetê-las de imediato ao Congresso Nacional.

Page 43: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 62 ……

§ 3º As medidas provisórias, ressalvado o disposto nos §§ 11 e 12 perderão eficácia, desde a edição, se não forem convertidas em lei no prazo de sessenta dias, prorrogável, nos termos do § 7º, uma vez por igual período, devendo o Congresso Nacional disciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas delas decorrentes.

     § 7º Prorrogar-se-á uma única vez por igual período a vigência de medida provisória que, no prazo de sessenta dias, contado de sua publicação, não tiver a sua votação encerrada nas duas Casas do Congresso Nacional.

MP?!?

Page 44: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 62 ……

§ 11. Não editado o decreto legislativo a que se refere o § 3º até sessenta dias após a rejeição ou perda de eficácia de medida provisória, as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante sua vigência conservar-se-ão por ela regidas.

    

    § 12. Aprovado projeto de lei de conversão alterando o texto original da medida provisória, esta manter-se-á integralmente em vigor até que seja sancionado ou vetado o projeto.

MP?!?

Page 45: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

No que se refere a impostos, sua instituição

ou majoração só produzirá efeito no exercício financeiro, desde que a respectiva MP seja convertida em lei até o último dia do ano em que foi editada (§ 2o., art. 62, CF), observado a noventena.

Page 46: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 62…..Art. 62…..§ 2º Medida provisória que implique instituição ou § 2º Medida provisória que implique instituição ou majoração de impostos, exceto os previstos nos arts. majoração de impostos, exceto os previstos nos arts. 153, I, II, IV, V, e 154, II, só produzirá efeitos no 153, I, II, IV, V, e 154, II, só produzirá efeitos no exercício financeiro seguinte se houver sido convertida exercício financeiro seguinte se houver sido convertida em lei até o último dia daquele em que foi editada.em lei até o último dia daquele em que foi editada.

Page 47: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

        I - importação de produtos estrangeiros;

        II - exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionalizados;

        III - ........

        IV - produtos industrializados;

        V - operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários;

        VI - .............

        VII - ............

Art. 154. A União poderá instituir:

        I - .............

        II - na iminência ou no caso de guerra externa, impostos extraordinários, compreendidos ou não em sua competência tributária, os quais serão suprimidos, gradativamente, cessadas as causas de sua criação.

Page 48: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

São atos do Congresso Nacional ou do Senado Federal para decidir assuntos de sua competência tais como, no caso do Senado Federal, a fixação de alíquotas interestaduais e de exportação do ICMS;

Não necessitam de sanção do Presidente da República.

6 - Resoluções (do Senado) – art. 59 CF

Page 49: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

São acordos celebrados pelos Executivos de dois estados soberanos que, para vigorarem em seus territórios, devem ser aprovados pelos Legislativos respectivos;

Só podem ser aprovados ou rejeitados em sua totalidade, não sendo admissíveis emendas ou vetos parciais.

Tratados e Convenções Internacionais

Page 50: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Fontes Fontes SecundáriasSecundárias

Page 51: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Tem como função interpretar a lei e dar detalhes para sua aplicação pratica. São, respectivamente:

Decretos;Normas Complementares das LeisTratados e Decretos

Regulamentação

Page 52: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

a) Decretos (art. 99 CTN)

São normas jurídicas elaboradas e promulgadas pelo Executivo.

Não podem ir além do que já foi estabelecido pela Lei ou pelos Tratados e Convenções Internacionais.

Limitam-se a dar detalhes de aplicação prática. Ex.: Decreto 3.000/99 – RIR.

Regulamentação

Page 53: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 99. O conteúdo e o alcance dos decretos restringem-se aos das leis em função das quais sejam expedidos, determinados com observância das regras de interpretação estabelecidas nesta Lei.

Page 54: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

b) Normas Complementares das Leis, Tratados e Decretos

São as previstas no art. 100, CTN. Representam orientações dadas pelas autoridades administrativas a seus subordinados.

Exs.: Portarias, Ordens de Serviço, Circulares, Pareceres, Instruções Normativas, Atos Declaratórios etc.

Regulamentação

Page 55: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 100. São normas complementares das leis, dos tratados e das convenções internacionais e dos decretos:

        I - os atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas;

        II - as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa, a que a lei atribua eficácia normativa;

        III - as práticas reiteradamente observadas pelas autoridades administrativas;

        IV - os convênios que entre si celebrem a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios.

        Parágrafo único. A observância das normas referidas neste artigo exclui a imposição de penalidades, a cobrança de juros de mora e a atualização do valor monetário da base de cálculo do tributo.

Page 56: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Fontes Não Fontes Não FormaisFormais

Page 57: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

São o conjunto de decisões reiteradas proferidas pelos juizes e tribunais, no mesmo sentido e em casos semelhantes.

Não têm poder normativo, mas, valem como precedente que pode ser alegado perante os juizes e tribunais.

As decisões dos tribunais superiores, proferidas reiteradamente sobre determinadas causas, são unificadas e editadas de forma resumida.

Jurisprudências

Page 58: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

É a prática adotada pela maioria dos particulares, na ausência de lei;

A Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro (Decreto-lei 4.657/42) diz em seu art. 4º:

“Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito.”

Vide também o art. 108 do CTN.

Costumes

Page 59: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

Art. 108. Na ausência de disposição expressa, a autoridade competente para aplicar a legislação tributária utilizará sucessivamente, na ordem indicada:

        I - a analogia;        II - os princípios gerais de direito

tributário;        III - os princípios gerais de direito público;        IV - a eqüidade.

Page 60: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

É a produção de doutores, juristas e estudiosos do direito, constituída pela elaboração de conceitos, explicação de institutos jurídicos, métodos de interpretação, encontrados na literatura do Direito.

Doutrina

Page 61: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

X

Xx

X

X

X

X

X

x

E para finalizar.....

Page 62: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

As Duas Pulgas                                                    

*Max Gehringer*                                              Muitas empresas caíram e caem na armadilha

das mudanças drásticas decoisas que não precisam de alteração, apenas aprimoramento.

O que lembra a história de duas pulgas.                                               

Page 63: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Duas pulgas estavam conversando e então uma comentou com a outra:                                                                                  - Sabe qual é o nosso problema? Nós não voamos, só sabemos saltar.

Daí nossa chance de sobrevivência quando somos percebidas pelo cachorro é zero.

É por isso que existem muito mais moscas do que pulgas.           

Page 64: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Elas então contrataram uma mosca como consultora, entraram num programa de reengenharia de vôo e saíram voando.                                                                                                             Passado algum tempo, a primeira pulga falou para a outra:                 

Page 65: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

- Quer saber? Voar não é o suficiente, porque ficamos grudadas ao corpo do cachorro e  nosso tempo de reação é bem menor do que a velocidade da coçada dele.                                                                           Temos de aprender a fazer como as abelhas, que sugam o néctar e levantam vôo rapidamente.                                                     

Page 66: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Elas então contrataram o serviço de consultoria de uma abelha, que lhes ensinou a  técnica do chega-suga-voa.

Funcionou, mas não resolveu... A primeira pulga explicou porquê:                             

       

Page 67: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

- Nossa bolsa para armazenar sangue é pequena, por isso temos de ficar  muito tempo sugando.

Escapar, a gente até escapa, mas não estamos nos alimentando direito. Temos de aprender como os pernilongos fazem para se  alimentar com aquela rapidez.                                             

Page 68: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

E então um pernilongo lhes prestou uma consultoria para incrementar o   tamanho do abdômen.                                                   

Resolvido, mas por poucos minutos.... Como tinham ficado maiores, a   aproximação delas era facilmente percebida pelo cachorro, e elas eram espantadas antes mesmo de pousar.                                         

Page 69: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Foi aí que encontraram uma saltitante pulguinha, que lhes perguntou:

Ué, vocês estão enormes! Fizeram plástica?                             

                                                                           - Não, reengenharia. Agora somos pulgas adaptadas aos desafios do século XXI. 

Voamos, picamos e podemos armazenar mais alimento.                 

Page 70: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

- E por que é que estão com cara de famintas?                                                                                                    - Isso é temporário. Já estamos fazendo consultoria com um morcego, que vai nos ensinar a técnica do radar. E você?                                                                                                      - Ah, eu vou bem, obrigada. Forte e sadia.                               

Page 71: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Mas as pulgonas não quiseram dar a pata a torcer, e perguntara m à pulguinha:                                                                                                                                           - Mas você não está preocupada com o futuro? Não pensou em uma   reengenharia?                                                                                                                                        - Quem disse que não? Contratei uma lesma como consultora.             

Page 72: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

                                                                            - Mas o que as lesmas têm a ver com pulgas. quiseram saber as pulgonas...                                                                           - Tudo. Eu tinha o mesmo problema que vocês duas.                       

Page 73: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Mas, em vez de dizer para a lesma o que eu queria, deixei que ela         avaliasse a situação e me sugerisse a melhor solução.

E ela passou três dias ali, quietinha, só observando o cachorro e então ela me disse:

Page 74: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

"Não mude nada.

Apenas sente na nuca do cachorro.

É o único lugar que a pata dele não alcança".           

Page 75: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

MORAL:                                                                                                                                             Você não precisa de uma reengenharia radical para ser mais eficiente.

Muitas vezes, a GRANDE MUDANÇA é uma simples questão de reposicionamento.

Page 76: DIREITO TRIBUTÁRIO E SUAS FONTES Nívea Cordeiro 2012.

Até a próxima aula!!!!