Ppp escola madrid

Click here to load reader

  • date post

    03-Jul-2015
  • Category

    Education

  • view

    11.062
  • download

    1

Embed Size (px)

description

ppp

Transcript of Ppp escola madrid

  • 1. ProjetoPolticoPedaggicoATUALIZAO 2012 E. M. 02.09.008 Madrid

2. Nossa equipe em 2012 Diretora: Iara Cristina Vieira Diretora-Adjunta: Ana Paula Martins Coordenadora Pedaggica: Dayse GuimaresOrientadora Educacional: Regina Helena F. de Carvalho Sala de Leitura: Isabel Cristina Sampaio Agente Educador: Marion e Ricardo Secretaria (Professores Readaptados):Tereza Guacyra, Maria Luza Apoio: Regina Coeli e Lourdes. 3. Nossos Professores:Adriana, Ana Maria, Andr, Andra Pcora, Andra Tostes, Angela,Claudia Soares,Claudia Moura, Denise, Glria, Jos Guilherme, Nvea, Pedro, Regina Celia,. Roberta, Rosangela, Teresa, Valria, Vera Ftima. 4. Localizao:Rua Maxwell, n 8 CEP: 20541-100 - Vila IsabelRio de Janeiro - RJ Telefone: 2204 2374E-mail: emmadrid@rioeduca.net 5. A Escola Municipal Madrid foi inaugurada em agosto de 1958.Abriga alunos do 6 ao 9 ano. Possui um espao pequeno para seus mais de 300 alunos,distribudos em dois turnos: manh e tarde. So cinco salas de aula, a Sala de Leitura, o Refeitrio, a Sala dos Professores, o Laboratrio de Informtica, a Direo/Secretaria, umaestreita rea externa e uma pequena quadra de esportes.A Sala de Leitura possui um acervo de mais de dois mil livros, CDs e DVDs. Todas as salas soequipadas com projetor multimdia, caixas de som e aparelhos de ar-condicionado. A Escola possui alguns aparelhos de DVD, netbooks da Educopdia, projetor PROINFO e netbooks doProjeto DCA.Entretanto, apesar de no dispor de um amplo espao fsico, a Escola goza de um timo prestgiona comunidade, em vista de seu trabalho de qualidade. 6. ESCOLA"Conhecer a escola mais de perto significa colocar uma lente de aumento na dinmica das relaes einteraes que constituem seu dia-a-dia, apreendendo as foras que a impulsionam ou que a retm, identificando as estruturas de poder e os modos de organizao do trabalho escolar,analisando a dinmica de cada sujeito nessecomplexo interacional." ANDR, M.E.D.A. (1995) 7. Somos uma Escola que, desde 1958, vem educandogeraes e procurando, de forma processual,construir, formalizar e fundamentar prticascurriculares direcionadas formao de sereshumanos autnomos, contribuindo na formao delideranas capazes de atuar no mundo da cidadaniacom senso crtico, criatividade e valores ticos,sabendo articular o conhecimento com a prticacotidiana. 8. JUSTIFICATIVACom a globalizao, as diferenas scio-econmicas se tornaram mais acentuadas, favorecendo amassificao da cultura e o poder das foras dominantes. Assim, assistimos ao crescente desempregoe injusta desigualdade social. Com este quadro poltico percebe-se a dificuldade ao acesso educao de qualidade. Uma escola mais democrtica, em concordncia com a realidade do mundo o que todos desejam. Para tanto, necessria uma maior participao da comunidade escolar, atravs de debates equestionamentos por parte de todos os segmentos, na busca de solues. Devido a esse contexto social, a famlia se v totalmente absorvida na luta pela sobrevivncia e na sua prpria reestruturao, sentindo-se desamparada diante dos problemas cotidianos,impossibilitando-se na orientao aos seus filhos. Desta forma, a escola se sobrecarrega de atribuies, nem todas pertinentes a suas funes ou possveis de serem cumpridas, sendo necessrio, portanto, que escola e famlia formem uma aliana a fim de atuarem em parceria naformao dos futuros cidados, desenvolvendo-lhes valores e conceitos essenciais para uma vida emcomunidade.FAMLIA ESCOLA 9. Felizes os Educadoresque iluminam sua prtica com o sonho de um futuro novo emque as pessoas aprendam, atravs de novas relaes sociais, aslies da justia e da solidariedade. Infelizes os Educadoresque no sonham porque no tero a coragem de secomprometer na luta criadora de uma nova sociedade apartir de sua prtica educativa.Jos Ivan Pimenta Tefilo 10. Apresentamos a nossa Bandeira,criada por nossos alunos em 2008: 11. NOSSOS EIXOS NORTEADORES:Leitura e Escrita - Acreditamos que ler e escrever seja uma responsabilidade e compromissoexigido em todas as reas. No se deve ter uma viso simplista, de que aps a chamada "fasede alfabetizao" todos sabem ler e escrever. Pensamos que a escola, como um todo, devepossibilitar a ampliao da leitura de mundo, questionando e apresentando novas perspectivaspara diferentes anlises dos eventos que esto ao redor do alunado, apontando caminhos eprojetando horizontes. Somente assim conseguiremos representar e ler este mundo com umaamplitude maior.No nos resta dvida da necessidade de formar leitores capazes de ler e compreendercriticamente o que se l. preciso ficar atento que no importa o que se l, mas o como se l e oquanto a leitura e a escrita influenciam e determinam a conduo da vida de cada um.Desenvolvimento do Raciocnio - A Madrid continua acreditando num ensino pautado peloraciocnio lgico, em detrimento do mecnico e automtico, que faa de nosso aluno um merorob, pois o alvo um ser ativo, reflexivo e participante do que ocorre a sua volta. Trocando em midos, a base do nosso PPP no se limita apenas a transmitir umaavalanche de informaes, mas desenvolver valores essenciais de maneira a formar sujeitos conscientes da realidade que os cercam e capazes de continuar a aprender e atuarcomo cidados ativos e produtivos na sociedade. 12. MOMENTOS IMPORTANTESCEs - Os Centros de Estudos ocorrem semanalmente. Ocasionalmente, de acordo com oCalendrio da SME, temos o CE Integral, no qual se tem reunidos um maior nmero deprofessores e um maior tempo de atividades. Nos CEs so abordadas questes educacionaisvariadas tais como trocas de experincias, leituras e discusses de textos, dvidas a serem sanadas(sugerindo textos e debates futuros), sugestes de temas e atividades, informes administrativos epedaggicos, entre outros; objetivando otimizar o ensino-aprendizagem em nossa Escola.AVALIAES BIMESTRAIS - Os alunos passam bimestralmente por avaliaes emanadas pelaSME para que a evoluo do aprendizado seja percebida e as aes replanejadas.AVALIAES EXTERNAS - Os alunos participam de avaliaes municipais, como a Prova Rio,gerando o ndice IDE RIO, e avaliaes federais, como a Prova Brasil, gerando o IDEB.2 POCA - Institudo pela SME visando ao melhor aproveitamento dos estudos pelos alunos, aofinal do perodo letivo. 13. E. E. - A Educao Especial no mais concebida como um sistema educacional paralelo ousegregado, mas como um conjunto de recursos que a escola regular devera dispor para atender diversidade de seus alunos.A educao dos alunos com necessidades educacionais especiais, importante lembrar, tem osmesmos objetivos da educao de qualquer cidado. Algumas modificaes so, s vezes,requeridas na organizao e no funcionamento da educao escolar para que tais alunosusufruam dos recursos escolares de que necessitam para o alcance daqueles objetivos.Enquanto cidados de uma sociedade que se pretende democrtica, temos que defender umaeducao de qualidade para todos. E essa busca no comporta qualquer excluso, sob qualquerpretexto. fundamental, pois, a compreenso de que a incluso e integrao de qualquer cidado,depende da ao de cada um e de todos ns.Os alunos integrados na nossa Escola sero avaliados pelo Professor Regente conjuntamente com oProfessor de Sala de Recursos e/ou Professor Itinerante, como consta no Decreto n 28878, de14/12/2008. E, de acordo com o Pargrafo nico do Art. 8, o aluno com necessidadeseducacionais especiais ser avaliado, considerando-se as adaptaes curriculares propostas, o querequer o estabelecimento de estratgias de avaliao diferenciadas. 14. RP - A Recuperao Paralela ocorre durante todo o ano letivo. Cada professor cria suaestratgia para atender as especificidades dos alunos que se apresentam nessa condio. Asatividades de trabalho incluem monitoria, debates, pesquisas em grupo ou em dupla, estudodirigido com a utilizao de diferentes linguagens, exerccios domiciliares e re-fazer de provas,por exemplo.O trabalho diversificado elaborado pelo professor tem o intuito de resgatar contedos nodominados pelo educando no ano letivo em questo.AVALIAO - A avaliao dos alunos da Rede Publica Municipal de Ensino e regida porResoluo da SME. Em reunio com responsveis no incio do ano letivo so explicitadas asformas de avaliao da Escola, bem como os conceitos em vigor: MB, B, R e I.Nossa Escola entende a avaliao como sendo um processo, e no um momento estanque daeducao. Sendo assim, ser consolidada em diferentes momentos e por variadas atividades, taiscomo: pesquisas, trabalhos realizados individualmente ou em grupo, testes, provas, debates,participao, observao dos diferentes aspectos do desenvolvimento do aluno, auto-avaliao eo que mais for proposto.COC - O Conselho de Classe, espao escolar democrtico por excelncia, e realizadoconforme o Calendrio Escolar definido pela SME. Seus participantes, bem comoobjetivos so regidos pelo Decreto NQ 30.426, de 26 de janeiro de 2009 e pela DeliberaoE/CME n 19, de 17 de maro de 2009. 15. MissoEducar os jovens para se tornarem cidados do mundo, respeitando sua individualidade e ampliando seu potencial interpessoal, formando-os comuma conscincia democrtica e ambiental.Contribuir para a formao tica de nossos alunos por meio de aes decarter educacional e cultural, tornando-os capazes de criar, em cooperaocom os demais membros da comunidade escolar, uma ordem social na qual sepossa viver com dignidade. 16. VisoSer uma escola coesa, responsvel, crtica, inovadora e aberta ao mundo. Consolidar a melhoria das aprendizagens escolarese dos ndices de sucesso, envolvendo a comunidade escolar no processo educativo. 17. Valores Nossos valores baseiam-se em inovao, comprometimento,solidariedade, cooperao, competncia, criatividade, qualidade, tica, iniciativa, responsabilidade social, e ambiental, valorizao da educao e do conhecimento, respeito, parceria,dilogo e capacidade de argumentao. 18. ObjetivosObjetivamos ser um espao para a construo de relaes e vivncias, de troca de experincias educacionais e culturais, visando aprimorar habilidades e capacidades. Buscamos ser uma escola que possua transparncia administrat