ADITIVOS & INGREDIENTES NA INDÚSTRIA DE AmINOácIDOS .1 ADITIVOS & INGREDIENTES ESpEcIAl...

download ADITIVOS & INGREDIENTES NA INDÚSTRIA DE AmINOácIDOS .1 ADITIVOS & INGREDIENTES ESpEcIAl AmINOácIDOS

of 6

  • date post

    01-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ADITIVOS & INGREDIENTES NA INDÚSTRIA DE AmINOácIDOS .1 ADITIVOS & INGREDIENTES ESpEcIAl...

  • 1

    AD

    ITIV

    OS

    & I

    NG

    RE

    DIE

    NT

    ES

    ESpEcIAl AmINOcIDOS

    O espectro dos aditivos e ingredientes utilizados no setor de aminocidos bastante amplo. Neste Caderno Especial, apresentada uma coletnea de technical papers redigidos pelo departamento competente de algumas grandes empresas atuando neste ramo especfico. Alguns deles so mais tcnicos, enquanto outros tm um discreto toque promocional. Aditivos & Ingredientes no interferiu no contedo nem na redao dos artigos, somente tentou dar uma apresentao grfica mais amigvel. O leitor poder tambm observar que, fiis aos nossos princpios, a publicao destas matrias no foi vinculada publicao de anncios.

    ADITIVOS & INGREDIENTES

    NA INDSTRIA DE AmINOcIDOS

  • INTRODuOCom o grande desenvolvimento

    da cincia nutricional e da medicina pelo qual a humanidade vem passan-do nas ltimas dcadas, est cada vez mais claro que a alimentao est diretamente ligada qualidade de vida e longevidade da populao. O conceito de que alimentar a simples ao de comer ficou ultra-passado. Claramente se consolida o conceito de que alimentao o ato de nutrir, ou seja, prover nutrientes diversos que promovam a manuten-o da boa sade e qualidade de vida populao, que proporcionem uma maior longevidade e que, na medida do possvel, auxiliem na reduo dos fatores de risco para o desenvolvi-mento de doenas.

    Diante deste panorama, a cincia dos aminocidos - nu-triente vital existncia dos seres vivos - que vem se desenvolvendo desde o incio do sculo 20 e que teve um grande marco para a medicina moderna em meados dos anos 50, com o desenvolvimento da nutrio parenteral, atualmente est sendo amplamente reconhecida como uma importante estratgia na cincia nu-tricional. A disseminao

    AMINOCIDOS - ESTRATGIA

    NUTRICIONAL PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA

    do uso dos aminocidos e o aprimo-ramento de sua cincia nos ltimos anos vm permitindo as mais diversas aplicaes destes nutrientes como ingredientes em uma ampla gama de alimentos lanados nos mercados de pases desenvolvidos, como o japons, europeu e americano, contribuindo assim com o bem estar e sade da sociedade.

    O uso de aminocidos nas formu-laes de bebidas, iogurtes, cereais matinais e em barras, suplementos alimentares entres outras variedades de alimentos, vem assumindo papel de destaque na indstria aliment-cia mundial e se mostrando como tendncia, como mostram os dados de renomados institutos de pesqui-sa como Mintel e Euromonitor. O aprimoramento desta cincia tem despertado o interesse na utiliza-

    o destes nutrientes, encontrados naturalmente em alimentos como leites e carnes, atravs de sua adio aos alimentos industrializados, de forma a oferecer s populaes dos grandes centros urbanos, em meio ao seu estilo de vida catico, uma forma de suprir o organismo com estes nu-trientes, essenciais manuteno de uma dieta saudvel,

    Nota-se como tendncia mundial o uso de diversos aminocidos pela indstria alimentcia na explorao de suas funcionalidades para a pre-veno da sarcopenia, no fortaleci-mento do sistema imunolgico, na recuperao do trato digestivo, alm claro, do campo mais explorado, que o seu papel no condicionamen-to fsico e construo muscular. Essa tendncia dever ser notada no Brasil nos prximos anos, mas ainda h

    muito para se desenvolver no campo regulatrio de nosso pas.

    lEucINA pARA SARcOpENIA

    Sarcopenia um pro-cesso natural decorrente do envelhecimento que causa a diminuio da massa muscular esque-ltica e est associada perda de fora muscular, o que afeta diretamente

    a mobilidade e sade dos idosos. Os mecanismos que conduzem sarco-penia ainda no foram totalmente esclarecidos, mas sabe-se que esto relacionados ao desequilbrio entre as taxas de sntese de protenas e sua degradao.

    Devido ao aumento da expecta-tiva de vida da populao mundial, a sarcopenia vem se tornando uma questo de sade pblica com relati-vo destaque no mundo desenvolvido e pode ser comparado osteoporose, que tambm uma doena relaciona-da idade, porm se refere perda de massa ssea. A combinao de osteoporose e sarcopenia resulta na significativa fragilidade frequente-mente encontrada na populao ido-sa e pode ser prejudicial a ponto de impedir que uma pessoa idosa tenha uma vida independente, necessitando de assistncia e cuidado constantes e est ligada reduo do equilbrio, perda de agilidade, quedas e fraturas.

    Em idosos o efeito anablico da ingesto de alimentos na sntese da protena muscular substancial-mente reduzido e diversos estudos cientficos, como o de Ren Koopman e colaboradores em 2006, mostram que a suplementao com leucina tem sido uma estratgia eficaz para reduzir a degradao de protenas musculares e por estimular a sntese protica na terceira idade.

    Este fato pode estar relacionado ao potencial da leucina para esti-mular a sntese protica atravs da ativao da via da mTOR (alvo da rapamicina em mamferos), que su-gere que a insulina potencializa a via de sinalizao da protena facilitando sua sntese na presena da leucina. Ou seja, a leucina tem se mostrado como modulador da via de sinali-zao da sntese protica, segundo Morgana Rabelo Rosa em sua tese de mestrado, pelo instituo de biologia da UNICAMP.

    Potencial de mercadoDados cientficos que mostram

    o uso de leucina como aliado na preveno da sarcopenia esto sendo utilizados pela indstria alimentcia na inovao e no desenvolvimento

    de novos produtos, como bebidas enriquecidas com leucina, barras de cereais e outros, destinados a um nicho de mercado com alto potencial de consumo e franca expanso, que o pblico composto por pessoas acima dos 50 anos de idade, como mostra o artigo Cereal, Energy and Snack Bars, publicado por Marcia Mogelonsky em agosto de 2010 no portal Mintel.

    sabido, porm, que em situaes de maior atividade fsica, a disponibili-dade de glutamina encontra-se redu-zida e a quantidade disponvel para o sistema imunolgico ser limitada, representando uma potencial fraque-za para o corpo humano.

    Existem evidncias de que o exer-ccio fsico prolongado pode causar danos ao sistema imunolgico e que esse fato est relacionado disponibi-

    lidade de glutamina, como mostram estudos desenvolvidos no departamen-to de bioqumica da Universidade de Oxford e publicaes do International Journal of Sports Medicine.

    O estudo publicado por Linda M. Castell e Eric A. Newsholme em 2001 evidenciou o papel da glutamina na preveno a imunodepresso aps re-alizao de exerccio fsico mostrando que a administrao de bebidas conten-do doses determinadas de glutamina diminuiu a incidncia de infeces em atletas na semana seguinte da prtica de exaustiva de exerccios fsicos pelo simples fato de restabelecer os nveis fisiolgicos e tornar a glutamina mais prontamente disponvel para as clulas do sistema imunolgico.

    Potencial de mercadoEstudos como estes tem sido de

    suma importncia para proporcionar indstria de bebidas informaes que esto permitindo a formulao de alimentos e bebidas base de glutamina para o consumo de atle-

    GluTAmINA NO SISTEmA ImuNOlGIcO

    O carboidrato glicose a principal fonte de energia que o corpo huma-no possui para desempenhar suas funes vitais, desde uma simples contrao muscular at como energia para clulas do sistema imunolgico.

    comprovado cientificamente que as clulas do sistema imunolgi-co, como os linfcitos e macrfagos, utilizam em grande quantidade, alm da glicose como fonte de energia, a glutamina, o aminocido mais abun-dante no sangue.

    A glutamina necessria ao uso como nutriente para as clulas de defesa do organismo liberada prin-cipalmente do tecido muscular. Em situaes como o do estresse fsico, a protelise muscular ativada para liberao do aminocido, o que suge-re a convenincia da suplementao com o aminocido ps-exerccio.

    3

    AD

    ITIV

    OS

    & I

    NG

    RE

    DIE

    NT

    ES

    2

    AD

    ITIV

    OS

    & I

    NG

    RE

    DIE

    NT

    ES

    ESpEcIAl AmINOcIDOSESpEcIAl AmINOcIDOS

  • tas em busca da manuteno de sua sade fsica.

    Mercados mais evoludos no que-sito de funcionais como o Japons, j h muitos anos vem se beneficiando das funcionalidades dos aminocidos, proporcionado sua populao o acesso a uma ampla gama de ali-mentos que, aliados a um estilo de vida saudvel promovem uma melhor qualidade de vida.

    GluTAmINA NO TRATO INTESTINAl

    Os entercitos - um tipo de clula da camada superficial do intestino delgado e grosso - so consumidores vorazes de glutamina, sendo respon-sveis pelo consumo de 50% a 60% da glutamina que obtida por meio da dieta tradicional.

    A glutamina desempenha impor-tantes papis na proteo do intes-tino, melhorando a permeabilidade intestinal a nutrientes, sua capacida-de de absoro e diminuindo efeitos colaterais da enterocolite, segundo Linda M. Castell no Sports Medicine - 2003. Alm disso, a suplementao da glutamina no tratamento de l-ceras tambm bastante difundida, sendo utilizada inclusive como prin-cipio ativo de medicamentos com funes teraputicas reconhecidas.

    Potencial de mercadoO desenvolvimento do conheci-

    mento a respeito das funcionalidades da glutamina vem proporcionando novas aplicaes a este aminocido - j amplamente utilizado com fins te-raputicos - agora como ingrediente funcional na produo de iogurtes que proporcionam a manuteno da sade do trato intestinal, em pases asiticos como, por exemplo, o Japo.

    Este uso da glutamina tem um grande potencial para se tornar uma tendncia mundial, visto que segun-do a pesquisa publicada no 19th an-nual Shopping for Health survey from the Food Marketing Institute (FMI) and Prevention Magazine, 66% dos entrevistados procuram por alimen-tos funcionais que tenham como claim a sade intestinal /digestiva.

    Referncias bibliogrficasKoopman, R. et al. Co-inges