TERMOS GERAIS. TERMOS GERAIS PODEM SER MUITO VARIADOS: Nomes contáveis,, Nomes contáveis como...

download TERMOS GERAIS. TERMOS GERAIS PODEM SER MUITO VARIADOS: Nomes contáveis,, Nomes contáveis como cavalo, tigre, Nomes de massa,, Nomes de massa como água,

If you can't read please download the document

  • date post

    17-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    147
  • download

    36

Embed Size (px)

Transcript of TERMOS GERAIS. TERMOS GERAIS PODEM SER MUITO VARIADOS: Nomes contáveis,, Nomes contáveis como...

  • Slide 1
  • TERMOS GERAIS
  • Slide 2
  • TERMOS GERAIS PODEM SER MUITO VARIADOS: Nomes contveis,, Nomes contveis como cavalo, tigre, Nomes de massa,, Nomes de massa como gua, ouro, Termos de espcie natural, Termos de espcie natural como gua, ouro. cavalo, tigre. Termos sociais, Termos sociais como professor, ditador Termos de artefatos,,... Termos de artefatos como cadeira, computador, catedral...
  • Slide 3
  • descritivista 1)Teoria descritivista dos termos gerais: uma extenso da teoria descritivista dos nomes prprios (Mill, Carnap, Hempel...) grande felino asitico quadrpede carnvoro com pelo amarelo e listas escuras transversais Ex: Tigre = (Dt) grande felino asitico quadrpede carnvoro com pelo amarelo e listas escuras transversais. Explica porque (a) Tudo o que tem corao tem corao difere em sentido de (b) Tudo o que tem corao tem rins. A extenso a mesma, mas o sentido diferente, pois a palavra corao abrevia uma descrio diferente da palavra rins. Corao Rins rgo que serve para rgo que serve para limpar bombear o sangue o sangue extenso:
  • Slide 4
  • Objees teoria descritivista dos termos gerais (Kripke, Putnam...): 1) Objeo modal: deveria ser analtica, mas no A descrio deveria ser analtica, mas no . Ex.: evoluo poderia produzir pequenos tigres herbvoros, sem listas, que andam sobre as patas trazeiras e so mansos como cordeiros. 2) Objeo da ignorncia e do erro: sabemos usar os termos olmo e faia, mas no sabemos descrever. (Putnam) convergentes Alguns associam palavra baleia a descrio grande peixe do mar, que errnea.........(obs. Searle: so convergentes) Tigres podem ser robots enviados por extraterrestres para nos espionar (Kripke)...
  • Slide 5
  • 2) TEORIA CAUSAL (Putnam e Kripke): propriedade essencialH2Oelemento de nmero atmico 79certo layout gentico. Soluo causalista: O sentido dos termos de espcie natural no dado tanto por descries (esteretipos), mas pela propriedade essencial. gua = H2O. Ouro = elemento de nmero atmico 79. Tigre = certo layout gentico. batismo e fundamentao mltiplacadeia causal externa. A referncia aprendida por atos de batismo e fundamentao mltipla que chegam at o falante por uma cadeia causal externa. designadores rgidos mesma essncia em todos os mundos possveis nos quais ela existe Termos de espcies naturais so designadores rgidos, referindo-se mesma essncia em todos os mundos possveis nos quais ela existe................................................................................................................. excees Problemas: H inmeras excees. Ex: artefatos no tm estrutura subjacente. Ex: cadeira = banco provido de encosto. o tipo 1)Batismo precisa ser acompanhado de descrio dizendo o tipo de coisa de que se trata. Cada coisa pode ser de muitos tipos. Ex: tigres so felinos, animais, seres vivos, objetos fsicos... (Devitt) Schwarz nota que atualmente falta qualquer consenso...
  • Slide 6
  • no ambientemeio social Quero esboar uma concepo descritivista mais sofisticada por contraste com o argumento da Terra-Gmea de Putnam, feito para demonstrar que significados no esto nas nossas cabeas, mas no ambiente ao redor e no meio social... Eis o argumento: Terra: = Terra-Gmea: Tudo e acontece igualmente em ambas. Mas na Terra o lquido transparente e inodoro, que aplaca a sede e apaga o fogo e enche os rios, lagos e mares tem uma estrutura qumica muito complexa e diferente de H2O, que pode ser simplificadamente expressa como XYZ... Da que: Se uma nave espacial da Terra visitar a Terra-Gmea, a primeira suposio ser de que a palavra gua significa l o mesmo que aqui na terra. Mas isso ser corrigido quando se descobrir que a palavra gua na Terra-Gmea significa XYZ e no H2O. Ento se dir: NA TERRA-GMEA A PALAVRA GUA QUER DIZER (MEANS) XYZ. (Putnam) no soubessem (Ou seja, sempre quis dizer xyz, mesmo que as pessoas no soubessem!)
  • Slide 7
  • Na Terra em 1750: Na Terra-Gmea em 1750 Oscar1 diz: Oscar2 diz: Isso gua Isso gua (H2O) (XYZ) Os estados mentais so idnticos. Os estados mentais so idnticos. Mas os termos tm referncias diferentes, extenses diferentes, e assim significados diferentes, devendo ser diferentemente entendidos... Mas os termos tm referncias diferentes, extenses diferentes, e assim significados diferentes, devendo ser diferentemente entendidos... (Cf. Putnam, in Pessin & Goldberg ed. The Twin Earth Chronicles, p. 11.)
  • Slide 8
  • Logo: o significado no est na cabea de Oscar1 e Oscar2, pois o que eles tm na cabea a mesma coisa! Concluses externalistas: 1) O significado (ou ao menos parte dele) est l fora, determinado pela constituio subjacente essencial das coisas... 2) E Frege estava errado: o sentido (como modo de apresentao do objeto) no determina a referncia. (No caso seria mais a referncia que determina o significado.)
  • Slide 9
  • Objeo primeira parte do argumento: Quando, aps a visita da nave espacial Terra-Gmea, se descobriu que naquele lugar a palavra gua significa XYZ, que quer dizer (means) XYZ e no H2O, e que sempre significou ou quis dizer (meant) XYZ, o que queremos dizer com significar ou querer dizer simplesmente se refere a, se referiu a. Dito em uma linguagem fregeana: estamos falando da referncia (Bedeutung) e no do sentido (Sense). Palavras como significado, meaning, Bedeutung tem duplo sentido, (a) lingstico e (b) referencial. Elas podem significar o mesmo que ou referncia. Palavras como significado, meaning, Bedeutung tem duplo sentido, (a) lingstico e (b) referencial. Elas podem significar o mesmo que sentido (Sense) ou referncia. Considere a frase: 1.Descobriu-se que na Terra-Gmea gua sempre significou, quis dizer (se referiu a) XYZ. (OK...) 2.Descobriu-se que na Terra-Gmea gua sempre teve o sentido de XYZ. (Incorreto! O sentido lingstico era o mesmo)
  • Slide 10
  • mudouexpandiu. Vamos detalh-la Quanto a segunda parte do argumento, h uma objeo aludida pelo prprio Putnam, de que o significado de gua mudou, expandiu. Vamos detalh-la: propriedades superficiaissignificado = = estados mentais em 1750 gua significava s as propriedades superficiais. ///////////// Logo, o significado lquido transparente inodoro inspido que aplaca a sede e apaga o fogo... era = para os dois Oscares em 1750, correspondendo = estados mentais. essncia subjacente (H2O estados mentais Mas hoje gua significa.///////////// Da que hoje o significado , mas isso corresponde aos estados mentais (pois hoje Oscar1 pensaria H2O e Oscar2 pensaria XYZ). Logo, os significados (lingsticos) no precisam estar fora das cabeas!
  • Slide 11
  • Resposta de Putnam: significado de gua sempre foi mesmidade-Laparncia superficial essncia subjacente No. O significado de gua sempre foi o mesmo, pois ele sempre veio associado a uma relao teortica de mesmidade-L (sameness-L) da aparncia superficial com a suposta essncia subjacente da maioria das amostras, que na poca era desconhecida e que hoje a cincia demonstrou ser H2O. 1750 = gua -> significava mesmidade-L da aparncia com a ? 1811 (Avogadro) =... 1850 =... 1950 = gua -> significa mesmidade-L essncia da aparncia com a essncia subjacente subjacente H2O H2O
  • Slide 12
  • Problema: essa no parece ser a resposta mais intuitiva. 1) Imagine que voc pea um copo dagua hoje sem saber que XYZ. Voc est usando a palavra gua com significado (sentido) diferente? (Parece que no... Ao menos enquanto significado no for entendido como a referencia.) 2) Que dizer do Oscar das cavernas (circa 30.000 a.C.)? Ser que quando ele falava de gua ele pressupunha uma relao de mesmidade-L com alguma essncia subjacente, de modo a significar H2O? 3) Sem dvida, em 1750 Oscar j admitiria uma relao de mesmidade-L com alguma essncia subjacente X, desconhecida, que estava por ser descoberta.. mas isso no o mesmo que admitir mesmidade com H2O.
  • Slide 13
  • no diria que gua SIGNIFICAVA (tinha o sentido de) H2O em 1750. Ele diria que este o SENTIDO que ele EST DANDO palavra HOJE 4) Se Oscar viesse a ns trazido pela mquina do tempo, tendo aprendido que a nossa gua H2O e a da Terra-Gmea XYZ, ele no diria que gua SIGNIFICAVA (tinha o sentido de) H2O em 1750. Ele diria que este o SENTIDO que ele EST DANDO palavra HOJE. sereferindo era H2Oera tambm diferente, restringindo-se terraMas para tal ele usa o sentido atual, recm-adquirido do termo como guia para redimensionar referncia e extenso no passado (Frege: intenso determina extenso) Alm do mais, essa projeo s possvel porque referncia e extenso so coisas por definio extra-mentais e extra-lingsticas. 5) O Oscar trazido aos tempos de hoje pode admitir que o lquido ao qual em 1750 estava se referindo (nesse sentido significando) era H2O, e que por isso a sua extenso era tambm diferente, restringindo-se terra. Mas para tal ele usa o sentido atual, recm-adquirido do termo como guia para redimensionar referncia e extenso no passado (Frege: intenso determina extenso) Alm do mais, essa projeo s possvel porque referncia e extenso so coisas por definio extra-mentais e extra-lingsticas. 6) A explicao natural da diferena entre 4) e 5) que sendo o significado intra-mental ele indexicado ao tempo do falante, resistindo a essa espcie de projeo.
  • Slide 14
  • mesmo significado para eles Suponha que em nossa prpria terra uma pequena poro da gua tenha estrutura XYZ. Oscar1 e Oscar2 bebem gua juntos. Oscar1 bebe H2O, e Oscar2 bebe XYZ. Ambos pensam que a mesma coisa, e certamente do palavra o mesmo significado. Digamos que a comunidade linguistica acabe por descobrir a diferena. Eles ficaro surpresos em descobrir que eles tinham como referncia coisas que podem ser consideradas diferentes e que as extenses poderiam tambm se