Lisboa Cultural | Suplemento Rock in Rio

of 16/16
palco mundo shakira SUPLEMENTO ROCK IN RIO megadeth snowpatrol muse motorhead fingertips luis represas/ martinho da vila miley cyrus Jorge palma/zeca Balero amy macdonald Julie mcknight mcfly soulfly fingertips
  • date post

    18-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    224
  • download

    4

Embed Size (px)

description

Os cinco grandes concertos do Palco Mundo | à descoberta do Sunset | entrevistas com Mariza e Rui Duarte dos Ramp | a Câmara de Lisboa no RiR

Transcript of Lisboa Cultural | Suplemento Rock in Rio

  • palco mundo

    shakira

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    megadeth

    snowpatrol

    muse

    motorhead

    fingertips

    luis represas/martinho da vila

    miley cyrus

    Jorge palma/zeca Balero

    amy macdonald

    Julie mcknight

    mcfly

    soulfly

    fingertips

  • Ficha tcnicaEdio: Diviso de Programao e Divulgao Cultural | Direco Municipal de Cultura | CMLEditora: Paula Teixeira Reportagem e textos: Frederico Bernardino Capa e Paginao: Rute Figueira Fotografia: Francisco Levita*/Agncia Zero/ Rock in RioContactos: Rua Manuel Marques, 4F, Edifcio Utreque - Parque Europa, 1750-171 Lisboa | Tel. 21 817 06 00 | [email protected]

    Siga-nos em

    http://twitter.com/lisboa_cultural

    http://www.facebook.com/Lisboa-Cultural/

    http://itematicoslisboa.blogspot.com/

    SUPL

    EMEN

    TO RO

    CK IN

    RIO

    10

    AO ENTARDECER Abertura / Pg. 9

    Tim e Mariza / Pg. 10

    Rui Veloso, Maria Rita e Toni Garrido / Pg. 11

    Luis Represas e Martinho da Vila / Pg. 12

    Ramp e Hail / Pg. 13

    5 NOITES, 5 CONCERTOS John Mayer / Pg. 4

    Elton John / Pg. 5

    Muse / Pg. 6

    Hannah Montana / Pg. 7

    Motorhead / Pg. 8

    ENTREVISTAMariza / Pg. 14

    Ramp / Pg. 15

    ESPAO CMLSustentabilidade + / Pg. 16

  • PAG. 35 Noites, 5 ConcertosLISBOA CULTURAL

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    Foram, ao todo, 21 os concertos que passaram pelo Palco Mundo do Rock in Rio Lisboa 2010. Entre um punhado de grandes espectculos, e outros menos conseguidos, as noites foram quase sem-pre quentes, independentemente de uma ou outra brisa mais fresca que soprou no Parque da Bela Vista. Goste-se ou no, o Rock in Rio parece continuar a ser uma frmula de sucesso, e em dias de concer-tos na Cidade do Rock, Lisboa tambm uma cidade diferente, nem que seja pelos decibis remanescentes da Bela Vista que invadem as ruas como cheiro a sardinha em noite de Santo Antnio. Porque seria impraticvel dar nestas pginas eco a to-dos os concertos do Palco Mundo, a Lisboa Cultural preparou uma pequena seleco daqueles que nos pareceram os momen-tos marcantes do festival deste ano, tendo em conta o critrio de um concerto por cada dia de festival.

  • O primeiro dia de festival seria inteiramente latino (e no feminino) no fosse John Mayer. O menino bonito dos blues foi mais que competente perante cerca de 80 mil pessoas, mesmo que ainda se sen-tissem os efeitos do ax frentico de Ivete Sangalo e se adivinhasse cada vez mais a vontade de mexer a anca ao jeito de Shakira. certo que muita gente at estava no recinto para ver Mayer, celebrizado por um incio de carreira em registo pop conven-cional, capaz de conquistar uma legio de fs fe-mininas encantadas com a suavidade acstica da voz deste americano de Bridgeport, Connecticut. Porm, o Rock in Rio trouxe um John Mayer apru-mado para guitarradas nas suas amadas Fender Stratocasters e menos daquele registo pop melo-so que lhe granjeou popularidade em terras lusas. O clssico Crossroads e os inevitveis Who Says e Bigger than my Body aqueceram o ambiente, mas fica a sensao que as idiossincrasias da progra-mao da noite retiraram algum flego actuao do protegido de Eric Clapton.

    LISBOA CULTURAL

    PAG. 45 Noites, 5 ConcertosO Americano Tranquilo

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    Agncia Zero

  • LISBOA CULTURAL

    Horas antes, entre elementos da imprensa, discutia--se se iria ou no haver concerto, como se a troca no alinhamento do dia, com os Trovante, anunciasse uma ausncia (in)esperada. Mas no! hora anunciada, soaram os primeiros acordes de Funeral for a Friend e Sir Elton John, ao piano, iniciava aquele que foi um dos melhores concertos do Palco Mundo nesta edi-o do festival. O msico britnico proporcionou uma autntica viagem por 40 anos de histria da msica pop, uma histria que , inevitavelmente, tambm a sua (e do seu principal letrista Bernie Taupin) e na qual o pblico se deixou envolver, entoando quase todos os temas interpretados. A sequncia Goodbye Yellow Brick Road, Daniel e Rocket Man (numa verso longa para que todos os msicos puxassem dos gales) foi absolutamente memorvel e nem mesmo a incluso no alinhamento de um ou de outro tema menor, como Sacrifice, ps em causa o grande espectculo de Elton John. Para despedida, em tom de homenagem a um pblico completamente rendido, ouviu-se Your Song, a tal cano que John Lennon confessou um dia lamen-tar no ter sido ele a escrever..

    PAG. 5

    Rocket Man

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    5 Noites, 5 Concertos

    Agncia Zero

  • LISBOA CULTURAL

    PAG. 6

    As luzes baixam enquanto no cu irrompe o habitual fogo de artif-cio das noites do Rock in Rio. No palco, assomam-se os primeiros feixes de luz e uma espcie de losangos, dispostos como favos de colmeia irradiando luz, fazem vislumbrar os elementos dos Muse. Em unssono com as exploses de fogo colorido no cu, ouvem-se os primeiros acordes e depois as batidas fortes de MK Ultra, um dos temas mais populares do ltimo lbum (The Resistence) do trio britnico. Pode-se dizer que com uma entrada to espectacular, a banda de Matt Bellamy fez ganhar a noite s cerca de 86 mil pessoas (dados da organizao) que encheram a Cidade do Rock. A partir daqui, os Muse assumiram o papel de super-estrelas no firmamento e a sensao que ficou foi a de que, tema aps tema, mais e mais gente se rendia ao poder electrizante desta banda que chegou a ser um dos basties do chamado rock alternativo.

    Ultra Electrizante

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    5 Noites, 5 Concertos

  • LISBOA CULTURAL

    PAG. 7ADEUS Hannah Montana

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    5 Noites, 5 Concertos

    Dia das famlias na Cidade do Rock. De crianas de colo a avs, todo o recinto se foi tornando in-transitvel ao longo da tarde, sendo praticamente impossvel acorrer aos mltiplos divertimentos que levam muitos a considerar o Rock in Rio uma fei-ra popular e no um festival de msica. Consid-eraes parte, este era o dia para ver, ao vivo e a cores, a super-vedeta teen Miley Cyrus, celebrizada atravs da srie da Disney Hannah Montana. Cum-prindo o horrio, um clip anuncia a chegada da jovem norte-americana ao Palco Mundo e, entre a crianada e o pblico adolescente, instala-se o delrio! Perante o olhar de cerca de 88 mil pessoas (maior enchente de todo o festival), quem surge uma nova Miley Cyrus. Assumindo uma postura declaradamente anti-Disney, envergando um top verde a mostrar muita pele e um bluso de cabedal a anunciar a toada rock and roll bem rasgadinho que foi tom ao longo de todo o concerto, Cyrus faz soar muitos decibis durante cerca de uma hora e um quarto de actuao. No final, por entre crian-as que se arrastam na dolncia do sono, fica a sensao de que Miley j no bem parte daquele universo. No ter sido por acaso que, durante o concerto, a cantora e actriz tenha interpretado um medley de temas de Joan Jett, onde pautou, obvia-mente, o muito elucidativo I love rocknroll.

    Rock in Rio

  • LISBOA CULTURAL

    PAG. 8SUPLEMENTO ROCK IN RIO 5 Noites, 5 Concertos

    Entre os lendrios Motorhead pelos quais as marcas do tempo parecem ter passado irremediavelmente e os industriais Rammstein que proibiram a imprensa de recolher imagens , o Palco Mundo, no dia do me-tal, assistiu a uma actuao sbria mas extremamente eficaz dos Megadeth, a banda que Dave Mustaine fun-dou nos idos de 80, aps a expulso dos Metallica. Uma das particularidades do espectculo foi o regresso do baixista Dave Ellefson, reforo de peso que pareceu dar aos Megadeth um vigor muito mais prximo do con-seguido nos anos de ouro da banda norte-americana. Temas de Rust in Peace, como Hangar 18, Holly Wars e Poison was the Cure ou os j mticos Symphony of Des-truction e Skin of my Teeth, de Countdown to Extintion, foram mais que boas razes para animar a legio de fs de rock pesado que esteve na Bela Vista com o objec-tivo primordial de assistir aos concertos. E, sublinhe-se, a programao do dia no desiludiu. Nem o pblico!

    Lendas do Metal

  • LISBOA CULTURAL

    PAG. 9AO ENTARDECER SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    Debruado sobre a zona noroeste da ci-dade, o Palco Sunset do Rock in Rio foi um autntico santurio de experincias e par-tilhas entre msicos. Num ambiente quase sempre relaxante, houve grandes momen-tos de improviso e estimulantes desalinhos que tornaram nicos os concertos que por l se deram. Pena foi que, na maior parte das vezes, o espao no passasse de com-posto, at porque ficmos com a certeza que alguns dos melhores momentos deste Rock in Rio se passaram ali, no ponto mais alto do Parque da Bela Vista.

  • LISBOA CULTURALSUPLEMENTO ROCK IN RIO

    AO ENTARDECER

    Num encontro indito ao vivo entre dois amigos - que at j tinham gravado juntos o tema Fado do Encontro -, Tim e Mariza deram um arrebatador espectculo em que o regu-lar domnio de multides do vocalista dos Xutos e Pontaps surgiu aliado a uma Mariza ainda empolgada pelo espect-culo do Palco Mundo, dado um dia antes. Os momentos al-tos do concerto foram muitos, at pelo -vontade com que se estendeu a partilha ao prprio pblico, fortemente sen-tida quando Mariza cantou Homem do Leme. Em tom de im-proviso at se ouviu Light My Fire, dos Doors, e um fabuloso Try A Little Help From My Friends, dos Beatles, interpretado com o brasileiro Z Ricardo.

    PAG. 10Tim e Mariza

  • LISBOA CULTURALSUPLEMENTO ROCK IN RIO

    AO ENTARDECER

    Alguns minutos antes, j Rui Veloso tinha aquecido ao surgir ao lado de Tim e Mariza para interpretar Anjo da Guarda. Chegado o tempo de abrir o seu espectcu-lo, nada como uma verso mais blues que rock de Chico Fininho, antes do brasileiro Toni Garrido (ex-vocalista dos Cidade Negra) entrar em palco e espalhar muita adrena-lina pelo Sunset. Do registo a dois, fica uma verso muito emotiva de A Paixo Segundo Nicolau da Viola. Mas, os momentos mais aguardados da noite estavam reservados para os temas que Rui Veloso partilhou com Maria Rita. A brasileira comeou numa toada algo morna, denotando at alguma timidez, mas a voz doce da paulista imps-se, e com a ajuda dos inspiradores solos de guitarra de Veloso, Maria Rita conquistou o pblico, sobretudo quando inter-pretou Cara Valente e esse eterno vintage Porto Sentido do amigo portugus.

    PAG. 11

    Rui Veloso, Maria Rita e Toni Garrido

  • LISBOA CULTURALSUPLEMENTO ROCK IN RIO

    AO ENTARDECER

    Depois do reencontro com os Trovante, Lus Represas voltou ao festival para dividir o palco com o rei do samba Martinho da Vila. Num dia em que a programao do palco principal se encontrava totalmente vocacionada para os mais jovens talvez se esperasse mais pblico junto ao Sun-set em busca de alternativas, porm, tal no aconteceu. Independentemente disso, nada impediu mais um grande espectculo em que temas como Da Prxima Vez, Zorro, Mulheres ou Madalena do Jucu, surgiram recriados magis-tralmente, resultado da forte cumplicidade demonstrada entre os dois msicos.

    PAG. 12

    Luis Represas e Martinho da Vila

  • LISBOA CULTURAL

    Nenhum f de rock pesado poderia faltar chamada do Sunset no ltimo dia de espectculo, no fosse, claro, as vicissitudes da programao terem feito coincidir o melhor do Sunset com o concerto dos Motorhead no Palco Mun-do. A fechar a tarde, os portugueses Ramp marcaram encontro com a super banda Hail, de Andreas Kisser (Sepultura), Tim Owens (ex-Judas Priest), Mike Portnoy (Dream Theater) e James Lomenzo (ex-Megadeth, que substituiu o malogrado Paul Gray, dos Slipknot). Depois dos Ramp terem passado em

    revista alguns dos seus temas mais famosos, os Hail levaram o pblico numa viagem memria do rock mais pesado. De Black in Black, dos AC/DC, a The Number of the Beast, dos Iron Maiden (com Diana Piedade, na voz), pas-sando por Neon Knights, dos Black Sabbath, no faltaram homenagens car-regadas de adrenalina que culminaram com a reunio Ramp+Hail em palco para um magistral Ace of Spades, dos Motorhead.

    Ramp e Hail

    SUPLEMENTO ROCK IN RIO

    AO ENTARDECER PAG. 13

  • LISBOA CULTURALSUPLEMENTO ROCK IN RIO

    ENTREVISTA

    Mariza

    PAG. 14

    Agncia Zero

    A edio de 2010 do Rock in Rio Lisboa abriu com um nome, dir-se-ia, improvvel: Mariza. A super-estrela do fado entrou no Palco Mundo com um bluso de cabe-dal preto, arranjos assumidamente pop dos temas que a notabilizaram e ainda teve tempo para homenagear a sua frica natal num dueto com Tito Paris, cantar Gente da Minha Terra no meio do pblico e acabar o concerto numa incurso pelo rock, com Come as you are, dos Nirvana. Uma hora antes de pisar o palco, a Lisboa Cultural falou com a fadista.

    Apesar de esta no ser a sua estreia num festival de rock (Mariza actuou no Sudoeste no ano passado), como se sente?Muito nervosa, mas tambm muito feliz. Em primeiro lugar porque uma grande honra e um privilgio ser eu a abrir o Rock in Rio; em segundo, porque quero saber qual a sensao de tocar num palco to grande para um pblico maioritariamente portugus.

    Com tantos concertos dados no estrangeiro, como que vai ser este seu regresso, e logo aqui?Vai ser, garantidamente, uma surpresa. Mas acima de tudo vai ser ptimo cantar de novo em Portugal. H essa cumplicidade mais directa com o pblico, um entendimento claro da lngua, a amizade Esta a casa!

    E poderemos j ouvir aqui algum tema do prximo trabalho?Pouco provvel porque o meu disco novo est a ser feito muito, muito devagarinho e neste momento apetece-me ainda gozar o ltimo que gravei.

    Dos temas que interpreta, h algum que a Mariza sente que a define?Sim. O Gente da Minha Terra.

    Ainda h pouco, em conferncia de imprensa, a Ivete Sangalo definiu-a como uma deusa(risos) Ela que uma deusa

  • LISBOA CULTURALSUPLEMENTO ROCK IN RIO

    ENTREVISTA PAG. 15A fechar o Palco Sunset do Rock in Rio Lisboa 2010, aquela que pro-vavelmente a maior banda de metal portuguesa, os Ramp, marcaram encontro com os Hail, formao constituda por alguns dos nomes mais marcantes no gnero. Um pri-vilgio para os Ramp, mas tambm o resultado normal de mais de 20 anos de carreira ao servio do rock mais pesado. Antes da abertura das hostilidades, fomos ao backstage, estivemos com a banda e falmos com o vocalista Rui Duarte.

    Entrados na idade adulta, com 20 anos de histria, que balano h a fazer do percurso dos Ramp?No mnimo, foi um percurso heri-co! Os Ramp so o que so graas a Portugal, ao pblico portugus, ou seja, somos uma banda que nunca foi procura da internacionalizao e mesmo assim crimos um movi-mento muito assinalvel de fs. Con-seguimos alguns feitos que, de certo modo, so notveis no metal nacio-nal: fomos os primeiros a conseguir estar no top nacional de vendas, a gravar um disco ao vivo e j tocmos

    com quase todos os monstros da msica pesada, aqueles que nos fi-zeram vir para este mundo, como os Metallica, os Motorhead, Alice Coo-per, os Slayer, os Iron Maiden

    Como que vocs definem este l-timo lbum, Visions?Se estavam espera que o Visions fosse um lbum mais calmo, me-nos pujante, enganam-se. Os Ramp esto com muita fora e muito uni-dos E esta tour que est na estrada at Junho demonstra-o bem, no s em relao ao Visions, como aos prprios Ramp.

    Este espectculo no Rock in Rio, com os Hail, vai ter um sabor muito especial mais um sonho tornado realidade, at porque vamos ter o privilgio de ter o Andreas Kisser a tocar um tema connosco, assim como eu e um dos guitarristas dos Ramp vamos ter a oportunidade de tocar dois temas de Sepultura com ele. Para ns, isto tem um significado muito espe-cial porque o terceiro concerto dos Ramp, e o primeiro dado com uma banda de renome internacional, foi em Maro de 1992, precisamente com os Sepultura. ramos putos, vamo-los como grandes e hoje falamos de igual para igual.

    Ramp

  • LISBOA CULTURALSUPLEMENTO ROCK IN RIO

    ESPAO CML PAG. 16

    A Cmara Municipal de Lisboa esteve pre-sente no Rock in Rio Lisboa 2010 atravs do stand Sustentabilidade +, da Direco Mu-nicipal de Ambiente Urbano. Para alm da promoo de inmeros passatempos rela-cionados com o ambiente e a natureza, este espao foi palco de concertos e dos muito concorridos workshops de graffiti que ani-maram o espao lateral ao stand em todos os dias do festival, das 17 s 3 da manh.

    Sustentabilidade +

    clique aqui: Page 9: