Atps - Gerenciamento Estrat©gico de Custos

download Atps - Gerenciamento Estrat©gico de Custos

of 32

  • date post

    02-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    229
  • download

    6

Embed Size (px)

description

Gerenciamento Estratégico de Custos

Transcript of Atps - Gerenciamento Estrat©gico de Custos

1

FACULDADE ANHAGUERA UNIDERPPLO: FLORIANO-PIPROFESSOR (A): Professor Me. Ademir Cavalheiro LeiteTUTOR (A): Ana Claudia

GUSTAVO DIAS DE OLIVEIRA RA 437055IGOR LUIZ DIAS DE OLIVEIRA RA 433001OTTON BISMARK C. MENDES- RA: 432944 MARIA EDUARDA RA: 426354RAFAEL JANDERSON DE SOUSA BARBOSA- RA: 7929689542VALDENICE RA 7932697741

ATPS Gerenciamento Estratgico de Custos

FLORIANO-PISETEMBRO 2015SumrioINTRODUO03TERMINOLOGIA EM CUSTOS INDUSTRIAIS.04A IMPORTANCIA DE UM INDICE DE PREO PROPRIO NUMA ECONOMIA DESINDEXADA10PROPOSTA DE FORNECIMENTO E RESPOSTA13CONSIDERAES DOBRE METODOS DE CUSTEIOS14CICLO DE VIDA DE UM PRODUTO.23CONCLUSES29BIBLIOGRAFIA31

INTRODUONesta Atividade iremos conceituar a disciplina gerenciamento estratgico buscando objetivo de desenvolver conhecimentos, com todos seus conceitos sobre os seguintes quesitos da mateira: Mtodos de Custeios, Margem de Contribuio, Custos, Despesas, Desembolso, Gastos, Investimentos e Perdas. A partir de estes conceitos analisarem uma empresa fictcia de canetas, avaliando as melhores formas de lucro para a mesma, desde a sua matria-prima venda do produto que so canetas.

Terminologia em Custos Industriais Gastos, Custos e Despesas so trs palavras sinnimas ou dizem respeito a conceitos diferentes? Confundem-se com Desembolso? E Investimento tem alguma similaridade com elas? Perda se confunde com algum desses grupos? No meio desse emaranhado todo de nomes e ideias, normalmente o principiante se v perdido, e s vezes o experiente embaraado; por isso, passamos a utilizar a seguinte nomenclatura: Gasto - Sacrifcio financeiro com que a entidade arca para a obteno de um produto ou servio qualquer, sacrifcio esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro). Conceito extremamente amplo e que se aplica a todos os bens e servios adquiridos; assim, temos Gastos Com a compra de matrias-primas, Gastos com mo-de-obra, tanto na produo como na distribuio, Gastos com honorrios da diretoria, Gastos na compra de um imobilizado etc. S existe gasto no ato da passagem para a propriedade da empresa do bem ou servio, ou seja, no momento em que existe o reconhecimento contbil da dvida assumida ou da reduo do ativo dado em pagamento. No esto aqui includos todos os sacrifcios com que a entidade acaba por arcar, j que no so includos o custo de oportunidade ou os juros sobre o capital prprio, uma vez que estes no implicam a entrega de ativos. Note que o gasto implica desembolso, mas so conceitos distintos. Exemplos: Gastos com mo-de-obraGastos com aquisio de mercadorias para revendaGastos com aquisio de mquinas e equipamentosDesembolsosPagamento resultante da aquisio de um bem ou servio. Pode ocorrer junto com gasto ( vista) ou depois deste (a prazo).Os Gastos podem ser classificados em: Investimentos, Custos ou despesas:Investimento - Gasto ativado em funo de sua vida til ou de benefcios atribuveis a futuro(s) perodo(s). Todos os sacrifcios havidos pela aquisio de bens ou servios (gastos) que so "estocados" nos Ativos da empresa para baixa ou amortizao quando de sua venda, de seu consumo, de seu desaparecimento ou de sua desvalorizao so especificamente chamados de investimentos.Podem ser de diversas naturezas e de perodos de ativao variados: a matria-prima um gasto contabilizado temporariamente como investimento circulante; a mquina um gasto que se transforma num investimento permanente; as aes adquiridas de outras empresas so gastos classificados como investimentos circulantes ou permanentes, dependendo da inteno que levou a sociedade aquisio. Exemplos :Aquisio de mveis e utensliosAquisio de imveisAquisio de marcas patenteAquisio de material de escritriosAquisio de mquinas e equipamentosCusto - Gasto relativo a bem ou servio utilizado na produo de outros bens ou servios. O Custo tambm um gasto, s que reconhecido como tal, isto , como custo, no momento da utilizao dos fatores de produo (bens e servios), para a fabricao de um produto ou execuo de um servio. Exemplos: a matria-prima foi um gasto em sua aquisio que imediatamente se tornou investimento, e assim ficou durante o tempo de sua Estocagem; no momento de sua utilizao na fabricao de um bem, surge o Custo da matria-prima como parte integrante do bem elaborado. Este, por sua vez, de novo um investimento, j que fica ativado at sua venda. A energia eltrica utilizada na fabricao de um item qualquer gasto (na hora de sua utilizao) que passa imediatamente para custo, sem transitar pela fase de investimento. A mquina provocou um gasto em sua entrada, tornado investimento e parceladamente transformado em custo, medida que utilizada no processo de produo de utilidades. Exemplos:Salrio do pessoal da produoMatria-prima utilizada no processo produtivoCombustveis e lubrificantes usados nas mquinas de fabricaoDepreciao dos equipamentos da fbricaGastos com manuteno das mquinas da fbricaDespesa - Bem ou servio consumidos direta ou indiretamente para a obteno de receitas. A comisso do vendedor, por exemplo, um gasto que se torna imediatamente uma despesa. O equipamento usado na fbrica, que fora gasto transformado em investimento e posteriormente considerado parcialmente como custo torna-se, na venda do produto feito, uma despesa. A mquina de escrever da secretria do diretor financeiro, que fora transformada em investimento, tem uma parcela reconhecida como despesa (depreciao), sem transitar por custo. As despesas so itens que reduzem o Patrimnio Lquido e que tm essa caracterstica de representar sacrifcios no processo de obteno de receitas. Todo produto vendido e todo servio ou utilidade transferidos provocam despesa. Costumamos cham-lo Custo do Produto Vendido e assim fazemo-lo aparecer na Demonstrao de Resultados; o significado mais correto serial. Despesa que o somatrio dos itens que compuseram o custo de fabricao do produto ora vendido. Cada componente que fora custo no processo de produo agora, na baixa, torna-se despesa. A mercadoria adquirida pela loja comercial provoca um gasto (genericamente), um investimento (especificamente), que se transforma numa despesa no momento do reconhecimento da receita trazida pela venda, sem passar pela fase de custo. Logo, o nome Custo das Mercadorias Vendidas no , em termos tcnicos, rigorosamente correto. Logo, todas as despesas so ou foram gastos. Porm, alguns gastos muitas vezes no se transformam em despesas (por exemplo, terrenos, que no so depreciados) ou s se transformam quando de sua venda. Todos os custos que so ou foram gastos se transformam em despesas quando da entrega dos bens ou servios a que se referem. Muitos gastos so automaticamente transformados em despesas, outros passam primeiro pela fase de custos e outros ainda fazem a via-sacra completa, passando por investimento, custo e despesa. Desembolso - Pagamento resultante da aquisio do bem ou servio. Pode ocorrer antes, durante ou aps a entrada da utilidade comprada, portanto defasada ou no do momento do gasto. Perda - Bem ou servio consumidos de forma anormal e involuntria.

No se confunde com a despesa (muito menos com o custo), exatamente por sua caracterstica de anormalidade e involuntariedade; no um sacrifcio feito com inteno de obteno de receita. Exemplos comuns: perdas com incndios, obsoletismo de estoques etc. So itens que vo diretamente conta de Resultado, assim como as despesas, mas no representam sacrifcios normais, ou derivados de forma voluntria das atividades destinadas a obteno da receita. E muito comum o uso da expresso Perdas de material na fabricao de inmeros bens; entretanto, a quase totalidade dessas "perdas" , na realidade, um custo, j que so valores sacrificados de maneira normal no processo de produo, fazendo parte de um sacrifcio j conhecido at por antecipao para a obteno da receita almejada. O gasto com mo-de-obra durante um perodo de greve, por exemplo, uma perda, no um custo de produo. O material deteriorado por um defeito anormal e raro de um equipamento provoca uma perda, e no um custo; alis, no haveria mesmo lgica em apropriar-se como custo essas anormalidades e, portanto, acabar por ativar um valor dessa natureza. Cabe aqui ressaltar que inmeras perdas de pequenssimo valor so, na prtica, comumente consideradas dentro dos custos ou das despesas, sem sua separao; e isso permitido devido irrelevncia do valor envolvido. No caso de montantes apreciveis, esse tratamento no correto. 4 Exemplos :Salrios e encargos sociais do pessoal de vendasEnergia eltrica do escritrioGastos com combustveis e refeies do pessoal de vendasTelefone do escritrioAteno : Os encargos financeiros incorridos pela empresa, mesmos aqueles decorrentes de insumos para a produo, so sempre considerados Despesas.Perdas um gasto no intencional decorrente de fatores externos ou da atividade produtiva normal da empresa.No 1 caso, so considerados da mesma natureza que as despesas e so lanados diretamente contra o resultado do perodoNo 2 caso, as perdas normais de matrias-primas na produo industrial, integram o custo da produo do perodo .A distino mais importante entre custo e despesa que se um gasto considerado despesa, ele afeta diretamente o resultado do exerccio. Se ele considerado custo, s afetar o resultado da parcela do gasto que corresponder aos produtos vendidos. A parcela correspondente aos produtos em estoque ficar ativada.Balano Patrimonial Empresa Fictcia Ltda.

AtivoPassivo

Ativo CirculanteR$ 530.000,00 Passivo CirculanteR$ 200.000,00

DisponibilidadeR$ 250.000,00 FornecedoresR$ 140.000,00

Contas a receberR$ 180.000,00 Salrios a pagarR$ 60.000,00

EstoquesR$ 100.000,00 Passivo No Circulante R$ 250.000,00

Ativo No CirculanteR$ 270.000,00 FornecedoresR$ 250.000,00

Contas a receber R$ 80.000,00 Patrimnio LquidoR$ 350.000,00

ImobilizadoR$ 190.000,00 CapitalR$ 350.000,00

Total do AtivoR$ 800.000,00 Total Passivo + PLR$ 800.000,00

ProdutoPreo