ÁGUA PARA CONCRETOS Norma alemã - .5 ÁGUA DE MISTURA PARA O CONCRETO ... alternativos para os

download ÁGUA PARA CONCRETOS Norma alemã - .5 ÁGUA DE MISTURA PARA O CONCRETO ... alternativos para os

of 11

  • date post

    11-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ÁGUA PARA CONCRETOS Norma alemã - .5 ÁGUA DE MISTURA PARA O CONCRETO ... alternativos para os

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    1 / 11

    GUA PARA CONCRETOS

    Norma alem - DIN EN 1008 Edio 2002

    Cimento Heidelberg

    Catlogo : Dados Tcnicos do Concreto

    Edio 2011

    http://beton-technische-daten.de/5/5_0.htm

    Comentrios de Eduardo Thomaz: A DIN EN 1008 contm teores limites para diversos elementos qumicos nas guas do concreto. So feitas exigncias para a gua do concreto em obras protendidas. Tambm para a gua das

    injees dessas obras. gua sem cloro seria a gua ideal a usar, devido grande sensibilidade corroso do ao de protenso. Nesse caso, o teor mximo permitido para os cloretos na gua de 500 mg / litro ver a ( tabela 5.1.b).

    A gua para concretos sem armaduras pode at conter alguns cloretos ( tabela 5.1.b).

    dada ateno chamada "gua de Restos", oriunda da lavagem de caminhes betoneira e de

    bombas de concreto, pois proibido na Alemanha lanar no esgoto, ou em rios, ou em qualquer lugar, essa "gua de restos" de cimento. Ela considerada rejeito e deve ser tratada antes de ser descartada.

    Essa gua de restos atualmente est sendo reaproveitada na fabricao de outros concretos.

    Os agregados dos restos de concretos tambm esto sendo reaproveitados em concretos de menor

    resistncia, pois tambm proibido lan-los fora.

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    2 / 11

    Definio : guas de Restos ( guas reaproveitadas )

    A atual legislao alem probe lanar fora, qualquer rejeito sem tratamento prvio, entre eles os restos de concretos no utilizados, que ficam dentro das betoneiras, dos caminhes betoneiras, das bombas de concreto etc. e tambm as guas de lavagem .

    Ver : Lei dos residuos KrW-/ AbfG 1996 http://www.gesetze-im-internet.de/bundesrecht/krw-_abfg/gesamt.pdf

    Ver: http://www.mpa.uni-stuttgart.de/publikationen/otto_graf_journal/ogj_2000/beitrag_oettl.pdf

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    3 / 11

    Norma DIN EN 1008 Edio 2002

    O reaproveitamento do concreto evita lanamento de guas de restos de concreto nas redes de esgoto e tambm refugos de concreto nos rios e solos.

    Central de recuperao

    Caminho

    betoneira sendo lavado

    Caminho betoneira

    voltando com restos de concreto

    Caminho limpo

    Caminho limpo sendo recarregado com concreto

    novo

    Caminho recarregado

    gua reaproveitada

    Agregados recuperados

    Esquema simplificado

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    4 / 11

    GUA DE MISTURA PARA O CONCRETO

    Definio da Amostragem, dos Ensaios, e da Avaliao da adequao

    da gua como gua de mistura em concretos.

    5 GUA DE MISTURA PARA O CONCRETO

    Segundo a norma DIN EN 1008, servem como gua de mistura para concretos, feitos segundo a norma DIN EN 206-1 e DIN 1045-2, as seguintes guas:

    gua potvel apropriada para beber (No so necessrios Testes)

    gua de restos ( gua reaproveitada) de instalaes de recuperao de gua nas Centrais de Fabricao de Concreto. (So necessrios Testes)

    guas do Solo. (So necessrios Testes)

    guas naturais de superfcie ( guas de Rios, de Lagos, de Fontes) e guas de uso industrial (So necessrios Testes)

    gua do Mar e gua Salobra, em Geral, apenas para concretos no armados.

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    5 / 11

    5.1 Exigncias para os Testes de gua de Mistura

    Tabela 5.1.a Exigncias para o Pr-Teste da gua de Mistura 1)

    Critrio Exigncias

    leo e Gordura Apenas traos ( quantidades quase imperceptveis )

    Materiais de limpeza A espuma deve desaparecer no mximo em 2 minutos

    Cor Sem cor, at um amarelo claro ( Exceo : gua de Restos)

    Material em suspenso

    gua de Restos ( reaproveitada) segundo a tabela 5.2.a. Outra gua 4 ml de volume de espessante

    Odor

    gua de Restos (reaproveitada ) : Apenas odor de gua potvel de beber e leve odor de cimento ou de odor de enxofre no caso de Cinzas volantes ( Fly-ash) na gua

    Outras guas : Apenas odor de gua potvel de beber; nenhum odor de enxofre aps a adio de cido clordrico.

    Acidez pH 4

    Hmus Aps a adio de NaOH a cor deve ser no mximo um claro marrom amarelado

    1) Se as exigncias no forem satisfeitas, a gua, apesar disso, pode ser utilizada,

    desde que as exigncias das Tabelas 5.1.b e 5.1.c sejam satisfeitas.

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    6 / 11

    Tabela 5.1.b Exigncias qumicas para a gua de Mistura

    Componentes qumicos Teor mximo [mg/litro]

    Cloretos (Cl )

    Concreto protendido e Pasta de injeo

    500

    Concreto armado 1000 Concreto no armado 4500

    Sulfato ( SO4 2- ) 2000

    Na2O equivalente = Na2O + 0,658 K2O 1500

    Impurezas prejudiciais ao concreto 1)

    Acar 100 Fosfato ( P2O5 ) 100 Nitrato ( NO3- ) 500

    Chumbo ( Pb2+) 100

    Zinco ( Zn 2+ ) 100 1) Se as exigncias da tabela 5.1.a forem satisfeitas, podem ser testados valores

    alternativos para os tempos de endurecimento e para as resistncias compresso.

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    7 / 11

    Tabela 5.1.c. Exigncias para os tempos de endurecimento e para resistncia compresso no teste da gua de mistura.

    Critrio Exigncia

    Tempo de endurecimento

    Inicio de endurecimento 1 hora Fim de endurecimento 12 horas Diferena 25% do valor do ensaio

    com gua destilada ou com gua deionizada.

    Resistncia mdia compresso aos 7 dias

    90% do valor mdio da resistncia compresso de corpos de prova feitos com gua destilada ou com gua deionizada.

    1) Se as exigncias da tabela 5.1.a forem satisfeitas, podem se testados valores alternativos das Impurezas prejudiciais ao concreto na tabela 5.1.b

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    8 / 11

    5.2 gua de Restos ( reaproveitadas ) em instalaes de recuperao na fabricao do Concreto

    gua de Restos :

    gua do Processamento de Restos de Concreto ou de Restos de argamassas.

    gua de limpeza das betoneiras e dos caminhes betoneira.

    gua de limpeza das bombas de concreto.

    gua usada em serras de concreto.

    gua de esmerilhamento de concreto.

    gua de jateamento de concreto.

    gua de lavagem dos agregados.

    gua que se acumula durante a produo do concreto fresco.

    As guas de restos contm, em concentrao varivel, as partes finas dos restos lavados de concretos ou argamassas, cujos tamanhos de gro em geral so menores que 0,25mm.

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    9 / 11

    Exigncias

    Os materiais slidos nas guas de restos ( reaproveitadas ) devem estar distribudos de modo homogneo ou devem ser separados em uma bacia de decantao.

    A densidade da gua reaproveitada deve ser calculada ao menos uma vez ao dia, no momento em que se espera ocorrer a maior densidade. mais favorvel uma determinao contnua, durante todo o dia, da densidade da gua reaproveitada.

    O teor de material slido deve ser calculado segundo a tabela 5.2.a. , a partir da determinao da densidade ( kg / litro) e da quantidade de gua reaproveitada ( litro / litro) e tambm a partir da composio do concreto.

    Se a gua reaproveitada no satisfizer s exigncias da norma DIN EN 1008, ela s pode ser usada misturada, nas quantidades que garantam que os limites das exigncias sejam obedecidos, quando se considerar a quantidade total de gua da mistura.

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    10 / 11

    Tabela 5.2.a.

    Teor de slidos (secos) [kg/litro] e Volume da gua reaproveitada [litro/ litro], em funo da massa especifica da gua reaproveitada.

    considerada uma massa especifica mdia de 2,1 [kg/litro] para os materiais slidos.

    Densidade da gua

    Reaproveitada ( kg / litro)

    Massa dos materiais slidos ( kg / litro)

    Volume da gua Reaproveitada ( litro / litro)

  • GUA PARA CONCRETOS Norma DIN 1008

    Notas de aula

    Prof. Eduardo C. S. Thomaz

    11 / 11

    Utilizao

    gua de restos pode ser utilizada para concretos at C50/60 ou LC50/55 ( LC = concreto leve) inclusive.

    gua de restos no pode ser utilizada para concretos de alta resistncia e em concretos que utilizem aditivo incorporador de ar. Deve-se evitar o uso de gua de restos em concreto aparente.

    gua de restos ou uma mistura de gua de restos com gua de outra origem ( gua combinada) pode ser usada como gua de mistura para concreto sob as seguintes condies :

    Massa adicional de slidos < 1% da massa total dos agregados da mistura.

    Distribuio uniforme do uso da gua de restos durante todo o perodo de produo do concreto.

    Se for utilizada gua de restos, devem ser feitos ensaios iniciais nos concretos com utilizao da gua reaproveitada. Os chamados ensaios iniciais so feitos sempre que um novo concreto ou uma nova famlia de concretos testado.