Vias sensoriais

download Vias sensoriais

of 39

  • date post

    21-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    9.908
  • download

    2

Embed Size (px)

description

vias sensoriais

Transcript of Vias sensoriais

  • 1. VIAS SENSORIAISNeuroanatomiaProf. Carlos Frederico Rodrigues

2. GENERALIDADES Agrupar informaes j mencionadas. Todas as modalidades sensoriais possuemcaractersticas em comum: Receptor capaz de captar uma energiaespecfica (qumica, mecnica,eletromagntica etc) e transform-la emeltrica. 3. GENERALIDADES Cada receptor sensvel a um tipo deenergia. O sistema nervoso s ser capaz dedetectar energias para as quais o organismopossua receptores. Outra caracterstica comum s diferentesmodalidades sensoriais diz respeito s suasvias. 4. GENERALIDADES Em geral so cruzadas e envolvem vriosneurnios dispostos em srie. Hemisfrio cerebral esquerdo, em geral, recebeinformaes sensoriais originadas no ladodireito do corpo. A existncia de sinapses ao longo das vias,permite a modificao das informaes einterao entre informaes sensoriais emotoras. 5. GENERALIDADES O neurnio sensitivo situa-se em um gnglioe portanto fora do SNC. Transmite a informao a um neurnio desegunda ordem, situado na medula espinhalou no tronco enceflico. O axnio desse neurnio de segunda ordem que, geralmente, cruza a linha mdia. 6. GENERALIDADES Aps cruzar a linha mdia, dirige-se aotlamo. Em um ncleo talmico passa por outrasinapse, sendo passada para um terceironeurnio. Esse, por sua vez, terminar no encfalo(crtex). 7. GENERALIDADES Todas as vias sensoriais conscientes passampelo tlamo, exceo apenas da olfatria. Outra caracterstica comum se projetarempara uma ou mais reas de projeo cortical. No crtex ser dado o processo da sensao(indivduo toma conscincia da informao) e oprocesso da percepo (interpretao dainformao). 8. VIAS SOMATOSSNSORIAIS A sensibilidade somtica chega ao SNCpelos nervos espinhais (tronco e membros)ou pelo nervo trigmeo (cabea). Lembrar da diviso entre as vias parasensibilidade trmica e dolorosa e as viaspara tato, presso e propriocepo. 9. VIAS PARA DOR E TEMPERATURA DO TRONCO E MEMBROS Nociceptores e termorreceptores terminaesnervosas livres superficias e viscerais. Seus neurnios esto situados no gnglio daraz dorsal e possuem dois tipos de fibras: A(mielinizadas) e C (amielnicas). Os neurnios de segunda ordem se situam nacoluna posterior. 10. VIAS PARA DOR E TEMPERATURA DO TRONCO E MEMBROS Emitem axnios que cruzam o plano mediano esobem nos funculos lateral e anterior dametade oposta da medula. Formam o trato espinotalmico anterior elateral. As fibras da regio mais cranial do corposituam-se medialmente no trato, formando umadiviso somatotpica. 11. VIAS PARA DOR E TEMPERATURA DO TRONCO E MEMBROS A via espinotalmica termina no ncleoventral pstero-lateral nos ncleosposteriores do tlamo. Os neurnios talmicos enviam fibras aocrtex somestsico. Giro ps-central, reas 1,2 e 3 de Brodmann. 12. VIAS PARA DOR E TEMPERATURA DO TRONCO E MEMBROS O crtex cerebral talvez no seja essencialpara a percepo da dor. Pacientes com leso cortical preservam acapacidade de sentir dor, porm, essa torna-se mal localizada. Existe outra via para dor: espinorreticular. 13. VIAS PARA DOR E TEMPERATURA DO TRONCO E MEMBROS Possuem origem na coluna posterior, cruzam alinha mdia e se dirigem para a formaoreticular (colculo superiores) do mesencfalo. Projetam-se para os ncleos intralaminares dotlamo e posteriormente, se distribuemdifusamente pelo crtex cerebral. Esto implicadas na dor lenta ou queimao,enquanto a espinotalmica se relaciona com ador rpida (pontada). 14. Fig 15.1 15. VIAS PARA TATO, PRESSO, PROPRIOCEPO E SENSIBILIDADE VIBRATRIA DO TRONCO E MEMBROS Seus receptores so terminaesencapsuladas, encontradas na pele,articulaes, tendes e musculaturaesqueltica. Neurnios sensitivos esto no gnglio espinhale penetram na medula, ganhando o funculoposterior. Dividem-se em um ramo descendente curto eascendente longo. 16. VIAS PARA TATO, PRESSO, PROPRIOCEPO E SENSIBILIDADE VIBRATRIA DO TRONCO E MEMBROS O ramo longo ascende at o bulbo,formando os feixes Grcil e Cuneiformeipsilaterais. As fibras originadas mais distalmentepercorrer o fascculo Grcil. As fibras mais craniais percorrem oCuneiforme. 17. VIAS PARA TATO, PRESSO, PROPRIOCEPO E SENSIBILIDADE VIBRATRIA DO TRONCO E MEMBROS Terminam nos ncleos Grcil e Cuneiformedo bulbo. Nesses ncleos fazem sinapse com osneurnios de segunda ordem que cruzam alinha mdia. Dirigem-se para ncleo ventral pstero-lateral do tlamo (atravs do leminiscomedial). 18. VIAS PARA TATO, PRESSO, PROPRIOCEPO E SENSIBILIDADE VIBRATRIA DO TRONCO E MEMBROS Os neurnios talmicos se projetam para ocrtex somestsico, no giro ps-central (1,2e 3 de Brodmann.) As vias espinotalmicas tambm transmitema sensibilidade ttil. 19. Fig15.3 20. VIAS PARA SENSIBILIDADE SOMTICA DA CABEA - TRIGEMINAIS Os receptores para dor e temperatura naregio da cabea esto ligados ao trigmio. Os neurnios sensitivos esto no gngliotrigeminal. Enviam um prolongamento central queatinge o ncleo do trato espinhal. Sinapsecom o neurnio de segunda ordem. 21. VIAS PARA SENSIBILIDADE SOMTICA DA CABEA - TRIGEMINAIS Os receptores para tato e presso na regiocraniana tambm se ligam aos neurnios dognglio trigeminal. Terminam no ncleo sensitivo principal dotrigmio, onde fazem sinapse com os neurniosde segunda ordem. Os neurnios de segunda ordem cruzam a linhamdia e ascendem pelo leminisco trigeminal. 22. VIAS PARA SENSIBILIDADE SOMTICA DA CABEA - TRIGEMINAIS Ascendem at o ncleo ventral pstero-medial do tlamo. Os neurnios deste ncleo talmicoprojetam-se para a poro inferior do girops-central, onde se encontra arepresentao somestsica da face. 23. VIA AUDITIVA Os receptores para audio situam-se norgo de Corti localizado na cclea doouvido interno. A esses receptores ligam-se fibras nervosas deneurnios presentes em um gngliodenominado espiral. Os axnios desse gnglio penetram no troncoenceflico atravs do nervo vestibulo-coclear ese dirigem para os ncleos cocleares. 24. VIAS AUDITIVAS Nos ncleos cocleares estabelecem contatocom neurnios de segunda ordem. A maioria dos neurnios dos ncleoscocleares cruzam a linha mdia e dirigem-seao colculo inferior atravs do leminiscolateral. Algumas fibras ascendem diretamente aocorpo geniculado medial. 25. VIAS AUDITIVAS Todos acabam no corpo geniculado medialdo tlamo. Projetam-se ento para o crtex auditivoprimrio. Giro temporal transverso anterior reas 41e 42 de Brodmann. 26. Fig 15.5 27. VIA OLFATRIA Diferente do padro geral das vias sensoriais Os receptores so os prprios neurniossensitivos, situados na mucosa olfatria naparte superior da cavidade nasal. Originam axnios que se agrupam emfiletes, constituindo o nervo olfatrio. 28. VIAS OLFATRIAS Os filetes atravessam a lmina crivosa doosso etmide e penetram no Bulbo Olfatrio. No bulbo fazem sinapse com os neurniosde segunda ordem. Esses percorrem o trato olfatrio e terminamdiretamente no crtex olfatrio ncus. 29. VIAS OLFATRIAS Ao contrrio das demais vias, no cruzam alinha mdia. Outra diferena marcante a ausncia dorel talmico. 30. Fig 5.6 31. VIA GUSTATIVA Os receptores gustativos so encontrados noscorpsculos gustativos. Presentes nas papilaslinguais. 3 nervos possuem fibras gustativas: 2/3anteriores facial. 1/3 posterior glossofarngeo. Epiglote Vago. Os neurnios sensitivos esto nos gngliosdesses nervos cranianos. 32. VIA GUSTATIVA No tronco entram em contato com osneurnios do ncleo do trato solitrio. Deste saem fibras que se dirigem ao tlamobilateralmente ncleo ventral-pstero-medial. Do tlamo o estmulo se projeta para o girops-central regio da lngua. 33. Fig 15.7 34. VIA PTICA Os receptores so neurnios modificados:cones e bastonetes, presentes na retina. Estes receptores se ligam aos neurniosbipolares, que por sua vez, se ligam aosneurnios ganglionares. Tudo isso na retina (prolongamento do SNCpara dentro do globo ocular). 35. VIA PTICA As clulas ganglionares do origem aosnervos pticos, que esto ligados entre sipelo quiasma ptico. No quiasma ocorre o cruzamento das fibras. Aps passar pelo quiasma as fibrascontinuam no trato ptico e terminam nocorpo geniculado lateral (tlamo). 36. VIA PTICA Os neurnios do corpo geniculado lateralemitem axnios que, atravs do tratogenculo-calcarino, atingem o crtexprimrio. O crtex situa-se na borda do sulcocalcarino. rea 17 de Brodmann. 37. VIA PTICA Em todo o trajeto mantm uma retinotopia. As pores mais centrais da retina estorepresentadas nas pores mais posteriores docrtex e as mais perifricas representadas maisanteriormente. Algumas fibras terminam no hipotlamo retino-hipotalmico ciclo circadiano. Algumas se dirigem para o teto do mesencfalo contato com o III NC para o reflexo foto-motor. 38. Foto15.9