Urbanismo moderno feminino - Huapaya et .$35(6(17$d­2 (vwh duwljr ylqfxod vh h p uhvxowdgr gd...

download Urbanismo moderno feminino - Huapaya et .$35(6(17$d­2 (vwh duwljr ylqfxod vh h p uhvxowdgr gd shvtxlvd

of 18

  • date post

    24-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Urbanismo moderno feminino - Huapaya et .$35(6(17$d­2 (vwh duwljr ylqfxod vh h p uhvxowdgr gd...

XV SEMINRIO DE HISTRIA DA CIDADE E DO URBANISMO A Cidade, o Urbano, o Humano Rio de Janeiro, 18 a 21 de setembro de 2018

URBANISMO MODERNO FEMININO: UM OLHAR SOBRE A CONTRIBUIO DE ARQUITETAS E URBANISTAS SUL-AMERICANAS, 1934-1962 IDERIOS, URBANISMO E PROCESSOS DE INSTITUCIONALIZAO JOS CARLOS HUAPAYA ESPINOZA (UFBA), CLARA DEMETTINO CASTRO VASCONCELOS (UFBA), NEDDA MARA ALEJANDRA NOEL TAPIA (UFBA), PRISCILA MONIQUE DA SILVA SANTOS (UFBA), SABRINA RACHEL RUBIO (UFBA)

RESUMO

Nos ltimos anos uma srie de trabalhos pioneiros na Amrica do Sul foram desenvolvidos dando nfase a discusses em torno a temas como arquitetura e gnero, alm da visibilidade da produo de arquitetas no campo profissional. O presente artigo parte do seguinte questionamento: possvel pensar que as diferentes condies enfrentadas pelas profissionais mulheres, em relao s dos homens, como aponta Lima (2014), produziu um eventual urbanismo feminino? Para tal, tomamos como base a identificao e anlise de um conjunto de artigos de profissionais mulheres publicados entre 1934 e 1962 em algumas das principais revistas especializadas sul-americanas: a argentina Revista de Arquitectura, as brasileiras Revista Municipal de Engenharia e Acrpole, a peruana El Arquitecto Peruano e a colombiana Proa. Alguns dos resultados mostram-nos de um lado, a forte influncia do iderio modernista na produo e pensamento urbanstico dessas profissionais e; do outro, evidenciam alguns aspectos que nos do indcios de solues femininas nas propostas por elas desenvolvidas. Com isto buscamos trazer luz um captulo ainda pouco explorado e bastante negligenciado na histria da arquitetura e do urbanismo do continente: a contribuio de arquitetas e urbanistas sul-americanas na consolidao do campo profissional na regio.

PALAVRAS-CHAVE: Profissionais mulheres; Urbanismo Moderno; Amrica do Sul.

2

URBANISMO MODERNO FEMENINO: UN ENFOQUE A TRAVS DE LA CONTRIBUCIN DE ARQUITECTAS Y URBANISTAS SUDAMERICANAS, 1934-1962

RESUMEN

En los ltimos aos una serie trabajos pioneros en Amrica del Sul han sido desarrollados dando nfasis a discusiones sobre temas como arquitectura y gnero, adems de la visibilidad de la produccin de arquitectas en el campo profesional. El presente artculo parte de la siguiente pregunta: Es posible pensar que las diferentes condiciones enfrentadas por las profesionales mujeres, en relacin a la de los hombres, como defiende Lima (2014), produjo un eventual urbanismo femenino? Para tal, tomamos como base la identificacin y anlisis de un conjunto de artculos de profesionales mujeres publicados entre 1934 y 1962 en algunas de las principales revistas especializadas sudamericanas: la argentina Revista de Arquitectura, las brasileas Revista Municipal de Engenharia y Acrpole, la peruana El Arquitecto Peruano y la colombiana Proa. Algunos de los resultados nos muestran de un lado, la fuerte influencia del ideario modernista en la produccin y pensamiento urbanstico de esas profesionales y; del otro, evidencian algunos aspectos que nos dan indicios de soluciones femeninas en las propuestas desarrolladas por ellas. Con eso buscamos evidenciar un captulo aun poco conocido y bastante omitido en la historia de la arquitectura y del urbanismo del continente: la contribucin de arquitectas y urbanistas sudamericanas en la consolidacin del campo profesional en la regin. PALABRAS CLAVE: Profesionales mujeres; Urbanismo Moderno; Amrica del Sur.

3

APRESENTAO

Este artigo vincula-se e resultado da pesquisa Arquitetas e urbanistas [des]conhecidas: por uma

ampliao da histria da arquitetura e do urbanismo modernos na Amrica do Sul, 1929-19601, a qual

tem por finalidade expandir as discusses sobre um captulo ainda pouco explorado e bastante

negligenciado na histria da arquitetura e do urbanismo do continente: a contribuio das arquitetas e

urbanistas sul-americanas para a consolidao do campo profissional na regio.

Nos ltimos oito anos uma srie de trabalhos pioneiros na Amrica do Sul foram desenvolvidos dando

nfase a discusses em torno a temas como arquitetura e gnero, alm da visibilidade da produo de

arquitetas no campo profissional, como os casos de S (2010), Velsquez (2011), Lima (2014) e Quinta

(2016)2. O primeiro destes no s identifica e analisa a obra de arquitetas paulistas, mas tambm

mostra os desafios enfrentados por elas na insero no campo laboral; os dois ltimos centram-se,

respectivamente, no Peru e na Argentina, e mostram a importncia da trajetria profissional delas em

seus respectivos pases.

O segundo desses trabalhos, o de Lima (2014), identifica a atuao profissional de algumas arquitetas

na Amrica Latina do sculo XX balizando as suas contribuies em determinados campos, dentre eles

o da habitao. Numa das concluses a autora lanou o seguinte questionamento: Ser que as

mulheres, devido a sua condio, que lhe diferencia historicamente, culturalmente e socialmente do

homem produz uma arquitetura diferente? (p.100). Coincidentemente, ao longo da nossa pesquisa nos

deparamos com o depoimento da arquiteta argentina Carmem Renard em relao a uma reunio com

o professor Carl Feiss3, marcada logo aps a sua chegada aos EUA com o propsito de cursar uma

ps-graduao em Urbanismo na Universidade de Columbia. Ela relatava que: Concurr a ella [

reunio] pensando encontrarme con uno de aquellos profesores de edad ms que madura, muy

posesionados de su cargo y con un dejo de superioridad para la pobre alumna, mujer y extranjera para

colmo, que se acerca para pedir consejo (RENARD, 1940a, p. 623).

Seguindo esse raciocnio seria ento possvel pensar que as diferentes condies enfrentadas pelas

profissionais mulheres, em relao s dos homens, produziu um eventual urbanismo feminino?

Responder a esta pergunta constitui o objetivo deste artigo. Para tal, tomamos como base a

identificao e anlise de um conjunto de artigos de arquitetas e urbanistas publicados em algumas

das principais revistas especializadas sul-americanas: a Revista de Arquitectura, fundada em 1915, na

Argentina; a Revista Municipal de Engenharia (PDF), criada em 1932 pela engenheira civil e urbanista

Carmen Portinho e a revista Acrpole publicada a partir de 1938, ambas no Brasil; El Arquitecto

Peruano (EAP), criada em 1937 no Peru e; Proa, em circulao na Colmbia a partir de 19464. O

levantamento desses escritos foi realizado entre os anos 1920 e 1969, no obstante, o primeiro foi

identificado em 1934 e o ltimo em 1962, isto explica o recorte temporal aqui proposto.

1 Essa pesquisa vem sendo viabilizada com bolsas de Iniciao Cientfica da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico (CNPq). 2 Ainda, podemos citar o coletivo Arquitetas Invisveis em atividade desde 2014. 3 Feiss (1928-1991) foi um dos pioneiros na discusso sobre planejamento urbano e preservao urbana nos EUA. 4 Tambm foram feitos levantamentos nas revistas Nuestra Arquitectura (Argentina), Arquitectura (Uruguai) e Taller, Punto e Integral (Venezuela), porm, no foram encontrados dados relevantes. Posteriormente, pretendem-se ampliar os casos incorporando outras revistas especializadas da Amrica Latina como as do Mxico e Cuba.

4

URBANISMO: ENTRE TEORIA, ENSINO E TCNICA

Dentre as profissionais sul-americanas que escreveram sobre urbanismo, em especial, com foco na

teoria (definio), ensino (influncias) e tcnica (aplicao) destacamos as brasileiras Carmen Portinho,

Francisca Franco da Rocha e Maria Portugal Milward, as argentinas Carmen Renard e Itala Fulvia Villa

e, a peruana Bertha Zegarra Russo5. interessante notar, como veremos mais adiante, que podem ser

identificados vrios pontos em comum em relao a determinadas questes e prpria trajetria

profissional.

Uma das primeiras observaes que pode ser mencionada a forte vinculao delas com as

vanguardas locais em arquitetura e urbanismo. j bastante conhecida a relao de Portinho com a

chamada Escola Carioca, nesse sentido, algo similar aconteceu com Villa e Austral (LIERNUR e

ALIATA, 2004; QUINTA, 2016) e, Zegarra com Espacio (VELSQUEZ, 2011). No caso de Rocha, sabe-

se que ela teve um papel de destaque local em So Paulo, em especial a partir do vis crtico (FICHER,

2005); Milward apesar de no ter vinculao direta com a rea, aproximou-se do Urbanismo a partir da

sua contribuio como crtica de arte; Renard, por outro lado, teve uma destacada atuao vinculada

Direccin General de Arquitectura do Ministerio de Obras Pblicas argentino (AZPIAZU, 2017).

Este, alis, outro ponto em comum, Portinho foi Diretora do Departamento de Habitao Popular da

ento Prefeitura do Distrito Federal entre 1946 e 1960, Zegarra trabalhou em meados da dcada de

1940 no Ministerio de Vivienda e no Ministerio de Obras Pblicas do Peru (VELSQUEZ, 2011) e; Villa,

em 1946, assumiu a Divisin de Informacin Urbana da Secretara General de Obras Pblicas de

Buenos Aires (QUINTA, 2016). Este panorama vai de encontro com a evoluo e viso das

profissionais femininas como aponta Lima (2014) em relao abertura de oportunidades e ao

trabalho delas no setor pblico.

Outro aspecto similar foi o eventual impacto e repercusso das viagens fora dos pases de origem por

motivos de estudo ou pesquisa. Em 1930 Portinho cogitou a possibilidade de se inscrever no curso de

City Planning na Universidade de Harvard; apesar de essa viagem no ter acontecido, sua posterior

visita Inglater