TDAH - LAPSI

of 23 /23
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Liga Acadêmica de Psiquiatria Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) Março de 2012 André Luiz Peixoto Figueirêdo

Transcript of TDAH - LAPSI

Escola Bahiana de Medicina e Sade PblicaLiga Acadmica de Psiquiatria

Transtorno de Dficit de Ateno/Hiperatividade (TDAH)Andr Luiz Peixoto Figueirdo

Maro de 2012

Caso Clnico Bernardo o tipo de menino que no pra, que nunca se cansa, muito curioso e quer saber todos os porqus. Gosta de ir escola mas quando chega l, prefere ficar brincando no ptio a ir assistir as aulas da Tia Fernanda. Na sala de aula, Bernardo at parece que est no ensaio da escola de samba, de tanto que se mexe. So mos, pernas, ps, ombros, cintura, cada parte para um lado. Coitado do menino, parece que est com p de mico no corpo! Bernardo bem percebe tudo isso mas finge no notar, no quer dar o brao a torcer. Mas a verdade que Bernardo se sente super mal por ser assim, sem ter o controle de mudar esse jeito. Ele se acha fraco e sente-se derrotado por um troo que vive dentro dele, fazendo gato e sapato dele. Ele chora muito sozinho, normalmente quando toma banho, para sua me no perceber.

Caso Clnico Ele no entende por que no consegue parar quieto e fica agoniado em pensar at quando vai ser assim. Se balana at quando dorme. Bernardo gostaria de virar uma poeirinha, de sumir, pra no ter que ver a tristeza de seus pais quando virem o seu boletim ... mas as coisas no param por a. Bernardo tambm muito distrado. Basta uma buzina na rua, um lpis que caia ou uma criana passando pelo corredor da escola, que ele no consegue mais continuar o que estava fazendo. Ele tem que olhar, quer ver e saber de tudo. S que quando ele interrompe uma tarefa que estava fazendo, um sofrimento para reinici-la. Se confunde todo e acaba virando motivo de chacota, pois sempre o ltimo a acabar o que lhe gera um monte de apelidos, como lesminha, lentinho, ...

Caso Clnico Outro dia, ele jurou que no ia pedir para ir ao banheiro e nem ficar se balanando na cadeira ou mordendo os lpis. Ele tentou tanto ficar quieto, mas tanto, que dormiu profundamente sobre a carteira de aula e vocs podem at imaginar o vexame que ele passou... O Bernardo tem dois problemas, um de querer acabar logo e a tudo fica malfeito, sujo, tudo rabiscado ou amassado, de tanto passar a borracha; e o outro, de querer fazer tudo limpo e perfeito, mas isso ele no consegue! Bernando, tadinho, se sente um estorvo, uma pedra no caminho dos pais.

TDAH Introduo

desateno e/ou comportamento hiperativo e impulsivo, mais grave que o esperado em crianas da idade e nvel de desenvolvimento.

Padro persistente de

No deve ocorrer no curso do transtorno global do desenvolvimento, esquizofrenia ou outro transtorno psictico e no deve ser mais bem explicado por outro transtorno mental.

TDAH Histria

1900 crianas impulsivas, desinibidas ou hiperativas

Sndrome hiperativa1960 m coordenao + incapacidade de aprendizagem + labilidade emocional (s/ dano neurolgico especfico) dano cerebral mnimo.

Atualmente no se resume a apenas um fator

TDAH Epidemiologia

EUA 2-20% das crianas do E.F.Meninos > Meninas Parentes biolgicos de 1 grau (irmos) Pais ( incidncia de hipercinesia, sociopatia)

TDAH Etiologia

Causas desconhecidas

Maioria s/ evidncia de dano significativo ao SNCFrequentemente assoc. a transtornos de aprendizagem Fatores que contribuem para seu desenvolvimento:Exposio txica pr-natal Prematuridade Dano pr-natal ao SNC

TDAH Etiologia

1) Fatores genticos = gmeos monozigticos; irmos com probabilidade; probabilidade de transtornos de conduta, lcool, traos de personalidade anti-social.2) Fatores do desenvolvimento = ms de setembro (inverno 1 trimestre e infeces) 3) Dano cerebral = especulao de dano sutil ao SNC e ao desenvolvimento cerebral fetal e peri-natalProblemas circulatrios, txicos, metablicos, motores ou fsicos ao crebro na 1 infncia por infeco, inflamao e trauma.

TDAH Etiologia 4) Fatores neuroqumicos Locus ceruleus e seus neurnios noradrenrgicos

Sistema noradrenrgico: Sistema central + SNS perifrico

Disfuno da epinefrina perifrica acmulo feedback negativo SNC nveis no locus ceruleus.

TDAH Etiologia

1) Fatores neurofisiolgicos = o crebro humano, seus estires de crescimento (3-10 meses, 2-4 anos, 6-8 anos, 10-12 anos e 14-16 anos) e um atraso maturacional na sequncia.2) Fatores psicolgicos = privao emocional prolongada (instituies), eventos psquicos estressantes, ruptura do equilbrio familiar.

TDAH Diagnstico Histria pr-natal desenvolvimento precoce.

detalhada

dos

padres

de

Observao direta da criana

Hiperatividade = pode ser mais grave na escola, menos em entrevistas individuais e esportes. Requer sintomas persistentes e prejudiciais de hiperatividade/impulsividade ou desateno que causem prejuzo em pelo menos 2 situaes diferentes.

Perodo de ateno curto e fcil distratibilidade

Aes impulsivas, labilidade emocional, explosivas, irritveis

TDAH Diagnstico

Alguns sintomas devem estar presentes antes dos 7 anos.

Predominncia do quadro hiperativo-impulsivo diagnstico estvel + transtorno de conduta

Histria da criana pode indicar fatores pr-natais, natais ou ps-natais que possam interferir no SNC

Histria escolar e relatos de professores

TDAH Diagnstico

Exame do estado mental: Humor

deprimido secundariamente pensamento

Sem transtorno do Sem prejuzo de

realidade ou afeto

Presena de grande distratibilidade, perseverao e modo de pensar concreto e literal Ocasionalmente

ansiedade corporal

TDAH Diagnstico

Exame neurolgico:

Imaturidade ou prejuzos discriminatrios visuais, motores, perceptivos ou auditivos. EEG

TDAH Caractersticas Clnicas:

Pode ter seu incio entre 0 e 3 anos

Bebs sensveis a estmulos e incomodados por luz, rudo, temperatura, etc.

Bebs ativos ao bero, pouco sono e muito choroNa escola resoluo rpida de provas; incapazes de esperar chamada; Em casa inquietas, explosivas, irritveis labilidade emocional => riso ou lgrimas Impulsividade propenso a acidente

TDAH Caractersticas Clnicas:

Dificuldades emocionais concomitantes Insatisfao e presso dos responsveis Caractersticas mais citadas em ordem de frequncia:

Hiperatividade

Prejuzo motor perceptivoLabilidade emocional Dficit de coordenao geral Dficit de ateno (perodo de ateno curto, distratibilidade, perseverao, falha em terminar tarefas) Impulsividade Dficits de memria e pensamento

TDAH Patologia e exame laboratorial:

Nenhum achado patognomnico.EEG desorganizado e imaturo PET - fluxo sanguneo regies frontais do crebro

Testagem cognitiva desateno e impulsividade erros

TDAH Diagnstico diferencial: Considerar temperamento consistindo de alto nvel de atividade e perodo de ateno curto c/ variao normal de expectativa para a idade da criana.

Difcil distino antes dos 3 anos sistema nervoso imaturo + aparecimento prejuzos motores, visuais e perceptivos associados ao TDAH.

Depresso secundria frustrao continua por falha na aprendizagem e baixa autoestima (vs depressao primria)

Mania x TDAH

Compartilham verbalizao excessiva, hiperatividade motora, altos nveis de distratibilidade

TDAH Curso e prognstico

Curso varivel

Sintomas podem persistir at adolescncia ou idade adulta e diminuir na puberdade; Hiperatividade pode desaparecer, com persistncia do perodo de ateno diminudo e da impulsividade.

Hiperatividade 1 a sumir; Distratibilidade ltimo

Maioria dos pacientes remisso parcial, vulnervel a comportamento anti-social, transtornos por uso de substncias e transtornos do humor.

TDAH Tratamento 1) Farmacoterapia

Estimulantes do SNC Ritalina Bupropiona

2) Monitorao do tratamento com estimulantes

Exame fsico, PA, FC, peso e alturaComea com o incio da medicao

3) Intervenes psicossociais

Grupos de habilidades sociais, treinamento para os pais, intervenes comportamentais na escola e em casa

Referncias1. KAPLAN, Harold I., SADOCK, Benjamin J. Trad. Maria Cristina Monteiro, Daise Batista. Compndio de psiquiatria. 9.ed. Porto Alegre : ARTMED, 2007. 2. Organizao Mundial da Sade (OMS). CID-10 Classificao Internacional de Doenas, dcima verso. Genebra: Organizao Mundial da Sade; 1992. 3. American Psychiatric Association (APA). DSM IV Diagnostic & Statistical Manual for Mental Disorders, 4th version. Washington (DC): American Psychiatric Press; 1994. 4. American Psychiatric Association (APA). DSM-IIIR Diagnostic and Statistical Manual for Mental Disorders, 3rd version, revised. Washington (DC): American Psychiatric Press; 1987.