Storytelling Paradiso

download Storytelling Paradiso

of 8

  • date post

    10-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    32
  • download

    0

Embed Size (px)

description

matéria sobre storytelling

Transcript of Storytelling Paradiso

  • 62

    Por Nara Almeida, Raquel Vandromel e Andr Nakasone

    storytElling paradiso

    SE H UMA MDIA que no possvel chamar de nova, o cine-

    ma. A stima arte tem mais de um sculo de existncia e milhares

    de histrias contadas em suas telas, com uma indstria bem conso-

    lidada. Em contrapartida, uma mdia que no se deixa envelhecer,

    renovando suas tecnologias, objetivos, estratgias e possibilidades.

    A novidade dessa mdia como plataforma estratgica de comunica-

    o tem, consequentemente, conquistado a ateno das empresas.

    NOVAS MDIAS

  • 63

    QUANTO MAIS A PESSOA TEM ACESSO A INTERNET,

    MAIS ELA FREQUENTA AS SALAS DE CINEMAadriEn musElEt, dirEtor-ExEcutiVo do cinEma da conspirao filmEs

    adriEn musElEt, da conspirao filmEs

    a busca por histrias que retratem e

    representem a realidade leva a stima arte ao

    planejamento das empresas

    o MErcADo cINEMAToGrFIco no

    Brasil alcana deinies cada vez mais altas.

    Segundo dados da Agncia Nacional de cine-

    ma (ANcINE), o cinema teve um crescimento

    de 8,12% em 2013. So cerca de 160 milhes

    de ingressos vendidos e mais de r$ 2 bilhes

    em arrecadao total. Em 2014, enquanto a

    expectativa de crescimento do pIB do pas

    de 0,2%, o setor deve crescer 8%. Ser o dcimo ano de crescimento consecutivo de bilheteria, de acordo

    com Adrien Muselet, diretor-executivo do cinema da conspirao Filmes.

    o encantamento que o cinema proporciona reside na capacidade de imerso em contexto e relevncia,

    por meio de narrativas construdas em completa interao multivisual. o cinema um modo divino de

    contar a vida, disse certa vez o diretor italiano Federico Fellini. A perspectiva do cinema como alimento

    nsia humana por histrias que signiiquem a realidade central at hoje, no apenas na perspectiva arts-

    tica, mas tambm na comercial. o cinema o relexo das nossas prprias vidas. Mas alm disso, ele tem

    tambm uma capacidade imensa de nos fazer sonhar e antecipar o futuro. por isso, o cinema to atraente.

    por meio dele, podemos nos observar, nos identiicar e, ao mesmo tempo, conseguimos projetar as nossas

    ambies relativas ao futuro, avalia ricardo castanheira, diretor-geral da Motion pictures Association

    para Amrica Latina (MpA-LA).

    contar sobre a vida e fazer sonhar. dessa forma que o cinema est alinhado com um conceito bastante

    discutido atualmente, o storytelling. Em seu livro, Fundamentos da Comunicao Visual, Bo Bergstrm,

    especialista no tema, questiona: podemos viver sem histrias? provavelmente no. Em vez de d-me po,

    possvel que a primeira coisa dita por um ser humano tenha sido conte-me uma histria. o fato que

    as pessoas esto expostas a quantidades colossais de informao. Em meio a esse turbilho de rudos, a

    construo de sentido passa por aquilo que possa marcar, emocionar e transformar. ou seja, passa pela

    narrativa, ou dramaturgia, a matria-prima do cinema e o lugar de fala da comunicao.

  • 64

    up, nas alturas o crEScIMENTo do setor

    audiovisual se deve a alguns fatores. Temos, de fato,

    um aumento, tanto no consumo das pessoas por con-

    tedo audiovisual como na produo, em que as em-

    presas passaram a utilizar o recurso como uma fer-

    ramenta importante de comunicao, airma renata

    Brando, diretora-executiva da corp, ncleo digital

    da produtora conspirao. Esse aumento se deu

    porque a produo digital barateou muito o inves-

    timento em audiovisual. Hoje, icou acessvel prati-

    camente a todo mundo, continua. H menos de dez

    anos, por exemplo, ainda se ilmava em negativo. A

    produo era muito cara, limitando-se, assim, a pro-

    dues cinematogricas ou publicitrias de grande

    porte. Atualmente, a produo muito mais barata,

    de forma que empresas de mdio e pequeno porte

    tambm podem produzir contedo audiovisual.

    A ampliao do acesso tecnologia de produo e

    reinveno de suportes antigos adaptados para regis-

    tro de imagens em HD, ultra HD e 4K, por exem-

    plo, intensiicam esse barateamento. recentemente,

    a automobilstica britnica de luxo Bentley produziu

    o vdeo Intelligent Details, ilmado inteiramente com

    o smartphone iphone 5s e editado em um ipad Air.

    com quase 1 milho de visualizaes na postagem

    original da marca e milhares de compartilhamentos,

    a pea atinge nveis de qualidade de imagem e som

    antes possveis apenas com dezenas de equipamentos

    e uma estrutura cara e complexa.

    oUTro FATor INTrNSEco ao crescimento do setor a am-

    pliao dos canais de distribuio. Apesar de ainda apresentar um

    escasso nmero de salas de cinema um estudo de 2014, enco-

    mendado pela MpA-LA e pelo SIcAv (Sindicato Interestadual da

    Indstria do Audiovisual), indito no pas, apontou que o Brasil

    possui 1,3 salas de cinema por 100 mil habitantes, contra 14 salas

    nos EUA , os nmeros crescem a cada ano. Atualmente, so 2,8

    mil salas de cinema espalhadas pelo Brasil inteiro. Isso repre-

    senta a incluso de novas classes sociais, que passaram a usufruir

    desse servio, que passaram a ir ao cinema, ampliando ainda mais

    o mercado, aponta Fernanda Farah, gerente do Departamento de

    Economia da cultura do BNDES.

    o prprio banco responsvel por importantes iniciativas no

    setor. Alm de ser reconhecidamente um dos principais patro-

    cinadores de produes nacionais, o BNDES investe na melhoria

    do parque exibidor cinematogrico brasileiro. Uma das frentes

    do programa Brasil de Todas as Telas, por exemplo, visa expandir

    NOVAS MDIAS

    O BRASILEIRO ALGUM QUE TEM UMA RELAO NTIMA

    E PROFUNDA COM A IMAGEM; COM A SUA IMAGEM E,

    SIMULTANEAMENTE, COM A IMAGEM DOS OUTROS [...] POR ISSO A

    AFINIDADE EMOCIONAL COM O AUDIOVISUAL GIGANTEricardo castanhEira, dirEtor-gEral da mpa-la

    ricardo castanhEira, da mpa-la

  • 65

    O AUDIOVISUAL

    TRANSMITE COISAS QUE NA

    MDIA IMPRESSA VOC NO

    CONSEGUErEnata brando, dirEtora-ExEcutiVa da corp

    o mercado interno, universalizando o acesso da populao aos servios

    audiovisuais. J o programa Cinema Perto de Voc, uma iniciativa con-

    junta do BNDES, Ministrio da cultura, ANcINE e Fundo Setorial do

    Audiovisual (FSA), ir conceder crditos, a partir de 2015, para que salas

    de cinema de exibidores nacionais possam migrar para o novo padro

    tecnolgico digital, adaptao fundamental para o futuro prximo, uma

    vez que a tendncia das grandes produtoras globais ilmar apenas no

    formato digital.

    A distribuio no diz respeito apenas s salas de cinema. vemos, hoje,

    o audiovisual entrando em lugares que nunca entrou antes: no elevador,

    em Tvs internas dentro das empresas, nos canais do YouTube, nos sites

    das empresas, analisa renata, da corp. Dessa forma, a mdia audiovi-

    sual se multiplica por diversos pontos de contato com a audincia. o

    ilme cinematogrico, da mesma forma, tem possibilidade de transitar

    em variadas plataformas. o ilme que voc produz hoje, na prtica, alm

    de ser mais visto no cinema que antes, tem muito mais janelas depois.

    ou seja, quando bem-sucedido, pode atingir um pblico de milhes de

    pessoas e durante muito tempo.

    uma mdia muito poderosa, airma

    Muselet, da conspirao Filmes. o

    diretor tambm desmistiica a ideia

    de canibalismo entre as mdias: o

    consumo de ilmes nas salas de cine-

    ma, ao contrrio do que as pessoas

    pensam, est crescendo a cada ano.

    Netlix, Telecine e Facebook no so

    concorrentes do cinema. Na verda-

    de, quanto mais a pessoa tem con-

    tedo em casa, quanto mais a pessoa

    tem acesso internet, mais ela fre-

    quenta as salas de cinema.

    rEnata brando, dirEtora-ExEcutiVa da corp

  • 66

    cinema a cor mais quente o cinema funciona como projeo de

    nossas vidas, onde o pblico identiica seus triunfos e frustraes a partir

    da personagem apresentada na pelcula; como se ele estivesse vendo as-

    pectos da prpria vida encenadas diante de seus olhos. Isso, sem dvida,

    cria um vnculo sem igual entre a mdia e seu pblico.

    com o crescimento do mercado audiovisual brasileiro, o cinema tem se

    tornado, cada vez mais, uma mdia de grande projeo, que consegue

    atingir os mais diversos pblicos atravs de sua linguagem fcil de ser

    entendida. com seus recursos emocionais e sensoriais, o cinema tem um

    poder que se destaca frente a outras mdias: o de convencimento e iden-

    tiicao por parte da audincia, elevando, portanto, seu contedo a um

    alto nvel de ateno e absoro por parte de seu pblico. onde mais,

    hoje, temos um pblico parado, olhando apenas para uma tela, sem ter

    concorrncia com nenhuma outra plataforma? Somente no cinema. Isso

    no d para ser desprezado, comenta Fernanda, do BNDES.

    o brasileiro algum que tem uma relao ntima e profunda com a ima-

    gem; com a sua imagem e, simultaneamente, com a imagem dos outros. o

    consumo da imagem no Brasil algo extraordinrio, por isso a ainidade

    emocional com o audiovisual gigante, analisa castanheira, da corp, sobre

    o cenrio no pas. Uma vez dentro de uma histria, o momento em que a

    audincia baixa suas defesas e se disponibili-

    za para a dramaturgia; ali o momento em

    que ele est receptivo e confortvel.

    Esse conceito est intrnseco no comporta-

    mento do consumidor; no cenrio atual, as

    audincias buscam no s por produtos e

    servios de uma determinada companhia,

    mas por experincias que representem