SEGURANÇA Passo Fundo perde verba e presídio feminino será ...· Passo Fundo perde verba e...

download SEGURANÇA Passo Fundo perde verba e presídio feminino será ...· Passo Fundo perde verba e presídio

of 32

  • date post

    28-Jan-2019
  • Category

    Documents

  • view

    246
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of SEGURANÇA Passo Fundo perde verba e presídio feminino será ...· Passo Fundo perde verba e...

15 de junho de 2018 - Ano XIV - N 693 - R$ 0,50www.radiouirapuru.com.br

Passo Fundo perde verba e presdio feminino ser construido em Erechim

SEGURANA

GERAL

9

Perfil falso tenta extorquir dinheiro de homens atravs das redes sociais

Obra de reforma da Av. Brasil est atrasada

GERAL

4

Receita Federal realiza leilo virtual de equipamentos eletrnicos

Fique por dentro

GERAL

Joalherias e ticas aprovam aes da BM para coibir assaltos

EDITORIAL

Rio Grande fica perplexo: tornados matam e destroem

GERAL

Cidades trabalham para se reconstruir depois de tornado que atingiu a Regio

14 26

PG. 2

PG. 10

28 anos solteira e funcionria pblica

Paula Nunes de Quadros

BELA GERALCorridas de Rua tem novo prazo para inscries

PG. 14

CASO DE POLCIA PG. 29

6

Uirapuru na RssiaPGs. 16 e 17

TROCA-TROCA UIRAPURUPASSO FUNDO, 15 de junho de 20182

EDITORIALRio Grande fica perplexo: tornados matam e destroemOs tornados que chegaram na tera e na quarta com incrveis ven-tos de at 300 quilmetros por hora fizeram duas mortes e produ-ziram rastro de profunda destruio em vinte municpios gachos deixaram a populao do Rio Grande do Sul perplexa.No para menos! O que sempre foram imagens deprimentes, tristes de destruio ocasionada por fenmenos da natureza mostradas na televiso e narradas pelo rdio de acontecimentos longnquos agora se tornava algo familiar, palpvel. E estava ao alcance real de nossas mentes em pequenas e obreiras comunida-des do Norte, do Noroeste e do Centro do nosso Estado. Para os passo-fundenses, apesar da tristeza, um certo alivio brotou, pois em seu territrio os estragos foram pequenos quando comparados a outros municpios.As duas mortes ocorridas em Ciraco e Sarandi, as casas totalmente destrudas, avirios e pocilgas destroadas, os milhares de animais mortos, plantaes dizimadas, mquinas agrcolas danificadas, pesados caminhes levados por ventos impactantes, os raios que incendiaram patrimnios de vidas inteiras, as lgrimas e a dor de quem perdeu tudo em questo de minutos comoveu profundamen-te cada um de ns. No era mais uma tragdia distante, era a dura realidade da destruio ao nosso lado, alcanando irmos. A imagem de um caminho arrastado desde a estrada para o meio de uma lavoura manda mensagem para dimensionarmos o que pode fazer o vento diante da nossa impotncia.Esses acontecimentos da semana ensejaram algumas reflexes, muitas das quais se prolongaro por algum tempo. Umas em torno do clima e outras de postura pessoal. Em relao natureza em si o questionamento mais incisivo indaga se os tornados so sinais de que o aquecimento global j estaria trazendo suas primeiras consequncias tambm ao Rio Grande. As primeiras anlises se limitavam traduzi-los como fato tpico desta poca do ano, o que no convenceu a muitos. Essa ainda questo em aberto. Em termos pessoais registre-se que na rotina da vida cotidiana nunca esperamos o pior. E essa uma postura tida como saudvel porque sem f, sem a esperana movendo nossas mentes, nossos braos, nossas pernas, dificilmente vencemos os obstculos que o viver nos impe. Mas o que dizer num momento de tanta aflio. O quadro desola-dor de hoje no Rio Grande produzido pelos tornados nos remete a frase do poeta portugus Fernando Pessoa, to venerado entre os brasileiros que diz que na vida devemos esperar pelo melhor e preparar-se para o pior: eis a regra.Um provrbio da milenar sabedoria chinesa que ganhou o mundo nos remete para patamar semelhante: espere o melhor, prepa-re-se para o pior e aceite o que vier. Como decorrncia de tudo, resta indagar sobre o que podemos fazer num momento de tanta aflio? No difcil responder: vamos acionar a bela, eficiente e conhecida solidariedade que est na alma de passo-fundenses e de gachos para buscar uma maneira de ao menos minimizar o sofrimento de quem vem padecendo os efeitos devastadores de uma natureza indomvel.O Rio Grande fica perplexo porque os tornados mataram e des-truram, mas a nossa solidariedade o primeiro passo para um contraponto a essa situao.

IMAGEM DA SEMANA

Conta de luz 20% mais cara A tarifa de energia eltrica da RGE aumentar, em mdia, 20,58%. A diretoria da Agncia Nacio-nal de Energia Eltrica aprovou o reajuste em reunio nesta tera-feira (12), que a reviso tari-fria peridica da Rio Grande Energia S.A, a RGE. Para os servios de alta tenso, como indstria, ficou definido reajuste de 19,04%. J para baixa tenso, como residncias, a alta ser de 21,55%. A empresa, que da CPFL, atende 1,4 milho de unidades consumidoras localizadas em 255 mu-nicpios do Rio Grande do Sul. O aumento entra em vigor em 19 de junho. O reajuste ficou acima do aumento mdio que havia sido prA reviso tarifria est prevista nos contratos de concesso e tem por objetivo obter o equilbrio das tarifas com base na remunerao dos investimentos das empresas voltados para a prestao dos servios de distribuio e a cobertura de despesas efetiva-mente reconhecidas pela ANEEL. - explica a Aneel sobre revises tarifrias. oposto. Inicialmente, o efeito mdio previsto na tarifa de energia eltrica ficaria em 19,5%.

Fundao: 01 de maro de 2002.Direo: Jernimo de Paiva Fragomeni Margareth Markus

Jornalista Responsvel: Dalci Debastiani - DRT-RS 9169Impresso: Zero Hora - TIRAGEM: 9.000 exemplares

Coordenadora Geral: Ieda Almeida

Fone p/ Contato Comercial: (54) 2104.1600AV. 7 DE SETEMBRO, 161 - CENTRO - PASSO FUNDO

CEP: 99.010-121- Fones: 2104.1600 - 2104.1607 - 2104.160599149.2064 (whatsApp)

e-mail: comercial@rduirapuru.com.brjornal@rduirapuru.com.br - site: www.radiouirapuru.com.br

NOTA DA DIREO: Os negcios realizados em funo dos anncios do TROCA-TROCA, so de inteira responsabilidade das partes interessadas. No cobramos qualquer tipo de comisso. Os valores anunciados so de responsabilidade dos anunciantes, salvo erro de impresso.

GEADA SE FORMA EM PASSO FUNDO Os leitores do Jornal Troca-Troca enviaram vrias fotos de locais que registraram geada no amanhecer da quinta-feira (14). O frio no incio da manh teve temperatura de 2C e sensao trmica de 0C. Essa onda de frio permanece at domingo (17).

TROCA-TROCA UIRAPURUPASSO FUNDO, 15 de junho de 2018 3BATIDO O MARTELO

Aps 11 anos de idas e vindas, Passo Fundo perde verba para novo presdio feminino

Nova penitenciria ser construda em Erechim

A rea para a construo de um novo presdio em Passo Fundo foi doada em 2007, pelo ento prefeito Airton Dipp. A obra de uma penitenci-ria masculina chegou a iniciar e pa-rou quando estava 7% concluda. O Tribunal de Contas da Unio, na po-ca, considerou a licitao que esco-

lheu a empreiteira Porto Novo irregu-lar e mandou paralisar os trabalhos.

Desde ento, mesmo com material no canteiro de obras, nunca mais um operrio voltou ao terreno e os entra-ves burocrticos se sucederam at chegar agora, 11 anos depois, a essa deciso de no se construir mais a

casa prisional. Em vrias oportunidades as lide-

ranas polticas de Passo Fundo re-alizaram audincias e viagens para tratar desse assunto no Governo Federal e Estadual. A verba, orada em R$ 9 milhes, por vrias vezes correu o risco de voltar aos cofres da

Unio. Mas, os prazos para sua utili-zao acabavam sendo prorrogados. A ltima prorrogao ocorreu no fi-nal do ano passado, quando foram concedidos mais 180 dias para que os entraves fossem resolvidos. Esse prazo venceu no incio deste ms co-locando ponto final neste projeto.

O projeto do Presdio Feminino, em uma rea na BR 285, entre Passo Fundo e Carazinho, previa quase 380 vagas.

Prefeitura pode reaver rea doadaO terreno onde estava prevista a constru-

o da Penitenciria Feminina, nas mar-gens da BR-285, foi doado pela Prefeitura de Passo Fundo ao governo do Estado em 2006, na administrao do ento prefeito Airton Dipp.

Pela lei 4352, de 14 de novembro de 2006, a rea doada exclusiva para a cons-truo do Presdio Estadual. Desta forma, se objetivo da doao for alterado ou descum-prido a rea ser revertida ao patrimnio do Municpio, sendo que as benfeitorias se-ro indenizadas pelo valor histrico. Agora, diante dessas informaes de que a obra no sai mais, a prefeitura poder requerer o ter-reno.

Em entrevista Uirapuru, o procurador Geral do Municpio, Adolfo de Freitas, es-clareceu que no foi Passo Fundo que per-

deu a verba para a construo da peniten-ciria, porque no dependia da cidade para ela acontecer. A obra de responsabilida-de do Estado. A participao da prefeitura foi sempre apoiar a construo da nova casa prisional, porque ele resolveria tambm o problema de superlotao do presdio atu-al, afirmou Freitas. O procurador disse que o Municpio tinha tanto interesse que at comprou a rea, fez a desapropriao e em seguida a doao. O que pode ter ocorrido foi uma falta de interesse do Estado em dar continuidade a esse projeto, destacou.

O procurador Adolfo de Freitas frisou que a questo de ser masculino ou feminino no tm importncia porque a destinao foi para um presdio estadual. Se o patrimnio voltar para o Municpio, o Executivo vai rea-lizar um estudo para a sua destinao.

A obra da Penitenciria Feminina nas mar-gens da BR-285, no trecho entre Passo Fundo e Carazinho, no acontecer mais. Ao vivo na programao da Rdio Uirapuru, ontem (14), o deputado estadual Gilberto Capoani (MDB) informou que Passo Fundo perdeu a verba de R$ 8,5 milhes do governo Federal.

O dinheiro retornou Braslia e agora o municpio de Erechim que receber a casa prisional. A perda se deu em razo do im-passe com Carazinho, que desde o incio foi contra a construo, alegando questes am-bientais, e aps diversas prorrogaes para aprovao do projeto, explicou o deputado.

A ltima proposta previa uma casa prisio-nal com