S£o Ver­ssimo de Valbom - repositorio- .de reas sem uso) e das din¢micas ... prtica a...

download S£o Ver­ssimo de Valbom - repositorio- .de reas sem uso) e das din¢micas ... prtica a teoria

of 171

  • date post

    11-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of S£o Ver­ssimo de Valbom - repositorio- .de reas sem uso) e das din¢micas ... prtica a...

  • FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DO PORTO

    Rosa Alexandra Brito Ferreira Marques

    2 Ciclo de Estudos em Histria da Arte em Portugal

    So Verssimo de Valbom Um museu de arte religiosa

    Volume I

    2013

    Orientador: Prof. Doutor Nuno Miguel de Resende Jorge Mendes

    Classificao: Ciclo de estudos:

    Dissertao/relatrio/Projeto/IPP:

    Verso definitiva

  • 2

    Resumo

    O esplio da Igreja, com as suas constantes adaptaes de mentalidade e

    prticas, constitui um legado representativo da interpretao da f e seus rituais ao longo

    dos tempos. Com este reconhecimento as aes de inventariao e catalogao

    acentuaram-se e a comunidade passou a ser chamada a participar no conhecimento,

    fruio e proteo do seu patrimnio.

    O objetivo de suprimir as lacunas de conhecimento em relao ao esplio do

    Museu So Verssimo, em Valbom propiciou o levantamento e inventariao de 357

    peas, em exposio e em uso litrgico, cronologicamente balanadas entre os sculos

    XVII e XXI. Foram abrangidas as categorias de Escultura, Ourivesaria/Prataria, Metais,

    Pintura, Vidraria, Cermica, Fotografia e Impresso. A ficha de inventrio adotada

    estipulou-se com base nas normas de inventrio do antigo Instituto dos Museus e da

    Conservao. Aps o conhecimento do espao e seu contedo, surgiram sugestes para

    a melhoria da organizao nas salas de exposio (que se tratam de reaproveitamentos

    de reas sem uso) e das dinmicas expositivas aplicadas.

    Como ponto culminante de todo o trabalho realizado, apresenta-se uma seleo

    de peas, tidas como as mais representativas da coleo, para enquadrar num novo

    catlogo que sirva o museu em questo.

    Palavras chave: Inventariao; Iconografia; Dinmicas expositivas; Dinmicas

    Comunicativas; Catlogo

  • 3

    Abstract

    The churchs assets, with its constant adaptations of thoughts and practices,

    constitute a representative legacy of the interpretation of faith and its rituals through

    time. With that knowledge, the acts of inventory and cataloguing were accentuated and

    the community was called to participate in the knowledge, fruition and protection of

    their heritage. The goal to fill the knowledge gaps about the assets of So Verssimo

    Museum, in Valbom, enabled the survey and inventory of 357 pieces, in exhibit and

    liturgical use, chronologically located between XVII and XXI. Sculpture, Jewellery,

    Metals, Painting, pieces in glass, Ceramics, Photography and Printing were the

    categories included. The adopted inventory record was stipulated according to the

    norms of inventory from the old Institute of Museums and Conservation. After

    knowing the space and its content, questions emerged on how to improve its

    organization, be it of the showrooms (reused previously empty areas) or the expository

    dynamics applied. This paper culminates in a selection of the most representative

    pieces of the entire collection, in order to create a catalogue that serves the purposes of

    the museum.

  • 4

    ndice

    Introduo 5

    CAPITIULO I

    Importncia da inventariao 8

    O Caso do Museu So Verssimo 12

    Metodologia de inventrio 12

    Resultados 16

    CAPITULO II

    Museu So Verssimo

    Breve contextualizao geogrfica e histrica da Parquia e Igreja

    Matriz de Valbom

    21

    A Parquia 24

    Ermidas e Capelas 27

    A Igreja Matriz 30

    O Espao no sculo XVIII 31

    O Espao no sculo XX (1911) 34

    O Espao atual 36

    O Esplio 42

    CAPITULO III

    Comunicao do Museu So Verssimo 51

    Proposta para percurso guiado: metodologia aplicada 63

    Proposta para Catlogo: metodologia aplicada 65

    Concluso 67

    Bibliografia 72

    ANEXO I 83

    ANEXO II

    Proposta de visita guiada 97

    Proposta para folheto divulgador 102

    Proposta de Catlogo 104

    ANEXO III: FICHAS DE INVENTRIO (VOLUME II)

  • 5

    Introduo

    A perspetiva de aliar experincia e aprendizagem prtica a teoria acolhida

    durante os anos de licenciatura e mestrado conduziu, no mbito da dissertao,

    procura de interao com uma instituio museolgica, preferencialmente religiosa.

    O Museu So Verssimo, em Valbom surgiu ento como uma das primeiras

    hipteses de trabalho, no s pela sua abrangncia local, mas tambm pela noo do

    trabalho que haveria para desenvolver. A vontade de expor comunidade as peas

    dessacralizadas proveio do interesse e conduta empreendedora do proco Manuel Paiva.

    Assim, entre 2006 e 2007 reuniu-se o esplio existente e organizaram-se dois espaos,

    cedidos pelo edifcio da matriz. Na mesma data foi impresso um catlogo com uma

    pequena seleo de peas, tidas como as mais importantes e expressivas da coleo.

    Apesar do desejo de mais, o trabalho ficou por aqui.

    Com a presente abordagem pretendia-se elevar o conhecimento adquirido sobre

    as peas e melhorar a sua forma de apresentao e comunicao. No entanto depressa

    percebemos que no havia bases slidas para os procedimentos finais: de facto, a

    maioria das peas (cerca de 220) havia sido fotografada, identificada e datada durante a

    primeira interveno, contudo, apenas uma pequena parte (57) foram descritas para o

    referido catlogo. O processo no foi concludo para as restantes peas e para algumas

    outras no chegou a ser iniciado. O Museu no contava ainda com um sistema de

    inventariao do seu esplio, pelo que no havia ideia da quantidade e da diversidade de

    peas que o compunha. Foram estas as primeiras carncias que ousmos ultrapassar.

    No tempo de realizao da dissertao tornava-se demasiado ambicioso abarcar

    todas as categorias tipolgicas existentes no museu, no entanto, apenas mobilirio, txtil

    (paramentaria e guarnies litrgicas) e livro antigo (missais e livros de cnticos) no

    foram integrados, registando-se Ourivesaria/Prataria e Metais, Escultura (relevo, talha e

    imaginria), Pintura, Vidraria, Cermica, Fotografia e Impresso. Desta forma os

    nmeros mantiveram-se elevados, sobretudo com a incluso dos objetos em uso

    litrgico, que tambm no se encontravam identificados e que eram os que corriam

    maior risco de vandalismo e perda, pela exibio contnua a que estavam sujeitos. Foi

    criado um modelo de ficha de inventrio, fundamentado nos tpicos de diversos

    catlogos e fichas de inventrio de outras instituies diocesanas, disponveis online. O

    preenchimento das mesmas mostrou-se moroso e foi dificultado pela diversidade de

    materiais, tcnicas, funes e cronologia abrangidas e vocabulrio especfico exigido.

  • 6

    Do mesmo modo, tanto impossibilidades tcnicas e de acessibilidade (para pesagem e

    medio), como a escassez de informaes concretas sobre os objetos (autor, datao,

    intervenes, etc limitaes que em parte o arquivo da igreja, do qual constam

    livros de atas, dirios de receita e despesas das confrarias, notas de aquisio, etc

    no conseguiu suprimir) no permitiram um preenchimento total dos parmetros

    estabelecidos. Na verdade, este gnero de informao imprescindvel para o

    conhecimento de qualquer esplio a trabalhar no se mostra concluda com um

    simples primeiro preenchimento, havendo sempre lugar ao desenvolvimento do estudo e

    correo de elementos.

    Aps esta recolha e sistematizao, houve necessidade de relacionar as peas

    com as prticas litrgicas que representaram e/ou representam, para proceder

    disposio das fichas de inventrio de uma forma racional e para ponderar possveis

    metodologias de exposio. Como no se pretendia o tratamento das fichas no corpo da

    dissertao, estas foram colocadas num volume parte, cabendo ao texto principal dar-

    lhe fundamento e revelar os resultados. Estes so os pontos tratados no qual se reflete o

    papel da Igreja na conservao e manuteno do seu patrimnio, alertando para a

    importncia da inventariao e para o trabalho desenvolvido em Valbom.

    Para um contexto da instituio e do seu contedo mostrou-se relevante refletir

    sobre a freguesia e a parquia de Valbom reconhecida desde o sculo XII, atravs de

    documentos relativos a doao de terreno e direitos da Igreja de So Verssimo

    fazendo-se no segundo captulo uma breve contextualizao (geogrfica, econmica e

    social) tema abordado por Paulo Figueiras em So Verssimo de Valbom: subsdios

    para uma monografia (1998). Desenvolve-se de seguida a vertente religiosa, com o

    estudo do edifcio do sculo XVIII (cuja descrio se encontra patente nas Memrias

    Paroquiais (1758) uma mais valia para o conhecimento do espao interno e peas

    que o incorporavam) e sua constante evoluo e transformao espacial: crescimento

    registado no Arrolamento de Bens Cultuais em 1911 documentado, em parte, por

    fotografias anteriores a 1972, patentes no arquivo local culminado na ampliao de

    finais do sculo XX (1972-1984). Ainda neste segundo captulo descrevemos as duas

    salas expositivas, referindo para cada uma as caratersticas, limitaes, estratgias de

    exposio e contedo em mostra. Esta temtica vai ser continuada e complementada no

    terceiro e ltimo captulo onde, em virtude de criar uma melhor comunicao Museu e

    Pblico, se elaborou uma pequena reflexo sobre metodologias de musealizao, com

    base em diversas teses e textos atuais que exploram meios de tornar um museu mais

  • 7

    interativo. A par desta meditao, elaboraram-se estudos de caso perspetivando

    melhorias na disposio das reas de expos