Revolu§£o liberal portuguesa - Hist³ria 8ano

download Revolu§£o liberal portuguesa - Hist³ria 8ano

of 16

  • date post

    20-Sep-2014
  • Category

    Education

  • view

    116
  • download

    6

Embed Size (px)

description

Este é o 1º trabalho que ponho no Slideshare Este é um trabalho que eu fiz para história sobre a revolução liberal portuguesa. Este trabalho teve 5/5. Deve ser acompanhado por música da época. Espero que vos seja útil e por favor comentem.

Transcript of Revolu§£o liberal portuguesa - Hist³ria 8ano

Diapositivo 1

REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAHistria2010/20118H

INDICEINDICE Revoluo Liberal Portuguesa:Bloqueio Continental;Fuga da famlia real;Invases francesas;Revoluo de 1820;Cortes Constituintes;Diferenas entre Monarquia Absoluta e Liberal;Independncia do Brasil;Guerra civil;Resumindo.

REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESABLOQUEIO CONTINENTALBLOQUEIO CONTINENTALEm 1806, Napoleo decretou aos pases europeus o Bloqueio Continental, com o objectivo de enfraquecer economicamente a Inglaterra. Portugal no aderiu de imediato, pelo facto de manter uma velha aliana com Inglaterra e por ser com este pas que estabelecia a maioria das suas relaes comerciais. Face a esta atitude portuguesa, as tropas de Napoleo atacaram Portugal.

REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAFUGA DA FAMLIA REALFUGA DA FAMLIA REALCom medo de serem capturados e mortos pelos Franceses, o prncipe regente D. Joo e toda a corte fugiram para o Brasil a 29 de Novembro de 1807. O tempo que ficaram l ficou para l do necessrio, o que irritou a populao. Isto ficou caracterizado pela cobardia do rei. Assim o governo de Portugal foi entrgue a uma Regncia de 5 governadores nomeados por D.Joo.

Como uma rainha louca, um prncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleo e mudaram a Histria de Portugal e do BrasilREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAINVASES FRANCESASINVASES FRANCESAS

Portugal sofreu 3 invases francesas resistindo sempre presso. 1. Invaso 1807-1808 Comandada por Junot 2. Invaso 1809 Comandada por Soult3. Invaso 1810-1811 Comandada por MassenaPrincipais batalhas: Rolia 17 Agosto de 1808 Vimeiro 21 de Agosto de 1808 Buaco 27 de Setembro de 1810 Redinha 12 de Maro de 1811

Genral Junot General Soult General MassenaREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAINVASES FRANCESASINVASES FRANCESASEstas invases trouxeram :Perda da exclusividade do comrcio com o Brasil;Abandono dos campos;Pobreza e dezorganizao do reino;Ocupao de cargos administrativos e controlo parcial do comrcio com o Brasil, prejudicando os comerciantes portugueses por parte dos Ingleses.

Recriao Das Invases

Batalha de Rolia Batalha do Vimeiro Batalha do Buaco Em 1818 formou-se uma sociedade secreta chamada Sindrio que tinha como objectivo preparar uma revoluo para expulsar os ingleses de Portugal. A 24 de Agosto de 1820, os conspiradores fizeram rebentar uma revoluo no Porto, um pronunciamento militar de carcter liberal, em que participou um significativo nmero de negociantes e magistrados tendo toda regio do Norte aderido. Depois, a 1 de Outubro, Lisboa tambm se revoltou unindo-se aos revolucionrios do Porto triunfando a Revoluo Liberal. De seguida, os Ingleses foram afastados dos seus cargos e formou-se uma Junta Provisional que organizou as eleies para as Cortes Constituintes.

REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO DE 1820REVOLUO DE 1820REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESACORTES CONSTITUINTESCORTES CONSTITUINTESAssembleia formada por deputados eleitos com o objectivo de elaborar uma Constituio (lei fundamental do pas).Medidas tomadas pelas Cortes Constituintes: Exigiram o regresso de D.Joo VI; Propuseram medidas para acabarem com o Antigo Regime; Aboliram os privilgios e direitos senhoriais;Acabaram com a censura e a Inquisio.

A primeira Constituio Portuguesa foi elaborada pelos deputados e aprovada em 1822: ficou conhecida pela Constituio de 1822. Baseava-se nas ideias liberais:Liberdade e igualdade dos cidadosLeis iguais para todos, qualquer que fosse a sua origem ou riqueza;Consagrava a soberania da Nao : a escolha dos deputados e dos governos era feita atravs de eleies. O rei jurou cumprir a Constituio e a Monarquia Absoluta foi substituda pela Monarquia Constitucional ou Liberal.

DIFERENAS ENTRE MONARQUIA ABSOLUTA E MONARQUIA LIBERALMonarquia absolutaO rei tinha todos os poderesFazia as leisMandava-as cumprirEra o juiz supremoMonarquia liberalOs poderes so divididos em:Legislativo:Pertencia s CortesOs deputados eleitos faziam as leis

ExecutivoPertencia ao governoO rei e os seus ministros faziam cumprir as leisJudicial:Pertencia aos tribunaisOs juzes julgavam quem no cumpria as leisREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESADIFERENAS ENTRE MONARQUIA ABSOLUTA E MONARQUIA LIBERAL

LegislativaExecutivaJudicialO Brasil era a mais prspera colnia portuguesa e cada vez mais populao europeia nascia l e com ela nascia cada vez mais o desejo de emancipao.A mudana da corte de Lisboa para o Rio de Janeiro veio favorecer em muito o Brasil, pois foram abertos os portos ao comrcio estrangeiro, a indstria desenvolveu-se, comearam a publicar-se jornais e foram edificados estabelecimentos de ensino superior. Quando o rei voltou a Portugal, o seu filho D. Pedro ficou como regente do Brasil.

REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAA INDEPENDNCIA DO BRASILA INDEPENDNCIA DO BRASIL

D. Pedro

A partir da comeou a falar-se muito na independncia em relao a Portugal. Em finais de 1821 as Cortes ordenaram a D. Pedro que regressasse a Portugal, ao que respondeu Fico!. Aderindo ao desejo do povo, D. Pedro, concedeu a independncia ao Brasil, sendo pouco tempo depois aclamado imperador. A declarao oficial de independncia do Brasil denominada de Grito do Ipiranga: Independncia ou Morte!.Grito do IpirangaREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAA INDEPENDNCIA DO BRASILA INDEPENDNCIA DO BRASILREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAGUERRA CIVIL (1832-1834)GUERRA CIVIL (1832-1834)Com a morte de D.Joo VI, gerou-se um problema de sucesso. D.Pedro, agora imperador do Brasi, era o herdeiro legtimo da Coroa mas a constituio do Brasil no permitia que ele reinasse os dois pases, portanto abdicou da Coroa para a sua filha Maria da Glria. Ficou acordado que, o seu irmo, D.Miguel ficaria como regente at que Maria da Glria tivesse idade suficiente para reinar, casando depois com ele. Para isto D.Miguel tinha de governar de acordo com a Carta Constitucional que D.Pedro concedeu.

Carta ConstitucionalD. Miguel voltou do exlio e assumiu a regncia em nome da sobrinha e em 23 de Junho de 1828, covocou as Cortes que o aclamaram como rei absoluto de Portugal, considerando-o legitimo herdeiro do trono e ilegtimos todos os actos praticados por D. Pedro em relao a Portugal aps a declarao da independncia do Brasil. A base para esta deciso foram as Leis Fundamentais do Reino, luz das quais D. Pedro e os seus descendentes tinham perdido o direito Coroa. Com isto pessoas que tinham ideias liberais e que apoiavam a Carta, foram perseguidos, presos e outros exilaram-se na Terceira. A 1831, D.Pedro abdica do trono no Brasil para assumir a regncia de Portugal. No mesmo ano organizou um exrcito liberal nos Aores, tornando-o a base de operaes.S no ano seguinte, em 1832, desembarcou no Porto, mas o exrcito migulista cercou a cidade.

Caricatura dos irmos D.Pedro e D.MiguelMapa interactivo da guerra civil:http://www.infopedia.pt/$a-guerra-civil-de-1832-34-(mapa-interactivo)Depois de muitas batalhas, em 1834, foi assinada a Concesso de vora-Monte, acabando com a guerra civil e impondo que D.Miguel fosse novamente exilado.

Era o triunfo do Liberalismo!REVOLUO LIBERAL PORTUGUESAREVOLUO LIBERAL PORTUGUESAGUERRA CIVIL (1832-1834)GUERRA CIVIL (1832-1834)RESUMINDORESUMINDOInfluenciaramDescontentamento da PopulaoOriginouREVOLUO LIBERAL DE 1820elaboroulevou amotivou

FIMTrabalho realizado por: Lus Oliveira, n10 Mariana Santos, n12 Patrcia Pereira, n14 Sofia Branco, n 19