RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - altri.pt...

Click here to load reader

  • date post

    19-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - altri.pt...

  • RELATRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAO

    2

    RELATRIO E CONTAS 2016

    NDICE INTRODUO .............................................................................................................................. 4

    ENQUADRAMENTO ECONMICO ............................................................................................. 6

    EVOLUO BOLSISTA ............................................................................................................... 7

    ACTIVIDADE DO GRUPO .......................................................................................................... 10

    SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL ........................................... 14

    ANLISE FINANCEIRA ............................................................................................................. 17

    ACTIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS MEMBROS NO-EXECUTIVOS DO CONSELHO DE ADMINISTRAO ...................................................................................................................... 20

    PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAO PARA APLICAO DO RESULTADO LQUIDO INDIVIDUAL E DE DISTRIBUIO DE RESERVAS LIVRES .................................. 21

    PERSPECTIVAS FUTURAS ...................................................................................................... 22

    GOVERNO DA SOCIEDADE ..................................................................................................... 24

    DISPOSIES LEGAIS ............................................................................................................. 60

    CONSIDERAES FINAIS ........................................................................................................ 63

    DECLARAO NOS TERMOS DO ART. 245, 1, AL. C) DO CDIGO DE VALORES MOBILIRIOS ............................................................................................................................. 65

    DECLARAO DE RESPONSABILIDADE .............................................................................. 65

    ANEXO I ...................................................................................................................................... 66

  • 4

    I. Relatrio de Gesto

    Senhores accionistas O Conselho de Administrao da Altri, SGPS, S.A. (daqui em diante Altri ou Sociedade ou ainda Grupo), em observncia das disposies legais e estatutrias aplicveis, apresenta o Relatrio e Contas relativo ao exerccio de 2017, tendo, ao abrigo do nmero 6 do art. 508 C do Cdigo das Sociedades Comerciais (C.S.C.), optado por apresentar um Relatrio de Gesto nico, que dando cumprimento a todas as exigncias legais aplicveis, permitir uma anlise completa prtica e integrada da informao a disponibilizada. INTRODUO O ano de 2017 foi, uma vez mais, um ano record em termos de produo e de venda de pasta. A Altri foi constituda em Maro de 2005 e rapidamente ficou conhecida e reconhecida como um produtor europeu de referncia de pasta de papel de eucalipto, e, mais recentemente, na produo de pasta solvel, sendo igualmente um player de referncia no sector das energias renovveis de base florestal, nomeadamente na cogerao industrial atravs do licor negro e da biomassa, na medida em que a sua estratgia florestal assenta no aproveitamento integral de todos os componentes disponibilizados pela floresta: pasta, licor negro e resduos florestais. A totalidade das aces que representam o seu capital social esto admitidas negociao em mercado regulamentado, na Euronext Lisbon, integrando o seu principal ndice de referncia, o PSI-20. O sucesso da Altri deve-se a uma multiplicidade de factores, devendo destacar-se o elevado nvel de investimento realizado, sobretudo nos ltimos anos - a Altri investiu em Portugal mais de 580 milhes de Euros nas suas unidades industriais, o que permitiu dot-las da mais avanada tecnologia de ponta conhecida no mercado mundial, adaptando-as, desde j, s condies do Novo BREF (Best Available Techniques Reference Document for the Production of Pulp, Paper and Board) que se comea a desenhar e que se prev que venha a entrar em vigor j em 2019. As unidades industriais da Altri so, por isso, hoje, referncias nacionais e internacionais em matria de boas prticas e de compliance ambiental. A Altri detm trs fbricas de pasta de papel em Portugal, a Celulose Beira Industrial (CELBI), S.A., situada na Figueira da Foz, a Celtejo Empresa de Celulose do Tejo, S.A., situada em Vila Velha de Rdo e a Caima Industria de Celulose, S.A. situada em Constncia, com uma capacidade instalada de produo de pasta de eucalipto, no total das trs unidades, superior a 1 milho de toneladas por ano. A floresta um activo estratgico da Altri. Em finais de 2017 a Altri, atravs da sua subsidiria, a Altri Florestal, S.A., mantinha sob sua gesto cerca de 79 mil hectares de terrenos florestais em Portugal. A gesto praticada pela Altri Florestal, S.A. encontra-se certificada pelos principais sistemas de certificao de gesto florestal sustentvel e representa uma garantia para a prossecuo dos objectivos da Empresa, hoje e no futuro. Nestes terrenos, o eucalipto destaca-se como a principal cultura da floresta da Altri, garantindo um auto-abastecimento complementar ao fornecido pelo mercado em madeira e biomassa, encontrando-se estes terrenos integralmente certificados pelo Forest Stewardship Council (FSC)1 e pelo Programme for the Endorsement of Forest Certification (PEFC), duas das mais reconhecidas entidades certificadoras a nvel mundial. Os recursos florestais da Altri, embora se encontrem dispersos em todo o Pas, na sua grande maioria esto concentrados no Vale do Tejo, conferindo-lhes uma importncia acrescida face

  • 5

    I. Relatrio de Gesto

    sua proximidade aos centros fabris da Altri. Esta proximidade tem uma grande importncia estratgica pois permite uma optimizao dos custos de transporte, assim como uma grande eficcia na mobilizao de madeira quando comparada com a produo de madeira localizada a maiores distncias. A prossecuo da estratgia industrial da Altri assenta na gesto florestal integrada em Portugal, que visa a optimizao da floresta, garantindo um aproveitamento integral de todos os seus componentes. Assim, o eucalipto processado nas fbricas da Altri, produzindo pasta de papel e energia elctrica (cogerao), sendo que a casca, os ramos e os desperdcios florestais so utilizados para produzir energia elctrica atravs de biomassa. A estratgia de desenvolvimento da Altri est claramente assente no reforo da eficincia operativa e, simultaneamente, na diversificao das fontes de receita para segmentos de maior valor acrescentado e que possibilitem uma evoluo na cadeia de valor. Assim, para competir confortavelmente no mercado das commodities, e num contexto adverso de taxa de cmbio, a Empresa tem que reduzir os custos de operao e, por outro lado, investir na produo de produtos de maior valor acrescentado que permitam o crescimento do Grupo. A Altri pretende ser o produtor mais eficiente escala global na colocao da pasta de papel porta dos seus clientes. Com esse objectivo, a Altri desenvolveu uma estratgia assente em trs pilares:

    Reduo do cash-cost por tonelada: os projectos levados a cabo nos ltimos anos e em curso no implicam aumento dos custos fixos, conduzindo a uma diluio do cash-cost por tonelada;

    Localizao estratgica da base de clientes: a localizao privilegiada dos clientes da Altri a Europa Ocidental e Central, o que permite optimizar a relao entre a qualidade de servio aos clientes e o custo de transporte mnimo;

    Auto-suficincia de madeira: a Altri tem sob gesto cerca de 79.000 hectares de floresta em Portugal, o que lhe assegura um nvel potencial de auto-suficincia de madeira de cerca de 20%.

    Na prossecuo dos seus objectivos de melhoria contnua, e em particular no que diz respeito valorizao dos recursos florestais, a Altri adquiriu, em 2005, 50% da EDP Produo Bioelctrica, S.A. para, em parceria com a EDP, produzir energia elctrica a partir de biomassa florestal. Esta empresa lder no seu segmento de mercado, com uma quota de licenas de produo de energia elctrica atravs de biomassa florestal de 50%. Actualmente, a estrutura orgnica funcional do Grupo Altri pode ser representada como segue:

  • 6

    I. Relatrio de Gesto

    ENQUADRAMENTO ECONMICO Num ano marcado pelo incio de mandato de Donald Trump, pelas tenses com a Coreia do Norte e pelo crescimento do interesse em redor das criptomoedas, a Europa teve um ano politicamente mais benigno do que se antecipava, muito por culpa da bem-sucedida eleio de Macron em Frana e pelo recuo da extrema-direita. Tudo isso contribuiu para que 2017 fosse um ano muito positivo para os mercados financeiros, com recordes histricos em vrias praas de mercados. Na Zona Euro, o PIB cresceu 0,6% em cadeia no quarto trimestre e 2,7% em termos homlogos. No conjunto de 2017, o PIB da Zona Euro cresceu 2,5%. Em Portugal, a economia portuguesa continua a beneficiar de um contexto extraordinariamente favorvel, com a procura externa de bens e servios a puxar a economia. Quer o FMI quer a OCDE estimaram a variao anual do PIB em 2017 de 2,6%, comparativamente aos 1,6% registados em 2016. No que respeita ao mercado de trabalho, a taxa de desemprego desceu 2,2% face a 2016, resultado melhor do que a estimativa do Governo. Relativamente inflao, esta manteve-se em linha com a mdia da Zona Euro fixando-se em 1,4%, face aos 0,2% verificados em 2016. Na Europa, as perspectivas para 2018 apontam para uma provvel continuao da trajectria ascendente do crescimento. A Comisso Europeia aponta para um crescimento de 2,3% na Unio Europeia e 2,2% na Zona Euro, previses essas que podero ser revistas em alta. J o desemprego dever cair para os 8,5% na Zona Euro, enquanto na Unio Europeia esse valor aponta para os 7,8%. Estes resultados so mo