Registo Escrito de Avaliação - .4 A disgrafia é uma dificuldade de aprendizagem específica que

download Registo Escrito de Avaliação - .4 A disgrafia é uma dificuldade de aprendizagem específica que

of 45

  • date post

    07-Sep-2018
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Registo Escrito de Avaliação - .4 A disgrafia é uma dificuldade de aprendizagem específica que

  • CENTRO DE FORMAO DO SINDICATO DOS PROFESSORES DA MADEIRA

    Registo Escrito de Avaliao

    - Disgrafia -

    ESTRATGIAS DE INTERVENO E RECUPERAO

    PARA ALUNOS COM DIFICULDADES EM CONTEXTO

    ESCOLAR: DIFICULDADES COMPORTAMENTAIS E DE

    APRENDIZAGEM

    Data: 6, 7, 8 e 9 de julho de 2015

    Horrio: Das 09:00 s 12:30 e das 14:00 s 17:30 (ltimo dia das 09:00 s 13:00)

    Durao: 25 Horas Crditos: 1

    Local: Escola Bsica e Secundria Prof. Dr. Francisco Freitas Branco Porto Santo

    Formadora: ngela Freitas

    Formandas:

    Licnia Soares

    Maria Lgia Ornelas

  • 2

    Escreve, se puderes, coisas que sejam to improvveis como um sonho, to

    absurdas como a lua-de-mel de um gafanhoto e to verdadeiras como o

    simples corao de uma criana.

    Ernest Hemingway

    No h melhor arma do que o conhecimento, e no h melhor fonte de

    conhecimento do que a palavra escrita.

    Malala Yousafzai

  • 3

    Disgrafia

  • 4

    A disgrafia uma dificuldade de aprendizagem especfica que afeta a caligrafia,

    nomeadamente a legibilidade e a velocidade da escrita. uma dificuldade intrnseca

    e permanente.

    Quando um aluno apresenta erros que prejudicam a qualidade (forma,

    tamanho), velocidade ou conforto (postura, pega no lpis/esferogrfica) da sua

    escrita manual, deste modo considera-se que revela dificuldades ao nvel da

    caligrafia.

    A criana com disgrafia apresenta uma escrita desviante em relao

    norma/padro, isto , uma caligrafia imperfeita, com letras pouco distintas, mal

    redigidas e desproporcionadas, tambm designada de letra feia.

    Naturalmente, uma criana em processo de aprendizagem da escrita denota

    dificuldades no traado das letras. Durante este perodo, o professor dever revelar

    especial ateno e dever desenvolver estratgias necessrias para que os alunos

    realizem adequadamente a escrita.

    de referir ainda que o estudo das causas da disgrafia complexo, pois so

    muitos os fatores que podem levar a uma escrita alterada.

    Para ajudar um aluno com disgrafia o professor deve, primeiramente,

    estabelecer uma relao afetiva com a criana e faz-la perceber que a sua presena

    importante para apoi-la.

    fundamental elogiar a criana pelo seu esforo, mesmo que os resultados

    nem sempre estejam de acordo com o desejado. Contudo, o docente deve estar

    sensibilizado para alterar a sua interveno/estratgias quando o aluno revelar

    desmotivao e desinteresse, estimulando-a para ultrapassar as suas dificuldades.

    Outro aspeto bastante importante o reforo positivo da caligrafia da criana,

    uma vez que ela se esfora bastante por escrever corretamente. O processo de

    aprendizagem da escrita lento e longo e a criana a primeira a achar a sua letra

    horrvel. Deve evitar-se, por isso mesmo, for-la a modificar abruptamente a sua

    caligrafia.

  • 5

    Sinais de alerta

    M organizao da pgina;

    Texto sem unidade e desordenado;

    Aspeto do conjunto sujo;

    Letras deformadas;

    Choques entre as letras;

    Traos de m qualidade;

    Letras corrigidas diversas vezes;

    Enlaces mal feitos;

    Espaos entre as linhas e palavras irregulares, linhas mal mantidas;

    Pouco grau de nitidez entre as letras;

    Dimenses exageradas (muito grandes ou pequenas);

    Desproporo entre pernas e hastes;

    Postura grfica incorreta;

    Preenso e suporte inadequados dos instrumentos de escrita;

    Ritmo de escrita muito lento ou muito rpido;

    Dificuldades na escrita de nmeros e letras;

    Dificuldades de imitar o que v (martelar, amarrar sapatos, fazer mmicas);

    Pega incorretamente no lpis/caneta;

    Fenmenos dolorosos geralmente por hipertonia de mo e dedos;

    Dificuldades para copiar letras e outros smbolos pois no oferecem pista dos

    padres motores que se deve usar;

    Desenhos distorcidos, mal colocados na folha, sem proporo ou planeamento e

    pobres em detalhes;

    Excessiva inclinao da folha ou ausncia de inclinao.

  • 6

    Estratgias em contexto de sala de aula

    Aps o professor diagnosticar um aluno com disgrafia, tendo em conta as suas

    dificuldades, necessrio realizar uma interveno especfica de modo a

    proporcionar ao aluno situaes favorveis sua aprendizagem que vo ao encontro

    das suas capacidades e que ajudem a satisfazer as suas necessidades.

    Deste modo, propomos algumas estratgias que podero a mdio e longo

    prazo ajudar a criana com disgrafia a sucessivamente ultrapassar as suas

    limitaes.

    Estudo de Caso

    O Constantino tem 8 anos e frequenta o 3. ano de escolaridade. uma criana

    inteligente, responsvel, autnoma, trabalhadora e empenhada. Ao nvel de relaes com

    os pares um aluno amigo e gosta de auxiliar os colegas. Contudo, foi-lhe diagnosticado

    aos 7 anos de idade disgrafia evolutiva, uma vez que revelava uma letra ilegvel e uma

    escrita muito lenta em relao aos colegas da turma. uma criana que efetua uma

    leitura com entoao e expressividade, compreende a informao lida, expressa-se

    oralmente de forma clara, confiante e audvel, com adequao ao contexto e ao objetivo

    comunicativo. Na comunicao escrita, interpreta com sucesso os textos, organiza ideias

    e conceitos textualmente, redige com relativa correo ortogrfica mas no que respeita

    caligrafia quase que indecifrvel, desorganizada e tem m orientao espacial em

    relao folha, verificando-se nas suas produes escritas, frequentemente, borres e

    rasuras.

  • 7

    Desenvolvimento psicomotor

    Esquema corporal

    Desenhar letras no solo e a criana dever caminhar sobre elas e posteriormente

    dever realizar a mesma atividade sem que a letra esteja desenhada.

    Fazer jogos em frente ao espelho e outros tradicionais (o rei manda; o jogo das

    esttuas;).

    Praticar danas com ou sem coreografias.

    Danar, livremente, ao som dos instrumentos musicais.

    Lateralidade

    Identificar e pintar objetos esquerda e direita.

    Desenhar pequenos objetos esquerda e direita de outro desenho.

    Lanar objetos com uma mo e com outra, de forma alternada.

    Realizar jogos de movimento para identificar o lado direito e esquerdo (ditados

    de lateralidade).

    Orientao espao-temporal

    Explorar as noes de em cima, debaixo, dentro, fora, na fronteira, ao lado, entre,

    atrs, frente

    Completar sequncias.

    Sequenciar imagens.

    Fazer o reconto de uma histria atravs de imagens com sequncia lgica.

    Registar o quadro das presenas e do tempo.

  • 8

    Desenvolvimento da motricidade fina

    Realizar enfiamentos.

    Desenhar letras no quadro com o dedo molhado, verbalizando o movimento.

    Contornar letras e nmeros.

    Construir letras em plasticina, barro ou outro material moldvel.

    Pintar desenhos, com ou sem contorno.

    Rasgar livremente a folha toda de uma extremidade outra.

    Realizar atividades de recorte livre ou com orientao e colagem.

    Utilizar digitinta para desenhar as letras.

    Coordenao visomotora

    Preencher linhas, caminhos e labirintos.

    Completar as simetrias.

    Atar os sapatos, abotoar os botes e colocar a roupa do lado direito.

  • 9

    Desenvolvimento do grafismo

    Grafismos simples

    Completar grafismos.

    Ligar pontos na vertical e na horizontal.

    Unir tracejados.

    Preenso

    Explorar diversos materiais com diferentes texturas (lixa, algodo, tecido,

    esfrego) e tamanhos para que a criana sinta e tenha conhecimento das

    diferentes intensidades de fora.

    Treino das letras

    Cobrir as letras (caderno caligrfico).

    Escrever letras com recurso ao escantilho.

    Treinar a letra no cho/areia, no quadro da sala

    Escrita

    Escrever palavras com letras de haste ascendente e descendente, em papel

    pautado ou quadriculado.

    Utilizar folhas quadriculadas para ajudar a corrigir os transtornos de dimenso

    das letras.

  • 10

    Postura corporal

    Incentivar a criana a adotar uma postura em que o corpo permanea paralelo

    mesa evitando que se forme um ngulo com esta.

    Relembrar criana que as costas devero estar apoiadas nas costas da cadeira e

    s a zona dorsal dever formar um ligeiro ngulo com o bordo da mesa.

    Materiais de recurso para apoiar crianas com disgrafia

    Auxiliares de escrita para melhorar o controlo do lpis/caneta e,

    consequentemente, da escrita (Big triangle; Mini Grip; Extreme Gel; C.E.L.A.W.);

    Bola de espuma de alta densidade;

    Escantilho;

    Lpis de cera em forma de tringulo;

    Superfcies com diferentes texturas;

    Enfiamentos;

    Computador;

    Digitinta, plasticina, barro, areia

    Papel de revistas e jornais;

    Tesoura;

    Pincis;

    Tintas e cores.

  • 11

    FICHAS

    DE TRABALHO

  • 12

    FICHA DE TRABALHO

    - Motricidade: ampla/fina -

    Nome: ______________________________________________________________ Data: _____/_____/______

    1 Completa as linhas que faltam e pinta os desenhos.

  • 13

    FICHA DE TRABALHO

    - Motricidade: ampla/fina -

    Nome: ______________________________________________________________ Data: _____/_____/______

    1 Completa as linhas que faltam