Redig br

download Redig   br

of 170

  • date post

    01-Nov-2014
  • Category

    Design

  • view

    2.865
  • download

    10

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Redig br

  • 1. FUNDAMENTOS do Design de Aloisio Magalhes DESIGN BR 1970 Joaquim RedigBLCHER
  • 2. Como o saber e a metodologia do Designforam buscar na ento desprestigiada identidade brasileiraos signos que permitiram maior empresa nacional competirnum mercado multinacional altamente desenvolvido e concorrido,como o da produo e comrcio de energia automotiva.
  • 3. FUNDAMENTOS DO DESIGN DE ALOISIO MAGALHESDESIGN BR 1970 SUMRIO INTRODUO Parte I. HISTRIA pg. 4 Resumo pg.16 Antecedentes Histricos 7 Antecedentes Pessoais 24 Linha do Tempo 8 Porque Aloisio Magalhes? 27 Cronologia 11 Porque o Projeto BR? 38 Linha Evolutiva 13 Abrangncia 57 Posicionamento Empresarial 14 Avisos 59 Conjuntura Histrica Parte II. PROJETO: SISTEMAS 64 Introduo ao Projeto 68 CORES 80 MARCA 100 TIPOGRAFIA 106 Projetos dentro do Projeto: 107 EQUIPAMENTOS 115 EMBALAGENS 122 IMPRESSOS (estudos) 124 Referncias do Projeto 132 Equipe como Processo Parte III. OBJETO 160 CONCLUSES 138 Introduo ao Objeto REGISTROS 143 Critrios de Classificao 165 Ficha Tcnica Projeto BRJoaquim Redig 144 Relao de Objetos 166 Bibliografiatrabalho realizado no 148 Quadro Sintico dos Objetos 169 AgradecimentosCurso de Mestrado em Design da ESDI-UERJ 2007Escola Superior de Desenho Industrial 149 Relevncias 170 CrditosUniversidade do Estado do Rio de Janeiro 158 Nveis de Ao 171 Anexos (A, B, C, D)
  • 4. J.Redig 2007 / DesignJ.Redig 2007 / Design BR 1970 / Resumo BR 1970 / Posicionamento Empresarial 177 4RESUMO Aloisio Magalhes foi um dos iniciadores do Design brasileiro 2) Que o processo de trabalho de Alosio Magalhes oferece na prtica profissional, no ensino acadmico, na rico material de anlise sobre o processo de Design. institucionalizao da atividade, e na reflexo sobre sua natureza tcnica, e social. O seu projeto para a Petrobrs Este trabalho foi realizado dentro do Curso de Mestrado em desenvolvido entre 1970 e 72, realizado por seu escritrio no Design da Esdi/Uerj (Escola Superior de Desenho Industrial da auge da sua carreira como designer, o melhor testemunho de Universidade do Estado do Rio de Janeiro), contando com a sua ao nesse campo, pela importncia desta companhia para orientao dos Professores Lauro Cavalcanti e Guilherme o pas, pela abrangncia do projeto (do carto de visita aos Cunha Lima, com a contribuio do Professor Washington tanques de refinarias) pela sua implantao em plano Lessa, e ainda com a participao da Professora Edna Lcia nacional, e pela inovao formal, tcnica, metodolgica e Cunha Lima, da PUC-Rio (Pontifcia Universidade Catlica do mesmo lingstica que representou - se podemos estender este Rio de Janeiro), como membro convidado da Banca termo linguagem visual. Examinadora. Particularmente, disponho de posio nica para realizar esta pesquisa, por ter trabalhado grande parte da minha vida profissional com Aloisio, por ter trabalhado especfica e intensamente neste projeto, e ainda por no ter participado da sua concepo inicial. Alm disso, tenho desde ento atuado como designer nesta rea da distribuio de petrleo, e acumulado informao sobre este mercado ao longo de 3 dcadas, o que me ofereceu vasto material de anlise. Por isso, embora meu foco seja o projeto de Aloisio e equipe em 1970, para compreend-lo fundamental analisar que havia antes e que veio depois, o que permaneceu do projeto, e o que mudou. Deste processo tiro 2 concluses principais: 1) Que o projeto de sistemas grficos ou de produtos a forma do designer resolver o paradoxo entre necessidades opostas do processo de design, como a diversidade dos objetos de Palavras-Chave: comunicao visual de uma empresa e sua unidade visual. Design, Metodologia, Sistema, Identidade, Branding, Brasil, Petrleo
  • 5. importante frisar que alguns dos critrios estticos quea bossa nova cunhou impregnaram sua gramtica [de TomJobim]: caso da reduo de elementos, da clareza meldicaque prescinde de ornamentos, sobretudo da diminuio dapresso afetiva. Essa conteno e economia pareciamestar no ar da poca. Chico Mello, trecho do artigo Muito alm da Bossa Nova, (Revista Bravo, ano 4 n42, Maro 2001)
  • 6. DESIGN BR 1970 INTRODUO
  • 7. J.Redig 2007 / Design BR 1970 / Introduo 7INTRODUO ANTECEDENTES PESSOAIS Graas a essa sugesto de Guilherme passei os 2 ltimos anos observando uma s face - o trabalho que Aloisio e sua equipe Antes de iniciar, gostaria de colocar algumas razes pessoais fizeram para Petrobrs Distribuidora, de 1970 a 72, o ltimo para realizar este trabalho: grande projeto de design corporativo em que ele se envolveu A primeira que, tendo colaborado com Aloisio Magalhes pessoal e exaustivamente, e aquele que consolidou seu como designer durante 15 anos seguidos (de 1966 a 81, indo Escritrio, permitindo-lhe novos vos. de aprendiz a scio e diretor tcnico de seu escritrio), fui Realmente, sua realizao mais significativa, do ponto de vista testemunha de muitas das aes que aqui quero estudar. do Design: a mais abrangente, e a mais contundente, pela A segunda que venho pesquisando sua obra e seu aplicao prtica da metodologia do Design, que aprendemos pensamento h muitos anos. nesta Escola, ao longo de vrias dcadas. Portanto, a melhor porta de acesso ao meu objeto de anlise: OS FUNDAMENTOS E a terceira que desde este Projeto tenho trabalhado para o DO DESIGN DE ALOISIO MAGALHES. setor do petrleo quase ininterruptamente, e sempre melhor falar daquilo que se conhece bem. Embora j tivesse conhecimento de tudo que estive observando durante estes 2 anos no Mestrado, me surpreendi com a DESTINO quantidade de insumo que um projeto como este oferece para a anlise do processo de Design. Por isso, acho que a escolha foi Mais do que cumprindo uma etapa de um programa de certa. pesquisa, me sinto aqui cumprindo um destino. Que tem a ver com este lugar, esta Escola (com esta sala, especialmente), com POSICIONAMENTO esta Cidade, que tem a ver com Aloisio Magalhes, e com a grande parte da minha vida profissional que dediquei a ele, e O destino me colocou ainda numa posio privilegiada para que recebi dele. fazer este trabalho. Primeiro porque, casualmente, no