Redes Convergentes DIAT Vs NovaGenesis

download Redes Convergentes DIAT Vs NovaGenesis

of 62

  • date post

    23-Jan-2018
  • Category

    Technology

  • view

    112
  • download

    2

Embed Size (px)

Transcript of Redes Convergentes DIAT Vs NovaGenesis

  1. 1. Redes Convergentes e Arquitetura para Internet do Futuro Santa Rita do Sapuca, 19 de Novembro de 2016 Antnio Carlos Gomes1, Epper Bonomo1, Jorge Roberto Carneiro1 1Instituto Nacional de Telecomunicaes Inatel , Santa Rita do Sapuca-MG, Brasil. E-mail: antoniocg@mtel.inatel.br , epper.bonomo@mtel.inatel.br, jorge.carneiro@mtel.inatel.br Fone: 55 (35) 99727-9171, 55 (11) 94598-5028, 55 (35) 99826-5884
  2. 2. Agenda Redes Convergentes Arquitetura DIAT Arquitetura NovaGenesis Analise e Comparaes Concluso Referncias Dvidas e Esclarecimentos ICTLAB@2s2016 2
  3. 3. Redes Convergentes Viso e contexto ICTLAB@2s2016 3
  4. 4. 4 Rede Convergente Contexto ICTLAB@2s2016 Uma anlise da histria da tecnologia demonstra que a mudana tecnolgica exponencial, ao contrrio do senso comum "viso linear 'intuitivo, Kurzweil 2005, segundo a lei dos retornos acelerados demonstra este aumento Exponencial. Em algumas dcadas, a inteligncia da mquina ir superar a inteligncia humana, levando singularidade mudana tecnolgica to rpida e profunda que representar uma ruptura/disrupo para a raa humana. Isso causar implicaes incluem a fuso da inteligncia biolgica e no biolgica, software-humano, imortalidade, e ultra-altos nveis de inteligncia que se expandem no universo na velocidade da luz. 2020
  5. 5. 5 Rede Convergente Desafios ICTLAB@2s2016 Autonomicidade Inteligncia Dinamicidade Zero Configurao Heterogeneidade Interoperabilidade Segurana Privacidade Capacidade para coletar e processar dados e colaborar com outros objetos Deve operar com o mnimo de interferncia humana Mobilidade e capacidade de adaptao de acordo com cada ambiente onde atuar Dispositivo capaz de se auto ajustar a cada ambiente que for exposto Como manter a integrao entre os diferentes tipos de dispositivos? Como garantir a interao entre sensores e atuadores e os vrios dispositivos que podem desempenhar vrias funes dependendo do ambiente em que esto? Em funo da escala e heterogeneidade, como garantir segurana e privacidade s informaes?
  6. 6. Autonomicidade Inteligncia Dinamicidade Zero ConfiguraoHeterogeneidade Interoperabilidade Segurana Privacidade 6 Rede Convergente Desafios ICTLAB@2s2016
  7. 7. Rede Convergente Vs Redes Centradas a Mquinas ICTLAB@2s2016 7 FTP SMTP
  8. 8. 8 Rede Convergente Vs Aumento Exponencial ICTLAB@2s2016 Redes autonmica & Cognitivas Previso de Bilhes equipamentos Reduo Interao Humana Softwarizao de Rede (SDN) Virtualizao das Funes (NFV) Plataformas de Trabalho Virtual (VWT) Dispositivos e Objetos Auto-* Auto nvel de Conectividade e automao Necessrio ser centrado a Servio
  9. 9. Rede Convergente Centrado em Informao ICTLAB@2s2016 9 Centrada Mquina Centrada Servio Centrada Informao Processo de Migrao
  10. 10. Tudo como informaoInformao Tudo como servioServio Como integrao ao HW e SWVirtualizao Base de dispositivosFisico Rede Convergente Centrado em Informao ICTLAB@2s2016 10 Estruturapropostaparanovas arquiteturasderedesdofuturo Tem que ser Inteligente para prover solues recuperao da rede
  11. 11. Rede Convergente Arquitetura atual Internet ICTLAB@2s2016 11 WEB HTTP Internet
  12. 12. Rede Convergente Arquiteturas abordadas ICTLAB@2s2016 12 DIAT Centradas a Servio Nomeao Cache de Rede Onde a informao deve estar disponvel? Softerizao Servicerizao Nomes auto-certificados
  13. 13. Agenda Redes Convergentes Arquitetura DIAT Arquitetura NovaGenesis Analise e Comparaes Concluso Referncias Dvidas e Esclarecimentos ICTLAB@2s2016 13
  14. 14. Arquitetura DIAT Viso e Contexto ICTLAB@2s2016 14
  15. 15. VOL CVOL SL Segurana Gerenciamento APLICAO Sub Tarefa Anlise Servio Gerao Servios Coordenao Otimizao Traduo Aproximao Observao Descoberta IoTDeamon Redes heterogneas, dispositivos e sistemas Camada de comunicao e Fsica Principais Funes Arquitetura DIAT ICTLAB@2s2016 15
  16. 16. Redes heterogneas, dispositivos e sistemas Camada de comunicao e Fsica VOL Traduo Descoberta Camada de Virtualizao do Objeto Responsvel por virtualizao de objetos fsicos ou entidades. Fornece uma descrio semntica das capacidades e caractersticas dos objetos reais associados, expondo os recursos disponveis no objetos fsicos. Essa abstrao ajuda a lidar com a heterogeneidade em vrios dispositivos, sistemas e redes, e garante a interoperabilidade e reutilizao de objetos Arquitetura DIAT ICTLAB@2s2016 16
  17. 17. VOL CVOL Coordenao Otimizao Traduo Aproximao Observao Descoberta Redes heterogneas, dispositivos e sistemas Camada de comunicao e Fsica Camada de Composio do VOL Permite uma comunicao e a coordenao entre objetos virtuais. Uma CVO composta dinamicamente de acordo com as necessidades dos servios (tarefas), uma CVO criada pela combinao de vrias VOs e/ou outras CVOs com base na necessidade de uma tarefa visando otimizar as operaes. A descrio semntica fundamental nesta etapa. Arquitetura DIAT ICTLAB@2s2016 17
  18. 18. VOL CVOL SL Sub Tarefa Anlise Servio Gerao Servios Coordenao Otimizao Traduo Aproximao Observao Descoberta Redes heterogneas, dispositivos e sistemas Camada de comunicao e Fsica Principais Funes APLICAO Camada de Servio Responsvel pela criao e gesto do servio, recebe da camada CVO pedidos de tarefa dos usurios e aloca servios apropriados para assegur-los, esta facilidade chamada de criao automtica de servio. Alm disso, sempre que uma solicitao for recebida, a camada de servio analisa e pode subdividir em tarefas secundrias. Arquitetura DIAT ICTLAB@2s2016 18
  19. 19. VOL CVOL SL Segurana Gerenciamento APLICAO Sub Tarefa Anlise Servio Gerao Servios Coordenao Otimizao Traduo Aproximao Observao Descoberta Redes heterogneas, dispositivos e sistemas Camada de comunicao e Fsica Principais Funes Gerenciamento Segurana A gesto das polticas de segurana e privacidade realizada por um mdulo transversal s camadas, responsvel pela avaliao das polticas que devem ser aplicadas pelo SL, CVOL e VOL Arquitetura DIAT ICTLAB@2s2016 19
  20. 20. VOL CVOL SL Segurana Gerenciamento APLICAO Sub Tarefa Anlise Servio Gerao Servios Coordenao Otimizao Traduo Aproximao Observao Descoberta IoTDeamon Redes heterogneas, dispositivos e sistemas Camada de comunicao e Fsica Principais Funes Arquitetura DIAT ICTLAB@2s2016 20
  21. 21. Gerenciamento de Segurana (SM) 21 Arquitetura DIAT Segurana ICTLAB@2s2016 Gerenciamento de Politicas (PM) Repositrio de Politicas (PR) Ponto de deciso de Politicas (PDP) Evento Execuo (Permitir, negar, modificar, retardar) VOL CVOL SLPonto de Aplicao de Politica (PEP) (Tecnolgico e camada especfica) Responsvel por recuperar as polticas de segurana do PR entregar para o PDP Onde so armazenadas as regras de poltica de segurana Responsvel por instanciar as regras de polticas e subscrever os eventos para o PEP Responsvel por interpretar atividades especficas das diferentes camadas e distribuir as polticas para as diferentes camadas do DIAT O mdulo de Gerenciamento de Segurana (SM) define as regras que so aplicadas nas diversas camadas do DIAT
  22. 22. Percepo Compreenso Projeo Decide Monitor CVOL VOL Conhecimento Pesquisa Aprendizagem Atua Observa SL CVOL VOL Arquitetura DIAT Criao de Servio / Ambiente de Contexto ICTLAB@2s2016 22 Analise de Contextos
  23. 23. Arquitetura DIAT Criao de Servio ICTLAB@2s2016 23 A criao do servio de forma automtica de acordo com o contexto e situao utilizando uma entidade cognitiva, chamado Observador, que desempenha um papel fundamental na automatizao fornecendo a inteligncia do servio. Conscincia do contexto, parte integrada do observador, que monitora continuamente os objetos e obtm as informaes contextuais as quais so utilizadas para tomadas de deciso em uma mudana de situao: humanos e no humanos: [Corrente Localizao, Estado Operao, Prox. Trb. Fila, interrupo] [Extenso Localizao] [Extenso Estado de Operao] [Tempo de Notificao, Servio Complementar] Humano No Humano [Sinal de Ateno, Grupo Vizinho de trabalho, Agrup. de Vizinho de trabalho]
  24. 24. 24ICTLAB@2s2016 Arquitetura DIAT Analise de Contextos Informaes semnticas que possibilitam a identificao da localizao do usurio, por exemplo: at home, at office O estado que indica que uma pessoa ou objeto est atualmente envolvida, por exemplo: in Meeting, is Working Este campo descreve os prximos trabalhos que so derivados de uma lista de afazeres Define um flag de interrupo se algum servio requer ateno humana Indica se algo usual ou no para um determinado objeto Cria um grupo de objetos semelhantes dentro de uma pequena rea Visa a criao de grupo de objetos semelhantes ou no associado a sua posio geogrfica [Corrente Localizao, Estado Operao, Prox. Trb. Fila, interrupo] [Extenso Localizao] [Extenso Estado de Operao] [Tempo de Notificao, Servio Complementar] Humano No Humano [Sinal de Ateno, Grupo Vizinho de trabalho, Agrup. de Vizinho de trabalho]
  25. 25. Smartphone Observador Smart Firdge Refrigerador Gerador de Servio 1 2 Shopper 3 Smart Helth Care Dieta 4 4 Smart Car Navegador 5 Smart Transportation Trfego Cidade 6 Smart Home Contr. Tempera 7 Arquitetura DIAT Exemplo ICTLAB@2s2016 25 Fim do Exemplo
  26. 26. ICTLAB@2s2016 26 O smartphone deste usurio identifica que um item essencial est faltando em sua geladeira Este observador ento dispara a gerao de um novo servio O Servio criado na camada SL do smartphone solicita a formao de um CVO, chamado shopper, com objetivo de coordenar e envolver os VOs / CVOs necessrios para cumprir aquela tarefa. O shopper dispara uma consulta uma VO que tem acesso s informaes das orientaes de dieta para aquele usurio (helth-care). De posse destas recomendaes e produtos que faltam, o gerenciador do servio inseri esta necessidade na lista de prximas atividades Supondo que o usurio estivesse no escritrio e fosse identificado uma mudana de contexto, o gerenciador de tarefa se comunica com o ambiente inteligente do carro e avisa que ele precisa co