Os portos na origem dos centros urbanos

of 35 /35
TRABALHOS DE ARQUEOLOGIA 28 Maria Luísa B. H. Pinheiro Blot Os portos na origem dos centros urbanos Contributo para a arqueologia das cidades marítimas e flúvio-marítimas em Portugal

Embed Size (px)

description

Contributo para a arqueologia das cidades marítimas e flúvio-marítimas em Portugal TRABALHOS DE ARQUEOLOGIA Maria Luísa B. H. Pinheiro Blot

Transcript of Os portos na origem dos centros urbanos

  • 1. T R A B A L H O S D E A R Q U E O L O G I A 2 8 M a r i a L u s a B . H . P i n h e i r o B l o t Os portos na origem dos centros urbanos Contributo para a arqueologia das cidades martimas e flvio-martimas em Portugal
  • 2. TRABALHOS DE ARQUEOLOGIA; 28 COORDENAO EDITORIAL Antnio Marques de Faria DESIGN GRFICO TVM Designers PR-IMPRESSO E IMPRESSO Grfica Maiadouro TIRAGEM 500 exemplares Depsito Legal 189234/02 ISSN 0871-25 ISBN 972-8662-11-4 Instituto Portugus de Arqueologia LISBOA 2003 O Instituto Portugus de Arqueologia respeita os originais dos textos que lhe so enviados pelos autores, no sendo, assim, responsvel pelas opinies expressas nos mesmos, bem como por eventuais plgios, cpias ou quaisquer outros elementos que de alguma forma possam prejudicar terceiros.
  • 3. Ao Jean-Yves, a meus Pais, aos navegantes em demanda de um porto
  • 4. Agradecimentos Agradecemos em primeiro lugar Professora, e Directora do Mestrado em Arqueologia da Universidade do Minho, Doutora Maria Manuela Martins, bem como aos restantes Professores do mesmo Mestrado, Doutora Manuela Delgado, Doutora Maria da Conceio Falco, Doutor Francisco Sande Lemos, Doutor Jos Meireles. A todos o nosso agradeci- mento pelos saberes transmitidos e pelos momentos das aulas em cujo ambiente fomos con- cebendo o tema que hoje aqui apresentamos. Agradecemos especialmente ao Doutor Francisco Sande Lemos, o facto de ter aceite a orientao do presente estudo, bem como as mltiplas e preciosas sugestes que no s vieram desvendar alguns caminhos, como per- mitiram que este trabalho atingisse as propores com que o apresentamos. Ao mesmo Professor e orientador agradecemos a minuciosa reviso do texto, assim como todas as cor- reces, sempre oportunas e esclarecedoras. A Jean-Yves Blot, a nossa gratido pela genero- sa e permanente disponibilidade na partilha dos conhecimentos e do mtodo. A Augusto Pinheiro agradecemos a preciosa ajuda na organizao do texto. Doutora Cristina Bernardes, a nossa gratido pela documentao transmitida, indispensvel compreenso dos processos de transformao do litoral portugus. Agradecemos aos Drs. A. M. Dias Diogo, P. A. Pirazzoli, Fernando Real e J. Beleza Moreira, as preciosas sugestes, a docu- mentao e as informaes generosamente cedidas; Dra. Isabel de Luna agradecemos as facilidades concedidas na reproduo de documentos. Ao Eng.o Jos Farrajota e ao Sr. Joo da Bernarda agradecemos a gentileza e a disponibilidade com que cederam documentos e informaes da maior utilidade para este trabalho. Fica igualmente expresso o nosso agra- decimento pela generosidade com que os amigos Lus Falco da Fonseca, Cndida Simplcio, Jorge de Almeida Carvalho, Joo Pedro Vaz nos comunicaram a documentao de que dis- punham e cuja consulta contribuiu para o desenvolvimento deste estudo, e ainda o oportu- no auxlio do amigo Mrio Jorge Almeida, na fase de finalizao do trabalho. A Tiago Fraga e a Paulo Jorge Rodrigues agradecemos o generoso apoio numa das fases finais do trabalho. Ao Instituto Portugus de Arqueologia fica igualmente expresso o nosso agradecimento pela oportunidade concedida para a presente publicao. Um ltimo agradecimento Dra. Margarida Farrajota e ao Dr. Francisco Alves pelas facilidades por ambos concedidas durante a fase de concluso deste trabalho.
  • 5. ndice NOTA PRVIA 13 PREMBULO 15 INTRODUO Portos e centros urbanos 19 Os condicionalismos geogrficos e a continuidade 19 das funes porturias O estudo da formao dos centros urbanos do litoral e fluviais 23 Objectivos do presente estudo 23 1. A PROBLEMTICA 1.1. A gua: da barreira natural ao novo terreno 27 de investigao arqueolgica 1.2. Arqueologia Terrestre e Arqueologia do Meio Aqutico 27 A complementaridade dos estudos realizados 27 1.3. Arqueosstios porturios: processos de continuidade 29 e de mudana 1.3.1. Continuidade: exemplos 29 1.3.2. Descontinuidade. Acessibilidade e declnio das actividades 29 porturias. Exemplos 1.3.3. Casos em que houve um factor locativo determinante (a centralidade) 30 Criao ex-novo (a partir de factores locativos estveis) 31 1.4. O passado do homem relacionado com o meio aqutico 31 Dois espaos fsicos: gua e terra 31 Circulao aqutica e pontos de apoio 32 Um canal de circulao privilegiado 33 1.5. O locus portugus ideal 34
  • 6. 2. DINMICA LITORAL, NAVEGAO E MODELOS DE PORTOS (FUNDAMENTOS TERICOS) 2.1. Geomorfologia costeira 37 2.1.1. Evoluo dinmica do litoral e actividades antrpicas 37 2.1.2. Movimentos tectnicos e sismotectnicos 44 2.1.3. A importncia das mars 47 2.2. Os abrigos naturais esquematizados por N. Flemming 47 Uma adaptao dos esquemas costa de Portugal 47 2.3. Navios e Transportes 51 2.3.1. O Navio 51 2.3.2.Os custos do transporte 51 2.4. Os Portos 54 2.4.1.O fenmeno porturio. Portos e complexos porturios 54 2.4.2.Navegabilidade, segurana costeira e hierarquizao 56 dos enclaves costeiros 2.4.3.A Proto-Histria. Poemas homricos, navegao e arqueologia 59 A Idade do Bronze e a navegao 2.5. Centros urbanos. Conceitos utilizados 61 3. MTODOS PARA O ESTUDO ARQUEOLGICO DA NAVEGABILIDADE E DA FORMAO DOS PORTOS 3.1. Pesquisa 65 3.1.1. Pesquisa bibliogrfica genrica 65 3.1.2. Pesquisa bibliogrfica de estudos arqueolgicos da vertente 65 terrestre, do meio aqutico e outros estudos 3.2. Anlise da bibliografia recenseada 66 3.2.1. Geomorfologia costeira 66 3.2.2. Geografia histrica 66 3.2.3. Arqueologia referente a zonas costeiras 66 3.2.4.Arqueologia do meio aqutico 67 3.2.5. Cartografia 67 3.2.6.Iconografia 68 3.3. Anlise crtica 68 3.4. Cronologia 69 3.5. Organizao de um catlogo 69
  • 7. 4. ANLISE DOS DADOS DISPONVEIS 4.1. Navegabilidade antiga no Ocidente da Pennsula Ibrica 73 4.1.1. Atlntico e Mediterrneo. Paralelos e diferenas 73 4.1.2.Paleoclima e circulao ocenica 74 4.1.3. Contactos mediterrnicos e rios navegveis 75 4.1.4.A Idade do Ferro e os centros pr-urbanos do Sudoeste peninsular 79 4.1.5. Achados submarinos de pocas pr-romana e romana 80 4.1.6.A navegabilidade dos rios no litoral atlntico ibrico segundo 82 o testemunho de Estrabo 4.2. Portos 83 4.2.1.Do porto ao espao urbano 83 4.2.2.Stios porturios romanos na Europa ocidental 87 Importncia das embarcaes fluviais nos espaos porturios 4.3. Anlise do territrio portugus 94 4.3.1. Navegao, construo naval e utilizao dos litorais 94 4.4. O litoral portugus: descrio 102 Contributo dos achados em meio subaqutico 102 4.4.1. Panorama diacrnico dos enclaves costeiros do litoral portugus 107 4.5. Esboo dos antigos complexos porturios do territrio 124 portugus e sua subsistncia 4.6. Povoamento litoral e sublitoral 125 A via romana norte-sul e as cidades fluvio-martimas 125 4.7. Proposta de uma cronologia 126 5. CONSIDERAES FINAIS 5.1.1. O porto e os elementos (equipamentos) porturios 137 5.1.2. As opes possveis no litoral atlntico 138 5.1.3. O binmio porturio 138 5.1.4. Os vestgios arqueolgicos do lodo dos esturios e dos ambientes 140 lagunares. Estruturas porturias desconhecidas e a possvel utilizao de madeira na sua construo 5.1.5. Possveis funes porturias dos villae e vici 141 5.1.6. Recursos naturais: minerao, pesca e salinicultura 141 5.1.7. Antiguidade de uma escolha geogrfica 142 5.1.8 O traado do itinerrio XVI 142
  • 8. 5.2. Paleolitoral e alteraes costeiras 145 5.3. A formao das cidades do litoral portugus: indicadores 146 arqueolgicos e histricos das suas funes porturias 6. CATLOGO Nota Introdutria 155 Complexos porturios de Portugal 159 I. Complexo porturio do Rio Minho 162 Caminha 162 II. Complexo porturio do Rio Lima 166 Viana do Castelo 166 III. Complexo porturio do Rio Cvado 172 Esposende 172 Braga 174 IV. Complexo porturio do Rio Ave 180 Vila do Conde 182 V. Complexo porturio do Rio Douro 187 Porto 188 VI. Complexo porturio da Ria de Aveiro 197 Aveiro 197 VII. Complexo porturio do Baixo Mondego 204 Figueira da Foz 204 Coimbra 210 VIII. Complexo porturio da Lagoa da Pederneira 212 Alcobaa 213 IX. Complexo porturio da Lagoa de Alfeizero 217 Alfeizero 217 X. Complexo porturio da Costa da Estremadura 219 bidos 220 Atouguia da Baleia 223 Peniche 225 Lourinh 231 Torres Vedras 232
  • 9. XI. Complexo porturio do Rio Tejo 235 Lisboa 237 Almada 246 Sacavm 247 Povos / Vila Franca de Xira 248 Santarm 251 Constncia 254 Abrantes 255 Tomar 257 XII. Complexo porturio do Esturio do Rio Sado 259 Setbal 260 Alccer do Sal 264 XIII. Complexo porturio da Costa Alentejana 269 Sines 270 XIV. Complexo porturio do Barlavento Algarvio 272 (XIVa. Complexo porturio do Rio Arade) Lagos 274 Portimo 276 Silves 282 Loul 285 XV. Complexo porturio do Sotavento Algarvio 289 Faro 289 Tavira 295 XVI. Complexo porturio do curso inferior e do Esturio 298 do Rio Guadiana Castro Marim 298 Mrtola 301 7. RESUMO/RSUM 307 8. BIBLIOGRAFIA 317
  • 10. 13 NOTA PRVIA Nota prvia O trabalho que apresentamos nasceu do interesse por dois fenmenos: a evoluo da paisagem e, em estreita ligao com a mudana, a adaptao humana a essa evoluo, nomeadamente no que concerne a possibilidade de acesso por via aqutica. No estudo dessa mesma adaptao, que se operou mediante o recurso a uma dupla navegao, fluvial e ocenica, observmos a configurao de um paleolitoral permissivo no que concerne os contactos longnquos, ou seja, navegaes de longo curso. As fases percorridas, no mbito deste estudo, correspondem aos vrios aspectos da investigao que descrevemos nos vrios captulos, tendo ficado definidas as grandes linhas de investigao no terceiro Captulo. O teor deste estudo corresponde integralmente Dissertao de Mestrado em Arqueo- logia apresentada Universidade do Minho sob a orientao do Doutor Francisco Sande Lemos, e discutida em 16 de Julho de 2001. A verso actual foi revista e pontualmente melhorada, e substitui, doravante, a edio policopiada entregue Universidade do Minho. Santa Rita, 24 de Fevereiro de 2002
  • 11. Prembulo O mundo inteiro cingido por mar que corre a toda a volta segundo um grande crculo; e no de modo nenhum necessrio procurar provar por argumentos o que j conhecido pela experincia. Hoje em dia, a partir de Gades e das colunas de Hrcules, navega-se em todo o oceano Ocidental, contornando a Espanha e as Glias. Quanto ao oceano Setentrional, ele foi percorrido na sua maior parte, quando, sob os auspcios do divino Augusto, uma frota fez a volta Germnia at ao pro- montrio dos Cimbros; (...). (Plnio, o Antigo, II, 166-168)1 O estudo da realidade porturia torna-se difcil pela ausncia de vestgios, ou pela sua escas- sez. Todavia, no cremos que tal ausncia seja reflexo da inexistncia de actividades porturias no passado. As dragagens em zonas porturias, a construo de molhes, de cais, toda uma srie de obras a que se assiste na zona ribeirinha das cidades, revelam, muitas vezes, testemunhos de actividades do passado que, em regra, so destrudos. As poucas intervenes, pioneiras, no contexto das obras de expanso urbana na zona ribeirinha de Lisboa, com carcter de emer- gncia, tiveram limitaes. A situao que vivemos em 1996, em Peniche, a propsito de um registo arqueolgico de emergncia (desenho, cartografia, registo em vdeo) do que restava de vestgios nuticos descobertos pela draga, ilustra o potencial arqueolgico da faixa do territrio que o homem utiliza nas actividades que desenvolve entre um centro urbano e o meio aqutico. Em Lisboa, as escavaes efectuadas em obras do Banco Comercial Portugus revelaram nos subsolos da Rua Augusta e da Rua dos Correeiros (Amaro, 1995), vestgios de ocupao do litoral que tm ajudado a definir a topografia da actividade humana na antiga zona ribei- rinha que correspondia, nos perodos pr-romano e romano, ao esturio comum de duas ribei- ras. A presena de cetariae, tanto no referido Banco, como tambm no subsolo da Casa dos Bicos, constituem evidncias da utilizao do espao litoral do esturio do Tejo em activida- des de transformao de pescado. Durante as obras de construo do metropolitano na zona do Cais do Sodr foi localizada uma primeira embarcao da segunda metade do sculo XV, ou de incios do sculo XVI, numa rea prxima do Mercado da Ribeira (Rodrigues, Alves, Rieth e Castro, 2001). O segundo achado deste tipo foi uma embarcao da segunda metade do sculo XIV encontrada no Largo do Corpo Santo durante a desobstruo de um poo vertical de um tnel do metropolitano, em 1996 (Alves, Rieth e Rodrigues, 2001). Finalmente, nas obras de construo de um parque sub- terrneo na Praa do Municpio, tambm em Lisboa, foram localizadas cavernas de madeira assinalando o local correspondente aos estaleiros navais, provavelmente do sculo XVI, da antiga Ribeira das Naus (Alves, Rieth e Rodrigues, 2001). Por outro lado, constituem motivo de reflexo, escala do restante territrio de Portu- gal, vestgios nuticos encontrados ao acaso de trabalhos de drenagem, testemunhando a sub- merso de reas em pocas em que as actividades nuticas permaneceram possveis, num litoral muito mais articulado do que actualmente. o caso dos vestgios de um navio cuja datao revelou uma poca anterior existncia dos coutos do mosteiro de Alcobaa, encon- trados em 1973 em Alfeizero, durante trabalhos de drenagem de uma vrzea (Alves, 1990). 15 PREMBULO
  • 12. Se, por um lado, as intervenes no terreno (prospeces e escavaes arqueolgicas) so frequentes no territrio que designamos por vertente terrestre da faixa costeira, o mesmo no podemos afirmar relativamente ao conhecimento da vertente submersa. Durante as dcadas que se seguiram generalizao do escafandro autnomo, os interve- nientes nesse territrio, leigos em arqueologia, foram deparando com vestgios arqueol- gicos e contribuindo para a delapidao de muitos arqueosstios submersos. Na dcada de 80 surgiram em Portugal as primeiras intervenes com prospeces e estudo (escavao) de alguns casos pontuais (Alves, 1990). Paralelamente, por iniciativa do Museu Nacional de Arqueologia, com apoio do IPPAR, tommos, como ponto de partida, a criao de um Inventrio Sistemtico do Patrimnio Cultural Submerso (Alves, 1990), que iria proporcionar a identificao de casos prioritrios dentro do panorama do potencial arqueolgico relacionado com o meio aqutico, designao que passmos a utilizar posteriormente considerando a extenso da pesquisa ao territrio litoral no sub- merso. A investigao envolvida levou-nos a encarar a problemtica da reconstruo cientfica de ambientes litorais do passado como processo indispensvel compreenso, quer da nave- gao, quer dos correspondentes espaos porturios, incluindo as reas directamente rela- cionadas com a mesma, tais como fundeadouros, locais de desembarque e varadouros (Blot e Blot, 1990-1992a, 1990-1992b). Um trabalho sobre a arqueologia urbana em Portugal que referia como paradigmas europeus as escavaes do porto de fundao grega de Marselha, assim como a descoberta dos vestgios de um porto da poca viking em Estocolmo (Lemos e Martins, 1992), revela a impor- tncia atribuda por arquelogos portugueses ao tema das cidades do litoral. O presente estudo prope uma articulao entre a geomorfologia costeira, a evoluo das trocas comerciais por via aqutica e a criao de centros urbanos. Destacmos as parcelas do territrio portugus geograficamente aptas a terem sofrido a submerso ps-glaciria dos vales profundos, criando um litoral amplamente articulado, muito recortado, permitindo uma maior navegabilidade, graas a um maior nmero de abri- gos naturais. Observmos, a partir de uma estabilizao do Nvel Mdio do Mar e da fixao humana num litoral que se tornara seguro, assim como nas zonas ribeirinhas situadas no interior dos vales e dos esturios, as transformaes provocadas pelo assoreamento dos vales como resul- tado da eroso dos solos das montanhas do interior. Observmos ainda a consequente modi- ficao do funcionamento das actividades litorais, logo, a utilizao dos espaos porturios. Constatmos as relaes existentes entre assoreamento, decadncia de espaos porturios, e/ou transferncia de funes porturias. Observmos os casos em que se verificou continuidade das actividades porturias, e a relao dessa actividade com os centros urbanos. Observmos igualmente os casos de des- continuidade, quer com a interrupo reversvel das funes porturias, quer com o aban- dono dessas funes. Considermos os indcios reveladores de actividades nuticas do passado vestgios nu- ticos em meio subaqutico e em meio terrestre, quando localizados em zonas anteriormente navegadas e actualmente assoreadas, importaes e vestgios de indstrias directamente rela- cionadas com o transporte aqutico. Efectivamente, as realidades porturias, materializadas pelas importaes e por fenmenos de aculturao, constituem, mais do que simples conjec- turas, evidncias a que estivemos atentos. Dada a dimenso da temtica que escolhemos, no pretendemos com este estudo apresentar de modo exaustivo todos os casos do territrio portugus, mas apenas ilustrar com alguns exemplos uma linha de investigao possvel dentro da qual apresentamos ele- 16 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS
  • 13. 17 PREMBULO mentos para a compreenso do processo de formao de alguns centros populacionais de fisionomia urbana. Como refere Suzanne Daveau (1988, p. 198), o ambiente litoral, enquanto palco fre- quente das actividades das sociedades humanas, merecedor de todos os progressos que pos- samos fazer para aprofundar o conhecimento que temos dele. Consciente da importncia de actividades nuticas e da interligao das economias de tipo martimo e mercantil com as economias autrquicas do interior, J. L. de Matos faz notar a inexistncia, e a necessidade, de uma distino, do ponto de vista arqueolgico, entre as realidades culturais e econmi- cas de civilizaes martimas do passado e realidades culturais e econmicas de comuni- dades do interior (Matos, 1996). Segundo a nossa perspectiva, que no deixa de comportar um certo olhar de mari- nheiro, concebemos a antiga possibilidade de utilizao de carcter porturio em todos os casos em que a documentao permitiu reconstruir espaos navegveis, acostveis ou no, mas sempre de possvel fundeadouro, e em que, quer os varadouros, quer o indispensvel servio das embarcaes fluviais ou, simplesmente, de pequeno calado, permitiram reali- dades de tipo porturio com a informalidade que, em muitos casos, no ter permitido a herana material de um cais.
  • 14. Introduo Avoir t, cest une condition pour tre (Braudel, 1988, p. 8 )
  • 15. Portos e centros urbanos Os condicionalismos geogrficos e a continuidade das funes porturias As caractersticas essenciais que permitem a actividade porturia podem manter-se ao longo do tempo. Um stio favorvel actividade porturia na Antiguidade, se escapou a fen- menos de assoreamento ou de transformaes, devidas a qualquer outra evoluo geo- morfolgica, como uma sismotectnica dinmica, por exemplo, conserva na actualidade as caractersticas que tinha antes e que permitiam que esse local fosse uma zona privilegiada de comunicao entre a terra e o meio aqutico. No entanto, existem muitos casos em que essa morfologia privilegiada do stio por- turio no aparece destacada. A ateno dos investigadores concentrou-se durante muito tempo na interpretao da presena de vestgios artigos de importao, por exemplo como um sinal de contactos com o exterior, de dependncia econmica de outras regies longnquas, como o que sucedeu com a Btica e a Lusitnia. Os mesmos investigadores rela- cionaram esse tipo de dados com outros epigrficos, por exemplo sugerindo mode- los de povoamento, desde centros com funes polticas e administrativas, at simples cen- tros de mercado. Admitiram ainda as importaes de regies longnquas, como o Mediter- rneo oriental. Se muitos estudiosos da questo do povoamento tm deixado apenas implcita, e numa zona de sombra, a questo dos espaos especializados porturios como cenrios das actividades porturias que podem estar na origem de importaes de materiais e tcnicas ex- genos, outros h que explicitamente referem as funes de carcter marcadamente portu- rio de certos povoados. o que verificamos com povoados proto-histricos tais como Baesu- ris (Castro Marim), responsveis pelas importaes e distribuio de tcnicas e artefactos (Arruda, 1997a e 1997b), ou a feitoria fencia de Abul (Mayet, Silva, Makaroun, 1997), e ainda o povoado industrial-metalrgico e porturio de Santa Olaia (Pereira, 1997a e 1997b). igual- mente a posio de J. de Alarco ao reconhecer nos principais esturios do territrio em estudo funes porturias subjacentes s importaes de poca romana (Alarco, 1990b). De outras actividades porturias, mais ou menos longnquas, tero dependido na ori- gem Gades, neste caso, ou o porto de Huelva referido por Gmez Toscano (1997) essas mesmas importaes e os contactos culturais, frutos de um comrcio baseado na troca de produtos e de manufacturas. Igualmente atento questo das motivaes de fixao humana na beira-mar, e do envolvimento humano com o meio aqutico, um estudo dos povoados fortificados de altura, do NW de Portugal, apresentado por P. Pinto (1997) relaciona a respectiva posio geogr- fica (martima, litoral e de ria), e a interaco com o meio aqutico envolvente. Por outro lado, a propsito do estudo arqueolgico de stios, em territrio portugus, reveladores de povoamento litoral com caractersticas mediterrnicas durante a Idade do Ferro, J. L. de Matos faz notar que, tanto a acessibilidade como a necessidade de segurana, tero levado os nautas e mercadores pr-romanos de origem mediterrnica a escolher, para o assentamento de feitorias, pontos estratgicos como aqueles que a antiga geomorfolo- gia costeira e estuarino-fluvial oferecia: pequenos espores sobranceiros a vastas reas navegveis de guas com a tranquilidade e o abrigo dos esturios (Mondego, Tejo, Sado, Arade, Guadiana). As marcas j identificadas dessas presenas correspondem aos stios, respectivamente, de: Santa Olaia; Alcova de Santarm, Almaraz e S de Lisboa; Abul; Ilhu do Rosrio e Cerro da Rocha Branca; Castro Marim (Matos, 1996). Este autor refere: (...) No limite das vias fluviais onde poderiam aportar barcos marinhos foram organizados, em 19 INTRODUO
  • 16. ilhotas ou mouches, em elevaes e promontrios defensveis, ncleos urbanos ainda hoje fun- damentais para a estruturao do territrio: Mrtola no Guadiana, Cerro da Rocha Branca (Sil- ves) no Arade, Alccer do Sal no Sado, Santarm (e talvez Almourol) no Tejo, Conmbriga na extenso interior do vale do Mondego (mas tambm e hipoteticamente Coimbra). (Matos, 1996, p. 334). O mesmo autor situa numa via de investigao idntica os seguintes casos: Ilha do Pes- segueiro (Sines) e margem direita do esturio do rio Douro, a partir dos vestgios presen- tes na Casa do Infante, na malha urbana da cidade do Porto (Matos, 1996). Atentemos, por outro lado, em alguns pontos de primeira importncia postos em evi- dncia por J. de Alarco (1988b): 1. As formas urbanas iniciaram-se no territrio actualmente portugus em poca pr- -romana. O fenmeno decorreu de contactos mediterrnicos (fencio-pnicos) que influram no desenvolvimento urbanstico dos antigos oppida da fachada atlntica de Portugal. 2. Esses contactos foram martimos e manifestaram-se precisamente na fachada lito- ral, atlntica, tanto na costa oeste como na costa sul. 3. A ocupao cartaginesa da segunda metade do sculo III a.C. constituiu um factor de desenvolvimento dos ncleos urbanos existentes no Sul do territrio, como pode sugerir-nos o caso de Portus Hannibalis. 4. As renovaes romanas dessas formas urbanas desenvolvidas transformaram-nas em capitais de civitates. 5. As novas fundaes registadas no mbito da romanizao, nas zonas de hinterland, tero correspondido a uma necessidade, suscitada por ausncia de centros urbanos com desenvolvimento suficiente para serem transformados em sedes de civitas. Relativamente poca romana, o trabalho de V. Mantas dedicado s quatro cidades martimas da Lusitnia Romana (Mantas, 1990) sugere igualmente a questo da investi- gao arqueolgica necessria ao esclarecimento dessas zonas de sombra. Partindo destas reflexes, verificmos, por outro lado, a morte de centros urbanos cuja importncia dependeu do contacto com as rotas martimas tais como Talabriga, Conimbriga, Eburobritium, Mirobriga e Balsa. Segundo a nossa perspectiva, e luz dos dados fornecidos pela geomorfologia, desse fenmeno no ter certamente estado ausente um factor essen- cial: a perda da litoralidade e/ou o declnio das funes porturias do local costeiro (ou da via fluvial) de que dependiam. Estas vantagens oferecidas pela litoralidade parecem-nos indissociveis da formao e/ou do desenvolvimento de centros proto-urbanos quando se localizam junto a um estu- rio, um esteiro, uma zona lagunar, um rio, ou uma costa com abrigo natural de baa ou de enseada. A investigao destas zonas de sombra, que se mantm no estudo do passado das aglo- meraes costeiras, ou litorais, vem na realidade abrir um amplo terreno de pesquisa at agora pouco explorado no que se refere arqueologia portuguesa. , pois, sobre este aspecto que lanamos no presente trabalho algumas direces de investigao possveis. Isto pressupe o reexame dos dados arqueolgicos e histricos disponveis. Pressupe o reexame das transformaes da linha de costa e do avano e recuo das actividades huma- nas dependentes do litoral, com a conscincia da importncia que sempre teve a zona de fronteira e de interaco fonte de recursos, prolongamento de rotas, charneira de con- tactos que a flutuante linha de costa. 20 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS
  • 17. Lisboa um caso cujas privilegiada posio geogrfica, e qualidades excepcionais de porto, permitiram a continuidade milenria das actividades porturias, funcionando como verdadeiro pulmo da cidade e de parte do interior do pas com acesso ao rio. Para alm de casos evidentes como este, parece-nos interessante reexaminar os casos de outros centros urbanos que, se bem que, actualmente, a certa distncia da costa ou de outra zona navegvel, fluvial, ou seja, numa posio que actualmente interior, ocuparam no passado, e na poca em que se formaram, uma posio ribeirinha hoje inexistente. Gra- as a essa anterior vizinhana e facilidade de acesso fonte abastecedora, quando ela foi martima ou fluvial, esses centros urbanos beneficiaram, desde o incio, de condies natu- rais para se desenvolverem e expandirem. Tais centros podero ter conjugado a comodi- dade de um stio geograficamente abrigado, seguro, propcio ao seu desenvolvimento, a que simultaneamente se juntava o abastecimento proveniente de uma via aqutica nave- gvel, num quotidiano baseado na segurana de um hinterland imediato costa ou em con- tacto rpido com a costa. Conjugavam, ainda, a confortvel posio de ponto de encontro de duas vias de circulao, entre terra e mar. Pensamos, por exemplo, e certamente entre outros, nos casos de gueda, Coimbra, bidos, Atouguia, Santarm, Silves. Considermos ainda um outro caso: o de centros urbanos que, embora desprovidos de uma posio ribeirinha, beneficiaram, na sua formao e desenvolvimento, da proximidade de complexos porturios formados por grupos de pequenos portos fluviais em contacto, atra- vs de cabotagem fluvial, com o oceano. Inserimos neste grupo centros urbanos tais como: Braga (Catlogo, n.o 4), Leiria, Alcobaa (Cat., n.o 10), Torres Vedras (Cat., n.o 16), Tomar (Cat., n.o 24) e Loul (Cat., n.o 31). Chamaremos a estes casos cidades beneficirias dos complexos porturios adjacentes, ter- minologia que voltaremos a utilizar no Catlogo que segue o texto principal deste trabalho. No que se refere s zonas martimas algarvias, mas tambm relativamente a situaes pontuais da costa atlntica, e luz dos conhecimentos conseguidos pela arqueologia por- turia praticada noutros pases, surgem as seguintes reflexes e perguntas. So conhecidas as diferenas que, do ponto de vista nutico, distinguem a prtica da navegao no mar Mediterrneo, mar sem mars que facilitou e encorajou as instalaes porturias no litoral, e a prtica da navegao no Atlntico, oceano aberto com mars com vrios metros de amplitude. Se, apesar das dificuldades ocenicas e dos obstculos s cons- trues no litoral, as costas atlnticas no deixaram de atrair os antigos navegadores medi- terrnicos pelas facilidades que ofereciam na penetrao fluvial, como lembra Estrabo, no tero acaso existido, no sudoeste da Pennsula Ibrica, experincias de instalaes de tipo porturio nos esturios e cursos fluviais nas pocas de contactos importantes com os povos mediterrnicos ? A propsito de certos esturios da costa algarvia, Estrabo refere: (...) au moment du flux, la monte des eaux de la mer les remplit, on peut les remonter en bateau aussi bien que les fleuves, et mme mieux, puisque ce mode de navigation ressemble la descente dun cours deau: aucune rsistance en sens contraire ne se manifeste et la mer, en montant, pousse le navire comme le ferait le courant (Estrabo, III, 2, 4) (Traduo de Lasserre, 1966, p. 33-34). Um ambiente cultural mediterrnico especfico como o que se verificou no sul do actual territrio de Portugal, desde o perodo orientalizante romanizao da Lusitnia, ter ou no sido gerador de heranas de estruturas de tipo porturio, de estruturas de pro- teco quebra-mar, cais e de equipamentos que permitissem uma melhor utilizao das abrigadas costas algarvias, por exemplo? Como tero sobrevivido, em poca romana, povoados proto-histricos de funes porturias como Baesuris (Castro Marim) (Arruda, 1997a) cuja posio em provvel ilha 21 INTRODUO
  • 18. situada na foz do Guadiana tanto se assemelha da ilha porturia de Gades referida por Estrabo, como veremos adiante? Ser que os ensinamentos de Vitrvio sobre a arte de construir portos nomeadamente o captulo XII do Livro V do tratado De Architectura (Vitrvio, 1992; Maciel, 1996, p. 325- -329) no conheceram um eco nas costas atlnticas? Em Cosa, costa ocidental de Itlia, as investigaes submarinas no stio porturio de Portus Cosanus revelaram a aplicao de um dos mtodos prescritos por Vitrvio na cons- truo de um cais actualmente submerso, a uma profundidade de 3 m, encontrando-se outros vestgios porturios entre 5 m e 6,20 m abaixo do actual nvel do mar (McCann, 1987). Tambm no porto de Caesarea Maritima (Sebastos) os testemunhos arqueolgicos de um quebra-mar construdo em mar aberto no final do sculo I a.C. revelaram a aplicao de um dos mtodos preconizados por Vitrvio (Estrabo, III, 2, 4) (Traduo de Lasserre, 1966, p. 33-34). Em resposta provisria a estas questes, poderemos de certo modo apoiar as nossas reflexes na descrio de Estrabo do porto atlntico de Gades, que no deixa dvidas sobre a instalao antiga de estruturas com funes porturias num espao costeiro atlntico. Trata-se de uma referncia ao porto construdo em frente da ilha de Cdis, no actual Trocadero. Como a informao parece ter sido recolhida em Possidnio, testemunha a anterior presena de um porto no local em que a escolha de Balbus iria posteriormente inci- dir para a construo do porto gaditano referido por Estrabo neste texto (Lasserre, 1966, p. 188, nota pgina 32). Cotlogon Williams reflecte precisamente sobre o interesse desta questo que consiste em procurar conhecer de que modo os engenheiros romanos, vindos de um mar sem mars, se adaptaram a um mar com mars to sensveis como o Atlntico. O mesmo autor refere na Gr-Bretanha dois casos porturios de poca romana a montante de rios, Londres e Gloucester, situados em zonas que, pelo afastamento do mar, permitem a abstraco par- cial das variaes verticais provocadas pelas mars. Apresentam os cais de madeira com ater- ros de terra praticados nos portos fluviais do perodo imperial, mesmo at em centros importantes, como em Londres romana (Williams, 1976). Estes testemunhos vm demonstrar que em matria de afeioamento de troos ou de pontos costeiros para utilizao de tipo porturio, tudo dependia realmente da topografia local, dos ventos dominantes, das correntes e do volume do trfego (Rickman, 1996, p. 285). Somos facilmente levados a pensar nas possibilidades em paralelo que os esturios e antigas rias da costa portuguesa ofereciam. Os vestgios materiais de tipo porturio, ou seja, construes especializadas tais como cais, docas, rampas de varadouro construdas, por exemplo, podero efectivamente nunca ter existido em locais com funes porturias, na medida em que essas funes se verificavam muitas vezes na total ausncia de estruturas, mesmo em pocas muito recentes (Fig. 1). Em casos deste tipo, estamos perante situaes como as que aparecem descritas por Estrabo a propsito do Tibre, em cuja entrada os navios eram descarregados por barcas de servio especializadas nessa tarefa (Pomey, 1997; Meiggs, 1997). A propsito da espe- cializao dos portos da Hispnia Romana proposta por Keay, quer relativamente s expor- taes de vinho, quer de garum, D. Blackman adverte-nos sobre a tendncia observada para subestimar os pequenos enclaves porturios, mas tambm para o facto de mesmo os gran- des portos apenas apresentarem escassas evidncias de instalaes porturias (Blackman, 1990). Tais vestgios podero ser to pouco provveis como so perecveis alguns dos mate- riais neles utilizados (madeira). 22 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS
  • 19. Exceptuamos os esturios, onde o ambiente anaerbico do lodo permite a conservao deste tipo de vestgios. Nessas condies, parecem-nos mais provveis e mais consistentes, podendo funcionar como fsseis directores de uma investigao os vestgios deixados pela utilizao nutica desses locais: referimo-nos aos barcos, ou ao que resta dessas estruturas flutuantes, vectores de civilizaes, objectos nmadas alheios a qualquer estrutura de carc- ter urbano, mas que so veculos de tudo e razo de ser de qualquer cidade porturia. Tal como as nforas, constituem fsseis directores no estudo da natureza, dimenses e estru- turao das relaes comerciais da Antiguidade (Vidal, 1997, p. 18). O estudo da formao dos centros urbanos do litoral e fluviais Como pano de fundo das actividades litorais que estiveram na origem da circulao dos homens e de bens no passado, existe uma complexidade de condies que podemos agru- par nas seguintes vertentes de estudo: os cenrios geogrficos proporcionados pela evoluo geomorfolgica do litoral e que incluem os cursos fluviais. a utilizao das vias aquticas nas trocas comerciais. o povoamento relacionado com os pontos de contacto das rotas martimas e fluviais (vestgios arqueolgicos, incluindo o povoamento de tipo castrejo em pontos estra- tgicos em contacto com rios e com o litoral atlntico, e os centros urbanos vivos). Objectivos do presente estudo Como objectivo intermdio colocou-se-nos a definio de espao porturio e das for- mas sob as quais se manifesta, assim como a hierarquizao de que tem sido alvo ao longo dos tempos. 23 INTRODUO FIG. 1 Foz do Rio Douro: actividade porturia na ausncia de equipamentos porturios. O ancoradouro e o varadouro fluviais permitiam, ainda no incio do sculo XX, a ligao, atravs de pequenas embarcaes num servio de vaivm, entre a rede de transportes martimos e a rede terrestre. Fotografia de autor annimo (1890/1900). Reproduzido de: Grande Reportagem, Novembro de 1995, p. 108.
  • 20. Sobre o porto e o espao porturio sentimos como oportunas, no mbito deste estudo, algumas definies que teremos a ocasio de apresentar no captulo dedicado Funda- mentao Terica. Procurmos compreender de que modo a evoluo do recorte do litoral permitiu a uti- lizao desse litoral em termos nuticos e, paralelamente, permitiu a sobrevivncia de acti- vidades de tipo porturio. Discernimos as articulaes dos dados arqueolgicos conhecidos fornecidos pelas escavaes de zonas litorais e de zonas do interior mas com um passado de redes de acesso por via aqutica. Relacionmos os resultados obtidos por cruzamento de dados da geomorfologia e rela- tivos aos contactos comerciais e, ainda, as informaes quer no que concerne o surgimento de centros urbanos, quer a respectiva decadncia, quer ainda os casos pontuais de abandono. No caso de presena de objectos exgenos que indicam contactos e trocas a partir de um ponto costeiro naturalmente privilegiado, torna-se interessante o estudo da possvel situao de espao porturio que, no passado, poder ou no ter funcionado como ncleo originrio de um centro urbano. Para concretizar estes objectivos realizmos uma investigao bibliogrfica das tem- ticas tericas que elucidam o estudo. Optmos por estudar antigas frentes fluviais e martimas, ou seja, os cursos fluviais interiores, o antigo posicionamento geogrfico da foz dos rios, assim como as antigas rias ou vales submersos, e o antigo recorte dos esturios. Este estudo foi realizado atravs da con- sulta e da anlise de documentos tais como estudos de geografia histrica, de geomorfolo- gia costeira, de arqueologia, de iconografia e de cartografia. Ilustrmos uma linha de investigao possvel com alguns exemplos que estiveram ao nosso alcance e que se encontram quer em Figuras apresentadas no texto principal, quer representados individualmente, embora de modo no exaustivo, na segunda parte deste estudo, reservada ao Catlogo. 24 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS
  • 21. 1. A Problemtica
  • 22. 27 1. A PROBLEMTICA 1.1. A gua: da barreira natural ao novo terreno de investigao O aparente vazio do litoral portugus foi sublinhado a propsito da problemtica de um inventrio nacional de stios arqueolgicos relacionados com o meio aqutico (Blot e Blot, 1990-1992a). Nesse trabalho refere-se a total ausncia de dados arqueolgicos que poder ter levado autores como M. Redd (1979) e A. Balil (1971) a no referirem a navegao antiga no que concerne a fachada ocenica portuguesa. O primeiro destes autores, na descrio que faz das navegaes da poca romana na Pennsula Ibrica atravs de vestgios conhecidos, passa directamente de A Corua para Cdis. O segundo autor, referindo a importncia do farol romano de A Corua como prova tangvel da natureza ocenica das navegaes romanas na fachada atlntica ibrica, deixa entre a Galiza e o Cabo de S. Vicente o mesmo vazio de informao. Verifica-se silncio idntico quanto ao litoral portugus no inventrio de A. J. Parker (1992) dos stios de naufrgio da Europa ocidental (1992). Neste inventrio de naufrgios, desde a Antiguidade at 1500, no Mediterrneo e Norte da Europa no figura a costa de Por- tugal. Efectivamente, numa srie de mapas de distribuio de materiais anfricos e de stios de naufrgio at ao ano de 1500, o autor inclui todas as costas europeias e norte-africanas do Mediterrneo, assinalando ainda (Parker, 1992, Mapa 15), vestgios nas costas da Gr-Breta- nha, de Frana, cursos fluviais de Frana e Holanda, e refere as costas da Galiza como o ponto atlntico mais meridional onde aparecem vestgios deste tipo. Paralelamente, em 1958, F. Castelo-Branco, a propsito dos estudos histricos portu- gueses, assinalava a importncia do trfego fluvial na economia da Idade Mdia e chamava a ateno para o papel insignificante que lhe era geralmente reservado por esses estudos. Sabemos, no entanto, da antiguidade deste trfego se atentarmos no livro III da Geogra- fia de Estrabo (Lasserre, 1966), onde encontramos a descrio do conjunto de rios que eram navegveis na costa de Portugal, como ser referido no IV captulo deste estudo. Finalmente, verificmos que em Portugal a associao de vestgios romanos a esturios tem sido confirmada por achados de vestgios submersos fragmentos de nforas, lucernas, moedas e outros objectos no decurso de dragagens de que so exemplo as do rio Arade na dcada de 1970 (Diogo e Cardoso, 1992), ou as da foz da ribeira de Bensafrim, Lagos, em 1958 (Santos, 1971), e, ainda, os objectos recolhidos quer por redes de pesca, no Tejo e no Sado (Diogo e Alves, 1988-1989), quer por mergulhadores, em locais de provvel uso como anco- radouros (Berlengas, costa norte de Peniche 2 Cabo Espichel, Cabo Sardo, Ponta da Gal, Cabo de Santa Maria) (Alves, Reiner, Almeida e Verssimo, 1988-1989). 1.2. Arqueologia Terrestre e Arqueologia do Meio Aqutico A complementaridade dos estudos realizados O estudo dos centros porturios e da origem dos centros urbanos situa-se na charneira entre duas vertentes da arqueologia, pelo que se torna incontornvel uma definio da espe- cificidade da Arqueologia do Meio Aqutico. Tem sido hesitante e variada a terminologia utilizada para designar esta disciplina. A uti- lizao de adjectivos como martima, nutica, subaqutica, naval, submarina (Watters, 1985), embora seja o reflexo da diversidade dos assuntos implcitos, pensamos que acaba por constituir uma fragmentao do estudo interdisciplinar imprescindvel a este tipo de investi- gao. Por esta razo elegemos a designao de Arqueologia do Meio Aqutico parecendo-nos
  • 23. redutora a designao Arqueologia Subaqutica alis de conotao muitas vezes ligada a uma ideia arcaica da disciplina, quer por cepticismo, quer pela infeliz associao com a caa ao tesouro, reforada, no caso portugus, por uma legislao que vigorou entre 1994 e 1995. Entendemos por Arqueologia do Meio Aqutico a disciplina que estuda e procura uma compreenso do passado do Homem nas suas variadas relaes com o meio aqutico enquanto espao privilegiado de circulao, por razes que se relacionam com a deslocao de embar- caes, quer no caso do transporte de objectos de grande peso, quer no caso de viagens lon- gas. Esta disciplina analisa a interaco do homem com o mar, com os lagos e os rios, atravs de manifestaes materiais embarcaes, contentores, instalaes humanas litorais, vest- gios de passagem. Esses vestgios so elementos de uma cultura que geralmente se designa por cultura martima, embora possa surgir com fisionomias fluvial ou lacustre, e, por conse- guinte, sempre com caractersticas nuticas. Se atentarmos nas transformaes da paisagem, verificamos a existncia de perturbaes socio-econmico sofridas pelos grupos humanos ao longo dos tempos. A vertente do presente estudo que se refere geomorfologia costeira leva a que se considerem as zonas do hinterland como zonas de investigao sem que nos limitemos ao estudo do territrio de pesquisa submerso. A nossa designao vai ao encontro da terminologia que J. P. Delgado apresenta (1997), citando Keith Muckelroy relativamente definio do objecto de estudo da disciplina que este autor propunha em 1978: The primary object of study is manand not the ships, cargoes, fittings or instruments with which the researcher is immediately confronted (Muckelroy, 1978, apud Del- gado, 1997, p. 259) (o sublinhado nosso). A definio do objecto da Arqueologia do Meio Aqutico deve fazer-se em complemen- taridade com a arqueologia que estuda os vestgios terrestres. Trata-se de uma necessidade implicitamente expressa em alguns estudos, como, por exemplo, o trabalho em que V. Man- tas apresenta as quatro cidades martimas da Lusitnia romana, onde o mar surge aos homens como um territrio de aco: complemento do seu territrio, o que lhes permitiu actuar para alm dos limites do espao que controlavam administrativamente, que produzia apenas parte dos bens que exportavam (...) (Mantas, 1990, p. 200). Se, partida, o arquelogo do meio aqutico investiga em direco gua, ele ter que alargar necessariamente a investigao ao territrio do qual a gua entretanto se retirou, ou seja, os espaos equivalentes a antigas rias extintas, a enseadas assoreadas, a leitos fluviais sepultados por aluvies recentes. Recorremos tambm a procedimentos geradores de conhecimento que no se baseiam forosamente apenas em vestgios materiais, cruzando saberes tanto da arqueologia terrestre como de informaes relativas prpria utilizao nutica e apropriao do espao aqutico. Nesta utilizao e apropriao desse espao inclumos a navegao com o que ela implica do saber necessrio escolha, utilizao e, eventualmente, ao afeioamento de espaos com fun- es prprias e indispensveis ligao do mar com a terra: fundeadouros, varadouros, por- tos de apoio, portos comerciais, cidades porturias (Frost, 1973, 1991; Porozanov, 1994; Molina Vidal, 1997). Como veremos, so dignos de eleio para o nosso estudo os stios estratgicos, do ponto de vista dos contactos martimos e fluviais, para a instalao de povoados, tais como foz de rios, esturios amplos, rias, lagunas, bem como o interior de certos cursos fluviais. Alm da reco- lha dos elementos que permitem descobrir o que resta do simples ancoradouro do passado, trata-se ainda de investigar no sentido de compreender se um dado ancoradouro se transfor- mou em porto de apoio ou se passou, ou no, a ter funes de porto de trocas. Trata-se tam- bm de procurar conhecer em que medida essa ascenso suscitou a criao de um centro urbano em ligao com o centro porturio. 28 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS
  • 24. 29 1. A PROBLEMTICA Exemplo de um caso com o tipo de percurso interessante , entre outros, o caso da cidade do Porto. Inicialmente local de contacto fluvio-martimo (de esturio), aproveitado na poca romana como n de cruzamento do rio pela via terrestre que ligava o centro ao norte do territrio sublitoral, transformou-se em importante cidade do litoral que acabou por transfe- rir as principais funes porturias para um centro porturio em mar aberto, Leixes, depois de afeioada a costa martima para a instalao do porto ocenico. Esta questo um caso ilus- trativo de um porto na rigorosa acepo da palavra, um surgidouro que se abre e se fecha (Machado, 1959, p. 226) e tambm na acepo de centro urbano de encruzilhada, ponto de tro- cas, acumulao e redistribuio com carcter permanente. A propsito do termo portus, que na linguagem administrativa do Imprio designava local fechado que serve de entreposto ou de escala para as mercadorias (Pirenne, 1964, p. 112), veremos no IV captulo o alargamento do seu significado. 1.3. Arqueosstios porturios: processos de continuidade e de mudana Considermos a observao quer do modo contnuo, quer da interrupo da litoralidade dos ncleos de povoamento susceptveis do tipo de investigao em causa. Se a continuidade facilita a compreenso do fenmeno urbano, tudo se torna mais complexo quando se trata de aglomeraes urbanas de menor importncia em que no se verificou essa continuidade, tais como os emporium, vicus, castrum, portus, que carecem de um mtodo de anlise pr- prio (Galini, s.d., p. 141). Em 1975, J. Gaspar observava a variedade de factores determinantes, relativamente loca- lizao e decadncia dos centros urbanos (Gaspar, 1975, p. 121). Num primeiro relance sobre o conjunto do actual territrio portugus, sugerimos alguns casos, a partir de um esboo de agrupamento, luz dos factores de localizao habitualmente presentes na formao dos centros urbanos. 1.3.1. Continuidade: exemplos Destacmos, partida, os casos em que as condies geomorfolgicas permitiram con- tinuidade na utilizao do litoral. Porto, Lisboa, Faro e Mrtola mantiveram a acessibilidade por via aqutica e as caractersticas urbanas. Mas o Porto transferiu as funes porturias para uma rea especializada, e Mrtola deixou de possu-las desde a dcada de 1950. Deste grupo podero ainda fazer parte, se bem que numa outra lista, as cidades de Viana do Castelo, Figueira da Foz, Setbal, Portimo e Aveiro, todas, alis, ncleos que ascenderam a cidades, martimas, com condies de navegabilidade permanente, e com percursos de ascenso pos- terior das quatro primeiras cidades referidas. Outro caso Peniche. Surge com continuidade idntica, no que se refere a litoralidade. Mas o percurso observado at actual cidade de porto pesqueiro dependeu da transformao da posio de outro porto: Atouguia da Baleia. 1.3.2. Descontinuidade: acessibilidade e declnio das actividades porturias. Exemplos Inclumos neste grupo os casos em que a geomorfologia modificou as condies de acessibilidade, quer interrompendo os condicionalismos prvios, quer reduzindo-os. So os casos de Coimbra, bidos, Atouguia da Baleia (Fig. 2), Lourinh, Santarm, Alccer do Sal,
  • 25. Vila Nova de Milfontes, Odemira, Silves, Fuzeta, Tavira. Podemos ainda incluir neste grupo Balsa, a extinta cidade mar- tima da poca romana, e Baesuris (Castro Marim), embora os declnios de uma e de outra possam estar associados a outros factores. Devemos ter em conta o facto de que, a partir da baixa Idade Mdia, a evo- luo da construo naval (aumento do calado dos navios) associada ao pronun- ciado assoreamento de certos trechos flu- viais navegveis, limitou o acesso das embarcaes de alto bordo, multiplicando por um lado a importncia das embarca- es fluviais de servio porturio, mas contribuindo, em alguns casos, para o declnio das funes porturias. O aparecimento do caminho de ferro ter sido, de facto, o principal responsvel pela decadncia e abandono do trfego fluvial que servira certos centros urbanos do sublitoral. 1.3.3. Casos em que houve um factor locativo determinante (a centralidade) Torna-se mais complexa a compreenso dos casos em que uma antiga aglomerao ligada a actividades dependentes da circu- lao por via aqutica, passou a viver virada para o interior pelo dis- tanciamento que as transforma- es da linha de costa determina- ram (Figs. 3 e 4). Estes centros sobreviveram e assumiram a inte- rioridade, aparentemente sem memrias visveis da relativa lito- ralidade de que desfrutaram no passado. Inclumos neste grupo 30 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS FIG. 2 Pormenor da carta do troo de costa compreendido entre a Barra do Rio Mondego e as Ilhas Berlengas, com meno das profundidades e dos principais fundeadouros. Note-se a posio ainda ribeirinha de Atouguia da Baleia e a Ilha de Peniche, na segunda metade do sculo XVII. In Pimentel, Lus Serro (1673) Prtica da Arte de Navegar.Reproduzido de: Tesouros da Cartografia Portuguesa (1997). Catlogo de exposio. XVII Congresso Internacional de Histria da Cartografia. Lisboa: INAPA, p. 63. FIG. 3 Efeitos da transgresso flandriana e a localizao de Vila Nova de S. Pedro e Zambujal: os acessos por mar esto garantidos em ambos os stios (Daveau, 1980, p. 26). Reproduzido de: Gonalves, V. (1989) Megalitismo e Metalurgia no Alto Algarve Oriental. In Estudos e Memrias. Lisboa: INIC, 2, p. 468.
  • 26. 31 1. A PROBLEMTICA gueda, Leiria e Alcobaa, tendo as duas ltimas mantido uma antiga simbiose com os peque- nos portos de Paredes e Vieira, no caso de Leiria, e com os complexos porturios da Pederneira e de Alfeizero, no caso de Alcobaa (Fig. 4). Criao ex-novo (a partir de factores locativos estveis) Incluem-se neste grupo as cidades de criao ps-medieval: Vila Real de Santo Antnio, Nazar, ambas de criao pombalina, e as cidades porturias das ilhas atlnticas (Aores e Madeira). Outros casos deste gnero so as capitais dos territrios das antigas colnias, todas elas cidades criadas de raiz como cidades martimas, em posio costeira bem escolhida, de acordo com os padres humanos de proteco e ao mesmo tempo de estratgia, relativa- mente ao aproveitamento da via martima como a grande rota de comunicao com a metr- pole e com o mundo. 1.4. O passado humano relacionado com o meio aqutico Dois espaos fsicos: gua e terra gua e terra so espaos fsicos nos quais a circulao exige estratgias distintas. A fronteira entre ambas, quer em ambiente martimo, quer fluvial ou lacustre, no parou de mudar por razes seja de ordem natural, seja de origem antrpica, como adiante veremos. FIG. 4 Coutos de Alcobaa. rea coberta pelo mar no final do Neoltico e contorno actual da costa. Reproduzido e adaptado de Natividade, (1960).
  • 27. Referimos um caso de distanciamento, bem documentado, no stio porturio medieval (sculos VIII-IX) de Dorestad, no Baixo Reno, na Holanda, referido nas fontes histricas como um dos principais centros de distribuio de produtos e manufacturas do noroeste da Europa durante o perodo carolngio (Clarke e Ambrosiani, 1995). um caso em que o afastamento progressivo do curso do rio por assoreamento provocou a gradual adaptao das actividades humanas s novas margens, construindo-se progressivamente vrias plataformas em madeira que serviam de cais e que, pela constante transformao do local, tinham gradualmente que ser prolongadas por outras, atingindo no sculo IX uma extenso da ordem dos 200 metros, num stio contendo estruturas que revelam um estabelecimento comercial ao longo da mar- gem fluvial. As escavaes efectuadas no local, entre 1967 e 1977, levaram descoberta de materiais que incluem cermicas e moedas que permitiram datar e definir a importncia do local como centro de distribuio de mercadorias provenientes do Reno interior (Clarke e Ambrosiani, 1995) (Fig. 5). Em qualquer cidade de fisionomia ribeirinha, a zona de contac- tos com a gua uma rea em que o urbanismo interfere constantemente, sepultando sob pavimentos zonas inicialmente navegveis, ou prolongando estruturas porturias, primiti- vamente de madeira, quer ao ritmo do recuo da linha de costa, quer das necessidades de expanso urbana. Lembre- mos, a propsito, as j referi- das descobertas de vestgios nuticos na rea da beira-rio de Lisboa, ou ainda os vest- gios de um navio de 1613, des- cobertos em 1916, durante a construo do metropolitano de Nova Iorque, na malha urbana da ilha de Manhattan, testemunho da poca da colo- nizao holandesa e da antiga margem fluvial, entulhada em 1763 (Noble, 1976), bem como as descobertas na beira- rio da cidade de Londres como adiante referimos. Circulao aqutica e pontos de apoio A circulao aqutica requer pontos de contacto a que chamamos espaos porturios. Os espaos com funes porturias comearam por existir anteriormente e independente- mente dos equipamentos porturios que implicam uma arquitectura especializada. Pode- mos referir dois tipos de situao. Numa situao to antiga como a circulao do homem sobre a gua desde o final do Paleoltico, as embarcaes eram simplesmente puxadas para terra, em locais onde o declive da costa, a praia, o permitia (varadouro), quer para descarregar, quer para a recolha da embarcao durante a noite, o que pressupe pequenas embarcaes, ligeiras e podendo navegar em guas muito pouco profundas, e navegaes de cabotagem. Alonso Romero 32 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS FIG. 5 Reconstituio dos cais alto-medievais de Dorestad, Holanda. Reproduzido de Clarke e Ambrosiani (1995, p. 26).
  • 28. 33 1. A PROBLEMTICA retoma os dados fornecidos por Estrabo relativamente a embarcaes de couro utilizadas no Noroeste peninsular, e sugere a utilizao de pequenos barcos de pele pelas populaes dos povoados fortificados em altura, martimos, at chegada dos Romanos, varando-as em terra: De tal modo no se necessitava de quaisquer construes porturias, pois bastava-lhes dis- por de uma baa de fina areia sobre a qual varavam as barcas como o fazem ainda hoje os pesca- dores da costa ocidental da Irlanda nos seus curraghs, um tipo de embarcao descendente das antigas naves de couro. (Alonso Romero, apud Brito ,1989, p. 199) Bem a propsito, Valerie Fenwick constata:Such informal landing places were used in pre- history and until recent times (1997, p. 442). Exemplos deste tipo so abundantes nos textos homricos: o barco e a frota de Ulisses so recolhidos em terra, ao cair da noite. Aps o fracasso do ataque martimo contra Tel- maco, os pretendentes de Penlope puxaram igualmente os barcos para terra (Porozanov, 1994). o que ainda hoje se observa em qualquer pequeno porto pesqueiro onde, na ausn- cia de cais de acostagem, os barcos so puxados para terra. Lembramos o tradicional abicar ou alar das traineiras que, ainda na dcada de 1950, assim procediam para descarregar o peixe na antiga Ribeira de Peniche, na ausncia do cais, posteriormente construdo, e actualmente deserto devido ao moderno porto industrial. Datam da poca de Sancho II os primeiros testemunhos escritos que referem material naval, como um cabrestante deba- doyra para alar os navios para terra (Pereira, 1994). Na outra situao, o transbordo funcionou e manteve-se at tarde em zonas de anco- radouro, isto , em locais em que os contactos com terra foram garantidos por embarcaes menores especializadas no vaivm at zona de praia de desembarque. Neste aspecto muito interessante a compreenso do fenmeno porturio estudado na Ilha do Pessegueiro (Silva e Soares, 1993), atravs de vestgios de actividades de transformao de pescado. Os autores fazem o imprescindvel relacionamento com os achados submarinos que teste- munham navegaes e a utilizao de ancoradouros (achados de cepos de ncoras de poca romana e pr-romana) (Alves, Reiner, Almeida e Verssimo, 1988-1989). C. T. da Silva e J. Soares sublinham igualmente os esparsos elementos existentes nas fontes clssicas sobre conhecimentos de carcter nutico. Um canal de circulao privilegiado O territrio que Portugal ocupa actualmente teve contactos com civilizaes mediter- rnicas ao longo de sculos. A via martima apresentava facilidade e segurana na movi- mentao e na penetrao num mundo em que as vias terrestres eram uma incgnita ou uma dificuldade. Num segundo momento, com a romanizao e o comrcio em grande escala, o baixo custo dos transportes por via martima e fluvial passou a ser uma opo habitual para todas as trocas em que o volume, os custos ou a distncia constitussem problema. Os transportes por via aqutica e por via terrestre contrastam pela eficincia dos pri- meiros em relao aos segundos. Essa eficincia traduz-se ao longo da histria tanto da Gr- cia antiga como de Portugal, onde ainda no sculo XVIII os transportes por barco eram pre- feridos quer pela capacidade de transporte de cargas pesadas com relativa independncia em relao ao obstculo criado pela distncia, quer pela velocidade, que chegava a 20 km por hora na descida dos rios (Coelho, 1989, p. 407), quer pela possibilidade de comunicao e de trnsito que ofereciam em poca de invernia (caso do Mondego) quando as estradas fica- vam intransitveis (Justino, 1988), quer ainda pelo baixo custo das mercadorias quando
  • 29. transportadas desse modo: Numa representao da Cmara de Serpa, datada de 17 de Junho de 1824, refere-se ser o custo de transporte entre Lisboa e Mrtola metade do custo do transporte entre este porto e aquela vila, por terra (Justino, 1988, p. 196). No sculo XVIII, em Portugal, a relao de custo entre os dois tipos de transporte era de 1 para 10 (Castelo-Branco, 1958). Na poca actual, observa-se um facto incontornvel: a grande massa dos transportes internacionais continua a fazer-se por via martima. F. Izarra (1993), ao referir os autores C. Clark e M. R. Haswell em estudos que visaram a comparao da rentabilidade de diferentes modos de transporte, apresenta uma ordem crescente de rentabilidade em que o barco figura no cimo, vindo apenas a ser ultrapassado na era do vapor, com o caminho de ferro. 1.5. O locus portugus ideal Um estudo recente de anlise da distribuio do povoamento em pocas recuadas, tais como a Idade do Ferro e a poca romana (Strutt, 2000) revelou alguns elementos de interesse para o estudo que desenvolvemos. A rea em foco foi uma parcela do noroeste do territrio por- tugus, mais precisamente, a regio do Rio Ave. Para alm de ter sido notado que, numa regio com um relevo to acidentado, a com- plexidade da rede hidrogrfica ter funcionado como a soluo mais fcil para as comunica- es, Rivers form strong routes of communication (Strutt, 2000, p. 120), os resultados da an- lise espacial de distribuio dos povoados demonstrou que nos dois perodos estudados em que o referido trabalho de anlise se baseou (Martins, 1990; Queiroga, 1992; Silva, 1986; Alarco, 1988a), os comportamentos humanos no que concerne a escolha de local de habitat no s variou como parece ter obedecido a opes distintas. Efectivamente, existe um duplo contraste ntido entre a posio dos povoados fortificados de altura e as instalaes de poca romana. Por um lado, esse contraste marcado pela posio de uma maioria de povoados de tipo castrejo em altitude, sobranceira por vezes aos principais cursos de gua (Cvado e Ave), ao contrrio de uma ocupao romana dos territrios baixos correspondentes ao terraos fluviais e s pr- prias plancies costeiras (Strutt, 2000, p. 125), sugerindo uma ligao deste tipo de posio geo- grfica com os recursos aquticos e a escolha de terrenos agrcolas (Strutt, 2000, p. 126). Por outro lado, existe uma orientao dos stios romanos com uma escolha incidente nas verten- tes viradas a sul, sueste e a leste, enquanto os stios de tipo castrejo se encontram vizinhos a vertentes orientadas em todas as direces (Strutt, 2000, p. 127 e 132). Verificmos que a posio dos vestgios de povoados (e possveis entrepostos) de poca fencia no territrio em estudo corresponde ao tipo de escolha verificado nos stios de poca romana, parecendo assim estarmos perante um critrio de escolha muito antigo e, pelos vistos, ao gosto mediterrnico. Voltaremos a focar este aspecto relativamente posi- o da maioria das cidades fluviais e estuarinas portuguesas. Interessante tambm verificar que a localizao de grande parte dos centros urbanos portugueses coincide com esturios ou com cursos fluviais. A relao entre a implantao das cidades e o acesso s vias aquticas estreita. Como refere S. Daveau, as posies geo- grficas mais caractersticas das cidades portuguesas correspondem ao fundo dos esturios, locais mais fceis de transpor e em que os barcos martimos e fluviais permutavam as cargas (Daveau, 1995, p. 177). O. Ribeiro faz convergir a tradio castreja e a procura da margem ao descrever o locus portugus ideal, como a cidade dominando a enseada, o esturio ou o curso de gua nave- 34 OS PORTOS NA ORIGEM DOS CENTROS URBANOS
  • 30. 35 1. A PROBLEMTICA gvel, sempre ligada estrada, e abrindo-se a navegaes distantes, pelo mar (Ribeiro, 1989, p. 64). J. M. Fernandes v na litoralizao dos principais centros urbanos um processo gradual iniciado nos alvores da nacionalidade, e define a cidade portuguesa a partir da Baixa Idade Mdia, como o fruto de uma evoluo lenta que, do ncleo alcandorado se ligou progressiva- mente margem, formando a cidade ribeirinha: (...) com o acentuar das relaes comerciais martimas internacionais que acompanham desde o sculo XII o renascimento das cidades, e valo- rizam as actividades porturias (...) que o fenmeno se vai tornar determinante: a pouco e pouco, Sil- ves, Alccer do Sal, Santarm, Coimbra, Lamego ou Braga, fluviais mas interiores, vo assistir ao crescimento (...) de Portimo, Setbal, Lisboa, Figueira da Foz, Porto e Viana do Castelo. (...) Desta transio lenta mas firme para as costas e os esturios (sobretudo no litoral a norte do Tejo), nascer finalmente a cidade que se pode apontar como modelo j especificamente portugus de urbe (...) ainda fortemente castrense, j funcionalmente porturia ou ribeirinha (...) (Fernandes, 1987, p. 85-86). (O sublinhado nosso). Encontram-se, deste modo, associados num s centro, a antiga atalaia e o espao por- turio, dois ncleos cujas funes permitem quer a orientao, quer o desenvolvimento e a sobrevivncia do ncleo urbano. No IV captulo, veremos que as cidades martimas e fluvio-martimas do territrio pros- peraram numa posio geogrfica em que esteve presente uma opo pela orientao a sul, ou seja, um gosto climtico trpico (Fernandes, 1987, p. 86), coincidente com a posio de vigi- lncia do curso fluvial que dominavam, na margem norte. Atentando na definio de porto (espao porturio) que adiante apresentaremos, a recolha dos dados permitiu formular algu- mas perguntas: Quais as alteraes da linha de costa e dos cursos fluviais a ter em considerao, e de que modo que a geomorfologia costeira veio inviabilizar pontos estratgicos do ponto de vista da actividade porturia? Quais os pontos da costa, ou das margens fluviais vocacionados onde existiu actividade porturia? Quais as pocas em que essa actividade se registou? Quais os casos em que se verificou uma continuidade? Qual a simbiose entre esse tipo de local e os centros urbanos das proximidades? Qual o impacte do novo gnero de vida proporcionado pela Expanso, e a atlantizao do povoamento mediante centros urbanos marcadamente martimos? Que continuidade ser possvel observar na escolha do locus portugus ideal relativa- mente opo romana que referimos?