OJORNAL 26/05/2012

download OJORNAL 26/05/2012

of 26

  • date post

    12-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    253
  • download

    15

Embed Size (px)

description

OJORNAL26/05/2012

Transcript of OJORNAL 26/05/2012

  • RIO LARGO

    Como se no bastasse a reduo da produo devido seca, os pequenos produtores de leite de Alagoas reclamam da defasagem no preo do produto com relao aos demais esta-dos do Nordeste. Enquanto no Programa do Leite alagoano

    se paga R$ 0,76 por litro, em Pernambuco, por exemplo, o valor de R$ 0,99. Com poucos recursos, em poca de seca, no h como manter os custos do rebanho. As chuvas dos lti-mos dias ainda no levantaram o astral dos produtores.

    EM NOVO LINO

    Secretrio e assessoraso presos

    Foram presos ontem por policiais da Fora Nacional, em flagrante, o secretrio de Finan-as de Rio Largo, Daniel Fernan-des; a assessora direta do prefeito Toninho Lins, Tereza Laranjeiras; e seu irmo, Alexandre Laranjei-ras. Eles teriam ocultado docu-mentos durante uma operao para cumprir mandados de busca e apreenso. No incio da noite, todos foram liberados.

    PSD faz ltimoencontro antesdas convenes

    O PSD Alagoas realizou ontem, na Cmara Municipal de Novo Lino, o seu stimo e ltimo encon-tro regional antes das convenes partidrias. Ao longo dos encon-tros, que comearam no final do ano passado, o partido pde traar um panorama de atuao no Estado para as eleies de 2012. A sigla tem 40 pr-candida-tos a prefeito e 400 postulantes ao cargo de vereador.

    O futebol alagoano ter dois representantes na rodada de hoje da Srie B. O CRB vai a Minas Gerais encarar o

    Amrica, s 16h20, no Estdio Independncia. O ASA recebe nesta noite, a partir das 21h, o Barueri em Arapiraca.

    ornalJ ornalJOAno 18 nmero 525 r$ 1,50Macei, 26 de maio de 2012 Sbado

    AssinAturAs: 82 4009.1919 ClAssifiCAdos:

    82 4009.1930

    PubliCidAde: 82 4009.1961

    PAbx: 82 4009.1900

    Exem

    plar

    de

    Assi

    nant

    e

    Confira nesta edio a tabela completa da Srie B

    autoMveiS

    a7

    a12

    a13

    a3

    BONS NEGCIOS

    a4

    a2a2

    FUTEBOL

    BRASILEIRO

    CDIGO FLORESTAL

    PSD

    Dilma veta 12artigos e faz32 mudanas

    Em inaugurao,prefeito falasobre convite

    IPI reduzido vaialavancar vendade automveis

    Na regio, pequenos produtores, alm de sofrerem com a reduo na produo de leite, reclamam da defasagem no preo do litro

    Nova.......................20/5

    CresCeNte................28/5

    Cheia.........................4/6

    miNguaNte................11/6

    Dlar (compra)...................1.9930

    Dlar (venDa).....................1.9950

    poupana...........................0,5141

    euro (compra).....................2.5065

    euro (venDa).......................2.5074

    MArs fAses dA luACotAes

    00h38...............0.6

    06h53...............1.8

    13h17...............0.5

    19h34...............1.7

    C M

    Y K

    Como a entidade est v

    endo as medidas anun- ci

    adas pelo governo fede- ra

    l de reduo do Imposto so

    bre Produtos Industria- liza

    dos (IPI)?Na verdade, o gov

    erno est reeditando uma m

    edida que j foi feita no gover

    no Lula, no final de 2008, quan

    do a econo- mia no mundo todo

    entrou num pr-colapso. O

    Brasil naquela poca saiu

    na frente quando o president

    e tomou a deciso de baixar o

    IPI, como uma medida para n

    o desa- quecer o mercado, m

    anter em movimento. Ainda c

    ontinua- mos com esta crise n

    a Europa, que reflete no Brasil t

    odo, e no primeiro trimestre des

    te ano houve uma retrao, o

    cresci- mento ficou um pouc

    o abaixo comparado com o pri

    meiro trimestre de 2011.

    Qual a porcentagem da r

    etrao de vendas? No

    s ltimos cinco anos, o Bra

    sil vem tendo crescimento no

    setor automobilstico. No

    s trs primeiros anos, o au

    mento foi maior e nos dois an

    os seguintes o setor no tev

    e o mesmo desempenho, ma

    s teve um crescimento pos

    itivo. Em 2011, em compa- ra

    o com 2010, o mercado cres

    ceu conforme a previso que

    fizemos em torno de 5% e o cre

    scimento ficou em 4,5%. No co

    meo de 2012, a nossa Fenab

    rave j fazia uma previ- so qu

    e o mercado deste seria muito

    parecido com de 2011, ou sej

    a, entre 4% e 5%, acon- tece q

    ue no primeiro trimestre 2012

    tivemos uma retrao em t

    orno de 2,5%, apesar dess

    a retrao ainda estamos com

    a previso otimista de

    fechar o ano positivamente.

    Na verdade, o governo anteci-

    pou a medida para que o setor

    consiga reverter esta situa-

    o negativa para encerrar o

    ano com o crescimento em to

    rno de 4% a 5%. Mesmo qu

    e aparentemente seja um cre

    scimento pequeno, mas se c

    onsiderar como est a eco

    nomia do resto do mundo, u

    m aumento bastante fav

    orvel. Temos vrios pa

    ses da Europa em situao neg

    ativa, nosso PIB no Brasil est

    estimado para crescer em torn

    o de 2,5%.Ento qualquer nm

    ero positivo nesse setor, enxer

    gamos nele como um nme

    ro para se comemorar.

    Est medida para o m

    ercado nacional? Est

    a medida do governo para o m

    ercado nacional e tem trs

    pilares, uma o governo que

    baixa o IPI, ele abre mo de u

    ma parte de arrecadao dele

    , a outra parte os bancos ma

    is flexveis com os prazos

    de pagamentos as taxas de

    financiamento e as fbricas

    tambm reduzindo os preos.

    Temos que entender que o

    setor teve resultado de queda

    no primeiro trimestre deste

    ano, no por falta de cliente

    querendo comprar carro. Na

    verdade foram os bancos que

    retraram um pouco o crdito,

    diminuram os prazos de

    pagamentos e financiamento

    para veculos e foram mais

    austeros com a concesso

    de crdito. Porque, l em

    2009 e 2010 com a edio d

    o IPI a abertura de crdito f

    oi muito grande, o governo

    e os bancos aumentaram o

    prazos de pagamento, dimi-

    nuram as entradas e acabou

    gerando a inadimplncia. O

    s bancos iniciaram o ano com

    um percentual maior de inad

    implncia, mas normal, porq

    ue financiaram muito mais

    do que estavam acostu- mado

    s a financiar. Podemos dizer

    que um percentual aceit

    vel. Os bancos tambm

    ficaram receosos e dimi-

    nuram a oferta de crdito,

    retraindo as vendas, porque

    60% das vendas dos autom-

    veis no Brasil so financiados.

    No momento que o banco

    diminui o crdito e o prazo de

    pagamento, a oferta diminui.

    Os bancos pblicos e priva-

    dos aderiram, mas veja bem,

    crdito crdito, mas a apro-

    vao ainda est nas mos dos

    bancos. Nosso sucesso tem

    que ser desses trs setores: o

    governo baixando o IPI, os

    bancos flexveis com o crdito

    e prazo de financiamentos e

    os fabricantes tambm redu- z

    indo os preos junto com IPI.

    Os descontos do IPI dos v

    eculos so de acordo co

    m o modelo do veculo? Sim

    , depende do modelo. um

    pouco complexo enten- der

    todos estes descontos, ma

    s o importante que todos ele

    s foram beneficiados com

    a medida do governo. Acre

    ditamos que vamos ter in

    cremento de vendas, logic

    amente, tambm esta- mos

    consciente de que este acr

    scimo no vai ser to gran

    de com foi no passado. Porq

    ue existia uma demanda maio

    r, um cliente disposto a assu

    mir mais parcelas, a pop

    ulao estava mais confia

    nte no emprego que tinha, a

    famlia no estava endivid

    ada porque a abertura de crd

    ito no foi s para veculo

    s, tambm foi para constr

    uo civil, Minha Casa, Minha

    Vida... Hoje, a popu- lao e

    st mais consciente de como g

    astar; isso tambm bom, e

    no adianta assumir um com

    promisso e no ter condi

    es de saldar.

    5

    www.mais.al l autoojornal@ojornal-al.c

    om.br

    4

    O JOrnal l Macei, 26 de Maio de 2012 l S

    badO

    www.mais.al l autoojornal@ojornal-al.c

    om.brAuto O Jornal

    Entrevista l Paulo Patury Accioly l Pr

    esidente do Sincodiv

    Estamos otimistas

    Quando o consumidor a

    lagoano pode comprar o ca

    rro novo com reduo IP

    I?A medida imedia

    ta; todos os carros que esto n

    o ptio da fbrica ou no estoq

    ue das reven- dedoras eles j pass

    am a gozar desses descontos ex

    iste uma tramitao de pape

    l contbil, tem que fazer uma

    devoluo da nota fiscal para

    que nosso fabricante reemita

    com o preo reajustado, de ime

    diato todas concessionrias e

    sto anun-ciando os descont

    os.

    E consumidor est a

    nimado?Ele ainda est olha

    ndo, curioso, principalmente pa

    ra quem j estava comprando

    , que j tinha o valor de referenc

    ia do valor do carro, agora esto

    indo conferir as vantagens.

    o momento de ter um c

    arro novo?A medida para ca

    rro novo. Este o momento

    para quem j estava com a pre

    viso de compra, j que est

    medida tem o prazo terminado

    para 30 de agosto, so trs me

    ses, uma oportunidade de c

    omprar o veculo novo, porq

    ue juno das foras: govern

    o, banco e fabricantes em ofe

    recer melho-res condies. Tod

    os esto empenhados em d

    iminuir o estoque das conce

    ssionrias.

    Com esta medida de aumen- t

    ar das vendas de veculos, h

    tendncia de o trnsito fic

    ar mais catico?Na verdade, a gent

    e tem que separar as coisas, p

    orque o

    problema de as cidades no

    comportarem os carros no

    somente pelas vendas dos

    carros, mas da infraestrutura das