O decl­nio do sistema colonial e o Imp©rio brasileiro Per­odo Joanino Per­odo...

download O decl­nio do sistema colonial e o Imp©rio brasileiro Per­odo Joanino Per­odo Joanino Independncia do Brasil Independncia do Brasil 1 Reinado 1 Reinado

of 27

  • date post

    07-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    4

Embed Size (px)

Transcript of O decl­nio do sistema colonial e o Imp©rio brasileiro Per­odo Joanino Per­odo...

  • O declnio do sistema colonial e o Imprio brasileiroPerodo JoaninoIndependncia do Brasil1 ReinadoPerodo regencial2 ReinadoDisponvel no blog : http://historiativanet.wordpress.com

  • Perodo Joanino (1808-1821)Contexto internacional:

    Guerras Napolenicas Bloqueio ContinentalDebilidade econmica portuguesaAntigo projeto da Coroa portuguesa de transferir-se para o Brasil

  • Aes empreendidas por D. Joo VI:

    Abertura dos portos s naes amigasRevogada a proibio de manufaturas no BrasilTratados de Comrcio de 1810Casa da MoedaBanco do BrasilJardim BotnicoEscolas de MedicinaTeatro RealImprensa RgiaAcademias Militares e de Artes reaisBiblioteca RealMisso Artstica Francesa

  • Fim das invases Napolenicas e o retorno de D.Joo VI:

    O Congresso de Viena no aceita a presena de D.joo VI no Brasil como sendo vlida.O Brasil elevado a Reino Unido de Portugal e AlgarvesRevoluo do Porto (1820)Retorno de D.Joo VI.

  • A independnciaD.Pedro fica no Brasil aps o retorno da famlia real em decorrncia da Revoluo do Porto de 1820.A consolidao de algumas prerrogativas da revoluo, como a diminuio das liberdades conquistadas pelos brasileiros atingiu em cheio o descontentamento de boa parte da elite brasileira que passa a se agrupar em torno de D.Pedro. A ideia de ruptura ganha fora, sendo qualquer possibilidade de recolonizao rejeitada.

  • Independncia ou Morte?

  • Primeiro Reinado (1822-1831)A consolidao da independncia:Combates entre os favorveis a independncia e as tropas portuguesas presentes no BrasilOs EUA reconhecem a independncia em 1824.Portugal reconhecem formalmente a independncia em 1825Os ingleses retardaram o reconhecimento numa tentativa de forar o Brasil a imediata abolio do trfico, o que no ocorreu. Renovao dos Tratados de 1810.

  • Constituio de 1824

    A elite brasileira elaborou um projeto constitucional que foi vetado e ficou conhecido como Constituio da Mandioca, por definir o voto a partir dos alqueires plantados de mandioca.A constituio foi OutorgadaSenado Vitalcio, cujos membros eram escolhidos pelo imperadorVoto indireto e censitrioO pas foi dividido em provncias cujos presidentes eram nomeados pelo imperadorCriao do Conselho de Estado Poder Moderador, concentrava poderes nas mos do rei

  • Instabilidades vividas por D.Pedro IConfederao do Equador (1824) Movimento ocorrido no Nordeste. Tinha o carter antimonarquista e revelava as crises econmicas e tributrias vividas na regio. Defendiam uma constituio liberal e republicana, alm de defender a abolio da escravido. Seus principais lderes foram Cipriano Barata e o Frei Caneca.

    Guerra da Cisplatina (1825-1827)- Provncia Cisplatina proclama independncia do Brasil e incorpora-se s Provncias Unidas do Rio do Prata, futura Argentina. A Inglaterra mediou a situao garantindo a independncia do Uruguai.

  • Abdicao de D. Pedro I O Brasil enfrentava uma grave instabilidade econmica aliado a um rpido e expressivo endividamento.D.Pedro passa a gozar de grande impopularidade, notada em sua visita diplomtica frustrada Minas Gerais.Noite das Garrafadas: Brasileiros (cabras) atacaram as casas iluminadas de portugueses ( ps-de-chumbo) e estes revidaram atirando garrafas e cacos de vidro.D.Pedro acaba em uma situao incontornvel abdicando o trono em favor de seu filho. Seu retorno Portugal acabou o levando ao trono , sendo coroado como D.Pedro IV.

  • Perodo Regencial (1831-40)O legislativo brasileiro ficou responsvel pela administrao do pas at a maioridade de D.Pedro.Os polticos se dividiam entre os liberais moderados (chimangos), os liberais exaltados (farroupilhas) e os restauradores (caramurus).O perodo regencial pode ser dividido entre a Mar Liberal, que engloba a Regncia Trina Provisria, a Trina Permanente e a Regncia Una de Padre Feij.Durante a Mar Liberal, medidas descentralizadoras foram tomadas o que levou o Brasil a um espcie de experincia republicana, muito bem sinalizada pelo Ato Adicional de 1934 e pela criao da Guarda Nacional.

  • Ato Adicional de 1834:

    As provncias agora poderiam criar suas prprias Assemblias Legislativas A cidade do Rio de Janeiro tornou-se uma regio politicamente autnoma O poder Moderador foi extinto e o prximo governo regencial deveria ser comandado por um nico regente

  • Regncia Uma de Arajo Lima (1837-1840) Regresso ConservadorLei Interpretativa do Ato Adicional de 1837"Fui liberal; ento a liberdade era nova no pas, estava nas aspiraes de todos, mas no nas leis, o poder era tudo: fui liberal. Hoje, porm, diverso o aspecto da sociedade: os princpios democrticos tudo ganharam e muito comprometeram; a sociedade, que ento corria risco pelo poder, corre agora risco pela desorganizao e pela anarquia. Como ento quis, quero hoje servi-la quero salv-la; e por isso sou regressista - Bernardo Pereira de Vasconcelos

  • 2 Reinado (1840-1889)Clube da Maioridade Jos BonifcioGolpe da Maioridade

  • PolticaFormao do Partido Liberal e do Partido ConservadorFormao do Ministrio dos Irmos liderado pelos irmos Andradas (Antnio Carlos e Martim Francisco) e os irmos Cavalcanti (futuros viscondes de Albuquerque e de Suassuna)O ministrio era responsvel perante o poder Moderador (imperador). O Parlamento (poder Legislativo) nada podia contra os ministros, que governavam ignorando-o e prestando contas apenas ao imperador. Por esse motivo, esse parlamentarismo brasileiro ganhou o nome de "parlamentarismo s avessasApesar das disputas polticas violentas, os partidos Conservador e Liberal eram diferentes apenas no nome. Um e outro eram integrados pelos grandes proprietrios escravistas e defendiam os mesmos interesses.

  • EconomiaEconomia cafeicultora:Principal produto de exportaoVale do Paraba: Tcnicas produtivas atrasadas, utilizao exclusiva de mo-de-obra escravaOeste Paulista: Terra Roxa, melhoria das tcnicas produtivas, utilizao de mo-de-obra imigrante

  • Outras atividades agrcolas:

    Cacau- BahiaAlgodo : cultivado em larga escala no Maranho, Pernambuco e Cear, passam a ser produtos expressivos na economia brasi-leira. Em 1860 o algodo chega a ser o segundo produto de exportao nacional. A expanso de sua cultura, nesse perodo, conseqncia da Guerra de Secesso norte-americana (1861-1865),

  • A pecuria, embora voltada para o mercado interno, a mais importante atividade econmica na regio centro-sul. Tambm responsvel pela efetiva ocupao e povoa-mento do chamado Tringulo Mineiro e sul do Mato Grosso.Ciclo da Borracha:O ciclo da borracha viveu seu auge entre 1879 a 1912, tendo depois experimentado uma sobrevida entre 1942 a 1945. Bacia AmaznicaAtravs da extrao da borracha, surgiram as cidades de Manaus, Belm

  • Indstria

    As atividades industriais, pouco significativas nos primeiros decnios do sculo XIX, comeam a crescer junto com a economia cafeeira, na segunda metade do sculo XIX. Surgem grandes empreendedores no pas, como Irineu Evangelista de Souza, o visconde de Mau.

    Tarifa Alves Branco

    Em 1844 criada a tarifa Alves Branco, que aumenta as taxas aduaneiras sobre 3 mil artigos manufaturados importados. Seu objetivo melhorar a balana comercial brasileira, mas acaba impulsionando a substituio de importaes e a instalao de inmeras fbricas no pas.

  • Guerra do Paraguai A Guerra do Paraguai teve seu incio no ano de 1864, a partir da ambio do ditador Francisco Solano Lopes, que tinha como objetivo aumentar o territrio paraguaio e obter uma sada para o Oceano Atlntico, atravs dos rios da Bacia do Prata. Visando a provncia de Mato Grosso, o ditador paraguaio aproveitou-se da fraca defesa brasileira naquela regio para invadi-la e conquist-la.Formao da Trplice Aliana : Brasil, Argentina e Uruguai

  • Esta guerra durou seis anos; contudo, j no terceiro ano, o Brasil via-se em grandes dificuldades com a organizao de sua tropa, pois alm do inimigo, os soldados brasileiros tinham que lutar contra o falta de alimentos, de comunicao e ainda contra as epidemias que os derrotavam na maioria das vezes. Importncia da convocao de Duque de Caxias e a formao dos Voluntrios da Ptria.Vitria do Brasil!

  • Declnio do Imprio (1870-1889)Abolio da escravidoBill Aberdeen:Em 1845, o Parlamento britnico aprovou uma lei, chamada Bill Aberdeen, conferindo Marinha o direito de aprisionar qualquer navio negreiro.

    A lei Eusbio de Queirs (1850) Lei do Ventre Livre (1871)Lei do Sexagenrio (1885)Lei urea (1888)

  • Questo abolicionista: Os cafeicultores no se conformaram com a abolio da escravido e com o fato de no terem sidos indenizados. Sentindo-se abandonados pela monarquia passaram a apoiar a causa republicana.Questo Militar: os militares envolvidos na Guerra do Paraguai no receberam nenhum tipo de condecorao ou mesmo penso para as famlias de oficiais mortos. Alm disso, crescia dentro do Exrcito as ideias repblicas, baseadas no positivismo difundido por Benjamin Constant

  • Questo religiosa: Desde o perodo colonial a igreja catlica era uma instituio submetida ao Estado, pelo regime do padroado, que dava ao imperador controle sobre o clero e assuntos eclesisticos. O imperador tinha o direito de exercer o "beneplcito", ou seja, nenhuma ordem do papa poderia vigorar no Brasil sem antes ter sido aprovada por ele. Mas, em 1872, D. Vital e D. Macedo, bispos de Olinda e de Belm, respectivamente, resolveram seguir ordens do papa Pio IX, punindo os religiosos que apoiavam os maons (membros da maonaria). D. Pedro II, influenciado pela maonaria, solicitou aos bispos que suspendessem as punies. Como eles se recusaram a obedecer ao imperador, foram condenados a quatro anos de priso. Em 1875 receberam o perdo imperial e foram libertados, mas o episdio abalou as relaes entre a igreja e o imperador.

  • Fim do Imprio O movimento pr-repblica no Brasil tomava propores irreversve