o bacharelado interdisciplinar em saúde da ufba: discutindo o ...

of 15 /15
XV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU Desafios da Gestão Universitária no Século XXI Mar del Plata Argentina 2, 3 e 4 de dezembro de 2015 O BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE DA UFBA: DISCUTINDO O SISTEMA DE CICLOS RENATA MEIRA VERAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA [email protected] CAIO CEZAR MOURA FEITOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA [email protected] LIVIA DE SOUZA DA ROCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA [email protected] BRIAN TELES FONSECA DE MACÊDO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA [email protected] RESUMO: Com a influência do processo europeu de Bolonha, o sistema universitário brasileiro passou por algumas reformas. Entre elas o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais Brasileiras (REUNI) que possibilitou a criação dos Bacharelados Interdisciplinares na Universidade Federal da Bahia. Esse artigo tem como objetivo analisar o modelo de ciclo da UFBA, em especial o curso do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde. Trata-se de uma pesquisa empírica de natureza qualitativa. Para fundamentação do estudo foram utilizadas a revisão de literatura e a pesquisa documental, sendo analisado o Projeto Pedagógico do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde da Universidade Federal da Bahia. Os resultados demonstram a eficácia do modelo de ciclos para a formação interdisciplinar contemporânea. No entanto, também discute acerca de algumas dificuldades de funcionamento devido à existência de dois modelos de entrada na UFBA. Assim, este trabalho almeja proporcionar a abertura de espaços de discussões, melhorias e mudanças que podem ser feitas e consolidadas tanto no âmbito acadêmico como na sociedade, para melhor formar futuros profissionais da saúde. Palvras-Chave: Universidade; Universidade Federal da Bahia; Bacharelado Interdisciplinar. ISBN: 978-85-68618-01-1

Embed Size (px)

Transcript of o bacharelado interdisciplinar em saúde da ufba: discutindo o ...

XV COLQUIO INTERNACIONAL DE GESTO UNIVERSITRIA CIGU Desafios da Gesto Universitria no Sculo XXI

Mar del Plata Argentina 2, 3 e 4 de dezembro de 2015

O BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM SADE DA UFBA: DISCUTINDO O

SISTEMA DE CICLOS

RENATA MEIRA VERAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

[email protected]

CAIO CEZAR MOURA FEITOSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

[email protected]

LIVIA DE SOUZA DA ROCHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

[email protected]

BRIAN TELES FONSECA DE MACDO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

[email protected]

RESUMO:

Com a influncia do processo europeu de Bolonha, o sistema universitrio brasileiro passou

por algumas reformas. Entre elas o Programa de Apoio a Planos de Reestruturao e

Expanso das Universidades Federais Brasileiras (REUNI) que possibilitou a criao dos

Bacharelados Interdisciplinares na Universidade Federal da Bahia. Esse artigo tem como

objetivo analisar o modelo de ciclo da UFBA, em especial o curso do Bacharelado

Interdisciplinar em Sade. Trata-se de uma pesquisa emprica de natureza qualitativa. Para

fundamentao do estudo foram utilizadas a reviso de literatura e a pesquisa documental,

sendo analisado o Projeto Pedaggico do Bacharelado Interdisciplinar em Sade da

Universidade Federal da Bahia. Os resultados demonstram a eficcia do modelo de ciclos para

a formao interdisciplinar contempornea. No entanto, tambm discute acerca de algumas

dificuldades de funcionamento devido existncia de dois modelos de entrada na UFBA.

Assim, este trabalho almeja proporcionar a abertura de espaos de discusses, melhorias e

mudanas que podem ser feitas e consolidadas tanto no mbito acadmico como na sociedade,

para melhor formar futuros profissionais da sade.

Palvras-Chave: Universidade; Universidade Federal da Bahia; Bacharelado Interdisciplinar.

ISBN: 978-85-68618-01-1

mailto:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]

2

1 INTRODUO

A universidade atual no a mesma de cem anos atrs. Compreender, aceitar e

acompanhar as mudanas da universidade so os maiores desafios nas discusses sobre ensino

superior, pois muitas vezes existe um engessamento que impede a contribuio para os

processos de mudana.

Reforma universitria sem sombra de dvida tema complexo. A profuso de

questes, a desinformao obscurantista, o oportunismo poltico, a inconsistncia de

pontos de vista e o debate acalorado infelizmente pouco tm contribudo para a

gerao de propostas conseqentes, justificadas e factveis. (ALMEIDA FILHO,

2007 p. 245)

Constata-se que desde sua origem, a Universidade no Brasil possui em sua constituio

pilares conceituais, metodolgicos e formativos ainda enraizados nos antigos modelos

europeus. Ao longo das dcadas houve inmeras tentativas sem xito de reformulao destas

instituies superiores de formao, sendo muitas por interesses polticos e conservadores. Na

dcada de 30, por exemplo, Ansio Teixeira idealizou um modelo inovador e democrtico de

ensino superior representado pela construo da Universidade do Distrito Federal. Dessa

iniciativa resultou um projeto to avanado que provocou imediatos incmodos polticos:

acusado de socialista, perseguido e ameaado de priso, Ansio foi exonerado e refugiou-se no

interior da Bahia (ALMEIDA FILHO, 2007, p. 220-221).

Algumas dcadas depois, mais precisamente na dcada de 60, a convite do ento

presidente Juscelino Kubitschek, Ansio Teixeira, agora em parceria com Darcy Ribeiro, foi

responsvel pela criao da Universidade de Braslia (UNB), que tinha como objetivo ser o

primeiro centro acadmico a propor um processo formativo organizado em grandes reas do

conhecimento, distanciando do modelo vigente no pas de faculdades superiores. Entretanto, a

partir de 1964 os militares arbitrariamente assumem o poder no Brasil e realizam medidas de

controle social. Como por exemplo, o domnio da UNB, reorganizao dos educadores e

gestores e tambm reformulao pedaggica e metodolgica no processo de formao

(VERAS et al, 2015).

Dessa forma, mesmo com tentativas de reformulao do ensino superior, percebe-se que

por muito tempo o Brasil permaneceu com o modelo de Universidade arcaico e desatualizado,

com pilares pedaggicos e metodolgicos controlados pelo governo ditatorial que no

vislumbrava um desenvolvimento educacional que favorecesse a construo de um sujeito

crtico (MACEDO, 2014).

Ainda de acordo com Macedo (2014), aps o perodo de ditadura, o sistema educacional

brasileiro sofreu uma nova interferncia do estado atravs do movimento poltico neoliberal

durante a dcada de 1990 que incentivou o processo de privatizao das instituies de ensino

superior do pas, rendendo-se as presses internacionais controladas pelo interesse capitalista.

No entanto, enquanto o Brasil vivenciava esse processo de mercantilizao, em 1999,

29 Ministros da Educao na Europa assinaram a Declarao de Bolonha que visava

reestruturao da Universidade Europia a fim de torn-la fortemente competitiva (LIMA et

al., 2008). O Processo de Bolonha representou a atualizao e transformao significativa no

modelo de ensino universitrio e concomitantemente um fortalecimento econmico dos pases

europeus perante o mundo. Atualmente, a vida em sociedade marcada pelas rpidas

transformaes do processo de globalizao, e tais processos geram mudanas na economia,

na poltica, na arte e nas cincias, no deixariam tambm de afetar a universidade. Segundo

Veras e colaboradores (2015), existe uma nova crise na contemporaneidade decorrente

3

principalmente da defasagem dos processos metodolgicos e formativos existentes que no

contemplam as novas demandas no ensino superior na atualidade.

Na tentativa de superar essa crise, em 2007 surgiu na UFBA a proposta da Universidade

Nova. Esta proposta apresentou-se uma mudana na arquitetura curricular dos cursos, que

juntamente com o Programa de Apoio a Planos de Reestruturao e Expanso das

Universidades Federais Brasileiras (REUNI) do governo federal, oportunizou o surgimento

dos bacharelados interdisciplinares da UFBA, criados para superar os limites da

disciplinaridade, da alta especializao e o ingresso precoce em cursos profissionalizantes.

Evidencia-se que o tema Universidade na contemporaneidade precisa ser discutido, com

maior profundidade e clareza a fim de contribuir para o debate sobre a universidade brasileira.

Nesse sentido, este estudo tem como objetivo analisar o modelo de ciclo da UFBA. E para

isso ser problematizado o surgimento e o desenvolvimento do ensino superior brasileiro bem

como discutir sobre uma nova proposta de universidade, baseada em ciclos, enfatizando-se o

bacharelado interdisciplinar em sade da UFBA. O bacharelado interdisciplinar em sade

considerado uma inovao na formao do campo da sade no Brasil. Desta forma, este texto

tem o intuito de contribuir com a discusso sobre ensino superior brasileiro e a formao de

recursos humanos em sade, alm de somar possveis melhorias no bacharelado

interdisciplinar em sade.

2 METODOLOGIA

Trata-se de uma pesquisa emprica de natureza qualitativa. Marconi e Lakatos (2007)

trazem uma reflexo quanto importncia de direcionar a pesquisa para o conhecimento da

realidade. A pesquisa (...) um procedimento formal, com mtodo de pensamento reflexivo,

que requer um tratamento cientfico e se constitui no caminho para conhecer a realidade ou

para descobrir verdades parciais (p. 157). Para fundamentao do estudo, foram utilizadas a

reviso de literatura e a pesquisa documental, sendo analisado o Projeto Pedaggico do

Bacharelado Interdisciplinar em Sade (de Abril de 2010) da Universidade Federal da Bahia.

Nesta perspectiva, a reviso de literatura para Gil (2008), desenvolvida a partir de

material j elaborado por outros pesquisadores. Assim, o pesquisador coleta dados de estudos

precedentes em fontes bibliogrficas, como: Livros obras literrias ou obras de divulgao,

dicionrios, enciclopdias, anurios e almanaques; Publicaes peridicas artigos cientficos

de revistas ou jornais cientficos, disponveis em bibliotecas ou internet; Obras acadmicas

TCC, dissertao de mestrado, tese de doutorado, disponveis em bibliotecas ou internet.

A pesquisa documental muito semelhante pesquisa bibliogrfica, a diferena

essencial entre elas est na natureza das fontes utilizadas, enquanto a bibliogrfica utiliza

fundamentalmente das contribuies de diversos autores, a documental trata-se de

documentos que no receberam tratamento analtico, chamados de fontes primrias, podendo

ser: correspondncia pessoal, documentos de cartrio, registros, filmes, gravaes entre outros

(GIL, 2008).

O estudo foi desenvolvido mediante consulta em base dados, como o LILACS

(Literatura Latino-Americana e do Caribe em Cincias da Sade), Scielo (Scientific Eletronic

Library online), para acess-los, utilizamos como descritores: Universidade, Universidade

Federal da Bahia e Bacharelado Interdisciplinar.

4

Ao realizar a pesquisa em banco de dados, com os descritores estabelecidos,

encontramos dificuldade quando o descritor bacharelado interdisciplinar estava combinado,

assim, percebe-se a escassez de discusso sobre o assunto, sendo assim pouco

problematizado.

Desta forma, utilizando os 03 descritores, foram encontrados apenas 02 artigos em

peridicos, indexados nos bancos de dados. Portanto, devido precariedade de materiais

sobre a temtica, outros artigos e trabalhos no indexados foram utilizados nessa pesquisa. De

posse dos materiais, realizamos leituras, discusses e fichamentos dos textos, para uma maior

compreenso sobre a temtica e a partir da foi possvel delinear o estudo.

3 O ENSINO SUPERIOR E AS UNIVERSIDADES NO BRASIL

O ensino superior surgiu no Brasil com a chegada da corte portuguesa em 1808, nesse

perodo a cidade do Rio de Janeiro se modernizou havendo uma ampliao da oferta de

servios para atender as necessidades da realeza e da pequena elite brasileira, com isso

precisava-se de profissionais para desempenhar tais funes, sendo assim houve a criao das

faculdades de medicina, direito e politcnica nos moldes de escolas autnomas que mais tarde

em 1920 foram unidas dando origem a chamada Universidade do Brasil a qual durante muito

tempo foi considerada a primeira universidade brasileira.

No entanto, segundo Almeida Filho (2007), a primeira Universidade por completo,

enquanto projeto acadmico e institucional foi a USP, que surgiu em 1934 com a ajuda de

acadmicos franceses formados pela Sorbonne.

Outro marco importante sobre as universidades brasileiras o surgimento da

Universidade de Braslia, (UnB) que foi idealizada desde a dcada de 30, por Ansio Teixeira

atravs da Universidade do Distrito Federal (UDF), no entanto, esta foi extinta por ordens de

Vargas que governava de forma ditatorial e considerava Ansio Teixeira comunista, um

inimigo poltico.

Em 1962, finalmente inaugurada a Universidade de Braslia (UnB) idealizada por

Ansio Teixeira e Darcy Ribeiro que foi o seu primeiro Reitor. A UnB foi pensada para

funcionar em um modelo de ciclos, porm com a ascenso dos governos militares este modelo

foi suprimido aos moldes tradicionais de ensino superior que segundo Almeida Filho (2007) o

sistema adotado nacionalmente foi uma verso empobrecida do modelo americano de ensino

superior.

Segundo Santos (2010), pases que passaram por ditaduras militares tiveram uma

induo a crise institucional, pois estes governos reduziram a autonomia da universidade at

eliminar a produo de conhecimento e censo crtico, alm de submeter mesma a projetos

autoritrios alm de abrir ao setor privado a produo do bem pblico da universidade.

Assim, percebe-se que o ensino superior brasileiro e as suas universidades no tiveram

um nascimento baseado num plano a longo prazo de desenvolvimento universitrio nem

voltado para o ensino e pesquisa ou para a formao de profissionais, diferindo disso em

casos pontuais como o a da USP e da UnB idealizada por Ansio Teixeira (VERAS et al.,

2015).

Ou seja, a universidade brasileira foi se construindo por diversas influncias sejam elas

das universidades lusitanas atravs da influncia de Portugal, desenvolvimentistas no perodo

de Juscelino Kubitscheck no surgimento da UnB ou americanas no perodo ditatorial, sempre

dependente da vontade poltica dos governantes.

5

Aps o restabelecimento dos governos democrticos no Brasil, os mesmos seguiram

uma tendncia mundial, o capitalismo neoliberal, ou seja, a desestruturao do Estado de bem

estar social para o Estado mnimo. Neste modelo, o estado intervm o mnimo sobre a

economia e corta os gastos da mquina publica, deixando o seu povo e sua economia sendo

regulado pelo mercado. A perda de prioridade na universidade pblica nas polticas publicas do Estado foi,

antes de mais, o resultado da perda geral de prioridade das polticas sociais

(educao, sade, previdncia) induzida pelo modelo de desenvolvimento

econmico conhecido por neoliberalismo ou globalizao neoliberal que a partir da

dcada de 1980 se imps internacionalmente (SANTOS 2010, p.18).

Sendo assim, a universidade pblica continuou sofrendo com um subfinanciamento por

parte do Estado alm da maior abertura ao capital privado na educao durante o governo de

FHC - Fernando Henrique Cardoso.

A partir desse perodo houve um investimento macio de grupos educacionais

estrangeiros no Brasil, estabelecendo concorrncia com as IES brasileiras. Desta forma,

muitos destes grupos compraram instituies brasileiras realizando fuses que tornaram o seu

Capital ainda maior o que no implica da mesma forma na qualidade de ensino e muito menos

na democratizao desses espaos de ensino: A eliminao da gratuidade do ensino

universitrio e a substituio de bolsas de estudo por emprstimos foram os instrumentos da

transformao dos estudantes de cidados em consumidores. (SANTOS, 2010, p.27)

De acordo com o autor citado, mais uma consequncia da mercantilizao do ensino

superior a perda do papel social da universidade em formar cidados agora transformados

em compradores.

No perodo do governo de Lus Incio Lula da Silva houve maiores discusses sobre

universidade atravs do Projeto de Lei (7200/2006) da reforma universitria.

De 2004 a 2006 foram apresentadas quatro verses do anteprojeto de lei da educao

superior, que possuem entre suas idias-fora: a educao superior como bem

pblico,a necessidade de a educao superior atender as demandas sociais e a

expanso da educao superior. (OLIVEIRA,2010,p.9)

Para por em prtica essas idias da PL (7200/2006), foram criados o Programa de Apoio

a Planos de Reestruturao e Expanso das Universidades Federais (REUNI), O Programa

Universidade para Todos (PROUNI), Sistema de Seleo Unificada (SISU) alm da

ampliao do acesso ao Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). Sendo assim, atravs

dessas medidas, o governo Lula contribuiu para ampliao e democratizao do acesso ao

ensino superior brasileiro.

4 MODELOS DE FORMAO SUPERIOR EM CICLOS: UNIVERSIDADE NOVA E

SUAS INFLUNCIAS

O modelo unificado europeu o resultado do aprofundamento das discusses da unio

poltica e monetria que existe unindo os pases membros da Unio Europia. Percebendo a

importncia da universidade como instrumento poltico e fortalecedor de uma determinada

regio, em 1998 foi criado o Espao Europeu de Ensino Superior (EEES).

Em suma, o estabelecimento de um EEES basicamente um compromisso poltico,

uma agenda de mudana, um esforo de mobilizao conjunta para construir

6

convergncias na educao superior com a finalidade ultima de ser o eixo de

consolidao de uma cidadania europia. (SIEBIGER, 2010,p.122)

Percebe-se que o EEES uma tentativa de recuperar a atrao e a influncia da Unio

Europia sobre os demais pases. Muitos apontam como crtica o fato de querer se renovar o

Eurocentrismo ou at mesmo a perda das culturas universitrias locais ao se estabelecer um

padro europeu. No entanto, com o EEES, as universidades possuem autonomia para praticar

suas caractersticas locais, alm de perceber que esse um esforo da Europa competir com o

modelo norte-americano e no de recuperar a centralidade como no Eurocentrismo.

Observa-se, para tanto, que esse processo de harmonizao da educao superior

europia realmente tem alcanado outros continentes, seja influenciando ou mesmo

servindo de modelo para a reorganizao de estruturas universitrias e de sistemas

de educao superior (SIEBIGER, 2010,p.123)

Em consequncia do EEES, em 1999 na cidade de Bolonha, 29 Ministros da Educao

assinaram a Declarao de Bolonha, que almeja promover o sistema europeu de educao

superior em todo o mundo, tornando-o fortemente competitivo face, sobretudo, aos Estados

Unidos da Amrica (LIMA et al., 2008, p. 10). Para alcanar esta realidade, foram adotadas

medidas para integrar os sistemas universitrios nacionais padronizando os ttulos

universitrios, currculos acadmicos e diplomas em todos os pases pertencentes da Unio

Europia.

Outro objetivo fundamental da declarao de Bolonha referia-se reestruturao da

Universidade europia at o ano de 2010 atravs, dentre outras aes, da reformulao

metodolgica, pedaggica e curricular no processo formativo. Foi adotada a proposta de

ciclos no ensino superior, buscando a construo do conhecimento a partir da interlocuo de

saberes e reas. A partir desta metodologia, foram contempladas as demandas oriundas das

transformaes sociais e culturais do sculo XX que necessitavam, cada vez mais, de uma

integrao entre as vrias reas do conhecimento. Esta reestruturao da Universidade

europia proporcionou maior possibilidade de mobilidade estudantil e empregabilidade. Foi

possvel tambm estabelecer critrios equivalentes para avaliao e comparao entre as

Universidades, almejando construir normas e diretrizes que contemplem todas estas

instituies educacionais (MELLO, 2011). Sendo assim, o Processo de Bolonha representou

uma transformao significativa no modelo de ensino universitrio e concomitantemente um

fortalecimento econmico dos pases pertencentes a este bloco perante o mundo (VERAS et

al, 2015).

No cenrio brasileiro, foi criado em 2006, na Universidade Federal do ABC (UFABC)

em So Paulo, um novo modelo de educao superior composto por ciclos, tendo como

resultado a implantao do Bacharelado em Cincia e Tecnologia. Este modelo foi

influenciado pelo novo sistema de educao vigente na Europa (Processo de Bolonha),

juntamente com o movimento de Universidade Nova idealizada por Ansio Teixeira na dcada

de 1960, mas incorporando um desenho inovador necessrio para responder s atuais

demandas de formao acadmica (CAMARGO et al., 2010).

Por esse motivo, em 2006 no contexto baiano, mais especificamente na Universidade

Federal da Bahia, iniciaram-se os estudos dos grupos de trabalho com a finalidade de repensar

a estrutura curricular das Universidades no Brasil. Esta iniciativa emergiu influenciada pelo

esgotamento do modelo de graduao profissionalizante e seus principais impactos, como por

exemplo, o alto ndice de evaso universitrio e defasagem das metodologias e estratgias

pedaggicas.

As discusses geradas nestes grupos de trabalho contriburam para a criao do projeto

UFBA NOVA em 2007, alicerado no pensamento anisiano, almejando uma transformao

7

curricular e pedaggica do ensino. Ressalta-se que esse grupo de trabalho que deu origem ao

projeto UFBA NOVA foi criado concomitantemente proposta do REUNI, em 2007

(VERAS et al, 2015).

Os bacharelados interdisciplinares da UFBA caracterizados pelo sistema de ciclos foram

frutos do projeto UFBA NOVA e foram includos na proposta da UFBA para adeso ao

REUNI.

O REUNI tinha como proposta o desenvolvimento econmico e social das

Universidades Federais no Brasil e garantir condies necessrias para a ampliao do

acesso e permanncia na educao superior; assegurar a qualidade por meio de inovaes

acadmicas; promover a articulao entre os diferentes nveis de ensino (BRASIL, 2009, p.

3) e atualizar currculos e projetos acadmicos visando flexibilizar e melhorar a qualidade da

educao superior, bem como proporcionar aos estudantes formao multi e

interdisciplinares, humanista e o desenvolvimento do esprito crtico (BRASIL, 2007, p.9).

De acordo com Almeida Filho (2007), em sua obra Universidade nova: Textos crticos e

esperanosos h um capitulo chamado Nem Harvard Nem Bolonha no qual ele explicita

que apesar de buscar referncias no modelo norte-americano de origem flexneriana e do

modelo unificado europeu, resultante do Processo de Bolonha, a Universidade Nova deve

trabalhar para construir um modelo vantajoso para o Brasil.

5 SURGIMENTO E IMPLANTAO DOS BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

DA UFBA

O Bacharelado Interdisciplinar gestado em um momento crtico da Universidade,

como fruto da tentativa de modificar a formao no ensino superior brasileiro, para

acompanhar e praticar mudanas das discusses que surgiram no governo Lula e assim

democratizar o ensino superior.

De acordo com Rocha e colaboradores (2014):

A Universidade Brasileira tem se constitudo, nos ltimos anos, em cenrio de um

amplo debate em torno da necessidade e das possibilidades de mudana face crise

e aos desafios colocados pelas intensas transformaes cientificas e tecnolgicas que

caracterizam o mundo contemporneo, com repercusses no mundo do trabalho e na

vida cotidiana.(p.33)

Nesta perspectiva, com a finalidade de reestruturao do ensino de nvel superior, surge

a elaborao dos Bacharelados Interdisciplinares (BI), como uma nova proposta de ensino,

com o intuito de mudanas na base curricular, o to conhecido ensino tradicional, enraizado

na cultura social, em um estudo diferenciado, realizado em ciclos, alicerados nas discusses

do projeto da universidade nova. O BI pode ser definido como curso universitrio de formao geral, de natureza

interdisciplinar, com terminalidade prpria, entendido como preparao para o

ingresso em cursos profissionais de progresso linear, ou para a formao acadmica

de ps-graduao humanstica, cientfica ou artstica, ou, ainda, para o ingresso no

mercado de trabalho em ocupaes que no exijam formao profissional

especfica(...) (ROCHA et al, 2014, p.40).

8

Desta forma, os cursos de bacharelado interdisciplinar tiveram como grandes

incentivadores os professores Ansio Teixeira e Darcy Ribeiro, e foram moldados com base

no modelo educacional de Bolonha e pelos Colleges estadunidenses e surgiram atravs do

Programa de Apoio a Planos de Reestruturao e Expanso das Universidades Federais

Brasileiras (REUNI) do Ministrio da Educao e Cultura.

O Projeto poltico-pedaggico dos Bacharelados interdisciplinares (UFBA, 2008), na

sua constituio, traz cinco princpios para guiar a elaborao dos currculos especficos nas

grandes reas de conhecimento: 1) Autonomia: O principio da autonomia do sujeito implica

na responsabilizao do indivduo na conduo do seu prprio processo de aprendizagem.

Constitui-se em requisito fundamental para consolidao de sua competncia de aprender a

aprender. A conquista de tal competncia absolutamente necessria a profissionais que

atuaro numa realidade em permanente transformao e que tero que enfrentar as novas

situaes e problemas que estaro sempre emergindo em suas experincias de trabalho. O

conhecimento de tcnicas investigativas se constitui numa importante ferramenta de aquisio

dessa autonomia, bem como a aprendizagem de lnguas estrangeiras; 2) Flexibilidade -

diminuio ao mnimo necessrio da exigncia de pr-requisitos, favorecendo a possibilidade

de escolha livre pelos alunos dos componentes a serem cursados e, como consequncia,

reforando o princpio da autonomia; 3) Articulao:prope a criao de componentes

curriculares de natureza interdisciplinar, bem como sugere o acrscimo de outros dispositivos,

de natureza integradora, tais como Seminrios, Oficinas e Laboratrios; 4)Atualizao

reviso e atualizao peridica dos componentes curriculares buscando contemplar os

avanos cientficos, tecnolgicos, as inovaes artsticas e quaisquer novidades no campo do

conhecimento; 5) Incluso das trs culturas devero incluir componentes curriculares que

representem e articulem os trs grandes campos do conhecimento, contemplando contedos

dos campos artstico, cientfico e humanstico.

O marco conceitual desse projeto repousa sobre trs eixos: em primeiro lugar,

epistemologias no-cartesianas demandam e valorizam a inter/transdisciplinaridade,

o que permite integrar saberes das artes e das humanidades ao universo da pesquisa

e da formao. Em segundo lugar, teorias criticas da sociedade promovem a

etnodiversidade nos processos educacionais.Em terceiro lugar, uma pedagogia

emancipatria permite formar sujeitos com autonomia e inventividade, portanto

mais bem preparados para cumprir a misso (trans)formadora da instituio

universitria. (ALMEIDA FILHO; COUTINHO, 2011, p.5)

Com a criao do REUNI, ocorreram modificaes na composio curricular que

constituem a Universidade Nova. Compreendem a implantao de um regime de ciclos de

educao universitria: O primeiro ciclo compreende uma nova modalidade de cursos, chamado de

Bacharelado Interdisciplinar (BI). O segundo ciclo contempla a formao

profissional especfica, encurtando a durao dos atuais cursos e focalizando as

etapas curriculares de prticas profissionais. O terceiro ciclo confirma e integra a

formao acadmica em nvel de ps-graduao, com cursos de mestrado e

doutorado (BAPTISTA et. al, 2014, p.7 ).

Conforme pode ser observado no desenho abaixo:

9

Assim, o BI um curso de graduao universitria interdisciplinar, com terminalidade

prpria, que habilita o estudante para atuar no setor pblico, no segmento empresarial e no

campo no-governamental associativo, podendo tambm servir como requisito para a

formao profissional de graduao (em outros cursos da prpria Universidade), alm da

formao cientfica, humanstica ou artstica de ps-graduao (UFBA, 2010).

Para uma melhor organizao do Bacharelado Interdisciplinar, foi criado um Instituto,

chamado de IHAC Instituto de Humanidades, Artes e Cincias Prof. Milton Santos (IHAC),

com o intuito de crescer e democratizar o acesso aos seus cursos.

Desta forma, nasce os BIs, em 2009, distribudos em quatro categorias sendo elas:

Cincia & Tecnologia, Humanidades, Artes e Sade, ofertada pela Universidade Federal da

Bahia, com carga horria de 2.400 horas, com durao mnima de seis semestres, em trs

ciclos.

De acordo com o Projeto Pedaggico do BI:

uma modalidade de curso de graduao que se caracteriza por agregar uma

formao geral humanstica, cientfica e artstica ao aprofundamento num dado

campo do saber, promovendo o desenvolvimento de competncias e habilidades que

possibilitaro ao egresso a aquisio de ferramentas cognitivas que conferem

autonomia para aprendizagem ao longo da vida bem como uma insero mais plena

na vida social, em todas as suas dimenses. Tambm prov fundamentos conceituais

e metodolgicos para a formao profissional em cursos de graduao que o adotem

como primeiro ciclo. (UFBA, 2008, p.12)

O BI um curso democrtico, onde permite ao estudante vivenciar diversas

experincias em vrias reas do saber, em diversos contextos, do ensino e pesquisa,

procurando formar estudantes habilitados e independentes, atravs de padres metodolgicos

que permitem mais implicao, conhecimento e empatia destes com a universidade.

Assim, o BI caracterizado como sendo o primeiro curso a adotar o ENEM como forma

de ingresso na Universidade Federal, a ofertar um maior quantitativo de vagas no turno

noturno do que diurno em comparao a outros cursos da universidade. Tambm oferece

10

menor nmero de pr-requisitos, permitindo maior autonomia do estudante em comparao

aos demais cursos profissionalizantes.

6 BACHARELADO INTERDISCIPLINAR EM SADE DA UFBA

A formao superior em sade tem sido rediscutida e revista em todo o mundo, pois

muitos dos profissionais que esto atuando no conseguem lidar com as demandas postas pela

sociedade, sejam elas polticas,sociais ou biolgicas.

A maior parte dos processos de formao, por estar fundamentada

preponderantemente em um modelo disciplinar centrado na racionalidade

biomdica, remete alunos e professores a uma reduo drstica dos processos de

sade-doena sua dimenso biolgica dos sujeitos/pacientes sua doena

(...)(ALMEIDA, FEUERWERKER, LLANOS, 1999, p.139)

Percebe-se uma dificuldade dos recursos humanos em sade olhar o paciente alm dos

seus aspectos biolgicos, em desenvolver trabalhos em equipe atravs de prticas

muti/interdisciplinares e adaptar-se as mudanas polticas dos sistemas de sade. Para superar

esse paradigma ressalta-se que a formao em sade deve ser repensada:

Nesse paradigma, o processo de formao de profissionais de sade/enfermagem

deve pautar-se no desenvolvimento de aes acadmicas, multi e interdisciplinares,

com base humanista, tica, e com capacidade critica, na perspectiva da integralidade

do cuidado, o que pressupe a formao de profissionais capazes de enfrentar os

problemas complexos que se apresentam na sociedade contempornea, mais

especificamente na rea da sade.( FERNANDES, et al, 2007, p. 833)

Ao se analisar o projeto pedaggico do B. I de sade percebe-se que o curso promove

uma formao critica e com um olhar apurado as questes do mundo atual. Um bacharel em

sade, consegue ter um olhar para a sade mais ampliado pois est em contato diretamente

com as reas das humanidades, artes e cincias. Na sua grade curricular (imagem 2), explicita-

se como o curso distribudo em carga horria,eixos e componente curricular.

11

O Eixo interdisciplinar composto por dois mdulos, o mdulo interdisciplinar

formado pelos Componentes Curriculares (CC) estudos da contemporaneidade I e II que

segundo o projeto pedaggico do B.I de sade fornece ao estudante uma compreenso

interdisciplinar dos processos sociais, e o mdulo das culturas onde o estudante escolher

quais sero as culturas artsticas e humansticas que eles iro cursar baseado nos seus

interesses de aprendizagem, essas disciplinas so ofertadas pelo prprio IHAC e por outras

unidades acadmicas da UFBA. Esse modelo possibilita, assim, ao estudante conhecer

diversos cursos de formao superior, estabelecendo vrias redes de relacionamento e

colaborao dentro do multicampi da universidade.

O eixo das linguagens formado pelos componentes listados acima ( quadro 2) ainda

conta com um mdulo de lngua estrangeira, no qual o projeto pedaggico do curso refora a

importncia do domnio instrumental de outro idioma alm da lngua materna para ampliar a

aquisio de outros conhecimentos. Apesar de existir esse mdulo, os componentes

curriculares no so obrigatrios sendo oferecidos de forma optativa, cabendo ao aluno

curs-lo ou no em seus componentes livres. Ou seja, h uma incoerncia neste ponto, pois

no pode justificar a existncia de um mdulo que pode ou no ser cumprido pelos discentes,

isso extrapola o principio da autonomia. Este mdulo deve ser obrigatrio pois de crucial

importncia em um mundo globalizado, no qual se busca redes de colaboraes acadmicas

de outras nacionalidades.

So duas etapas de formao especifica em sade, na 1 etapa da formao especifica o

estudante possui trs componentes curriculares que iro tratar sobre o campo da sade. Esses

componentes (...) oferecem as bases conceituais para a compreenso da sade em suas dimenses

objetivas e subjetivas, bem como contempla os conhecimentos necessrios a analise

da situao de sade da populao brasileira e das polticas e praticas organizadas

socialmente par o enfrentamento destes problemas. ( UFBA, 2010, p. 14).

J na 2 etapa o estudante poder se inserir em alguma rea de concentrao ou cursar

11CC de sua escolha na rea da sade, nesse momento que o estudante poder transitar e

articular os conhecimentos j aprendidos sobre a sade e agregar outros nas diversas

graduaes da rea que a universidade possui alm de poder cursar componentes curriculares

comuns a todos os cursos de sade como: anatomia, fisiologia, biofsica e etc. Essa etapa

confere ao estudante o seu carter de profissional da sade.

Alm disso, os estudantes devero cumprir 7CC livres, ou seja, cursaro componentes

de livre escolha pela universidade sem se prender a uma rea do conhecimento especifica

alm das 360h de carga horria complementar (eixo integrador) podendo cumpri-las atravs

de monitorias, iniciao cientifica, projetos de extenso, cursos e eventos acadmicos.

Concludas as 2400h, o estudante recebe o titulo de Bacharel em sade, um estudante

que venceu a barreira da disciplinaridade diante dos diversos campos dos saberes que teve

contato, que se familiarizou com a linguagem e a escrita universitria, conheceu as diversas

formaes superiores da universidade e que pode fazer uma escolha para a formao

profissional ou para carreira acadmica com mais tranqilidade e acerto. Alm disso, a

universidade no sofre com as altas taxas de evaso e desistncia.

12

7 DESAFIOS/DIFICULDADES DOS BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

A implantao dos Bacharelados Interdisciplinares trouxe muitas conquistas para a

UFBA. Porm ainda pode ser considerado um projeto em construo que sofre com

dificuldades advindas principalmente do fato de vivenciar um modelo misto de universidade:

o modelo tradicional e o modelo de ciclos. Segundo Macedo (2014) existe uma grande

resistncia, intelectual e institucional, que deslegitimam o desenvolvimento do sistema de

ciclos na UFBA. A partir desse cenrio, observa-se trs principais problemticas que se

destacam a partir da implementao dos BI:

A precria relao poltico-institucional entre a unidade acadmica dos BI e as demais; A oferta de vagas nos componentes curriculares das outras unidades acadmicas ao

alunado dos BIS;

Dificuldades de implementao de critrios coerentes com o projeto pedaggico dos B.Is na transio da formao geral para a formao profissional.

Os problemas relacionados s dificuldades de relacionamento entre setores da UFBA

foram relatados em trabalhos anteriores que apontaram as principais causas de embates

polticos como a existncia de modelo predominante nessa instituio que enfatiza a

organizao do conhecimento por disciplinas e a formao profissional voltada para a

insero dos egressos no mercado de trabalho. O modelo proposto pelo BI justamente o

oposto a esse, tem carter interdisciplinar que caracteriza a formao profissional nas diversas

reas (TEIXEIRA, COELHO, DOURADO, 2013). No que diz respeito aos critrios adotados para o processo de migrao da formao

geral para a formao profissional, essa dificuldade j era anunciada desde o processo de

formulao do projeto Universidade Nova:

Nos debates sobre esta proposta de ruptura com o paradigma da universidade velha,

s vezes me questionam se, na hora de prosseguir do BI para os demais nveis de

formao, no haveria risco de transferir para o ambiente interno da universidade o

processo seletivo que atualmente feito pelo vestibular, Respondo que essa

justamente a inteno e a fora da proposta (ALMEIDA FILHO, 2007,p.275)

No entanto, professores que participaram do processo de implantao do curso do

Bacharelado Interdisciplinar em sade escreveram um trabalho intitulado - Bacharelado

Interdisciplinar: uma proposta inovadora na educao superior em sade no Brasil, onde

relatam dificuldades em trazer essa discusso para a universidade: quais seriam os critrios da

transio para a formao profissional?

Durante o ano de 2011, o debate em torno dos procedimentos e critrios de

ingresso nos demais cursos denominados Cursos de Progresso Linear (CPL), foi

intensificado nos colegiados e na Congregao do IHAC, tenho em vista a

operacionalizao da Resoluo aprovada pelo Conselho Universitrio em 2008, que

estabelece a reserva de pelo menos 20% das vagas de todos os cursos da UFBA aos

egressos dos BI. O conselho acadmico de Ensino determinou que os aspectos a

serem levados em considerao pelos colegiados dos cursos, para aceitarem a

matricula dos egressos do BI, deveriam enfatizar a apreciao do coeficiente de

rendimento acadmico, ponderado pela trajetria do aluno no curso, privilegiando a

concentrao e componentes do CPL pretendido. Tal deciso reativou o debate

interno no IHAC em torno da restrio dos BI sua finalidade propedutica,

13

condio do alunado para uma escolha profissional precoce (a fim de garantir uma

pontuao maior no momento da seleo para o CPL) e produziu insatisfao quanto

impossibilidade de se fazer, no momento de concluso do curso, a transio para

uma profisso de outra rea do conhecimento. (TEIXEIRA, COELHO,

DOURADO, 2013, p. 1641)

Percebe-se que h uma tentativa de transferir esse papel para universidade, acreditando

que outros valores sero empregados no processo seletivo diferentes do vestibular. No

entanto, isso no acontece, pois os sujeitos atuantes nesse processo no trazem para si esse

compromisso. Muito pelo contrrio, estabeleceu-se outro processo de vestibular

desconstruindo o papel da universidade e enfraquecendo o projeto dos Bacharelados

Interdisciplinares.

E isso se aprofunda no contexto do Bacharelado Interdisciplinar em Sade, pois por

motivos diversos que no sero discutidos nesse texto, a escolha da grande maioria de alunos

do BI de Sade para a etapa de formao profissional o curso de medicina, no qual o

nmero de vagas ofertadas pela unidade acadmica aos egressos menor do que o nmero de

interessados fomentando essa lgica do vestibular dentro da universidade.

CONCLUSO

Em suma, percebe-se que o Bacharelado Interdisciplinar se constitui de grande valia,

para insero de uma nova modalidade de ensino, atravs de ciclos, configurando uma

importante tentativa de reformulao, transformando o modelo engessado de ensino numa

trajetria onde o prprio discente, tem a possibilidade de escolha de seus componentes

curriculares.

No tocante sade, percebe-se a importncia relevante da criao do Bacharelado

Interdisciplinar em Sade, uma vez que se busca cada vez mais profissionais capacitados para

atuar de forma mais tica, humanizada e atento s mudanas do mundo contemporneo,

proporcionando assim ao futuro profissional uma formao transversal e plural. Esses futuros

profissionais podem assim ser construtores de uma sade diferenciada, impactando

diretamente na constituio de equipes multidisciplinares, respeitando os sujeitos dotados de

uma trajetria de vida e experincias nicas, proporcionando assim, um maior retorno da

Universidade para a comunidade.

Assim, este trabalho quis ampliar mais o debate para as questes sobre o ensino superior

brasileiro e do processo de implantao dos bacharelados interdisciplinares, principalmente do

bacharelado em sade, pois sem a abertura desses espaos de discusses, melhorias e

mudanas no podero ser feitas e nem consolidadas tanto no mbito acadmico como na

sociedade, para melhor formar futuros profissionais da sade.

REFERNCIAS

ALMEIDA FILHO, N. Universidade Nova: Textos crticos e esperanosos. Braslia, DF:

Editora Universidade de Braslia, Salvador, EDUFBA, 2007;

ALMEIDA FILHO, N.; COUTINHO, D. Nova arquitetura curricular na Universidade

brasileira. Cienc. Cult., So Paulo, v.63, n.1, Jan. 2011;

14

ALMEIDA, M., FEUERWERKER, L., LLANOS, M. (Orgs.). A educao dos profissionais

de sade na Amrica Latina: teoria e prtica de um movimento de mudana. Interface, So

Paulo, vol.4 no.7, Aug. 2000;

BAPTISTA, C. Et al. O Estado da Arte sobre o REUNI. In.: XIII COLOQUIO DE

GESTIN UNIVERSITARIA EN AMRICAS, 2014, 22p;

FERNANDES, J. Et al.Ensinar sade/enfermagem numa nova proposta de reestruturao

acadmica.Revista Escola de Enfermagem USP, 2007,41(Esp): 830-834;

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. So Paulo: Atlas, 2008;

LIMA, L. ; AZEVEDO, M.;CATANI, A. O Processo de Bolonha, a avaliao da educao

superior e algumas consideraes sobre a Universidade Nova, Avaliao, Campinas,

Sorocaba, SP, v. 13, n.1, p.7-36, mar.2008;

MACEDO, B. Histria da Universidade no Brasil: Uma anlise dos bacharelados

interdisciplinares da UFBA. 2014. 87p. Dissertao de Mestrado. Instituto de Humanidades

Artes e Cincias, Universidade Federal da Bahia, 2014;

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia cientfica. So Paulo:

Atlas, 2007;

OLIVEIRA, R. C. Educao superior, concepes e funo social da universidade. In: V

Encontro de Pesquisa em Educao em Alagoas. Pesquisa em educao: desenvolvimento,

tica e responsabilidade social, Macei, 2010;

RAPHAEL, J; COELHO, M.T; FERNNADES, S. A prtica docente na atualidade: a

experincia do Bacharelado Interdisciplinar em Sade da UFBA, In.: VI Colquio

Internacional Educao e Contemporaneidade. So Cristovo, 2012;

ROCHA, M. Et al. Educao Superior em sade: contexto institucional de criao do

Bacharelado Interdisciplinar. In.: Uma experincia inovadora no Ensino superior

Bacharelado interdisciplinar em sade. EDUFBA: Salvador, 2014;

SANTOS, B. A Universidade no sculo XXI: Para uma reforma democrtica e

emancipatria da Universidade. 3 Ed. So Paulo: Cortez, 2010;

SIEBIGER, R.H. O Processo de Bolonha e os novos espaos transnacionais de educao

superior Latino-Americanos: A Universidade Brasileira em Movimento.Cadernos

PROLAM/ USP, ano 9, vol.2, So Paulo, 2010, p.119-135;

TEIXEIRA, C; COELHO, M.T; ROCHA, M. Bacharelado interdisciplinar: uma proposta

inovadora na educao superior em sade no Brasil. Cincia e Sade coletiva, Salvador,

2013;

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA). Projeto Pedaggico dos Bacharelados

Interdisciplinares. Salvador: UFBA, 2008;

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA, IHAC. Projeto Pedaggico do

Bacharelado Interdisciplinar em Sade, Salvador: UFBA, 2010;

15

VERAS, RM, LEMOS, DVS, MACEDO, BTF. A trajetria da criao dos bacharelados

interdisciplinares na Universidade Federal da Bahia. Avaliao, Campinas, v. 20(3), 2015.