Mozart das lavadeiras

Click here to load reader

download Mozart das lavadeiras

of 4

  • date post

    11-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    217
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Capítulo do livro "Era uma vez no meu bairro - Zona Leste" do escritor JeosaFÁ. Ilustrações e design de João Pinheiro.

Transcript of Mozart das lavadeiras

  • JB foi despertado do flash back de entrevero socialista pela msica profundamente linda e profundamente melanclica que, atravs da parede, chegava abafada a seus ouvidos, vinda do apartamento ao lado.

    Embalou-se por alguns segundos na nvoa de notas melodiosas, plsticas e entorpecedoras, levantou-se da banqueta, deu chauzinho para as fotografias do espelho e foi campainha da vizinha, importun-la talvez.

    voc, Jo. Quem podia ser? Fala. essa msica. Lembra de quando eu era pequeno e ficava vendo minha

    me lavar roupas no tanque. Mozart lembra sua me lavadeira? . Ela punha LPs de msica clssica numa vitrola porttil para ouvir

    enquanto lavava roupas. Desde essa poca, Mozart para mim combina com sabo em p e alvejante. At hoje, quando ponho a roupa na mquina de lavar, ligo o rdio em estao de msica clssica para abafar o som da trepidao dela.

    Mas no estou lavando roupa, estou passando. Pega caf na garrafa trmica, senta em algum lugar e fica quieto, que gosto de passar roupa ouvindo Mozart.

    MOZART DAS LAVADEIRAS

  • T.JB fez o que Nen mandou. A me no tanque e a namorada na mesa de passar

    roupas se sobrepunham, condensadas pela msica diluente de Mozart. Fosse qual fosse o dia da semana, aquele momento era um domingo noite, desmaiado, perdido no tempo, ou melhor, solto num lapso atemporal.

    Nen, ali, concentrada nas volutas barrocas da sinfonia, a alisar a roupa amorosamente era todas as mulheres de Itaquera, todas as mulheres pobres do mundo, todas as mulheres trabalhadoras havidas e por haver, na lida de tornar a roupa mais macia para se vestir e a vida mais digna para se viver.

    Deu um n na garganta do cineasta, que observava a companheira como se ela fizesse parte da orquestra em transe na execuo dos movimentos sinfnicos.

    O primeiro andamento muito alegre da sinfonia nmero quarenta avanava clere, com Nen exibindo virtuosos solos de ferro quente sobre camisetas de malha e calas de algodo. Jeans, regatas, camisas de todas as cores, fronhas ganhavam aparncia de novas. Que dignas, que macias, que mozarteanas, que... humanas.

    Um toque do dedo indicador de Nen fez a msica saltar. Agora era a Pequena Serenata Noturna.

    As pilhas de roupas amassadas iam se reduzindo, enquanto as pilhas de roupas alisadas iam crescendo. Peas mais delicadas iam direto para cabides pendurados no varal provisrio que cruzava a sala. Peas de gaveta, iam sendo dobradas com mos de violinista.

    Agora, a parte mais difcil, a que a me moa de Joo mais ouvia, ela que chorava sobre a gua do tanque nesse momento to lindo e triste: o do Andante do Concerto 21 para piano.

    Nen, firme na lida do ferro quente, tornou-se vaga, distante, nostlgica. Ou Joo estava efetivamente apaixonado, ou Nen era a mulher mais linda mundo, ou Mozart revelava a beleza escondida sob o pano turvo da realidade, ou era tudo isso junto ao mesmo tempo.

    A namorada alisava o pano, erguia a face, olhava atravs da janela do apartamento, cujo vidro aparava o chuvisco, e baixava novamente os olhos para a tbua de passar roupas. Faltava pouco, mas a expresso de cansao somada pungncia do Andante tornavam o final de domingo uma pea interminvel de beleza, angstia e atemporalidade.

    As gotculas a cintilar no vidro da janela luz de neon da rua lembravam o brao da vitrola a deslizar nas faixas lustrosas do LP de vinil, no qual um pouco de gua da torneira sempre respingava.

    Sabe por que ouo Mozart quando passo roupa, Jo? No d pra saber o que uma mulher pensa, nunca. Odeio passar roupa, mas Mozart torna tudo leve, tudo digno, tudo suave.

    Quando desperto do transe, passei todas as pilhas. Com certeza, Mozart amava as lavadeiras.

  • Joo pensou que sua me tambm talvez odiasse lavar e passar roupa. Quem garante que o que a fazia derramar lgrimas na gua do tanque no fosse a msica do gnio barroco, mas o dio da vida idiota em comparao com a msica celestial?

    Vem c.Nen levou o namorado pela mo janela, abriu o vidro para o reflexo interno

    no atrapalhar a viso e apontou com o dedo indicador da mo direita a noite de chuvisco.

    Olha para todas aquelas janelas.Em cada uma, num conjunto habitacional apinhado de prdios, uma mulher

    esfalfada, com pilhas maisculas de roupas para passar, encerrava o domingo melanclico.

    Elas no conhecem Mozart, Jo.Joo baixou os olhos, certo de que a vida sem arte verdadeira no tem a menor

    chance de ser digna: Mas tem uma beleza de cinema nisso que elas esto fazendo, que voc est

    fazendo... Voc s consegue pensar em termos de imagem, de cinema? Acho que sim. Desde criana, quando o sol era para mim uma borra de luz

    amarela, alaranjada, depois avermelhada, afundando entre os morros do algodoal.No CDPlayer, o Segundo Movimento do Concerto para Clarinete estendia

    um Mozart humano, morno, suave e tristonho. Tangidas pelo vento, gotculas de chuvisco iluminavam-se prximo s luminrias de nenio, depois, sumiam-se na sombra.

    Findo o Concerto para Clarinete, silncio de preldio, quando a mquina busca o incio da prxima trilha. Pronto, o leitor digital encontrou o que procurava, e um doce, gotejado, pungente som invadiu a atmosfera do pequeno apartamento como um vapor de gua subido de ferro quente.

    JB moveu-se lento no espao exguo e apanhou o estojo do disco. Parou os olhos na trilha do Concerto para Piano em D Maior, KV 427, nmero 21, Andante.

    Confirmada a dvida que espiralara ao compasso da harmonia impregnante, retornou a seu lugar, ao lado de uma Nen cismada com as silhuetas escuras e geis nas janelas semiluminadas.

    Isso cinema ou no ? No, no no, Jo. Olha direito.Nas janelas dos prdios envoltos na noite, silhuetas danantes entre pilhas

    de roupas formavam um teatro mgico de sombras ao final de um domingo chuvisquento, melanclico mas no perdido em vs divagaes.

  • ZONA LESTE ZONA NORTE

    Leia mais em: Era uma vez \no meu bairro

    Design e ilustraes do folheto: Joo Pinheiro - www.jpinheiro.com.br - tel. (11) 9288-0109

    Ao escreve

    r esses rom

    ances, min

    ha intuio

    se confirmo

    u: as histria

    s incrveis,

    lindas ou

    perturbado

    ras, moram

    perto de n

    s. Por fala n

    isso,

    j conversou

    com o por

    teiro do seu

    prdio hoje

    ?

    Dois romances do JeosaF nas livrarias

    Visite o blog da srie:www.eraumaveznomeubairro.blogspot.com

    www.novaalexandria.com.br