ISSN: 279-359X - home.unicruz.edu.br fileAdrieli Fontoura Nascimento, Alessandra Adam, Carlise Godoy...

of 16/16
ISSN: 279-359X
  • date post

    17-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ISSN: 279-359X - home.unicruz.edu.br fileAdrieli Fontoura Nascimento, Alessandra Adam, Carlise Godoy...

ISSN: 279-359X

1

APRESENTAO

A Universidade de Cruz Alta apresenta comunidade local e regional o VII

Seminrio de Pesquisa em Educao Fsica que neste ano esteve integrada a VII

Semana Acadmica, com a temtica Lutas e Ginstica o movimento a favor da

sade objetivando promover aos alunos do Curso de Educao Fsica um ambiente

de conhecimento e aprendizado. Sendo organizado pelos acadmicos do stimo

semestre do curso de Educao Fsica, matriculados na disciplina de Pesquisa em

Educao Fsica, sob a superviso do docente responsvel pela referida disciplina.

Nesta oportunidade que os acadmicos, juntamente com seus professores

orientadores, tm a oportunidade de apresentar a comunidade suas contribuies

cientficas, e com ela socializar. Essa socializao faz com que a comunidade veja a

importncia da pesquisa, e tambm abra novos temas para futuras produes,

baseados em suas prprias problemticas locais, como tambm regionais.

O Seminrio de Pesquisa em Educao Fsica, tem como objetivo principal,

a socializao das produes cientficas, realizadas na disciplina de Trabalho de

Concluso de Curso TCC, do curso de Educao Fsica da Unicruz, nesta edio,

esto publicados onze resumos oriundos dos TCC dos acadmicos.

Lucieli Bartsch Zanoso

Ftima Petry Acadmicas do 7 semestre do curso de Educao Fsica

Coordenadoras da comisso cientfica do VII SePEF

2

COORDENAO

Marilia de Rosso Krug

Alessandra Adam

COMISSO CIENTFICA

Ftima Petry

Lucieli Bartsch Zanoso

ORGANIZAO

Adrieli Fontoura Nascimento, Alessandra Adam, Carlise Godoy Ferretti, Eduardo

Trautmann, Ftima Petry, Franciele Machado Ribeiro Borges, John Hebert Alves

Miranda Silva, Lucieli Bartsch Zanoso, Marilia Baslio Puglia, Pablo Vieira dos

Santos, Rui Guilherme Fernandes Pedroso.

http://ead.unicruz.edu.br/moodle/user/view.php?id=11996&course=6442http://ead.unicruz.edu.br/moodle/user/view.php?id=11996&course=6442

3

CATALOGAO

4

SUMRIO

Formao do profissional de Educao Fsica, um olhar sobre a licenciatura e o bacharelado.............................................................................................. Perfil do estilo de vida de acadmicos iniciantes em educao fsica da universidade de Cruz Alta................................................................................ Escolinhas de futebol: analisando as atividades desenvolvidas com crianas de 7 a 10 anos................................................................................................ Prtica pedaggica do professor de educao para incluso de alunos com necessidades especiais no ensino regular...................................................... Estilo de vida: um estudo com sujeitos de uma comunidade de periferia de Cruz Alta RS............................................................................................... Associao da Educao Fsica escolar no ensino mdio com aptido fsica relacionada a sade........................................................................................ A influncia do treinamento fsico no estado emocional dos militares do 29 GAC AP.......................................................................................................... Condies de acessibilidade em aulas de educao fsica nas escolas estaduais de Panambi RS............................................................................ Aptido fsica de escolares com deficincia intelectual leve........................... As oficinas de capoeira no projeto mais educao na escola municipal de ensino fundamental Frei Galvo de Tupanciret/RS....................................... ndice de massa corporal, circunferncia da cintura e consumo mximo de oxignio: um estudo de caso com um sujeito com sndrome de Down.............

05

06

07

08

09

10

11

12

13

14

15

5

FORMAO DO PROFISSIONAL DE EDUCAO FSICA: UM OLHAR SOBRE O

BACHARELADO E A LICENCIATURA

PETRY, Ftima1; GARCES, Solange Beatriz Billig2

O objetivo do estudo foi identificar habilidades e competncias necessrias aos profissionais de Educao Fsica em sua atuao. Realizou-se pesquisa descritiva interpretativa, com entrevista estruturada para 05 profissionais da rea representando 05 das 22 Escolas da Rede Municipal de Educao e 07 profissionais atuantes em 07 academias da cidade, que totalizam 15 profissionais, com formao generalista. A formao dos profissionais at 2005 era uma formao generalista e permitia o profissional atuar tanto no contexto escolar como fora dele na academia essa formao teve mudana com a resoluo 07/2004 separando a formao em Licenciado (atua somente no contexto escolar) e Bacharel (atua somente fora da escola). Os resultados demonstram que em relao s habilidades e competncias utilizadas os profissionais de Educao Fsica que esto atuando na rea constatam que a formao generalista era mais completa do que a formao atual (licenciado e bacharelado), pois ambos utilizam das mesmas habilidades e competncias para solucionar problemas em seu dia a dia, sendo elas conhecimentos prticos de anatomia, fisiologia, biomecnica, procedimentos ticos, articulao da teoria com a prtica, boa didtica e principalmente que o profissional deve estar sempre em busca de uma formao continuada que lhe garanta estar sempre atualizado. Assim sendo esta discusso bastante dialtica em um perodo onde o Conselho Nacional de Educao discute duas possibilidades: a de separao definitiva do bacharelado e da licenciatura, com reforo da Resoluo 2/2015 (DCN formao de professores) e a do retorno de uma licenciatura ampliada em Educao Fsica com a extino do bacharelado.

PALAVRAS - CHAVE: Educao Fsica. Habilidades. Competncias. Bacharelado.

Licenciatura.

1Acadmica do Curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta- RS UNICRUZ. [email protected] 2Professora Dr do Curso de Educao Fsica do CCSA/UNICRUZ - [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

6

PERFIL DO ESTILO DE VIDA: UM ESTUDO COM ACADMICOS DO PRIMEIRO

SEMESTRE DE EDUCAO FSICA DA UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA-RS

NASCIMENTO, Adrieli Fontoura1; KRUG, Marilia de Rosso2

Esse estudo teve como objetivo analisar o comportamento do estilo de vida

de universitrios ingressantes no curso de Educao Fsica antes e aps 3 meses de insero em um programa de prtica corporal. As informaes foram obtidas a partir de um formulrio contendo: dados scio demogrficas; e o questionrio pentculo do bem estar, para avaliar o estilo de vida. Os dados foram analisados atravs da estatstica descritiva, frequncia relativa e percentual. Para identificao da associao entre o perfil de estilo de vida individual e o perfil scio demogrfico foi utilizado o teste do Quiquadrado e o teste exato de Fisher (p 0,05). A maioria dos acadmicos avaliaram o programa como muito bom, apenas um universitrio disse que a participao no programa no o levou a refletir sobre seu estilo de vida. Quanto as modalidades oferecidas (voleibol, basquetebol, handebol e dana) as de preferncia da maioria foram o futsal e o voleibol, Dos cinco componentes do estilo de vida avaliados, os resultados evidenciaram melhoras estatisticamente significativas em quatro: nutrio, para as trs questes avaliadas; atividade fsica e relacionamentos sociais, em duas das trs questes avaliadas; e, no componente preventivo e controle do estresse, em uma das trs questes analisadas. Quando comparou-se o ndice de referncia de bem estar do pr para ps-teste, nos cinco componentes estudados, observou-se melhoras significativas nos componentes nutrio, atividade fsica e relaes sociais. Aps a anlise dos dados foi possvel concluir que houveram alteraes significativas positivas no perfil de estilo de vida dos universitrios do curso de Educao Fsica do incio para o final do primeiro semestre. Palavras-Chave: Educao Fsica. Estilo de vida. Sade

___________________

1Acadmica do curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 21Professora Dr. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

7

ESCOLINHAS DE FUTEBOL: ANALISANDO AS ATIVIDADES

DESENVOLVIDAS COM CRIANAS DE 7 A 10 ANOS

ADAM, Alessandra1; BATISTELLA, Pedro Antnio2

O futebol um dos esportes mais conhecidos e praticados no mundo, e cada vez maior o nmero de crianas que frequentam as chamadas escolinhas de futebol, que tem como objetivo ensinar e aprimorar as crianas no desporto, por isto este estudo teve como objetivo analisar se as atividades desenvolvidas com crianas de 7 -10 anos em escolinhas da cidade de Panambi RS so adequadas conforme modelo de desenvolvimento motor proposto por Gallahue e Ozmun (2005). Este estudo caracterizou-se por uma pesquisa descritiva com cunho qualitativo, onde participaram quatro professores de escolinhas que trabalham com a faixa etria pesquisada e que aceitaram participar da pesquisa. Para realizar a coleta de dados utilizou-se a ficha de observao elaborada atravs de uma matriz de anlise. Constatou-se que a maioria dos professores que desenvolveram os treinamentos observados tem uma formao recente, so considerados jovens e possuem um perfil adequado para ministr-los, com a exceo de um treinador sem formao na rea. As atividades desenvolvidas com crianas de 7-8 anos no atenderam as necessidades da criana, pois ocorreu pouca diversificao das habilidades motoras fundamentais. Assim como as atividades desenvolvidas com as crianas de 9-10 anos no contemplaram o modelo de desenvolvimento motor utilizado, pois pouco ocorreu o refinamento das habilidades motoras fundamentais. Todas as escolinhas apresentaram uma estrutura organizacional em seus treinamentos, com poucas falhas. Concluiu-se que as atividades desenvolvidas em escolinhas de futebol da cidade de Panambi com crianas de 7 a 10 anos no foram adequadas para seu estgio de desenvolvimento, conforme o modelo de desenvolvimento motor proposto por Gallahue e Ozmun.

Palavras-chave: Desenvolvimento motor. Escolinhas. Futebol.

___________________________--

1Acadmica do curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professor Me. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

8

PRTICA PEDAGGICA DO PROFESSOR DE EDUCAO FSICA

PARA INCLUSO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

NO ENSINO REGULAR

FERRETTI, Carlise Godoy1; KRUG, Rodrigo de Rosso2

Todas as pessoas tem direito a educao. Assim, a incluso dever ser

devidamente enfrentada no ensino regular, sendo considerada um desafio, tanto para gestores, funcionrios, pais, alunos como para professores. Nas aulas de Educao Fsica este desafio tambm evidente. Neste sentido, este estudo teve como objetivo verificar as prticas pedaggicas dos professores de Educao Fsica em relao a incluso de alunos com necessidades especiais no ensino regular. Pesquisa de campo exploratria de cunho qualitativo com trs professores de Educao Fsica de escolas regulares do municpio de Cruz Alta/RS. Aplicou-se questionrio com perguntas abertas interpretado pela anlise de contedo. Evidenciou-se que os professores no tiveram em sua formao a temtica educao inclusiva, nunca trabalharam em escolas especiais, somente um professor realizou curso sobre o tema, todos j trabalharam com alunos com necessidades especiais e continuam trabalhando atualmente, e todos relataram ter dificuldades para efetivar a incluso. Eles citaram que para a incluso ser realizada com sucesso necessria a busca de informaes e cursos sobre o tema e que a mesma seja abordada na formao inicial. Quanto a prtica pedaggica para a incluso escolar os professores comentaram incluram normalmente o aluno com necessidades especiais na aula com participao igual a dos outros alunos, oferecendo atividades que o aluno gostasse mais, alm de adaptar algumas atividades da aula de acordo com a necessidade do aluno. Os professores pesquisados relataram que as vantagens da incluso escolar so aprender a conviver e aceitar as diferentes necessidades especiais que os colegas podem ter, a solidariedade entre os alunos e a minimizao do preconceito. Conclui-se que os professores de Educao Fsica pesquisados no esto preparados para trabalhar com a incluso nas escolas, principalmente pela falta de formao adequada a esta temtica na formao inicial e continuada dos mesmos.

Palavras-chave: Professores. Prtica pedaggica. Incluso. Educao Fsica. _________________ 1Acadmica do curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professor Me. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

9

ESTILO DE VIDA: UM ESTUDO COM SUJEITOS DE UMA COMUNIDADE DA

PERIFERIA DE CRUZ ALTA RS

TRAUTMANN, Eduardo e Silva1; KRUG, Marlia de Rosso2

Conhecer o estilo de vida dos sujeitos da comunidade pode ser um instrumento valioso para a elaborao de estratgias que possam proporcionar aos moradores conhecimentos para adotar uma atitude favorvel em relao ao seu estilo de vida. Dessa forma esse estudo teve como objetivo analisar o estilo de vida individual e a relao deste com as caractersticas scio demogrficas dos sujeitos participantes da I Semana da Promoo da Sade: Cncer alerta de preveno. Esse estudo caracterizou como uma pesquisa descritiva. Participaram da mesma 161 sujeitos de uma comunidade da periferia da cidade de Cruz Alta RS que participaram da I Semana da Promoo da Sade: cncer alerta de preveno realizada nos dias 19 e 20 de novembro de 2014 na Escola Estadual Professora Maria Bandarra Wetesphalen. Para obteno das informaes de caracterizao dos participantes foi utilizado um questionrio com perguntas fechadas e para verificar o perfil de estilo de vida individual foi utilizado o Pentculo do Bem Estar. Os dados foram analisados atravs da estatstica descritiva, frequncia relativa e percentual e o teste do Quiquadrado (p0,05). Os resultados evidenciaram que os adolescentes tem desconhecimento sobre sua sade e ingerem mais lcool e fumam tabaco em relao aos adultos/idosos. Os adolescentes homens praticam mais atividade fsica moderadas e intensas em relao aos adultos/idosos mulheres. Os adultos/idosos se relacionam mais com seus amigos em relao aos adolescentes; as mulheres adultas/idosas se preocupam mais com a ingesto de alimentos gordurosos e doces em relao aos homens. Dessa forma foi possvel concluir que os homens adolescentes precisam rever seus hbitos alimentares, ingerindo mais frutas e vegetais e menos doces e gorduras, conhecer mais sua sade, ingerirem menos lcool e fumar menos, j os adultos/idosos precisam praticar mais atividades fsicas moderadas e intensas. necessrio, tambm, repensar aspectos relacionados s relaes sociais, principalmente no que se refere a discusses familiares ou em grupo.

Palavras-Chave: Estilo de Vida. Atividade Fsica. Sade. ________ 1Acadmico do curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professora Dr. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

10

ASSOCIAO DA EDUCAO FSICA ESCOLAR NO ENSINO

MDIO COM A APTIDO FSICA RELACIONADA A SADE

BORGES, Franciele Machado Ribeiro1; KRUG, Moane Marchesan2; ROSSATO,

Vania Mari3; KRUG, Rodrigo de Rosso4;

Sabendo-se que a aptido fsica relacionada sade est diretamente ligada ao melhor estado de sade e consequentemente a inmeros benefcios biopsicossociais, este estudo teve como objetivo relacionar a participao nas aulas de Educao Fsica no ensino mdio com a aptido fsica de escolares. Estudo descritivo quantitativo com 43 alunos de ambos os sexos com idade entre 15 e 17 anos, regularmente matriculados no 1 e 2 anos do ensino mdio de uma escola estadual de Cruz Alta/RS. Os alunos foram divididos em dois grupos, participantes de Educao Fsica (22) e no participantes (21). Utilizou-se ficha sociodemogrfica, o Questionrio Internacional de Atividades Fsicas nos domnios lazer e deslocamento e testes de avaliao da aptido fsica para sade do Projeto Esporte Brasil (PROESP-BR), verso 2012. A anlise de dados ocorreu por meio do teste de Wilcoxon. A maioria dos alunos encontrava-se na zona saudvel no que se refere ao IMC (81,4%) e flexibilidade (58,1%), e em zona de risco na aptido cardiorrespiratria (58,1%) e resistncia abdominal (81,4%). A nica varivel que apresentou diferena significativa foi a aptido cardiorrespiratria (p=0,033), onde o grupo que participa das aulas da disciplina teve melhores ndices de aptido cardiorrespiratria (mdia de 1201,00204,11) quando comparados aos alunos que no participavam (mdia de 980,00278,64). Concluiu-se que a Educao Fsica por si s no pode ser considerada como fator determinante no desenvolvimento geral da aptido fsica relacionada sade nem na melhora do desempenho cognitivo, porem se bem planejada, pode contribuir para um estilo de vida mais ativo, proporcionando uma melhor aptido fsica.

Palavras- Chave: Educao Fsica Escolar. Aptido Fsica. Sade.

_______________

1Acadmica do curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ 2Professora da UNIJUI e doutoranda do Programa de Ps-Graduao em Educao Fsica UFSC 3Professora Me. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 4Professor Me. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

11

A INFLUNCIA DO TREINAMENTO FSICO NO ESTADO EMOCIONAL

DOS MILITARES DO 29 GAC AP

SILVA, John Hebert Alves Miranda1; MARTINS, Erecy Roberto Segala2

O presente estudo tem como objetivo analisar o perfil emocional dos militares

do 29 GAC AP em funo do treinamento fsico militar. uma pesquisa quase experimental com a finalidade de investigar a influncia de um programa de exerccios fsicos no estado emocional de seus praticantes. Para verificao do perfil emocional foi utilizado o teste POMS que avalia seis estados (Tenso - TS; Depresso DP; Raiva RV; Vigor VG; Fadiga FD; Confuso Mental - CM). O teste foi aplicado 15 minutos antes (M1) e 15 minutos aps (M2) a uma sesso de treinamento fsico militar. A analise estatstica dos dados foi tratada utilizando a estatstica descritiva, mdia e desvio padro e o teste t de student, para comparar o estado de humor de pr e ps teste. O nvel de significncia adotado foi de p 0,05. Aps a analise dos dados observou-se que os resultados da pesquisa apontaram haver diferenas significativas (p

12

CONDIES DE ACESSIBILIDADE EM AULAS DE EDUCAO

FSICA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PANAMBI - RS

ZANOSO, Lucieli Bartsch1; ROSSATO, Vania Mari2

A acessibilidade uma questo fundamental para que se consolide o

processo de incluso, a qual atualmente a maior pretenso das escolas pblicas. Dessa forma realizou-se este trabalho com a finalidade de verificar se as escolas estaduais da cidade de Panambi-RS possuem acessibilidade para receber alunos com diferentes tipos de deficincias em suas dependncias e imediaes. Participaram desta pesquisa as cinco, das sete escolas estaduais, que se localizavam na zona urbana do municpio. Como instrumento para coleta de dados foi utilizado roteiro com indicadores para o levantamento do nmero de alunos com deficincia e outro roteiro de observao das condies fsicas da escola e tambm os registros fotogrficos feitos durante a visita. Nas cinco escolas pesquisadas de um total de 3.140 matrculas dos ensinos fundamental e mdio, nas modalidades regular e EJA, encontrou-se 17 alunos com alguma deficincia e destes apenas trs no participavam das aulas de educao fsica. Esta no participao, no se deve falta de acessibilidade das escolas e sim por outros fatores. Portanto, as escolas no geral possuem condies bsicas de acessibilidade, algumas mais e outras menos condies, esta acessibilidade estaria condicionada ao tipo de deficincias que a escola viria a receber. Palavras-Chave: Escola. Acessibilidade. Educao Fsica. Deficincias.

________________ 1Acadmica do curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professora Me. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

13

APTIDO FSICA DE ESCOLARES COM DEFICINCIA

INTELECTUAL LEVE

PUGLIA, Marlia Baslio1; PANDA, Maria Denise Justo2

O presente estudo caracteriza-se como uma pesquisa de campo do tipo

descritiva que teve como objetivo avaliar a aptido fsica relacionada sade e ao desempenho esportivo dos escolares diagnosticados com deficincia Intelectual leve. Participaram todos os alunos diagnosticados das trs escolas participantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciao Docncia - PIBID/ UNICRUZ/ Educao Fsica do Municpio de Cruz Alta/ RS, totalizando 21 alunos, na faixa etria de 06 a 12 anos. Aps a autorizao da coordenadora institucional do PIBID/UNICRUZ, da direo das escolas, aceite dos alunos e assinatura do TCLE termo de consentimento livre e esclarecido pelos responsveis dos alunos, foram marcadas a data para aplicao dos testes. O instrumento utilizado foi o Manual de testes e avaliao PROESP-BR (Projeto Esporte Brasil) que avalia a aptido fsica relacionada a sade e ao desempenho esportivo. Esta pesquisa teve como inteno verificar o nvel de desenvolvimento dos alunos no sentido de obter indicadores que possam contribuir com um planejamento de atividades de acordo com as reais necessidades dos alunos, levando em conta que as oficinas de educao psicomotora devem apresentar significncia para todos os seus participantes. As variveis que avaliaram a sade dos educandos mostraram que a maioria dos alunos, das trs escolas, est na zona de risco, o que indica que uma maior ateno deve ser dada no trabalho realizado pelos bolsistas juntamente com aes da direo das escolas, que tambm tem um papel importante na orientao dos alunos e dos familiares, na busca de uma vida mais saudvel para as crianas. O mesmo demonstrou as variveis relacionadas ao desempenho esportivo desses alunos, a grande maioria ficou aqum do esperado, salvo poucas excees em poucas variveis, o que no nos possibilitou encontrar nenhum talento esportivo. Palavras Chave: Deficincia Intelectual. Escolares. Aptido Fsica. PIBID. _____________________ 1Acadmica do curso de Educao Fsica Licenciatura da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professora Dr. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ -

[email protected] PIBID Programa Institucional de Bolsa de Iniciao a Docncia com fomento da CAPES.

mailto:[email protected]:[email protected]

14

AS OFICINAS DE CAPOEIRA NO PROJETO MAIS EDUCAO NA

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI GALVO

DE TUPANCIRET/RS

RAMOS, Pierre Jos1; PANDA, Maria Denise Justo2

Este estudo teve como objetivo analisar as contribuies da capoeira para as crianas participantes do Programa Mais Educao da Escola Municipal de Ensino Fundamental Frei Galvo de Tupanciret-RS, com relao s formas de comunicao e as atitudes dos alunos participantes. Foram sujeitos os professores dos anos iniciais do ensino fundamental e a diretora da escola, totalizando sete participantes. Para coleta das informaes com as professoras foi utilizado um questionrio com questes fechadas. Primeiro o estudo fez uma descrio da caracterstica didtica das aulas e aps foi utilizada a estatstica descritiva com inferncia percentual dos resultados do questionrio. As aulas de capoeira no Programa Mais Educao na EMEF Frei Galvo se caracterizam por atender trinta alunos em aulas com durao de quarenta e cinco minutos desde o ano de 2013, sendo enfatizadas as questes de respeito e tica social. Concluiu-se que as aulas de capoeira vm de encontro s propostas do Programa Mais Educao, desenvolvendo aulas produtivas ensinando aos alunos as tcnicas e tticas dos golpes, bem como, transmitindo a eles a fragmentos da histria da capoeira com todo seu incio e fim de roda, onde se aplicam todos os conhecimentos motores, emocionais, sociais e cognitivos aprendidos nas aulas. Tambm so fortalecidas as aes voltadas aos valores humanos e prticas direcionadas formao da cidadania. Com relao aos aspectos investigados referentes s aprendizagens manifestadas pela expresso corporal, verbal e escrita se concluiu que 100% dos professores entrevistados concordaram que houve benefcios no que se diz respeito expresso corporal, 85,7% concordaram ser positivo para expresso verbal e 14,3% em relao expresso escrita, sendo isso justificado pelo fato de a capoeira trabalhar mais com as habilidades motoras amplas. No que se referem s atitudes evidenciadas 71,4% dos professores concordaram que as aulas de capoeira contriburam para as atitudes de respeito, 100% de concordncia no que se diz respeito cooperao, 71,4% concordaram no aumento da ateno, e 85,7% concordaram para os aspectos atitudinais disposio/participao. O estudo evidencia ser importante favorecer atividades fsicas voltadas a cultura corporal com nfase nos valores humanos. Palavras chave: Capoeira. Comunicao, Atitudes. Escolares. ____________________ 1Acadmico do curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professora Dr. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ - [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]

15

INDICE DE MASSA CORPORAL, CIRCUNFERNCIA DA CINTURA E CONSUMO MXIMO DE OXIGNIO: UM ESTUDO DE CASO COM UM SUJEITO COM

SINDROME DO DOWN

FERNANDES, Rui Guilherme Pedroso1; KRUG, Marlia de Rosso2

A Sndrome de Down (SD) caracteriza-se por uma condio gentica associada ao retardo mental, resultante de anormalidades cromossmicas. A falta de percepo, de equilbrio, o subdesenvolvimento dos sistemas respiratrios e cardiovasculares, a viso e audio limitadas so algumas das caractersticas apresentadas por pessoas com SD, alm da sndrome metablica e obesidade que ainda so uma prevalncia nessa populao. Desta forma, este estudo tem como objetivo analisar o efeito de um programa de atividade fsicas, envolvendo exerccios resistidos e aerbicos, realizado trs vezes semanais, durante uma hora em uma pessoa com SD. As informaes foram obtidas a partir do pronturio do caso em estudo armazenado no banco de dados do Instituto de Cardiologia de Cruz Alta-RS, com data inicial em setembro do ano de 2004 e data final em agosto de 2014. As variveis estudadas foram: o ndice de massa corporal (IMC), a circunferncia da cintura (CC) e o consumo mximo de oxignio (VO2Mx). vale ainda ressaltar que os aspectos nutricionais no foram controlados durante esse perodo de tempo. No ingresso ao programa de treinamento o aluno possua o IMC de 36,5kg/m classificando-se como Obeso Grau II, na segunda anlise o IMC do avaliado encontrava-se em 30,2kg/m classificado em Obesidade Grau I, ocorrendo desta maneira um declnio nesse ndice o que representa melhora na sua composio corporal. Corroborando o IMC na composio corporal, notou-se tambm reduo na CC, ou seja, sua classificao mudou de muito aumentado para aumentado, caracterizando melhora de 5% nesse ndice. A obesidade ainda a doena que predispe a outras doenas crnicas e est presente em grande frequncia na populao com SD necessitando assim conscientizar o aluno e familiares da importncia de uma dieta balanceada e adequada as necessidades individuais como mtodo de preveno e combate da obesidade e sobrepeso. Na varivel o VO2mx o aluno adentrou no programa com 14,98 ml/kg/min e classificao muito fraca, aps o perodo de treinamento aumentou para 24,85 ml/min/min e a classificao passou de muito fraca para fraca, caracterizando uma melhora de 66%. Sabe-se que o VO2mx caracteriza-se como o maior volume de oxignio por tempo que um indivduo consegue captar durante uma atividade mxima e ainda seus valores podem auxiliar a classificar o nvel de aptido fsica atual deste indivduo, sendo este um item fundamental na vida diria desta populao e que necessitam de uma constante manuteno para que os agravos metablicos e funcionais no se agravem e comprometam a sade deste indivduo. Com esse estudo foi possvel concluir que um programa de atividade fsica contendo exerccios aerbicos e resistidos, realizados durante o perodo do estudo promoveram melhoras na composio corporal e aptido cardiorrespiratria no caso estudado.

Palavras Chaves: Sndrome de Down. Composio Corporal. Aptido Cardiorrespiratria. __________________ 1Acadmico do curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected] 2Professora Dr. do Curso de Educao Fsica da Universidade de Cruz Alta UNICRUZ [email protected]

mailto:[email protected]:[email protected]