Gnero Spondias: aspectos bot¢nicos, composi§£o qu­mica e

download Gnero Spondias: aspectos bot¢nicos, composi§£o qu­mica e

of 16

  • date post

    08-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    219
  • download

    2

Embed Size (px)

Transcript of Gnero Spondias: aspectos bot¢nicos, composi§£o qu­mica e

  • ____________________________________________ISSN 1983-4209 Volume 10 Nmero 01 2014

    1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Laboratrio Multidisciplinar, CEP 59012-570

    (gabriel_ar4@yahoo.com.br); 2 Universidade Tiradentes,CEP 49010-390, Programa de Ps-graduao em Biotecnologia Industrial; 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Ps-graduao em Cincias da Sade, CEP

    59012-570.

    GNERO Spondias: ASPECTOS BOTNICOS, COMPOSIO QUMICA E POTENCIAL

    FARMACOLGICO

    Gabriel Araujo da Silva1, Naira Josele Neves de Brito

    3, Elizabeth Cristina Gomes dos Santos

    3,

    Jorge Alberto Lpez2, Maria das Graas Almeida

    1,3.

    RESUMO: A dependncia do homem s plantas e produtos vegetais envolve necessidades como

    alimentos, roupas, abrigos, sua influencia benfica no clima, e seu uso na medicina tradicional em

    todo o mundo. O gnero Spondias pertencente famlia Anacardiaceae, possui espcies utilizadas

    na medicina popular, como: Spondias mombim e Spondias tuberosa, conhecidas como caj e umbu,

    respectivamente. As espcies deste gnero so utilizadas no tratamento de enfermidades infeccionas

    em diversos stios. O presente trabalho teve por objetivo realizar uma reviso bibliogrfica sobre a

    farmacologia, farmacobotnica e fitoqumica dos metablitos secundrios das espcies do gnero

    Spondias, tendo destaque os compostos fenlicos. As aes antimicrobianas, anti-inflamatria e

    antioxidante, alm das avaliaes toxicolgicas, tambm foram descritas neste estudo.

    Unitermos: fitoterapia, Spondias, metablitos secundrios.

    Spondias GENUS: BOTANICAL ASPECTS,

    CHEMICAL AND PHARMACOLOGICAL POTENTIAL

    ABSTRACT: The human dependence to plants and plant products involves needs like food,

    clothing, shelter, its beneficial influence on climate, and its use in traditional medicine around the

    world. The Spondias genus from Anacardiaceae family, has species used in folk medicine as

    Spondias mombim and Spondias tuberosa, known as caj and umbu respectively. Species of this

    genus are used in infectious diseases treatment in several places. The present study aimed to

    conduct a literature review of the pharmacology, phytochemistry and pharmacobotany of secondary

    metabolites of the genus Spondias, having highlighted the phenolic compounds. The antimicrobial

    activities, anti-inflammatory and antioxidant, in addition to toxicological, were also described in

    this study.

    Uniterms: phytotherapy, Spondias, secondary metabolites.

    INTRODUO

    A utilizao de plantas para tratamento e cura de enfermidades to antigo quanto espcie

    humana. O conhecimento sobre o uso medicinal simboliza por vezes o nico recurso teraputico de

    muitas comunidades e grupos tnicos. (Maciel et al., 2002).

    Avaliaes das propriedades atribudas a diversas espcies de plantas envolvem as reas de

    etnobotnica e farmacologia, bem como, o isolamento, purificao e caracterizao de princpios

    ativos, e a operao de formulaes para a produo de fitoterpicos, que aumentam a integrao

    destas reas na pesquisa de plantas medicinais. Esses estudos conduzem a um caminho promissor e

    eficaz para descobertas de novos medicamentos (Maciel et al., 2002)

    Assim, este artigo focaliza o gnero Spondias, que possui espcies amplamente estudadas (S.

    mombin e S. pinnata), e outras no to relatadas, todavia que possuam usos populares, sendo assim

    somadas as atividades j apresentadas por espcies do gnero, evidente a necessidade de maiores

    estudos, considerando-as como candidatas a novos frmacos. til ressaltar que a rea de pesquisa

    de produtos naturais se encontra em desenvolvimento exponencial e no h qualquer pretenso, no

    presente artigo, de esgot-la em profundidade.

  • Spondias

    A famlia Anacardiaceae compreende de 60-75 gneros e cerca de 600 espcies, distribudas

    em zonas tropicais, subtropicais e temperadas, conhecida pela importncia econmica e

    propriedades farmacuticas. Spondias um gnero tropical dessa famlia com 14 a 20 espcies

    distribudas mundialmente, e dentre estas, 4 a 7 espcies so encontradas nas Amricas. Na sia

    ocorrem cultivos comerciais de S. mombin e S. purpurea, dentre outras 10 espcies nativas,

    indicando que este gnero originrio deste continente (Bachelier & Endress, 2009; Duvall, 2006;

    Miller & Schaal, 2005; Wannan, 2006).

    Neste gnero, as espcies que merecem destaque so caj (Spondias mombin L.), conhecida

    em certas regies brasileiras como caj, caj-mirim ou tapereb, e em lngua inglesa como yellow

    mombin; ciriguela ou red mombin (S. purpurea L.), umbu ou imbu (S. tuberosa Arr. Cmara);

    Ambarella, golden apple, cajarana ou caj-manga (S. dulcis ou S. cytherea Parkinson) e duas

    espcies taxonomicamente indefinidas, mas consideradas hbridos naturais, caj-umbu ou umbu-

    caj (S. mombin S. tuberosa) e umbuguela (S. tuberosa S. purpurea). S. tuberosa nativa de

    regies semi-ridas, como os hbridos de origem ainda desconhecida, e as suas ocorrncias so

    restritas no nordeste do Brasil. (Santos 1996; Silva Jr. et al., 2004).

    No Brasil, dentre as espcies do gnero Spondias, podemos destacar a importncia

    comercial do caj (S. mombin), umbu (S. tuberosa) e caj-umbu (S. mombin x S. tuberosa). Seus

    frutos so comercializados in natura ou processados na forma de polpas, sucos e outros produtos

    alimentcios. Devido utilizao comercial destes frutos, estudos vm abordando as suas

    caractersticas de cultivo, assim como as caractersticas fsico-qumicas, maturao e estabilidade, e

    os constituintes qumicos (Almeida, Albuquerque e Castro 2011; Assis, et al. 2006; Bora, et al.

    1991; Borges et al., 2007; Jorge et al., 2007; Lima et al., 2002; Lira Jnior et al., 2005; Martins et

    al., 2003; Santos et al. 2010).

    Somado ao uso comercial, tambm h literatura considervel quanto ao uso popular de

    espcies deste gnero. Na medicina tradicional, em diversas regies do mundo, espcies do gnero

    Spondias so utilizadas para o tratamento de desordens infecciosas, e como abortivo ou tnico

    (Agra, et al. 2007; Almeida, et al. 2010; Caraballo, Caraballo & Rodrguez-Acosta, 2004; Fenner et

    al., 2006; Hajdu e Hohmann, 2012; Lucena, et al. 2012; Offiah & Anyanwu, 1989).

    Spondias mombin

    Caj (Spondias mombin) uma fruta pequena, de forma elptica com 3-4 cm de

    comprimento, cultivada na Regio Nordeste do Brasil. Sua utilizao comercial tem aumentado nos

    ltimos anos, devido a sua acessibilidade, disponibilidade durante todo o ano, e o fcil preparo.

    Como exemplo, os frutos da cajazeira (S. mombin) so utilizados como polpas congeladas e sucos

    pasteurizados. (Hamano & Mercadante, 2001).

    Esses frutos so ricos em carotenoides e vitamina A, contendo como principal carotenoide a

    -criptoxantina, seguido da lutena (Hamano & Mercadante, 2001). Suas folhas apresentaram em

    estudos fitoqumicos a presena de taninos, saponinas, resinas, esteris e triterpenos, flavonoides e

    alcaloides (Abo et al., 1999; Asuquo et al., 2013; Caraballo, Caraballo & Rodrguez-Acosta, 2004).

    Na medicina tradicional, as folhas e casca do caule da cajazeira (S. mombin) so utilizadas

    para tratamento de desordens infecciosas, principalmente diarreias e disenterias. Em estudo in vitro,

    os extratos aquoso e etanlico de folhas de cajazeira (S. mombin) inibiram o crescimento bacteriano,

    sendo este o primeiro relato da validao do uso popular desta espcie como antibacteriano (Ajao,

    Shonukan & B. Femi-Onadeko, 1985).

    Pesquisa com extrato metanlico das folhas da cajazeira (S. mombin) apresentou atividade

    antibacteriana contra Pseudomonas aeruginosa e Shigella dysenteriae, enquanto extratos da casca

    do caule inibiram o crescimento das bactrias Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae. Embora os

    extratos no apresentem atividade antifngica significativa, certa atividade antimicrobiana

    atribuda presena de taninos, saponinas e antraquinonas (Abo et al., 1999). Tambm h relato na

    literatura de atividade satisfatria contra Mycobacterium tuberculosis (Olugbuyiro, Moody &

    Hamann, 2009).

  • A atividade antibacteriana ocorre pela presena do derivado de cido anarcdico, isolado das

    folhas da cajazeira (S. mombin), que possui a capacidade de inibir a -lactamase, atividade atribuda

    tambm ao cido clavulnico, antibacteriano comercialmente conhecido (Coates et al., 1994).

    Em avaliao in vivo, a atividade antibacteriana contra Bacillus cereus e Clostridium

    sporogenes foi comprovada, evoluindo nos testes para um possvel fitomedicamento antibacteriano

    a base do extrato das folhas da cajazeira (S. mombin) (Oladunmoye, 2007).

    A atividade antiviral tambm foi atribuda aos extratos das folhas e cascas do caule da

    cajazeira (S. mombin). Dois elagiotaninos com esta propriedade foram isolados. Geraniina, o

    principal componente, e galiolgeraniina, um dideshidroelagiotanino, mostraram pronunciada

    atividade antiviral contra Coxsachie e Herpes simplex (Corthout, et al. 1991).

    Outros compostos secundrios foram isolados das folhas e cascas desta espcie,

    identificados como cido 2-O-cafeicol-(+)-alohidroxictrico e butil ster de cido clorognico, que

    mostraram considervel atividade antiviral (Corthout, et al. 1992) , bem como, o cido elgico e

    quercetina isolados das folhas, apresentaram atividade antiviral contra o vrus da dengue tipo 2

    (Silva et al., 2011).

    Alm das atividades antibacteriana e antiviral, outras atividades antibiticas so atribudas