Filosofia, Arte e Ciência: a Paisagem na Geografia de Alexander ...

download Filosofia, Arte e Ciência: a Paisagem na Geografia de Alexander ...

of 488

  • date post

    10-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    224
  • download

    2

Embed Size (px)

Transcript of Filosofia, Arte e Ciência: a Paisagem na Geografia de Alexander ...

NMERO: 171/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

INSTITUTO DE GEOCINCIAS

ROBERISON WITTGENSTEIN DIAS DA SILVEIRA

FILOSOFIA, ARTE E CINCIA: A PAISAGEM NA GEOGRAFIA DE

ALEXANDER VON HUMBOLDT

Tese apresentada ao Instituto de Geocincias para

obteno do ttulo de Doutor em Geografia na rea

de Anlise Ambiental e Dinmica Territorial.

ORIENTADOR: PROF. DR. ANTONIO CARLOS VITTE

ESTE EXEMPLAR CORRESPONDE VERSO FINAL DA TESE DEFENDIDA PELO ALUNO ROBERISON WITTGENSTEIN DIAS DA SILVEIRA, E ORIENTADO PELO PROF. DR. ANTONIO CARLOS VITTE

_____________________________________

CAMPINAS / SP

2012

ii

by Roberison Wittgenstein Dias da Silveira, 2012

FICHA CATALOGRFICA ELABORADA POR

CSSIA RAQUEL DA SILVA CRB8/5752 BIBLIOTECA CONRADO PASCHOALE DO INSTITUTO DE GEOCINCIAS

UNICAMP

Informaes para a Biblioteca Digital Ttulo em ingles: Philosophy, art and science: the landscape in the Alexander von Humboldts geography. Palavras-chaves em ingles : Humboldt, Alexander Von, 1769-1859 Geography philosophy of science Nature (Aesthetics) Landscape rea de concentrao: Anlise Ambiental e Dinmica Territorial Titulao : Doutor em Geografia. Banca examinadora: Antonio Carlos Vitte (Presidente) Eduardo Jos Marandola Jnior Heinz Dieter Heidemann Jair Lopes Barboza Ruy Moreira Data da defesa : 13-03-2012 Programa de Ps-graduao em Geografia

Silveira, Roberison Wittgenstein Dias da, 1982- Si39f Filosofia, arte e cincia: a paisagem na geografia de

Alexander Von Humboldt / Roberison Wittgenstein Dias da Silveira -- Campinas,SP.: [s.n.], 2012.

Orientador: Antonio Carlos Vitte.

Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geocincias.

1. Humboldt, Alexander Von, 1769-1859. 2. Geografia. 3. Filosofia da cincia. 4. Natureza (Esttica). 5. Paisagem. I. Vitte, Antonio Carlos, 1962- . II. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geocincias. III.Ttulo.

iv

v

Agradecimentos

sempre bastante difcil ponderar agradecimentos e mencionar com justia todos aqueles

que direta ou indiretamente estiveram envolvidos com um trabalho que se estende ao longo de

vrios anos. Em primeiro lugar as dificuldades inerentes vida demandam uma srie de atitudes,

posturas e ajudas que, no mais das vezes, so imprescindveis para que se tenha uma

tranquilidade no trabalho intelectual, uma serena dedicao ao labor investigativo, como exige

uma tese de doutorado. Nesse domnio da vida, no reduto dos laos e vnculos que fundamentam

a tranquilidade necessria para o trabalho e para a dedicao, a famlia de certo a principal

referncia, a estrutura sob a qual se pode, nos momentos de dificuldade, voltar o olhar em busca

de apoio. De partida ento agradeo a minha famlia que, por certo, no atuou de maneira

decisiva no contedo que povoa o trabalho, mas sim nos bastidores que sustentam a minha

dedicao e o cumprimento dos meus objetivos. Ainda nesse campo agradeo minha

companheira Valdinia Rodrigues, cujo ouvido escutou muito de filosofia alem e Humboldt nos

ltimos anos, ainda que valha a pena ponderar que h dado ela, muitas vezes, mais trabalho do

que a prpria tese.

No que diz respeito aos agradecimentos referentes ao desenvolvimento da tese

propriamente dita, a dificuldade no menor, haja vista que muitas vezes um simples dilogo

fora de contexto pode e elucida algumas questes que pareciam insolveis momentos antes. Alm

do mais, so tantas as conversas e trocas, as crticas e vontade de resposta que no se pode

mensurar com cuidado e exatido o quinho de cada um nesse corpo do texto. Sabendo de

antemo as lacunas que restam nesse agradecimento, pondero e menciono aqueles que atuaram de

maneira mais clara e decisiva nesse processo, a comear, evidentemente, pelo meu orientador,

Dr. Antonio Carlos Vitte. No efetivo cumprimento de seu papel e, no mais das vezes,

aconselhando sobre posturas e tticas de exposio, organizao e articulao das ideias, exerceu

sobre mim uma importante influncia, ajudando a delimitar crticas e a apropriadamente escolher

as palavras no trato da questo cientfica, ainda que muitas vezes o tenha contrariado com uma

ousadia desconjuntada. As trocas e reflexes foram sempre bastante esclarecedoras e fecundas e,

em tempo algum, se furtou ao trabalho de comigo pensar e discutir as questes fundamentais da

tese. Pela genuna orientao, segue meus agradecimentos ao professor com o qual trabalhei

nestes ltimos 7 anos.

vi

Um momento decisivamente importante na tese, alm da j aludida contribuio

ininterrupta do professor Dr. Antonio Carlos Vitte, foi a discusso fomentada nas fases de

qualificao e defesa do trabalho. Nesse sentido, comeo destacando as apropriadas ponderaes

da professora Dra. Cludia Vallado de Mattos do Instituto de Artes da Unicamp, cuja ajuda

sobre esttica e arte na qualificao foram cruciais na reformulao do trabalho e no

reconhecimento de uma srie de limitaes de anlise que, sem a sua contribuio, passariam

impunes no corpo final do texto. Meus cumprimentos e reverncias professora que certamente

contribuiu para que meu trabalho se tornasse mais qualificado e menos suscetvel a enganos e

crticas. Na mesma qualificao, o professor Dr. Jair lopes Barboza, do Departamento de

Filosofia da UFSC, tambm trouxe importantes contribuies, ressaltando o carter da atividade

no idealismo alemo e, com autoridade, circunstanciando e redesenhando a leitura feita no

trabalho acerca do sistema filosfico de Schopenhauer. Na defesa da tese, pde me apontar

algumas dificuldades inerentes terminologia e aconselhar sobre uma visvel proximidade entre a

concepo de um todo orgnico no Cosmos de Humboldt e a Vontade de vida schopenhauriana.

Ao professor Dr. Heinz Dieter Heidemann, do Departamento de Geografia da USP, tambm

presente na qualificao e na tese, agradeo as indicaes com relao organizao do trabalho

e as dificuldades inerentes a sua ordenao em captulos; alm das oportunas e bem

fundamentadas contestaes acerca de uma limitao em Marx e de seu materialismo dialtico.

No entanto, apesar de suas claras ponderaes acerca da fetichizao da mercadoria, ainda

persisto nas limitaes dessa linha filosfica, entendendo que, embora seja efetivamente o ponto

de dilogo mais elevado dentro das cincias humanas e sociais, resta que no cumpriu

filosoficamente o desafio de fundamentar, cabalmente, uma resposta sistemtica geral vlida. Por

fim, destaco a participao do Professor Dr. Ruy Moreira, do Departamento de Geografia da

UFF, que, como de costume, ponderou apropriadamente o contedo todo da tese com uma

clareza impressionante. Rendendo os mritos quele que apontou a trilha a ser seguida nessa tese,

anunciando a centralidade da paisagem em Humboldt ainda na minha defesa de mestrado,

reverencio sua perspiccia intelectual e agradeo enormemente o tempo desprendido na leitura e

reflexo do meu trabalho. Considerando uma honra e uma enorme responsabilidade dialogar e

responder a estes renomados professores, agradeo a eles por tudo o que me ofereceram de

crtica, elogios e indicaes.

vii

Refletindo aqui, brevemente, sobre as formas de apoio para a realizao do trabalho, que

vai desde um suporte extra tese at uma participao efetiva no contedo, vale destacar como

fundamental a ajuda financeira da FAPESP com a concesso da bolsa de doutorado. Em todos os

sentidos essa ajuda foi imprescindvel. Por um lado, garantiu aquela sustentao para alm do

contedo propriamente dito, oferecendo condies de dedicao tese que em outras

circunstncias financeiras seria impossvel, ou seja, garantiu que a vontade de pesquisar se

transformasse efetivamente em pesquisa dedicada. Por outro lado, a ajuda da FAPESP foi

fundamental em muitas das trocas estabelecidas e que ajudaram a fortificar o contedo da tese,

especialmente com participao em congressos nacionais e internacionais capazes de

dimensionar o alcance do trabalho e ampliar a perspectiva do debate. Assim, fica meu

agradecimento FAPESP que patrocinou a minha formao acadmica, tanto no mestrado quanto

no doutorado, me colocando disposio para atender a agncia no que for requerido e no que

me considerar capaz de contribuir.

viii

ix

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

INSTITUTO DE GEOCINCIAS

Filosofia, Arte e Cincia: a paisagem na Geografia de Alexander von Humboldt

RESUMO

Tese de Doutorado

Roberison Wittgenstein Dias da Silveira

Humboldt incorpora muitos legados do seu contexto cientfico, esttico e filosfico.

Aparentemente contraditrias, na verdade excludentes, essas vias no podem sem qualquer

dificuldade serem aproximadas, na medida em que partem de noes cosmolgicas distintas e

compreendem um conjunto diversificado de diretrizes e pressupostos conceituais. Mas, nessa

aparente desarmonia, toma forma uma nova composio cientfica, marcada pela associao entre

razo e sensibilidade, cincia e esttica, descrio e explicao causal, mecanicismo e teleologia.

Como base para essa integrao inovadora, Humboldt assimila a fu