Doen§as Vasculares Cerebrais - .A fam­lia das doen§as vasculares pode ser classificada...

download Doen§as Vasculares Cerebrais - .A fam­lia das doen§as vasculares pode ser classificada de acordo

of 53

  • date post

    15-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Doen§as Vasculares Cerebrais - .A fam­lia das doen§as vasculares pode ser classificada...

  • Doenas Vasculares

    Cerebrais (AVE)

    M.Sc. Prof. Viviane MarquesFonoaudiloga, Neurofisiologista, Mestre em Fonoaudiologia,

    Doutoranda em Psicanlise e Sade

    Coordenadora da Ps-graduao em Fonoaudiologia Hospitalar

    http://www.fonovim.com.br

  • https://www.youtube.com/watch?v=R3SjHtiHly8

  • A famlia das doenas vasculares pode ser

    classificada de acordo com o fato de

    afetarem focal ou difusamente o suprimento

    vascular do crebro.

    A expresso Acidente Vascular Enceflico

    (AVE) refere-se ao sbito comprometimeto

    da funo cerebral provocado por uma

    variedade de alteraes histopatolgicas

    envolvendo um (focal) ou vrios (multifocal)

    vasos sanguneos intra ou extra cranianos.

  • Cerca de 80% dos AVE so causados

    por fluxo sanguneo insuficiente,

    denominado AVE isqumico,

    enquanto 20% so divididos entre

    hemorragia do tecido cerebral ou no

    espao subaracnide.

  • Epidemiologia

    O acidente vascular cerebral uma das

    doenas que mais matam no Brasil e

    no mundo. Em 2008, estima-se que

    seja responsvel por cerca de 10% do

    total de mortes no mundo, com

    aproximadamente 6 milhes de bitos,

    concentrados principalmente em

    pases pobres.

  • No Brasil em torno de 40% das mortes so

    por doena cardiovascular. E, predomina a

    mortalidade por acidente vascular cerebral

    em relao mortalidade por doena

    coronariana (infarto do miocrdio). Os

    nmeros atingem em torno de 100 mil

    vtimas por ano. Alm das mortes, o

    acidente vascular cerebral pode levar a

    seqelas graves que atingem em torno de

    50% dos sobreviventes a um derrame.

  • Nos Estados Unidos: 500.000 casos

    novos por ano de AVE, dos quais:

    50% vo a bito;

    25% ficam permanentemente

    incapacitados;

    s 5% retornam ao trabalho.

    A incidncia aumenta rapidamente

    com a idade: 80% dos casos ocorrem

    acima de 65 anos.

  • O encfalo irrigado pelas artrias

    cartidas internas e vertebrais.

    Na base do crnio estas artrias

    formam o polgono de Willis, de

    onde saem as principais artrias

    para a vascularizao cerebral.

    Prof Viviane Marques

  • Artria cartida

    interna

    Artria vertebral

  • POLGONO DE WILLIS

  • Artria cerebral anteriorArtria comunicante anterior

    Artria cerebral mdia

    Artria cartida interna

    Artria comunicante posterior

    Artria cerebral posterior

    Artria cerebelar superior

    Artria basilarArtria cerebelar inferior anterior

    Artria cerebelar inferior posterior Artria vertebral

  • Artria cerebral mdia

    Territrio Cortical das Artrias

    Prof Viviane Marques

  • Artria cerebral anterior

    Artria cerebral

    posterior

    Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Artria cerebelar superior

    Artria cerebelar

    inferior anterior

    Artria cerebelar

    inferior posterior

    Prof Viviane Marques

  • O acidente vascular enceflico uma doena

    caracterizada pelo incio agudo de um dficit

    neurolgico (diminuio da funo) que

    persiste por pelo menos 24 horas, refletindo

    envolvimento focal do sistema nervoso central

    como resultado de um distrbio na circulao

    cerebral que leva a uma reduo do aporte de

    oxignio s clulas cerebrais adjacentes ao

    local do dano com conseqente morte dessas

    clulas; comea abruptamente, sendo o dficit

    neurolgico mximo no seu incio, e podendo

    progredir ao longo do tempo.

  • O AVE isqumico consiste na ocluso de

    um vaso sangneo que interrompe o

    fluxo de sangue a uma regio especfica

    do crebro, interferindo com as funes

    neurolgicas dependentes daquela regio

    afetada, produzindo uma sintomatologia

    ou dficits caractersticos.

  • 2008 ComoTudoFunciona

    Imagem da esquerda mostra um AVC isqumico visto pela tomografia de crnio:

    a rea da leso a mais clara do lado esquerdo

  • No AVE hemorrgico existe

    hemorragia (sangramento) local, com

    outros fatores complicadores tais

    como aumento da presso

    intracraniana, edema (inchao)

    cerebral, entre outros, levando a

    sinais nem sempre focais.

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane MarquesCASO CLNICO

  • Paciente M. F. C. M, 57 anos, com

    histrico de leso hipodensa

    crtico-subcortical com

    comprometimento significativo dos

    lobos temporal, frontal, parietal e

    ncleos da base esquerda,

    devido a rompimento de aneurisma

    em artria cerebral mdia,

    ocorrido em 14 de maio de 2000.

    P.S. A exposio deste caso clnico foi autorizada pela paciente e seu responsvel

    Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • Relatrio da avaliao

    em 15 de julho de 2001:Paciente apresentava todas as funes importantes

    de linguagem seriamente comprometidas,

    incluindo os componentes receptivos e

    expressivos da linguagem, caracterizando uma

    afasia global. A produo verbal se limitava a fala

    estereotipada fluente, com prosdia mantida. A

    capacidade de compreenso apresentava severo

    comprometimento, desde sentenas complexas a

    simples. Apresentava alexia, agrafia, anomia,

    incapacidade de repetio e acalculia, sem

    nenhum reconhecimento de signos lingsticos.

    Apresentava paralisia facial central direita,

    disfagia leve para lquidos e em associao

    apresentava hemiplegia direita.

    Prof Viviane Marques

  • Relatrio da evoluo

    em 22 de junho de 2009:Paciente apresenta compreenso reabilitada, leitura

    restabelecida, boa interpretao de textos, resoluo de

    problemas envolvendo clculos, melhora significativa na

    escrita podendo apresentar aglutinaes, omisses ou

    parafasias, especialmente parafasias semnticas.

    Apresenta melhora significativa na produo verbal,

    embora a produo da fala seja lenta, exigindo esforo

    para ser produzida, telegramtica com predominncia

    de substantivos e verbos de ao com escassez de

    adjetivos, advrbios e preposies conferindo um estilo

    telegrfico ao discurso, faz uso freqentemente da fala

    estereotipada, melhora na repetio.

    Simetria facial restabelecida, bem como adequao total

    da deglutio.

    Condies de comunicao restabelecida.

    Prof Viviane Marques

  • Relatrio da evoluo

    em julho de 2011:Paciente apresenta compreenso reabilitada, leitura normal,

    melhora interpretao textual. Foi introduzido o uso do

    computador no tratamento, a paciente apresentou

    excelentes respostas, principalmente em relao a

    motivao para realizar as tarefas, consegue ler e enviar

    emails sozinha, realiza downloads, sabe fazer pesquisas no

    google, aprendeu a utilizar alguns dos recursos do power

    point, word e redes sociais, houve melhora significativa na

    escrita, contudo ainda apresente aglutinaes, omisses

    ou parafasias. Melhora nos aspectos referentes a ateno e

    memria de trabalho.

    A produo verbal tambm progrediu, embora mantenha um

    discurso telegramtico com predominncia de substantivos

    e verbos de ao.

    Progressos nas condies de comunicao

    e na

  • Prof Viviane Marques

  • Prof Viviane Marques

  • https://www.youtube.com/watch?v=kb6iswFmOPQ

    https://www.youtube.com/watch?v=WAaYxwPnGWc

    https://www.youtube.com/watch?v=kb6iswFmOPQhttps://www.youtube.com/watch?v=kb6iswFmOPQhttps://www.youtube.com/watch?v=WAaYxwPnGWchttps://www.youtube.com/watch?v=WAaYxwPnGWc

  • Vrios fatores de risco so descritos e

    esto comprovados na origem do

    acidente vascular cerebral, atualmente

    denominado, acidente vascular

    enceflico, entre eles esto: a hipertenso

    arterial, doena cardaca, fibrilao atrial,

    diabete, tabagismo, hiperlipidemia. Outros

    fatores que podemos citar so: o uso de

    plulas anticoncepcionais, lcool, ou

    outras doenas que acarretem aumento

    no estado de coagulabilidade (coagulao

    do sangue) do indivduo.

  • Entre os principais sintomas da ocorrncia

    de um AVE podem ser:

    Fraqueza

    Distrbios Visuais

    Perda sensitiva

    Linguagem e fala (afasia)

    Convulses

  • Exerccio

  • BIBLIOGRAFIA E ILUSTRAES:

    BEAR, MF, CONNORS, BW & PARADISO, MA Neurocincias Desvendando o Sistema

    Nervoso. Artmed Editora.

    FRANK H. NETTER, MD - Netter Atlas de Anatomia Humana

    Editora Elsevier.

    LENT, Roberto Cem Bilhes de Neurnios Editora Atheneu.

    MACHADO, ngelo - Neuroanatomia FuncionalEditora: Atheneu Captulo 10

    + item 1.0 / 2.2 / + 2.2.5.

    PAPAIS ALVARENGA, R. M . Neurologia clnica: um mtodo de ensino integrado -volume I Neurologia (I). 1. ed. Rio de Janeiro: UNIRIO.

    SOBOTTA - Atlas de Anatomia Humana. Editora Guanabara Koogan

    SNELL, RS Neuroanatomia Clnica 7.ed Guanabara Koogan, 2013

    Consultem os livros e os atlas indicados.

    Prof Viviane Marques

  • BOM ESTUDO!

    Teus pensamentos e vontade so a chave de