COMISSÃO DE LOUVOR

Click here to load reader

download COMISSÃO DE LOUVOR

of 45

  • date post

    07-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    44
  • download

    3

Embed Size (px)

description

COMISSÃO DE LOUVOR. NOÇÕES GERAIS SOBRE O LOUVOR DA IGREJA. ICMPES - Janeiro de 2000. NOÇÕES GERAIS SOBRE O LOUVOR DA IGREJA. TEXTO BÁSICO: ÊXODO: 15: 1,20,21,22 OBJETIVOS: “ APERFEIÇOAMENTO DO LOUVOR” “CARÁTER DO LOUVOR”. A ORIGEM DO LOUVOR. - PowerPoint PPT Presentation

Transcript of COMISSÃO DE LOUVOR

  • COMISSO DE LOUVORNOES GERAIS SOBRE O LOUVOR DA IGREJAICMPES - Janeiro de 2000

  • NOES GERAIS SOBRE O LOUVOR DA IGREJATEXTO BSICO: XODO: 15: 1,20,21,22

    OBJETIVOS:

    APERFEIOAMENTO DO LOUVOR

    CARTER DO LOUVOR

  • A ORIGEM DO LOUVORAperfeioar o louvor na obra, engloba, alm do aperfeioamento dos conheci- mentos tcnicos de msica, resgatar o louvor na sua origem.O louvor original traz consigo uma srie de caractersticas que passam a ser o seu carto de identificao.S entra na eternidade o que vem da eternidade.

  • A atuao do louvor na sua origemO louvor expressa uma experincia de um servo, podendo ser pessoal ou para a igreja. No adianta cantarmos Tudo Cristo a ti entrego... se tivermos reservas com um irmo e com o Senhor.Existem louvores que exprimem o momento proftico que a igreja vive:O Cntico de Moiss, expressa a sada do povo do Egito.

  • A atuao do louvor...Castelo Forte, expressa o redescobrimento do tesouro escondido, a palavra do Senhor. Hino composto por Martin Lutero, em 1529, quando este esteve abrigado em um castelo na Alemanha, aps a traduo da Bblia.A maior parte dos nossos louvores, falam da eternidade e adorao pela volta de Jesus.

  • A durao do louvorO louvor revelado tem a caracterstica de permanecer atravs dos tempos (ser levado para a eternidade). Cantamos louvores de 1300, 1500 d.C., que ultrapassam geraes com a mesma intensidade de quando foram compostos. Ex.: Castelo Forte, Ao Deus de Abrao louvai...

  • Caractersticas dos louvoresLETRARITMOMELODIAANDA-MENTOINTENS. DAS BATIDASTOM MODOHARMO-NIA

  • Sl.118:1-4 (Cntico alternado) - Louvai ao Senhor, porque ele bom, porque sua benignidade dura para sempre. Diga agora Israel que a sua benignidade dura para sempre. Diga agora a casa de Aro que a sua benignidade dura para sempre. Digam agora os que temem ao Senhor que a sua benignidade dura para sempre.Caractersticas dos louvores

  • Sl.24:3-5 (Cntico responsivo) - Quem subir ao monte do Senhor, ou quem estar no seu lugar santo? Aquele que limpo de mos e puro de corao, que no entrega a sua alma vaidade, nem jura enganosamente. Este receber a bno do Senhor e a justia do Deus da sua salvao.Caractersticas dos louvores

  • A MELODIA o que ns cantamos na igreja. A melodia destaca-se dentre todas as caractersticas do louvor por ser o veculo de identificao do mesmo. Se estivermos em Portugal ou no Japo e ouvirmos a melodia de Cantarei, cantarei hosana...,(Viva o Rei), ainda que em outra lngua, saberemos qual louvor est sendo cantado/tocado.

  • A MELODIAMelodias graves - geralmente exprimem splica, respeito, como nos louvores de invocao, ex.:Quando buscamos..., Clamo a ti..., O sangue de Jesus tem poder... - comeam a ser cantados sempre numa regio mdia ou grave. Quando vo para a regio mais aguda tem o objetivo de ressaltar alguma frase do louvor.

  • A MELODIAMelodias agudas - transmitem, normalmente, algo alegre ou celestial. Costumam expressar a eternidade. Exemplo: Cantarei, cantarei hosana... comea na regio mdia e sobe para o agudo, expressando o nosso louvor. No coro, a expresso do louvor dos anjos na eternidade toda realizada com melodia aguda.

  • Diferena do coro para as estrofes - quando em determinado momento do louvor, as melodias agudas aparecem em contraposio em melodia de carter constante na regio grave ou mdia, tem a funo de destacar aquela parte do louvor, chamar a ateno para ela. Ocorre, normalmente, no coro, onde se quer fazer um apelo, afirmar ou ratificar a idia central do louvor. Ex.: Por onde quer que eu v - a melodia aguda destaca o apelo que existe no coro: Queres ser feliz? A MELODIA

  • Isto acontecer em todos os hinos por causa da sua origem. Os hinos se originaram do canto alternado descrito na Bblia. Na sada do povo do Egito, Moiss, junto aos filhos de Israel, entoa um cntico ao Senhor - Ex. 15:1 - enquanto Miri, com as mulheres, lhes respondiam tambm cantando. Foi o primeiro hino, com uma exposio da idia central e uma resposta em forma de apelo. Para enfatizar esse apelo, usou-se, neste caso, a voz das mulheres, que diferente da voz masculina.A MELODIA

  • Neemias tambm usa este canto alternado quando da reconstruo dos muros de Jerusalm utilizando cantores e cantoras (Nee. 7:67). O salmo 118 fala do canto alternado das congregaes (Salmo 118: 2-4). Este canto trazido para ns hoje nas formas dos hinos, onde ocorre uma diferena percebida das estrofes para o coro, porque:- a estrofe pode expressar uma pergunta enquanto no coro uma resposta (O Senhor da ceifa est chamando);A MELODIA

  • - a estrofe pode expressar uma idia ratificada pelo coro (Fala Jesus querido)- a estrofe pode expressar uma idia e trazer no coro um apelo (Por onde quer que eu v; Cristo j nos preparou)- a estrofe pode expressar uma idia e o coro algo que a complete ou explique (Buscou-me com ternura; Eu me lembro quando Jesus me tocou).Por isso, normalmente os coros so cantados com mais intensidade.A MELODIA

  • O hino no precisa estar necessariamente na forma estrofe/coro. Pode haver, por ex.: pergunta e resposta em hinos com estrofes: Ex. Castelo Forte (na prpria estrofe traz a idia e a pergunta (apelo). Os que confiam no Senhor (a 1 estrofe a idia central e a 2 o complemento da primeira).A MELODIA

  • TONALIDADEA nossa msica tonal, utilizando o tom do louvor, (altura em que vamos cant-lo: Do, Re, Mi...), acompanha- do do modo Maior ou Menor na sua composio.Exemplo: Obra de Davi - Do MTom= DoModo= M

  • O MODO MAIORExpressa:

    1- Solenidade-Saudai o nome2- Alegria- Cntico de Ana3- Vitria- Castelo Forte4- Adorao- Na expresso deste louvor

  • O MODO MENORExpressa:1- Splica- Clamo a ti2- Necessidade- Os que confiam no Senhor3- Descrio do que Jesus sofreu por ns - Seu corpo cansado...4- Consolo- Quem me d gua...

  • HARMONIAHarmonia - so dois ou mais sons diferentes ouvidos ao mesmo tempo, produzindo um acorde. Ex.: A base do violo ou as vozes cantadas juntas em um grupo de louvor (soprano, contralto, tenor e baixo). A harmonia de um louvor obedece a tonalidade da msica. Suba a minha orao perante a tua face... (do fa- mi- la-).

  • INTENSIDADE DAS BATIDASIntensidade das Batidas nas Cordas do Violo - existem louvores suaves e outros mais incisivos e a intensidade das batidas caracteriza tambm os louvores. Exemplos:Cada Instante - ritmo Valseado, de carter suave. A leveza traduz a sensao agradvel da presena do Senhor.Os guerreiros...- Marcha, batidas incisivas e precisas como acompanhando uma marcha de soldados.

  • ANDAMENTO a velocidade da msica. A msica obedece a uma velocidade determinada. Assim so definidos os andamentos: Lento;Moderato eRpido.

  • ANDAMENTOExemplo de andamento no ritmo Bsico: a) Lento - Uma voz mansa e delicada...(72) b) Moderato - Lindo, lindo, lindo... (552) c) Rpido - H um lindo pas... (551).

  • ANDAMENTOExemplo: Abba Pai... - um louvor de invocao ao Senhor para uma operao em nossas vidas. tocado no ritmo Guarnia, que um ritmo marcado. Torna-se suave quando tocado em andamento lento e com intensidade das batidas amenas ou brandas.

  • RITMOPode-se tocar um louvor em vrios ritmos. Exemplo: Saudai o nome... pode ser tocado em Valsa ou Valseado. Ocorre que para cada ritmo existe um compasso determinado.Definimos o ritmo, principalmente, pelo compasso da msica.

  • RITMOOs compassos so seqncias de pulsaes ordenadoras do louvor, que se iniciam com um apoio preponderante.So classificados pelo n. de tempos.A) Primitivos-binrios (2tempos:2/4,2/2) -carter marcado, incisivo, ex.: Marcha- ternrios - ( 3tempos 3/4 ) - leve, gracioso/Valsa.B) Derivados - deriva de 2 compassos primitivos. So mais suaves 4/4,6/8, 9/8.

  • O RITMO E SUAS CARACTERSTICAS PRPRIAS1 - Valsa - compasso 3/4, ritmo gracioso. Originou-se na Alemanha e ustria no final do sc. XVII. Ex. Saudai o nome... gracioso e marcado. Sugere uma solenidade festiva. Se tocado em Valseado, suaviza tanto o louvor que perde o carter majestoso.

  • RITMO/CARACTERSTICAS2 - Valseado - compasso 9/8, carter suave. Exemplo: Cada Instante se tocar em Valsa ou Guarnia, o ritmo fica mais marcado, perdendo a suavidade e comunho do louvor.

  • RITMO/CARACTERSTICAS3 - Guarnia - compasso 3/4, ritmo paraguaio, criado para execuo por bandas militares. Popularizou-se graas s letras nostlgicas colocadas em sua msica. No Brasil passou a ser chamada msica caipira e, mais tarde msica sertaneja. De carter marcado.

  • RITMO/CARACTERSTICAS4 - Balada - compasso 6/8. Poema narrativo, de carter simples, melanclico ou romntico. Carter suave.5 - Blue - compasso 6/8. Origem americano. Ritmo lento e melanclico, tendo surgido nas canes dos negros norte-americanos enquanto trabalha- vam nas plantaes. Cantavam trechos bblicos.

  • RITMO/CARACTERSTICAS6 - Country - compasso 2/4. Msica de origem folclrica e rural dos pases anglo-saxes. De carter marcado e incisivo.7 - Marcha - compasso 2/4. Ritmo marcado, incisivo, masculino. Feito para acompanhar o movimento dos passos dos soldados. De movimentos precisos. Pode aparece no compasso 4/4.

  • RITMO/CARACTERSTICAS8 - Marcha Marcial - compasso 4/4. Ritmo solene, marcado, de movimentos precisos. Prprio para a guerra.9 - Bsico - compasso 4/4. Origem nos Estados Unidos. De carter suave.10- Repique - compasso 4/4. Ritmo animado. Semelhante ao Bsico, s que bem rpido. Andamento: rpido.

  • RITMO/CARACTERSTICAS11- Toada - compasso 4/4. Cantiga de melodia simples, sentimental ou brejeira. Carter suave, leve.12- Cano - compasso 4/4. Ritmo potico, de estilo simples. As primeiras que se tem notcia eram gregas e persistiram por muitos sculos, manifestando-se atravs