CHINA EM TRANSFORMAÇÃO CHINA EM TRANSFORMAÇÃO

Click here to load reader

  • date post

    09-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    284
  • download

    7

Embed Size (px)

Transcript of CHINA EM TRANSFORMAÇÃO CHINA EM TRANSFORMAÇÃO

  • Misso do IpeaAprimorar as polticas pblicas essenciais ao desenvolvimento brasileiropor meio da produo e disseminao de conhecimentos e da assessoriaao Estado nas suas decises estratgicas.

    9 788578 112516

    ISBN 978-85-7811-251-6

    A experincia chinesa combinou o mximo de competio a utilizao do mercado como instrumento de desenvolvimento com o mximo de controle das instituies centrais da economia competitiva moderna: o sistema de crdito, a poltica de comrcio exterior, a administrao da taxa de cmbio, os mecanismos de fomento inovao cientfica e tecnolgica. Os bancos pblicos foram utilizados para dirigir e facilitar o investimento produtivo e em infraestrutura.

    Agora, a China ingressa em uma nova fase de seu desenvolvimento, que exige reformas institucionais em diversas reas cruciais: o papel do setor pblico, a distribuio de renda, a propriedade da terra, o sistema financeiro, a internacionalizao da moeda, a abertura da conta de capital. Essas reformas so muito mais delicadas e complexas do que aquelas implementadas nos ltimos trinta anos. Isso demandar reavaliaes e revises, com avanos e recuos, dado o mtodo experimental por tentativa e erro utilizado pelas autoridades chinesas. O xito das reformas dever consolidar a transio econmica da China de uma economia de comando para uma economia mista, em que o mercado ter papel importante, mas no exercer influncia na formulao das estratgias de longo prazo.

    A despeito de diferenas substantivas entre a sociedade chinesa e a brasileira, compreender a experincia do gigante asitico, de manter o sistema aberto s transformaes de longo prazo, por meio de um planejamento indicativo, liderado pelo Estado, pode ser muito til para o debate em torno do processo de retomada do desenvolvimento socioeconmico do Brasil.

    Luiz Gonzaga de Mello BelluzzoProfessor titular do Instituto de Economia da Universidade Estadual

    de Campinas (IE/Unicamp) e das Faculdades de Campinas (Facamp)

    Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo

    Chi

    na e

    m T

    rans

    form

    ao

    : dim

    ens

    es e

    con

    mic

    as e

    geo

    pol

    tic

    as d

    o de

    senv

    olvi

    men

    to

    CHINA EM TRANSFORMAODIMENSES ECONMICAS

    E GEOPOLTICAS DO DESENVOLVIMENTO

    CHINA EM TRANSFORMAODIMENSES ECONMICAS

    E GEOPOLTICAS DO DESENVOLVIMENTOMarcos Antonio Macedo CintraEdison Benedito da Silva Filho

    Eduardo Costa Pinto(Organizadores)

    Os autores discutem neste livro as principais polticas que possibilitaram, nas ltimas trs dcadas, a transformao da economia chinesa na segunda maior do mundo. No setor externo, o pas ascendeu primeira posio mundial emexportaes e ao segundo lugar em importaes,gerando elevados superavit na conta-corrente ena conta de capital do balano de pagamentos.Isso permitiu China acumular um volumeexpressivo de reservas internacionais e seconsolidar como o maior pas credor emtodo o mundo.

    Os diferentes captulos mostram que as polticas de industrializao, de insero nas cadeias produtivas regionais e globais, de suprimento de energia, de gesto da moeda e do crdito, de distribuio de renda e de reduo das desigualdades regionais, de cincia, tecnologia e inovao, de modernizao do aparato militar e dos sistemas de defesa, de apoio internacionalizao das empresas e de financiamento da infraestrutura no entorno asitico, e de atuao nas instituies multilaterais esto articuladas em uma ampla estratgia de desenvolvimento de curto, mdio e longo prazo.

    Destaca-se, em particular, o panorama realizado sobre o complexo sistema financeiro chins, focalizando especialmente o papel crucial desempenhado pelos bancos pblicos comerciais e de desenvolvimento, suas interfaces com o sistema bancrio paralelo, as limitaes do mercado de capitais e a interao destas instituies com as principais agncias de regulao, superviso e coordenao o Banco Central da China, a Comisso de Regulao Bancria da China e o Conselho de Estado.

    Os autores descrevem como as autoridades econmicas daquele pas colocaram em marcha uma estratgia cautelosa de internacionalizao do renminbi e do sistema financeiro nacional, mas com liberalizao controlada da conta de capitais. A internacionalizao da moeda chinesa constitui um passo defensivo em resposta crise financeira global ocorrida entre 2007 e 2008.

    Seu objetivo substituir, em curto espao de tempo, o dlar pelo renminbi como moeda dominante nas trocas internacionais entre a China e os outros pases com que comercializa, estabilizando monetariamente sua rede internacional de fornecedores e de consumidores.

    O caminho em direo maior abertura da conta de capitais carrega, no entanto, um risco elevado, na medida em que pode abrir aos mercados internacionais o processo de formao da taxa de cmbio e da taxa de juros hoje sob controle do Estado chins e, com isso, colocar em xeque todo o funcionamento do, at agora, bem-sucedido sistema de crescimento do emprego e da renda, com elevado dinamismo do setor industrial, a exemplo do que ocorreu no Japo na dcada de 1980. Os riscos provenientes de uma internacionalizao da moeda e do sistema financeiro nacional se sobressaem no contexto atual de uma economia com elevada taxa de investimento ancorada no crdito bancrio, mas em desacelerao.

    Este livro, disponibilizado pelo Ipea e elaborado com a colaborao de vrios professores de diversas universidades brasileiras, sob a coordenao de Marcos Antonio Macedo Cintra, Edison Benedito da Silva Filho e Eduardo Costa Pinto, estimula o debate sobre as principais caractersticas do modelo de desenvolvimento chins e as cleres transformaes ocorridas no socialismo de mercado, ou uma das formas existentes de organizao do capitalismo na China contempornea. Este debate entre funcionrios pblicos, formuladores de polticas, empresrios, sindicatos, partidos polticos, acadmicos, jornalistas e estudantes pode ser frutfero para alimentar a discusso sobre um novo desenho de desenvolvimento para o Brasil, projeto que dever implicar mudanas na insero internacional do nosso pas, nas dimenses comercial, produtiva e financeira.

    Ernani Teixeira Torres FilhoProfessor associado do Instituto de Economia da Universidade Federal

    do Rio de Janeiro (IE/UFRJ)

  • Os autores discutem neste livro as principais polticas que possibilitaram, nas ltimas trs dcadas, a transformao da economia chinesa na segunda maior do mundo. No setor externo, o pas ascendeu primeira posio mundial em exportaes e ao segundo lugar em importaes, gerando elevados superavit na conta-corrente e na conta de capital do balano de pagamentos. Isso permitiu China acumular um volume expressivo de reservas internacionais e se consolidar como o maior pas credor em todo o mundo.

    Os diferentes captulos mostram que as polticas de industrializao, de insero nas cadeias produtivas regionais e globais, de suprimento de energia, de gesto da moeda e do crdito, de distribuio de renda e de reduo das desigualdades regionais, de cincia, tecnologia e inovao, de modernizao do aparato militar e dos sistemas de defesa, de apoio internacionalizao das empresas e de financiamento da infraestrutura no entorno asitico, e de atuao nas instituies multilaterais esto articuladas em uma ampla estratgia de desenvolvimento de curto, mdio e longo prazo.

    Destaca-se, em particular, o panorama realizado sobre o complexo sistema financeiro chins, focalizando especialmente o papel crucial desempenhado pelos bancos pblicos comerciais e de desenvolvimento, suas interfaces com o sistema bancrio paralelo, as limitaes do mercado de capitais e a interao destas instituies com as principais agncias de regulao, superviso e coordenao o Banco Central da China, a Comisso de Regulao Bancria da China e o Conselho de Estado.

    Os autores descrevem como as autoridades econmicas daquele pas colocaram em marcha uma estratgia cautelosa de internacionalizao do renminbi e do sistema financeiro nacional, mas com liberalizao controlada da conta de capitais. A internacionalizao da moeda chinesa constitui um passo defensivo em resposta crise financeira global ocorrida entre 2007 e 2008.

    Seu objetivo substituir, em curto espao de tempo, o dlar pelo renminbi como moeda dominante nas trocas internacionais entre a China e os outros pases com que comercializa, estabilizando monetariamente sua rede internacional de fornecedores e de consumidores.

    O caminho em direo maior abertura da conta de capitais carrega, no entanto, um risco elevado, na medida em que pode abrir aos mercados internacionais o processo de formao da taxa de cmbio e da taxa de juros hoje sob controle do Estado chins e, com isso, colocar em xeque todo o funcionamento do, at agora, bem-sucedido sistema de crescimento do emprego e da renda, com elevado dinamismo do setor industrial, a exemplo do que ocorreu no Japo na dcada de 1980. Os riscos provenientes de uma internacionalizao da moeda e do sistema financeiro nacional se sobressaem no contexto atual de uma economia com elevada taxa de investimento ancorada no crdito bancrio, mas em desacelerao.

    Este livro, disponibilizado pelo Ipea e elaborado com a colaborao de vrios professores de diversas universidades brasileiras, sob a coordenao de Marcos Antonio Macedo Cintra, Edison Benedito da Silva Filho e Eduardo Costa Pinto, estimula o debate sobre as principais caractersticas do modelo de desenvolvimento chins e as cleres transformaes ocorridas no socialismo de mercado, ou uma das formas existentes de organizao do capitalismo na China contempornea. Este debate entre funcionrios pblicos, formuladores de polticas, empresrios, sindicatos, partidos polticos, acadmicos, jornalistas e estudantes pode ser frutfero para alimentar a discusso sobre um novo desenho de desenvolvimento para o Brasil, projeto que dever implicar mudanas na insero internacional do nosso pas, nas dimensescomercial, produtiva e financeira.