Aruja 02/06/2016

download Aruja  02/06/2016

of 8

  • date post

    01-Aug-2016
  • Category

    Documents

  • view

    220
  • download

    1

Embed Size (px)

description

Jornal Folha Metropolitana e Metrô News

Transcript of Aruja 02/06/2016

  • 14,25% R$ 880Salrio MnimoSelic (ano)

    www.facebook.com/jornalfolhametro www.folhametro.com.br Distribuio Gratuita

    Cidades Pg. 5 Cidades Pg. 4 Quinta-feira, 2 e sexta-feira, 3 de junho de 2016 Ano 43 N 13442

    Bovespa

    +1,12%49.012

    Dlar

    -0,54%3.59

    Euro

    -0,1%4.01Cotaes

    Seja fsica, psicolgica, sexual, patrimonial e moral, uma violncia, Ana Paula Castro Meirelles, defensora pblica

    QR code generated on http://qrcode.littleidiot.be

    Estupros tm alta de 71%

    Solidariedade na Via Dutra

    Divu

    lga

    o

    Beto

    Mar

    tins

    Aruj, Itaquaquecetuba e Santa Isabel

    181Disque-Denncia

    Aruj fecha 5 postos de trabalho por dia O municpio de Aruj fechou cinco postos de trabalho por dia durante o primeiro quadrimestre deste ano. No perodo foram demitidas 2.725 pessoas, enquanto 2.080 foram contratadas. Em Itaqu foram 726 vagas de emprego encerradas. Pg. 3

    Crise - Dados registrados pelo Caged foram divulgados na semana passada

    arquivo FM / silvio cesar

  • Sede, Redao e Publicidade: Rua Ip, 144 - Jardim Guarulhos - Guarulhos - SP CEP: 07090-130 - Fone: (11) 2475-7800

    CNPJ : 44 .193.423/0001-40

    Presidente: Paschoal Thomeu (in memoriam)Diretora-Presidente: Andra Santos Thomeu

    Editor-Chefe e Jornalista Responsvel: Vicente de Aquino - vicente.red@metronews.com.brEditores: Alexandre de Paulo - alexandre.red@metronews.com.br - Wellington Alves - walves.redacao@folhametro.com.br Editor de Arte: Sidney Joo de Oliveira - sidney@metronews.com.brSubeditor de Arte: Ricardo Leocadio - ricardoleocadio@metronews.com.brFotos: Lucas DantasRedao: redacao@folhametro.com.br

    Gerente Comercial: Alceu dos Santos - alceu@folhametro.com.br Agncias: Ramon Martins - ramon@metronews.com.brComercial: comercial@folhametro.com.br Distribuio: circulacao@folhametro.com.br. Recursos Humanos: nadir.matos@folhametro.com.br

    Noticirio: Reportagem local e Agncia Estado. Filiado a: APJ - Associao Paulista de JornaisRepresentantes Comerciais em Braslia e Rio de Janeiro: Pereira de Souza & Cia. Ltda. Fones: (61) 3226-6601 / (21) 2544-3070Impresso: FolhaGrfica

    Os artigos e colunas assinados so de responsabilidade de seus autores.

    www.folhametro.com.br

    EDITORIAL RETRATO

    AnOTEn O Casaro das Artes de Aruj promove na prxima tera-feira, 7, a oficina fotogrfica Luz Ambiente e Ambiente de Luz, com a fotgrafa Elisabete Savioli. So 20 vagas. A oficina Luz Ambiente e Ambiente de Luz j passou por diversas cidades e pretende explorar as possibilidades de construo de sentido na fotografia por meio da anlise e manipulao das condies de iluminao. A artista recupera parmetros histricos e exemplifica a explicao com imagens de fotgrafos consagrados. A fotgrafa formada pela Ecole Nationale Suprieure de Photographie, da Frana, e cursa doutorado na Universidade de So Paulo (USP). Os alunos so estimulados a manipular fontes contnuas, flash embutido ou unidades dedicadas, com o objetivo de ampliar conhecimentos tcnicos e exercitar criatividade. Os interessados devem realizar a inscrio pessoalmente na Rua Rodrigues Alves, 90, Centro, ou pelo telefone 4651-1261. A classificao indicativa a partir de 12 anos. A oficina vai das 13h30 s 17h30.

    OPINIOQuinta-feira, 2 e sexta-feira, 3 de junho de 20162

    de barbaridades que colocam em dvida a nossa civilizao. Por que essas coisas ainda acontecem? Ser que no meio desses animais que es-tupraram a menina no havia um que lembrasse a sua me, as suas ir-ms, a sua mulher e pedisse para os outros pararem? Ser que nenhum deles se deu conta que aquilo no era divertido, no era humano? Pa-rece que no, infelizmente, no.

    Na sociedade brasileira est fal-tando o respeito s minorias, s es-colhas individuais e, sobretudo s mulheres que apesar de algumas conquistas continuam sendo vistas e tratadas como seres inferiores, cuja palavra no vale muita coisa.

    A fora fsica do homem e a im-presso de que so seres superiores em todos os sentidos criam uma sensao machista de impunidade nos assdios, nas piadinhas, nos es-tupros. Li hoje no UOL uma decla-rao que resume isso: s vezes, o processo de denunciar acaba sendo mais violento para essas mulheres do que a prpria violncia, disse BBC Brasil Silvia Chakian, promo-tora de Justia e especialista em casos de violncia contra a mulher. Vivemos numa cultura que desa-credita da palavra da vtima pelo simples fato de ela ser mulher. Que valor, ns todos, sociedade, instituies, sistema de Justia, es-tamos dando palavra das vtimas de violncia sexual?. Mesmo as-sim toro para que tenhamos uma semana um pouco melhor.

    Sou mulher, sou cidad, no devo, no posso ficar calada. Um crime hediondo o lugar mais bai-xo que um ser humano pode che-gar. No quero com isso desculpar crimes menores. Todos tm que ser julgados, punidos. Mas certos cri-mes me fazem duvidar do ser racio-nal que nos define na comparao com as outras espcies que vivem sobre o planeta Terra. Somos capa-zes de maravilhas. E somos capazes

    A palavra da vtimaMais uma semana de denncias,

    gravaes, ministros despencan-do do alto dos seus cargos, o Brasil despencando nos ndices internacio-nais, desemprego crescendo, inflao crescendo. Mais um beb morto na tragdia dos refugiados que no tm refgio em lugar nenhum. Mas nada, nada se compara denncia ao estu-pro da menina no Rio de Janeiro.

    Est faltando o respeito s minorias, s escolhas individuais e sobretudo s mulheres

    Arte - Amante da fotografia busca enquadramento no Beco do Batman, em caminhada na Vila Madalena (SP)

    ALExAnDRE DE PAuLO

    Ponto de Vista

    luna alkalayFilsofa, de Milo, naturalizada brasileira e paulista de alma lunaalkalay@hotmail.com

    Parece brincadeira ou, ento, uma tremenda ironia do des-tino. O segundo ministro do presidente em exerccio, Michel Temer, a sair do governo era justamente aquele que defendia a transparncia, mas foi pego com a boca na botija em uma tentativa de desqualificar, em conversa gravada, a Operao Lava Jato. A deciso do ministro Fabiano Silveira foi tomada aps ter sido divulgado o teor de sua conversa com o pre-sidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na qual ele criticou a conduo da operao pela Procuradoria-Geral da Repblica (PGR). A piada que circula pelos quatro cantos de Braslia que Fabiano foi transparente demais.

    Brincadeiras parte, o fato que o governo Michel Temer perde, em apenas uma semana, dois impor-tantes auxiliares. O primei-ro era o dono da pasta do Planejamento, Romero Juc, que no dia 23 de maio, uma semana e meia aps ser no-

    meado, anunciou, sob vaias e protestos, que iria deixar o cargo a partir do dia 24. Embora tenha anunciado licen-a, ele disse que tecnicamente iria pedir exonerao por-que voltar a exercer o mandato de senador por Roraima. Juc investigado na Lava Jato e em outro processo no Supremo Tribunal Federal (STF).

    A sada do governo ocorreu no mesmo dia em que o jor-nal Folha de S. Paulo divulgou conversa em que Juc sugeria um pacto para barrar a Lava Jato ao falar com o ex-pre-sidente da Transpetro Srgio Machado, que negociava um acordo de delao premiada com a Procuradoria-Geral da Repblica - que detm o udio.

    De toda essa confuso s pode-se deduzir uma coisa: o governo de Michel Temer comea como terminou o da presi-dente afastada Dilma Rousseff: com denncias de corrupo e tentativa de trfico de influncias. Muito ruim para quem assumiu prometendo mudar o Brasil. Na realidade, o eleitor no sabe mais em quem acreditar.

    Governo Temer comea como terminou o de Dilma Rousseff

    Temer assumiu prometendo mudanas. At agora, parece que o saco de farinha ainda

    o mesmo

  • cidadesQuinta-feira, 2 e sexta-feira, 3 de junho de 2016 3

    No ano, a indstria de transformao o setor quemais demitiu

    Estatstica - Somente em abril deste ano, 53 vagas sumiram do estoque de emprego no municpio

    silvio cesar / arquivo fm

    Itaquaquecetuba tambm no teve um resultado po-sitivo. Foram 726 vagas de emprego fechadas no muni-cpio. Diferente de Aruj, o setor que mais demitiu em quatro meses foi o comrcio, com 2.072 desligamentos. Apesar disso, ele tambm o

    aruj fecha 5 empregos por dia em 4 mesesRaphael pozzi - A cidade de Aruj fechou cinco postos de trabalho por dia durante o primeiro quadrimestre do ano. Foram demitidas 2.725 pessoas na cidade, enquanto 2.080 foram contratadas. O ndice de evoluo do empre-go obtido subtraindo-se as demisses das contrataes.

    Os dados foram registra-dos pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e divulgados na sema-na passada. Somente em abril, 53 vagas sumiram do estoque de emprego do municpio.

    De acordo com o professor da Anhanguera e economis-ta Antnio Azambuja, essa onda de demisses pode ser sentida no incio ou o final do problema. A demisso reduz mercado, pois gera um con-sumo menor e, com isso, as vendas pioram. Com isso, o comrcio no demanda mui-to da indstria, que produz menos. Nesse caso, ela come-a a demitir tambm.

    No ano, a indstria de transformao o setor que mais demitiu, ultrapassando 1,1 mil desligamentos, contra apenas 679 admisses. Em seguida, o comrcio demitiu 857 e contratou 672 pessoas.

    Para o professor Azambu-ja, a questo s vai voltar a se resolver quando o Brasil provar novamente que um local seguro para se investir. Se no, todo centro de em-prego vai ter o mesmo fu-turo. O empresrio trabalha por onda, eles ficam reuni-dos esperando para ver onde vo investir. Enquanto no tiver uma segurana, ele no vai colocar o dinheiro onde no compensa colocar.

    Itaqu e Santa Isabel tambm vo mal no quesito vagasque mais contratou, com 1,7 mil pessoas admitidas.

    Quem menos sofreu cor-tes foi a cidade de Santa Isa-bel. Mesmo assim, o resulta-do negativo em 42 vagas. No total, foram contratadas 1.012 pessoas, enquanto 1.054 foram demitidas no

    municpio. O