Apostila incendio

download Apostila incendio

of 52

  • date post

    08-Jul-2015
  • Category

    Engineering

  • view

    217
  • download

    9

Embed Size (px)

description

incendio

Transcript of Apostila incendio

  • TPICOS

    TEORIA DE FOGO COMBUSTO CLASSES DE INCNDIO MTODOS DE EXTINO EXTINTORES DE INCNDIO HIDRANTES EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE PROTEO CONTRA

    INCNDIO PLANOS DE AO: 1. PLANO DE EVACUAO 2. BRIGADA DE INCNDIO EXPLOSES 1. CONCEITOS 2. PREVENO LEGISLAO REFERENTE A INCNDIO SEGURANA EM TRANSPORTES 1. CARGAS PERIGOSAS 2. SIMBOLOGIA 3. PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE

    TEORIA DO FOGO

    INTRODUO:

    Qumica do Fogo

    O fogo ou combusto resulta de uma oxidao rpida.

    Conhecer as condies que determinam a ocorrncia, ou no,

    da oxigenao de uma substncia com desenvolvimento de

    calor e luz, essencial para a compreenso dos princpios em

  • que se baseiam os mtodos de controle e extino do fogo.

    Convm recordarmos que existem dois tipos de reaes

    qumicas: Endotrmicas e Exotrmicas. Reaes endotrmicas

    so aquelas que do origem a uma substncia com maior

    energia do que existe nos compostos reagentes, processando-se

    sem desprendimento de calor. As reaes exotrmicas

    produzem substncias com menor energia do que existe nos

    compostos reagentes e se processam com desprendimento de

    calor.

    As reaes oxidantes que ocorrem nos incndios so

    exotrmicas.

    Para ocorrer uma reao oxidante devem estar

    presentes: o material combustvel e o agente oxidante.

    O oxignio o elemento oxidante fundamental. A

    oxidao de um material ocorre continuamente enquanto

    estiver presente um agente oxidante normalmente o ar

    (aproximadamente 1/5 de oxignio e 4/5 de nitrognio).

    Porm, temperatura ambiente, a reao to lenta que no

    chega a ser perceptvel. O "amarelamento" do papel e a

    ferrugem so exemplos de oxidao lenta.

    Em temperaturas mais altas como as que podem ser

    criadas pela chama de um palito de fsforo, a taxa de oxidao

    torna-se rpida, gerando grande quantidade de calor.

    Caso esse calor gerado seja suficiente para manter a

    reao aps a remoo do palito de fsforo aceso, e caso

    apaream chamas, diz-se que ocorreu a ignio. A combusto

  • a queima contnua aps a ignio.

    Alm do calor e do agente oxidante, mais um elemento

    determinar a ocorrncia da ignio e combusto: o material

    combustvel.

    Este material poder ser slido, lquido ou gasoso,

    sendo que quando nos dois primeiros estados, devero ser

    decompostos pelo calor em vapores que queimam com chama

    visvel.

    O efetivo controle e extino do incndio requerem um entendimento da natureza qumica e fsica do fogo. Isso inclui informaes sobre fontes de calor, composio e caractersticas dos combustveis e as condies necessrias para combusto.

    TRINGULO DO FOGO: Para facilidade de compreenso, o FOGO representado simbolicamente por um tringulo, ao qual denominamos "TRINGULO DO FOGO".

    A existncia do fogo est condicionada presena desses trs elementos EM CONDIES FAVORVEIS.

  • Durante a reao, isto , durante a QUEIMA, h desprendimento do CALOR e LUZ, continuamente.

    TETRAEDRO DO FOGO:

    Modernamente, foi acrescentado ao tringulo do fogo mais um elemento: A REAO EM CADEIA, formando assim o tetraedro ou quadrado de fogo. Os combustveis aps iniciar a combusto geram mais calor liberando mais gases ou vapores combustveis, sendo que os tomos livres so os responsveis pela liberao de toda a energia necessria para a reao em cadeia.

    1 . COMBUSTVEL:

    toda substncia capaz de queimar e alimentar a combusto.

    Os combustveis dividem-se em trs grupos, de acordo com o estado fsico em que se apresentam:

    a) Combustveis slidos:

    a maioria dos combustveis slidos transforma-se em vapores e, ento, reagem com o oxignio, exemplos: madeira, papel, plstico, ferro, etc.

    b) Combustveis lquidos: tem algumas propriedades fsicas que dificultam a extino do calor, aumentando o perigo. Os lquidos assumem a forma do recipiente que os contm, importante notar tambm que a maioria dos lquidos inflamveis so mais leves que a gua, e portanto, flutuam sobre esta.

    Outra propriedade a ser considerada a sua volatilidade, que a facilidade com que os lquidos liberam vapores, tambm de grande importncia, porque quanto mais voltil for o lquido, maior a possibilidade de haver fogo ou mesmo exploso.

  • c) Combustveis gasosos:

    Os gases no tem volume definido, tendendo, rapidamente, a ocupar todo o recipientes que esto envolvidos.

    2. COMBURENTE:

    o elemento que possibilita vida s chamas e intensifica a combusto. O mais comum na natureza o oxignio, encontrado na atmosfera a 21%.

    3. FONTE DE CALOR:

    Calor uma forma de energia que eleva a temperatura, gerada da transformao de outra energia, atravs de processo fsico ou qumico. Pode ser descrito como uma condio da matria em movimento, isto , movimentao ou vibrao das molculas que compem a matria.

    4. REAO EM CADEIA:

    A reao em cadeia torna a queima auto-sustentvel. O calor irradiado da chama atinge o combustvel e este e decomposto em partculas menores, que se combinam com o oxignio e queimam, irradiando outra vez calor para o combustvel, formando um crculo constante.

  • PONTOS CRTICOS DE TEMPERATURA

    Sabemos que necessrio unir trs elementos para que o FOGO aparea, entretanto, por vezes esses trs elementos esto presentes e o FOGO no ocorre, porque a quantidade de calor insuficiente para queimar o COMBUSTVEL.

    Para exemplificar melhor, imaginemos uma frigideira com leo combustvel sobre a chama de um fogo. O leo comear aquecer e a desprender vapores (gases); se deixarmos por algum tempo, observaremos que um dado momento o referido combustvel se incendiar sem que haja contato com a chama externa. Para que o leo aquecido lentamente comece a queimar, ele passou por trs pontos de aquecimento que chamaremos de: PONTO DE FULGOR, PONTO DE COMBUSTO, PONTO DE IGNIO.

    PONTO DE FULGOR

    a temperatura na qual o combustvel comea a desprender vapores (gases), que se tomarem contatos diretos com uma chama queimaro, porm a chama produzida no se mantm, em vista da quantidade de vapores desprendidos ser muito pequena.

    PONTO DE COMBUSTO

    a temperatura na qual um combustvel desprende vapores (gases), que se tomarem contato direto com uma chama queimaro, at que acabe o combustvel.

    PONTO DE IGNIO

    a temperatura na qual um combustvel desprende vapores (gases) que com o simples contato com o oxignio existente no ar queime at que o combustvel acabe.

  • PROPAGAO DO FOGO O calor um dos principais causadores do alastramento de um fogo, ele pode, caso no seja impedido, ser transmitido at mesmo a grandes distncias, das seguintes formas: IRRADIAO, CONDUO, CONVECO.

    IRRADIAO

    a transmisso de calor atravs de raios e ondas que ocorrem em espaos vazios. Um exemplo dirio deste fenmeno o calor do sol (fonte) irradiado atravs do espao at a terra (corpo); e como o caso do sol, existem inmeras outras formas de irradiao que podero contribuir para a propagao do fogo.

    CONDUO

    transmisso do calor que ocorre de uma fonte para um corpo, atravs de um material que seja um bom condutor de calor. Se pegarmos um pedao de ferro e segurarmos numa das pontas com a mo e colocarmos a outra ponta em contato com uma fonte de calor, vamos perceber aps alguns segundo que todo o ferro est quente, indo aquecer consequentemente a nossa mo, e se ao invs de nossa mo, tivesse tendo contato com outro combustvel qualquer, este iria queimar.

    CONVECO

    a transmisso do calor atravs do ar e dos lquidos, ocorre devido ao fato de o ar como os lquidos podem ser aquecidos quando em contato com o fogo. O ar quente sempre sobre e leva consigo o calor que poder entrar em contato com o combustvel e propagar o fogo.

    Fases do Fogo

    Se o fogo ocorrer em rea ocupada por pessoas, h grandes chances de que o fogo seja descoberto no incio e a situao resolvida. Mas se ocorrer quando a edificao estiver deserta e fechada, o fogo continuar crescendo at ganhar grandes propores. Essa situao pode ser controlada com a aplicao dos procedimentos bsicos de ventilao (vide captulo 12).

    O incndio pode ser melhor entendido se estudarmos seus trs estgios de desenvolvimento.

  • Fase Inicial

    Nesta primeira fase, o oxignio contido no ar no est significativamente reduzido e o fogo est produzindo vapor dgua (H20), dixido de carbono (CO2), monxido de carbono (CO) e outros gases. Grande parte do calor est sendo consumido no aquecimento dos combustveis, e a temperatura do ambiente, neste estgio, est ainda pouco acima do normal. O calor est sendo gerado e evoluir com o aumento do fogo.

    Queima Livre

    Durante esta fase, o ar, rico em oxignio, arrastado para dentro do ambiente pelo efeito da conveco, isto , o ar quente "sobe" e sai do ambiente. Isto fora a entrada de ar fresco pelas aberturas nos pontos mais baixos do ambiente.

  • Os gases aquecidos espalham-se preenchendo o ambiente e, de cima para baixo, foram o ar frio a permanecer junto ao solo; eventualmente, causam a ignio dos combustveis nos nveis mais altos do ambiente. Este ar aquecido uma das razes pelas quais os bombeiros devem se manter abaixados e usar o equipamento de proteo respiratria. Uma inspirao desse ar superaquecido pode queimar os pulmes. Neste momento, a temperatura nas regies superiores (nvel do teto) pode exceder 700 C.

    "Flashover"

    Na fase da queima livre, o fogo aquece gradualmente todos os combustveis do ambiente. Quando determinados combustveis atingem seu ponto de ignio, simultaneamente, haver uma queima instantnea e concomitante desses produtos, o que poder provocar uma exploso ambiental, ficando toda a rea envolvida pelas chamas. Esse fenmeno conhecido como "Flashover".

    Queima Lenta

    Com