Aeroatlas de Revisao 2013 - Lista Hb Consolidada - Sem Respostas

download Aeroatlas de Revisao 2013 - Lista Hb Consolidada - Sem Respostas

of 34

  • date post

    27-Oct-2015
  • Category

    Documents

  • view

    129
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Aeroatlas de Revisao 2013 - Lista Hb Consolidada - Sem Respostas

  • Curso Atlas AEROATLAS REVISO TELEPRESENCIAL

    HISTRIA DO BRASIL

    1

    Colnia

    TPS 2005

    1)

    O Estado-nao brasileiro tem suas razes na expanso mercantil-colonial europia do

    sculo XVI. Naquele momento histrico, as burguesias mercantis, aliadas s monarquias,

    sobretudo portuguesa e espanhola, empreendiam a busca, para alm-mar, do ouro, da prata ou

    de produtos que, de alto valor comercial nos mercados europeus, pudessem ser

    transacionados com muito lucro. O pau-brasil, que abundava em nossas florestas tropicais, ao

    longo da costa atlntica, foi o primeiro alvo do saque aos recursos naturais, at ento

    manejados por diversos povos indgenas nmades e seminmades. Ironicamente, a espcie

    que acabou por dar origem ao nome do pas tornou-se a primeira vtima: o pau-brasil,

    madeira de colorao avermelhada que os europeus utilizavam na produo de tinturas, hoje

    s existe nos jardins e museus botnicos.

    Carlos Walter Porto Gonalves. Formao scio-espacial e questo ambiental no Brasil. In: Berta K. Becker

    et al. (org.). Geografia e meio ambiente no Brasil. 3. ed. So Paulo: Ana Blume Hucitec, 2002, p. 312 (com

    adaptaes).

    Tendo o texto como referncia inicial e considerando aspectos histricos e geogrficos

    marcantes da colonizao brasileira, julgue (C ou E) os itens a seguir.

    1. ( )No incio do processo de colonizao brasileira (1530), a introduo das

    plantations de cana-de-acar marcou a forma de apropriao dos recursos naturais e

    a formao territorial do pas.

    2. ( )No Brasil atual, o latifndio, uma das principais marcas das condies

    socioambientais do perodo colonial, mantm-se como trao de poder.

    3. ( )A Lei de Terras, promulgada no Brasil em 1850, tinha como similar, nos Estados

    Unidos da Amrica (EUA), o Homestead Act, que democratizou o acesso terra

    naquele pas.

    4. ( )A disponibilidade de vasta extenso de terras nas mos de elites rurais respondeu,

    e ainda responde, s demandas do mercado mundial.

    2) Partindo do tema tratado no texto e considerando o incio do processo de colonizao do

    Brasil, julgue (C ou E) os itens subseqentes.

    1. ( )A deciso portuguesa de dar incio efetivo colonizao de suas terras americanas,

    trinta anos aps a descoberta, deveu-se, fundamentalmente, a dois fatores: o perigo concreto

    de perd-las para concorrentes europeus, como os franceses, e a sensvel reduo dos lucros

    do comrcio oriental de especiarias.

  • Curso Atlas AEROATLAS REVISO TELEPRESENCIAL

    HISTRIA DO BRASIL

    2

    2. ( )A colonizao portuguesa processou-se conforme os padres da poca, ou seja,

    transferiu-se iniciativa privada toda a responsabilidade de promover a ocupao da terra,

    defend-la e faz-la produzir. Essa situao, marcada pela ausncia do Estado no

    empreendimento colonial, perdurou at o momento da independncia.

    3. ( )A extrao de pau-brasil garantiu o xito da empreitada colonizadora por cerca de dois

    sculos, perdendo a primazia somente a partir das descobertas das jazidas aurferas no interior

    da colnia.

    4. ( )Analisando o caso brasileiro, o texto focaliza um aspecto primordial da primeira fase

    do capitalismo, aquela em que a acumulao de capitais se d, sobretudo, por meio da

    circulao das mercadorias.

    3)

    poca da independncia, a economia colonial podia ser descrita de maneira

    simplificada. Era composta por: latifndios voltados para a produo de mercadorias

    exportveis, como o acar, o tabaco, o algodo; fazendas dedicadas produo para o

    mercado interno (feijo, arroz, milho) e criao de gado, estas sobretudo no norte e no sul; e

    centros mineradores j em fase de decadncia. Acrescente-se, ainda, grande nmero de

    pequenas propriedades voltadas para a agricultura e a pecuria de subsistncia. Nas cidades

    costeiras, capitais de provncias, predominavam o grande e o pequeno comrcio. Os

    comerciantes mais ricos eram os que se dedicavam ao trfico de escravos.

    A nica alterao importante nessa economia deu-se com o desenvolvimento da

    cultura do caf. J na dcada de 30, o produto assumira o primeiro lugar nas exportaes.

    Mas o caf no mudou o padro econmico anterior: era tambm um produto de exportao

    baseado no trabalho escravo. Esse modelo sobreviveu ainda por mais cem anos. S comeou

    a ser desmontado aps 1930. As conseqncias da hegemonia do caf foram principalmente

    polticas. O fato de se ter ela estabelecido a partir do Rio de Janeiro ajudou a consolidar o

    novo governo do pas, sediado nesta provncia. Se no fosse a coincidncia do centro poltico

    com o centro econmico, os esforos da elite poltica para manter a unidade do pas poderiam

    ter fracassado.

    J. M. de Carvalho. Fundamentos da poltica e da sociedade brasileiras. In: L. Avelar e A. O. Cintra (orgs.).

    Sistema poltico brasileiro: uma introduo. Rio de Janeiro: Fundao Konrad-Adenauer-Stiftung; So Paulo:

    Fundao UNESP, 2004, p. 23.

    Partindo das informaes do texto e considerando a estrutura econmica vigente no perodo

    colonial brasileiro, julgue (C ou E) os itens subseqentes.

    1. ( )O processo de colonizao do Brasil, tal como o ocorrido nas demais colnias

    ibero-americanas, subordinou-se, em linhas gerais, ao processo de surgimento do

    capitalismo europeu de base mercantil e de sua afirmao ao longo da Idade Moderna.

  • Curso Atlas AEROATLAS REVISO TELEPRESENCIAL

    HISTRIA DO BRASIL

    3

    2. ( )Latifndio, escravido e monocultura foram os traos definidores da colonizao

    portuguesa em terras americanas, nela prevalecendo a produo voltada para o

    mercado externo.

    3. ( )Infere-se do texto que a existncia de um mecanismo definidor das relaes de

    dominao e de dependncia entre metrpoles e colnias o pacto colonial

    inviabilizava, na prtica, o desenvolvimento, na colnia, de atividades econmicas

    no diretamente voltadas para a exportao.

    4. ( )A agroindstria aucareira nordestina monopolizou a economia colonial brasileira

    entre meados do sculo XVI e o transcurso do sculo seguinte, a despeito de no

    contar com fontes externas de financiamento e da falta de adequado mercado

    consumidor.

    4) Ao mencionar a existncia de centros mineradores, o texto refere-se ao panorama

    econmico colonial predominante ao longo do sculo XVIII. Relativamente a essa realidade,

    que apresenta aspectos distintos daqueles verificados na economia aucareira, julgue (C ou E)

    os itens subseqentes.

    1. ( )A descoberta das minas de ouro no interior da colnia decorreu, essencialmente, da

    ao dos bandeirantes, expresso clssica de movimento expansionista de uma regio

    neste caso, So Paulo cujo elevado dinamismo econmico requeria a incorporao de

    novas reas ao seu processo de crescente desenvolvimento.

    2. ( )Por suas caractersticas, a atividade mineradora possibilitou o aparecimento de ncleos

    urbanos, de uma estrutura social menos impermevel, quando comparada ao patriarcalismo

    nordestino, e de outras atividades econmicas voltadas para o abastecimento das reas de

    minerao.

    3. ( )Na minerao, diferentemente do ocorrido no Nordeste aucareiro, a presena do

    Estado metropolitano como agente econmico foi preponderante, evidenciada no elevado

    nvel de investimento financeiro na regio, na explorao estatal das minas e na adoo de

    mecanismos diretos de arrecadao de impostos.

    4. ( )A minerao contribuiu para o esvaziamento econmico do Nordeste e transfriu para o

    Centro-Sul o eixo poltico da colnia, de que seria exemplo marcante a mudana da capital,

    de Salvador para o Rio de Janeiro.

    TPS 2006

    A histria do Brasil, nos trs primeiros sculos, est intimamente ligada da expanso

    comercial e colonial europia na poca Moderna. Parte integrante do imprio ultramarino

    portugus, o Brasil-colnia refletiu, em todo o largo perodo de sua formao colonial, os

    problemas e os mecanismos de conjunto que agitaram a poltica imperial lusitana. Por outro

    lado, a histria da expanso ultramarina e da explorao colonial portuguesa desenrola-se no

    amplo quadro da competio entre as vrias potncias, em busca do equilbrio europeu; dessa

    forma, na histria do sistema geral de colonizao europia moderna que devemos procurar

  • Curso Atlas AEROATLAS REVISO TELEPRESENCIAL

    HISTRIA DO BRASIL

    4

    o esquema de determinaes no interior do qual se processou a organizao da vida

    econmica e social do Brasil na primeira fase de sua histria e se encaminharam os

    problemas polticos de que esta regio foi o teatro.

    Fernando A. Novais. Aproximaes: estudos de histria e historiografia. So Paulo: Cosac Naify, 2005, p.

    45.

    1) Ponto de partida para a montagem do sistema colonial que envolveu o continente americano, ao longo da Idade Moderna, a expanso ultramarina europia dos sculos

    XV e XVI expressa, a um s tempo, o aprofundamento do colapso da ordem feudal e

    o surgimento de uma nova realidade econmica, social, poltica e cultural o sistema capitalista que se afirmaria plenamente mais tarde, com a Revoluo Industrial. Relativamente a esse assunto, assinale a opo correta.

    A) O pioneirismo portugus explica-se por motivos econmicos. Apesar das dificuldades derivadas da ausncia do Estado nacional, lacuna que os portugueses somente

    conseguiram preencher no sculo XIX, a fora de sua burguesia mercantil

    impulsionou as grandes viagens em busca de colnias.

    B) Embora o Oriente oferecesse reduzido atrativo comercial, j que sua produo em mu