14. PERDAS DE MATERIAIS (Aأ‡O, CONCRETO E TIJOLOS) PERDAS DE MATERIAIS (Aأ‡O, CONCRETO E...

download 14. PERDAS DE MATERIAIS (Aأ‡O, CONCRETO E TIJOLOS) PERDAS DE MATERIAIS (Aأ‡O, CONCRETO E TIJOLOS) EXEMPLO

of 34

  • date post

    03-Aug-2020
  • Category

    Documents

  • view

    0
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of 14. PERDAS DE MATERIAIS (Aأ‡O, CONCRETO E TIJOLOS) PERDAS DE MATERIAIS (Aأ‡O, CONCRETO E...

  • 14. PERDAS DE MATERIAIS (AÇO, CONCRETO E TIJOLOS)

    � Objetivo: As perdas de materiais podem representar uma elevação significativa no custo total da edificação, sendo resultado da baixa eficiência do processo. Este indicador tem o objetivo de monitorar as perdas de alguns materiais de grande importância em termos de custo.

    � Roteiro para coleta:

    FÓRMULA P = (Creal - Cteor) x 100 / Cteor

    VARIÁVEIS CRITÉRIOS

    Consumo real (Creal)

    � Quantidade de material realmente gasto para executar o serviço:

    Creal = Madq + Mest (vi) - Mest (vf) � Materiais adquiridos (Madq): materiais comprados entre vi e vf, levantados em notas fiscais � Materiais em estoque (Mest): material estocado no almoxarifados ou com fornecedores � Vistoria inicial (vi) e vistoria final (vf): correspondem às datas de início e fim do período de medição, respectivamente

    Consumo teórico (Cteor)

    � Quantidade de material teoricamente necesssária para execução dos serviços, obtida do projeto: a) TIJOLOS: Cteor = Cunit x Qserv b) AÇO e CONCRETO: Cteor = Qserv � Consumo unitário (Cunit): material necessário para execução de uma unidade de serviço. Exemplo: nº de tijolos para execução de um m² de alvenaria � Quantidade de serviço executada (Qserv): quantidade de serviço orçado (Qorç) multiplicado pelo percentual de serviço executado entre vi e vf � Quantidade orçada (Qorç): quantidade de serviço levantada em projetos e especificações, segundo os seguintes critérios:

    a) TIJOLOS: descontar todos os vãos e áreas ocupadas por vigas e pilares

    b) AÇO: aço medido em kg c) CONCRETO: concreto medido em m3

    PERIODICIDADE Calculado para toda a obra ou por um

    período de tempo ou etapa da obra que seja representativa de toda a edificação

  • PLANILHA 8a PERDAS DE MATERIAIS - CÁLCULO DO CONSUMO TEÓRICO

    Período de medição Data de início (vi): / / Data final (vf): / /

    Material

    Especificação do Serviço

    Identificação dos elementos (trechos de

    paredes, vigas

    Quantidade orçada

    % executado Quantidade executada (Qserv)

    pilares, lajes, etc) (Qorç) (vi) (vf) (vi) (vf) (vi - vf)

    Valor transferido

    ΣΣΣΣ (a transferir)

  • PLANILHA 8b PERDAS DE MATERIAS - RESUMO

    Nome da empresa

    Endereço do imóvel

    Imóvel ( ) Residencia l

    ( ) Misto ( ) Comercial Tipo:

    Área real global (m²)

    Período de medição Data inicial (vi): / / Data final (vf): / /

    Material Especificação do Material Consumo real

    Consumo teórico

    Perda %

  • PERDAS DE MATERIAIS (AÇO, CONCRETO E TIJOLOS) EXEMPLO DE APLICAÇÃO

    O exemplo a seguir mostra o cálculo das perdas de tijolos usados na execução das paredes internas de 15 cm e muretas das sacadas de um pavimento tipo do projeto apresentado na página A-12.

    Especificação do serviço: Paredes internas: espessura nominal de 15 cm, bloco cerâmico de 8 furos com dimensões 19 x 19 x 9 cm, juntas de 10 mm. Muretas das sacadas: espessura nominal de 10 cm, tijolo maciço, dimensões 5 x 10 x 20 cm, juntas de 10 mm.

    Cálculo do consumo real: (valores arbitrados para o exemplo) Material Materiais

    adquirdos Materiais em Estoque Consumo

    real Madq (vi - vf) Mest (vi) Mest(vf) Creal

    Tijolos maciços 2000 0 940 1060 Blocos cerâmicos 10.000 1230 8100 3130

    Cálculo do consumo teórico e das perdas: Neste exemplo, o serviço foi dividido em trechos de paredes, conforme apresentado no croqui da página E-8. Cada trecho de parede foi identificada no projeto por um número e a quantidade de serviço correspondente a cada um (Qorç) foi levantada conforme os critérios apresentados neste Manual (vide exemplo de preenchimento da Planilha 8a).

    Os serviços executados (Qserv) no início e no final do período de medição foram levantados verificando-se na obra os percentuais executados nas datas correspondentes.

    Paredes internas de 15cm: Muretas das sacadas:

    Face aparente: (0,01 + 0,19) x (0,01 + 0,19) = 0,04 m²

    (0,01 + 0,20) x (0,01 + 0,10) = 0,0231 m²

    Consumo de tijolos para 1 m² de parede: 1 / 0,04 = 25 tijolos/m²

    1 / 0,0231 = 44 tijolos/m²

    Quantidade de serviço executada Qserv 103,10 m² (calculado na Planilha 8a)

    21,05 m² (calculado na Planilha 8a)

    Consumos teóricos 103,10m² x 25 tijolos/m² = 2578

    21,05m² x 44 tijolos/m² = 927 tijolos

    Cálculo das Perdas: (Creal - Cteor) / Cteor (3130 - 2578) / 2578 = 0,214 = 21,4%

    (calculado na Planilha 8b)

    (1060 -927) / 927 = 0,144 = 14,4% (calculado na Planilha 8b)

  • PLANILHA 8a PERDAS DE MATERIAIS - EXEMPLO DE PREENCHIMENTO

    Período de medição Data inicial (vi): 12 / 03 / 95 Data final (vf): 18 / 04 / 95

    Material BLOCOS CERÂMICOS

    Especificação do Serviço Bloco 6 furos, 19 x 19 x 9, paredes espessura nominal de 15 cm, juntas e = 1 cm

    Identificação do elementos

    (trechos de paredes , vigas,

    Quantidade orçada % executado

    Quantidade executada (Qserv)

    pilares, lajes, etc) (Qorç) (vi) (vf) (vi) (vf) (vi - vf)

    (m²) Valor transferido

    -----

    4b 10.44 100 100 10.44 10.44 0

    5b 7.27 100 100 7.27 7.27 0

    7 4.49 0 100 0 4.49 4.49

    9 11.74 75 100 8.8 11.74 2.94

    12 9.06 50 100 6.8 9.06 2.26

    15 3.98 0 100 0 3.98 3.98

    17a 5.02 0 100 0 5.02 5.02

    18a 6.36 0 100 0 3.98 3.98

    19c 14.11 0 100 0 14.11 14.11

    19d 5.52 0 0 0 5.52 5.52

    20a 16.1 0 50 0 8.05 8.05

    25 4.2 0 100 0 4.2 4.20

    30 10.32 100 100 10.32 10.32 0

    31a-b 13.92 100 100 13.92 13.92 0

    31c-d 9.32 0 100 0 9.32 9.32

    34 3.77 0 100 0 3.77 3.77

    35a 19.71 0 100 0 19.71 19.71

    35b-c 12.06 0 100 0 12.05 12.05

    35d 7.65 0 50 0 3.78 3.70

    ΣΣΣΣ (a transferir) 103.10

  • PLANILHA 8b PERDAS DE MATERIAS - EXEMPLO DE PREENCHIMENTO

    Nome da empresa JJ Engenharia Ltda Imóvel ( X ) Residencia

    l ( ) Misto ( ) Comercial Tipo:

    Endereço do imóvel R Paulo Soares, 123 - Porto Alegre/RS Área real global (m²) 83,76 m²

    Período de medição Data inicial (vi): 12 / 03 / 95 Data final (vf): 18 / 04 / 95

    Material Especificação do Material Consumo real

    Consumo teórico

    Perda %

    Blocos cerâmicos Blocos de 6 furos 19 x 19 x 9 cm

    3130 2578 21,4

    Tijolos maciços Dimensões 5 x 10 x 20 1060 927 14,4

  • 15. ESPESSURA MÉDIA DE REVESTIMENTOS INTERNOS E EXTERNOS

    � Objetivo: As imperfeições de esquadro e prumo das peças e as diferenças entre as dimensões dos elementos (por exemplo, blocos cerâmicos e vigas) são muitas vezes compensadas através dos revestimentos, aumentando consideravelmente o consumo de argamassa e o peso próprio da edificação. Esta é uma das principais causas de perdas dos materiais componentes das argamassas de revestimentos.

    � Roteiro para coleta:

    FÓRMULA

    Ieri = ΣΣΣΣ Espi / nº medidas Iere = ΣΣΣΣ Espe / nº medidas

    VARIÁVEIS CRITÉRIOS

    Medidas das espessuras de revestimento em argamassa

    (Espi e Espe)

    � As medições devem ser feitas durante a execução dos revestimentos ou após a conclusão dos mesmos (neste caso podem ser feitas nos vãos das esquadrias ou pontos de luz), no mínimo em 3 pontos de cada vão

    � Fazer medições em 1/3 do número de pavimentos. Se a edificação apresentar até 3 pavimentos, fazer medições em todos os pavimentos

    � Revestimentos externos: em cada pavimento, devem ser feitas medidas em pelo menos 30% do número de paredes externas

    Procurar realizar medições em paredes de diferentes fachadas

    � Revestimentos internos: em cada pavimento, devem ser feitas medidas em pelo menos 30% do número de paredes internas

    PERIODICIDADE Calculado por edificação

  • PLANILHA 9 ESPESSURA MÉDIA DE REVESTIMENTOS

    Nome da empresa

    Endereço do imóvel

    Nº pavimentos [ ] Subsol o

    [ ] Térreo [ ] Tipo [ ] Cobertura [ ] Outro

    Tipo de medida: ( ) Revestimento Interno ( ) Revestimento Externo

    Assinale na coluna TIPO DE REVESTIMENTO as letras c orrepondentes aos revestimentos existentes no momento da medição em c ada vão:

    ( A ) CHAPISCO ( B ) EMBOÇO ( C ) REBOCO ( D ) MASSA ÚNICA ( E ) GESSO ( F ) OUTRO

    Localização do vão Tipos de revestimento

    Espessuras (mm) Média (por vão)

    Média total

  • PLANILHA 9 ESPESSURA MÉDIA DE REVESTIMENTOS - EXEMPLO DE

    PREENCHIMENTO Nome da empresa JJ Engenharia Ltda Endereço do imóvel

    R. Paulo Soares, 123 Porto Alegre/RS

    Nº pavimentos [ 0 ] Subsolo [ 1 ] Térreo [ 6 ] Tipo [ 1 ] Cobertur a

    [