>>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Nívea Cordeiro 2010 Elementos do Tributo.

of 87/87
>> 0 >> 1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Nívea Cordeiro 2010 Elementos do Tributo
  • date post

    16-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    107
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Nívea Cordeiro 2010 Elementos do Tributo.

  • Slide 1
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Nvea Cordeiro 2010 Elementos do Tributo
  • Slide 2
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> So 5 os elementos do Tributo: a)Fato Gerador; b)Base de Clculo; c)Alquota; d)Adicional; e)Montante do Tributo.
  • Slide 3
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Exemplo Prtico
  • Slide 4
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Para entendermos os elementos do Tributo vamos aprender a calcular o INSS e o IRRF sobre uma folha de pagamento
  • Slide 5
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Iniciaremos os clculos trabalhistas com os dois principais descontos: o INSS e o IRRF.
  • Slide 6
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 INSS (INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL)
  • Slide 7
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A contribuio de cada segurado filiado ao INSS, inclusive domstico e o avulso, de 8%, 9% e 11% de acordo com o salrio de contribuio determinado pela previdncia social. O INSS incide sobre o salrio mais horas extras, adicional de insalubridade, periculosidade, noturno, dentre outros. Esse valor descontado na folha de pagamento.
  • Slide 8
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A contribuio de cada segurado filiado ao INSS, inclusive domstico e o avulso, de 8%, 9% e 11% de acordo com o salrio de contribuio determinado pela previdncia social.
  • Slide 9
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A contribuio de cada segurado filiado ao INSS, inclusive domstico e o avulso, de 8%, 9% e 11% de acordo com o salrio de contribuio determinado pela previdncia social. Estas so as ALQUOTAS
  • Slide 10
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 H um limite mximo para o desconto do INSS. Quando o empregado ganhar um valor superior ao teto (limite mximo), s se poder descontar-lhe do salrio o limite estabelecido.
  • Slide 11
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Vamos analisar a tabela do INSS
  • Slide 12
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 TABELA DO INSS - A PARTIR DE JANEIRO/2010 SALRIO DE CONTRIBUIOALQUOTA/INSS At 1.040,228,00% de 1.040,23 at 1.733,709,00% de 1.733,71 at 3.467,40 11,00% TETO: 3.467,40 x 11% = 381,41
  • Slide 13
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF
  • Slide 14
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 O Governo Federal apresenta a tabela anual e mensal do IRPF. Vamos trabalhar com a tabela mensal.
  • Slide 15
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A tributao do Imposto de Renda sobre os rendimentos do trabalho assalariado incide sobre os salrios, adicionais etc.
  • Slide 16
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 TABELA DO IRRF - 2010 Base de clculo mensal em R$ Alquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ At 1.499,15 isento - De 1.499,16 at 2.246,757,5112,43 De 2.246,76 at 2.995,7015280,94 De 2.995,71 at 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 Deduo por dependente = R$ 150,69
  • Slide 17
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 So dependentes para fins de Imposto de Renda:
  • Slide 18
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 TABELA DE RELAO DE DEPENDNCIA companheiro(a) com o qual o contribuinte tenha filho ou viva h mais de 5 anos ou cnjuge; filho(a) ou enteado(a) at 21 anos ou, em qualquer idade, quando incapacitado fsica e/ou mentalmente para o trabalho; filho(a) ou enteado(a) universitrio (a) ou cursando escola tcnica de 2o grau, at 24 anos de idade; irmo(), neto(a) ou bisneto(a) sem arrimo dos pais, do qual o contribuinte detm a guarda judicial, at 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado fsica e/ou mentalmente para o trabalho;
  • Slide 19
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 TABELA DE RELAO DE DEPENDNCIA irmo(), neto(a) ou bisneto(a) sem arrimo dos pais, com idade at 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou cursando escola tcnica de 2o grau, desde que o contribuinte tenha a guarda judicial;; pais, avs e bisavs que tenham rendimentos, tributveis ou no, at R$1.499,15 mensais; menor pobre, at 21 anos, que o contribuinte eduque e do qual detenha a guarda judicial; pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.
  • Slide 20
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Est dispensada a reteno de imposto de renda na fonte de valor igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais),
  • Slide 21
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Passos para o clculo do IRRF: achar a remunerao; Aqui seria nossa FATO GERADOR
  • Slide 22
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Fato Gerador Denomina-se fato gerador a concretizao da hiptese de incidncia tributria prevista em abstrato na lei, que gera (faz nascer) a obrigao tributria. Exemplos de fatos geradores: prestar servios = ISS; fazer circular mercadorias = ICMS; receber renda = IR
  • Slide 23
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 No CTN
  • Slide 24
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Art. 114. Fato gerador da obrigao principal a situao definida em lei como necessria e suficiente sua ocorrncia. Art. 115. Fato gerador da obrigao acessria qualquer situao que, na forma da legislao aplicvel, impe a prtica ou a absteno de ato que no configure obrigao principal. O CTN o define nos artigos 114 e 115:
  • Slide 25
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 a) Instantneo b) Peridico c) Complexivo d) Persistente O fato gerador da obrigao tributria pode ser:
  • Slide 26
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 instantneo = o que se concretiza em um nico ato. Exemplo: a venda de um imvel com pagamento a vista fato gerador do ITBI. Fato Gerador:
  • Slide 27
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 peridico = o que, embora possa ocorrer diariamente, a lei determina que o montante do tributo seja apurado em determinado perodo. Exemplo: ICMS (apurao mensal); PIS/COFINS (apurao mensal). Fato Gerador:
  • Slide 28
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 persistente = o constante, que no tem um prazo certo para sua concluso. Exemplo: fato gerador do ITR. A propriedade um direito permanente, exercido todos os dias, constantemente por seu titular. Para esse tipo de fato gerador, a lei deve criar um critrio artificial, ou seja, fixar uma data em que se considera ocorrido o fato gerador, para fins de clculo do tributo devido. Assim, a lei pode fixar a data de ocorrncia do fato gerador em 1 de janeiro de cada exerccio financeiro. O mesmo ocorre com o IPTU, IPVA. Fato Gerador:
  • Slide 29
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 complexivo = o que depende de uma srie de operaes para apurar a base de clculo e o montante do tributo devido. Exemplo: IRPF. Fato Gerador:
  • Slide 30
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Exemplo: Salrio ..R$ 2.500,00 Adic. Periculosidade..R$ 750,00 25 HEC (80%) R$ 664,77 RSR s/ HEC R$ 132,95 Total ..R$ 4.047,72 Remunerao: Fato Gerador
  • Slide 31
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Fato Gerador
  • Slide 32
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Passos para o clculo do IRRF: Fazer as dedues legais (INSS, Penso Alimentcia, dependentes) As faltas e/ou atrasos devero ser deduzidas diretamente da remunerao;
  • Slide 33
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010
  • Slide 34
  • TABELA DO INSS - A PARTIR DE JANEIRO/2010 SALRIO DE CONTRIBUIOALQUOTA/INSS At 1.040,228,00% de 1.040,23 at 1.733,709,00% de 1.733,71 at 3.467,40 11,00% TETO: 3.467,40 x 11% = 381,41
  • Slide 35
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010
  • Slide 36
  • TABELA DO IRRF - 2010 Base de clculo mensal em R$ Alquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ At 1.499,15 isento - De 1.499,16 at 2.246,757,5112,43 De 2.246,76 at 2.995,7015280,94 De 2.995,71 at 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 Deduo por dependente = R$ 150,69
  • Slide 37
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010
  • Slide 38
  • Passos para o clculo do IRRF: Fazer as dedues legais (INSS, Penso Alimentcia, dependentes) As faltas e/ou atrasos devero ser deduzidas diretamente da remunerao; do resultado encontrado, verificar a tabela de IR se o empregado estar isento ou no. Caso negativo, aplicar a alquota correspondente sua faixa;
  • Slide 39
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Base de Clculo o valor sobre o qual aplicada a alquota (percentual) para apurar o valor do tributo a pagar.
  • Slide 40
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Base de Clculo
  • Slide 41
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Base de Clculo o valor sobre o qual aplicada a alquota (percentual) para apurar o valor do tributo a pagar. A base de clculo deve ser definida em lei complementar (art. 146 CF/88).
  • Slide 42
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 No CTN
  • Slide 43
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Art. 146. Cabe lei complementar: I - dispor sobre conflitos de competncia, em matria tributria, entre a Unio, os Estados, o Distrito Federal e os Municpios; II - regular as limitaes constitucionais ao poder de tributar; III - estabelecer normas gerais em matria de legislao tributria, especialmente sobre: a) definio de tributos e de suas espcies, bem como, em relao aos impostos discriminados nesta Constituio, a dos respectivos fatos geradores, bases de clculo e contribuintes;
  • Slide 44
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Base de Clculo Sua alterao est sujeita aos princpios da legalidade, da anterioridade e da irretroatividade. Assim, a Lei Complementar deve definir com muita clareza, os critrios para determinao da base de clculo.
  • Slide 45
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Exemplos COFINS = faturamento mensal (art. 2 e 3 da Lei 9.718/98); IRPJ = lucro real (art. 247 do RIR Decreto 3.000/99).
  • Slide 46
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 O PRESIDENTE DA REPBLICA fao saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 Esta Lei aplica-se no mbito da legislao tributria federal, relativamente s contribuies para os Programas de Integrao Social e de Formao do Patrimnio do Servidor Pblico - PIS/PASEP e Contribuio para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS, de que tratam o art. 239 da Constituio e a Lei Complementar n 70, de 30 de dezembro de 1991, ao Imposto sobre a Renda e ao Imposto sobre Operaes de Crdito, Cmbio e Seguro, ou relativos a Ttulos ou Valores Mobilirios - IOF. CAPTULO I DA CONTRIBUIO PARA O PIS/PASEP E COFINS Art. 2 As contribuies para o PIS/PASEP e a COFINS, devidas pelas pessoas jurdicas de direito privado, sero calculadas com base no seu faturamento, observadas a legislao vigente e as alteraes introduzidas por esta Lei. (Vide art. 15 da Medida Provisria n 2.158-35, de 2001)(Vide art. 15 da Medida Provisria n 2.158-35, de 2001) Art. 3 O faturamento a que se refere o artigo anterior corresponde receita bruta da pessoa jurdica. (Vide art. 15 da Medida Provisria n 2.158-35, de 2001)(Vide art. 15 da Medida Provisria n 2.158-35, de 2001)
  • Slide 47
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Base de Clculo
  • Slide 48
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Alquota o percentual definido em lei que, aplicada sobre a base de clculo, determina o montante do tributo a ser pago. Sua alterao est sujeita ao princpio da legalidade, da irretroatividade e da anterioridade, com exceo, quanto a sua anterioridade, dos casos previstos na prpria Constituio. As alquotas se subdividem nas seguintes espcies:
  • Slide 49
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 a) alquota especfica consiste em um valor expresso em moeda, estabelecido pela lei, principalmente para aplicao de multas. No de boa tcnica, pois a moeda est sujeita a perda da capacidade aquisitiva causada pela inflao. Tem sido adotada, tambm, quantidade em moeda fiscal dos entes federados, atualizveis anualmente por ndice de inflao adotado em lei. Exemplo: UFEMG (2010 ser de R$ 1,9991 (um real, nove mil novecentos e noventa e um dcimos de milsimos), UFIR (extinta em Out/2000)
  • Slide 50
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 b) alquota ad valorem a base de clculo expressa em valor monetrio, sobre o qual se aplica um percentual fixado em lei para determinar o montante do tributo devido. Exemplo: IRPJ = 15% sobre o lucro real (art. 3 da lei 9.249/95); COFINS = 3% sobre faturamento (art. 8 da lei 9.718/98).
  • Slide 51
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 c) Alquota progressiva consiste na fixao de percentuais crescentes sobre cada faixa de valor. Exemplo: IRPF. As alquotas incidem sobre cada faixa de rendimento.
  • Slide 52
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 TABELA DO IRRF - 2010 Base de clculo mensal em R$ Alquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ At 1.499,15 isento - De 1.499,16 at 2.246,757,5112,43 De 2.246,76 at 2.995,7015280,94 De 2.995,71 at 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 Deduo por dependente = R$ 150,69
  • Slide 53
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010
  • Slide 54
  • TABELA DO IRRF - 2010 Base de clculo mensal em R$ Alquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ At 1.499,15 isento - De 1.499,16 at 2.246,757,5112,43 De 2.246,76 at 2.995,7015280,94 De 2.995,71 at 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 Deduo por dependente = R$ 150,69
  • Slide 55
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Alquot a Ad valorem
  • Slide 56
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010
  • Slide 57
  • Passos para o clculo do IRRF: depois de aplicar a alquota correspondente sua faixa, deduzir o valor conforme tabela; o resultado final ser o valor a ser recolhido/descontado do IRRF.
  • Slide 58
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 TABELA DO IRRF - 2010 Base de clculo mensal em R$ Alquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ At 1.499,15 isento - De 1.499,16 at 2.246,757,5112,43 De 2.246,76 at 2.995,7015280,94 De 2.995,71 at 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 Deduo por dependente = R$ 150,69
  • Slide 59
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010
  • Slide 60
  • Montante do tributo
  • Slide 61
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Montante do Tributo o resultado obtido pela aplicao da alquota sobre a base de clculo.
  • Slide 62
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Montante do tributo
  • Slide 63
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A lei pode determinar o pagamento de um imposto adicional, que incide sobre determinado valor que ela fixar, por exemplo: adicional do IRPJ de 10% do valor do lucro real que exceder a 20.000,00 mensal ( 3 do art. 542 do RIR) Adicional
  • Slide 64
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Assim como no lucro presumido a alquota usada para determinar o imposto devido de 15%. Alm disso, as empresas que apuram lucro real trimestral esto sujeitas a um adicional de 10% sobre a parcela do lucro trimestral que exceder R$ 60.000,00. J entre as empresas que apuram anualmente o lucro, essa mesma alquota aplicada sobre a parcela do lucro real que exceder R$ 240.000,00.
  • Slide 65
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Exemplo Prtico : A empresa X optante pela estimativa mensal (balano anual) apurou no ano-calendrio, lucro real no valor de R$ 500 000,00. O IRPJ devido no ano (do qual dever ser deduzido o valor pago por estimativa, ser assim determinado : Imposto normal ( R$ 500 000,00 x 15% ).......... R$ 75 000,00 Adicional (R$ 260 000,00 x 10%)........................ R$ 26 000,00 Total do IRPJ devido......................................... R$ 101.000,00
  • Slide 66
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Referncias ALEXANDRE, Ricardo. Direito tributrio esquematizado. 3 ed. So Paulo: Mtodo, 2009. BORBA, Cludio. Direito Tributrio. 19 Edio. Rio de Janeiro: Campus, 2006. FABRETTI, Ludio Camargo. FABRETTI, Dilene Ramos. Direito Tributrio para os Cursos de Administrao e Cincias Contbies. 5 Edio. So Paulo: Atlas, 2006.
  • Slide 67
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 Para encerrar.....
  • Slide 68
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A Formiga e o mundo corporativo Todos os dias, a formiga chegava cedinho ao escritrio e pegava duro no trabalho. Era produtiva e feliz.
  • Slide 69
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 O gerente marimbondo estranhou a formiga trabalhar sem superviso. Se ela era produtiva sem superviso, seria ainda mais se fosse supervisionada. E colocou uma barata, que preparava belssimos relatrios e tinha muita experincia, como supervisora.
  • Slide 70
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A primeira preocupao da barata foi a de padronizar o horrio de entrada e sada da formiga. Logo, a barata precisou de uma secretria para ajudar a preparar os relatrios e contratou tambm uma aranha para organizar os arquivos e controlar as ligaes telefnicas.
  • Slide 71
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 O marimbondo ficou encantado com os relatrios da barata e pediu tambm grficos com indicadores e anlise das tendncias que eram mostradas em reunies.
  • Slide 72
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A barata, ento, contratou uma mosca, e comprou um computador com impressora colorida. Logo, a formiga produtiva e feliz, comeou a se lamentar de toda aquela movimentao de papis e reunies! O marimbondo concluiu que era o momento de criar a funo de gestor para a rea onde a formiga produtiva e feliz, trabalhava.
  • Slide 73
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 O cargo foi dado a uma cigarra, que mandou colocar carpete no seu escritrio e comprar uma cadeira especial. A nova gestora cigarra logo precisou de um computador e de uma assistente (sua assistente na empresa anterior) para ajud-la a preparar um plano estratgico de melhorias e um controle do oramento para a rea onde trabalhava a formiga, que j no cantarolava mais e cada dia se tornava mais chateada.
  • Slide 74
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A cigarra, ento, convenceu o gerente marimbondo, que era preciso fazer um estudo de clima. Mas, o marimbondo, ao rever as cifras, se deu conta de que a unidade na qual a formiga trabalhava j no rendia como antes e contratou a coruja, uma prestigiada consultora, muito famosa, para que fizesse um diagnstico da situao.
  • Slide 75
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A coruja permaneceu trs meses nos escritrios e emitiu um volumoso relatrio, com vrios volumes que conclua: "h muita gente nesta empresa". E adivinha quem o marimbondo mandou demitir?
  • Slide 76
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 A formiga, claro, porque ela andava muito desmotivada e aborrecida. Tenho certeza que voc est pensando: "j vi esse filme em algum lugar!"
  • Slide 77
  • Nvea Regina Aureliano Cordeiro - [email protected] - 09/08/2010 At mais pessoal
  • Slide 78
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Para encerrar
  • Slide 79
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> O Ambiente Conta uma popular lenda do Oriente, que um jovem chegou beira de um osis, junto a um povoado e, aproximando-se de um velho, perguntou-lhe: - Que tipo de pessoas vive neste lugar?
  • Slide 80
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> - Que tipo de pessoas vive no lugar de onde voc vem? - perguntou por sua vez o ancio. -Oh! Um grupo de egostas e malvadas - replicou-lhe o rapaz. -Estou satisfeito por ter sado de l. E o velho replicou: - a mesma coisa voc haver de encontrar por aqui.
  • Slide 81
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> No mesmo dia, um outro jovem se acercou do osis para beber gua e vendo o ancio perguntou-lhe: - Que tipo de pessoas vive por aqui? O velho respondeu com a mesma pergunta: - Que tipo de pessoas vive no lugar de onde voc vem?
  • Slide 82
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> O rapaz respondeu: - Um magnfico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deix-las. - O mesmo encontrar por aqui - respondeu o ancio.
  • Slide 83
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho: - Como possvel dar respostas to diferentes mesma pergunta? Ao que o velho respondeu:
  • Slide 84
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> - Cada um carrega no seu corao o meio ambiente em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, no poder encontrar outra coisa por aqui. Aquele que encontrou amigos ali, tambm os encontrar aqui. Somos todos viajantes no tempo.
  • Slide 85
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> O futuro de cada um est escrito no seu prprio passado. Ou seja, cada um encontra na vida exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo.
  • Slide 86
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> O ambiente, o presente e o futuro somos ns que criamos e isso s depende de ns mesmos. Autor desconhecido
  • Slide 87
  • >>0 >>1 >> 2 >> 3 >> 4 >> At a prxima aula! Nvea Cordeiro